Resenha: A Rosa do Inverno (Patricia Cabot)

Postado em 10 outubro 2011


Título: A Rosa do Inverno
Autor: Patricia Cabot (Pseudônimo da Meg Cabot)
Editora: Essência (Selo Editora Planeta)
Páginas: 414
ISBN: 978-85-7665-365-3

Sinopse: Acostumado a conseguir qualquer mulher, Lord Edward Rawlings enlouquece com a sensualidade de Pegeen, que estava longe de ser a tia solteirona que ele havia imaginado. Mas Pegeen não está disposta a fazer mais concessões além de mudar-se, pelo bem de seu sobrinho, para a mansão dos Rawlings na Inglaterra. No entanto, ao chegar lá, ela logo percebe o risco que corre. Sempre movida pela razão, Pegeen sente que dessa vez seu coração está tomando as rédeas. Ela pode resistir ao dinheiro e ao status, mas conseguirá resistir a Edward? A Rosa do Inverno é um romance leve, com boa dose de romantismo, forte aroma de sensualidade e uma pitada de suspense. Fala de paixão arrebatadora e indevida, de destino e escolha. Mas, sobretudo, é uma história que acende o debate sobre a condição feminina, o papel, os desejos, os temores da mulher. Ao confrontar o instinto de se entregar a um homem e a decisão de manter a independência, a Patricia Cabot faz do livro um espelho dos dilemas femininos. 

­­­­­­­­­­­­­­­­­­­____________

Meg Cabot possui o dom da escrita, sua narrativa simples e bem-humorada é capaz de envolver os mais diversos tipos de leitor, cativando-os com a singularidade de suas histórias. Claro que em “A Rosa do Inverno” a situação não seria diferente, contudo, por ser um romance histórico (meu gênero literário preferido), criei muitas expectativas em torno desse livro, as quais, para o meu deleite, não só foram supridas, como também, superadas.
Unindo a maneira única da Meg escrever, com a beleza e encanto dos enredos históricos, “A Rosa do Inverno” é um romance arrebatador, capaz de nos fazer suspirar, chorar de emoção, rir, torcer por um final feliz e terminar a leitura com uma sensação deliciosa de plenitude.

Sob esse contexto a autora nos apresenta Pegeen, uma jovem de origem escocesa, bela e inteligente, que ao contrário das moças da época em que vive, não se importa com regras sociais e muito menos, como o regime de posses inglês, hierarquia que segundo ela, colabora diretamente para a concentração de renda e consequentemente, para a desigualdade social. Pegeen é uma mocinha que não está atrás de um casamento, o que ela realmente busca é o amor verdadeiro, sentimento que segundo ela, se não existir, transforma um relacionamento amoroso em uma teia de jogos de poder e subordinação.
Após a morte de seu pai, o antigo vigário de sua comunidade, Pegeen se tornou responsável por criar e educar seu sobrinho órfão Jeremy, jovem de quem ela cuidou desde pequeno. Entretanto, solteira e sem apoio financeiro, ela passou a depender da caridade da igreja para sobreviver, ajuda que os mantêm abrigados e alimentados, mas que não permiti nenhum tipo de luxo. A vida sofrida de Pegeen a tornou um mulher de personalidade forte, determinada, extremamente sincera e um tanto quanto teimosa, ela não é do tipo “donzela em perigo”, o que, desde o início da história, me fez simpatizar com ela.
“Por favor, Peggy. Não vamos nos rebaixar a xingamentos”. “Ora, não? (...) Tudo bem, então. Eu não vou chamar você de cadela depravada e sem coração”.
A vida de Pegeen muda quando Edward, tio inglês de Jeremy aparece em busca do garoto, que segundo ele, está na linha direta de sucessão de um ducado. Edward quer se livrar da responsabilidade de ser tornar um duque, por isso se empenha em encontrar e trazer para a Inglaterra o único filho (e verdadeiro herdeiro do ducado), de seu já falecido irmão mais velho. Porém Pegeen não planeja aceitar as imposições de Edward, e mesmo que pelo bem de Jeremy, aceite ir para a Inglaterra transformá-lo em um verdadeiro duque, fará de tudo para manter seu sobrinho distante da frieza da sociedade inglesa.
Não demora muito para Pegeen e Edward se encontrarem em um pé de guerra, eles raramente concordam com algo, o que dificulta a tomada de decisão com relação ao futuro de Jeremy. Além disso, suas brigas são regadas por muito mais do que o futuro do pequeno duque, a atração física que existe entre eles é inegável, o que assusta Pegeen, e mexe de forma calorosa com os ânimos do sedutor Edward. 
“E senti a paixão nos seu lábios, Pegeen. Você pode dar-se falsos ares virginais o quanto quiser (...) Mas nós dois sabemos que existe um fogo inegável entre nós”. 

Como Pegeen poderia resistir aos encantos de Edward sem se apaixonar? E como Edward poderia compreender o que realmente estava sentindo por Pegeen?. Como sabemos, muitas vezes o desejo surge acompanhado de um sentimento forte de posse, sentimento esse que pode acabar resultando nos mais belos casos de amor. Entretanto, o ponto central do livro não é a paixão que une Pegeen e Edward, mas sim, as mágoas que os afastam. A questão é descobrir se eles serão capazes de enfrentar seus medos para se entregar de corpo e alma, ao sentimento que os une.
“Foi quando os lábios dele começaram a deslizar por seu pescoço, de cima para baixo, que Pegeen soube que estava perdida”.
O que mais gostei na história foi dos caminhos inusitados que a trama toma, ao contrário dos romances de época que estamos acostumados a ler, Pegeen não é a heroína que ao descobrir que está apaixonada pelo homem errado, faz de tudo para conquistá-lo, para convencê-lo que eles devem ficar juntos, muito pelo contrário, ela se afasta, pois carrega na alma segredos do passado que a impedem de sonhar com a possibilidade de viver o amor que teima em crescer em seu coração. Para ser sincera, tinha momentos que não compreendia os motivos que a mantinham tão forte, tão decidida. Mas uma vez, a autora me surpreendeu com seus mistérios.
Também me encantei por Edward, {suspiros}, ele é um personagem tão contraditório, forte, decidido, mas ao mesmo tempo tão volátil e apaixonante, ele amadure ao longo da história de uma forma incrível, e mais uma vez, contrariando os romances históricos que já li, é o primeiro a decidir deixar cicatrizar as feridas de seu coração.  
“Como poderia ter imaginado que, por baixo da fachada pudica de Pegeen MacDougal, havia uma sensualidade tão forte? Os olhos dela estavam meio fechados pelo desejo, os lábios abertos ao beijo selvagem dele? Edward não tinha a menor ideia de como pressentira isso. Só sabia que desejava aquela mulher mais do nenhuma outra na vida.”

Fonte da Imagem

Com uma trama regada a ciúme, medo, mágoas do passado, segredos familiares, paixão e muito bom humor, Meg Cabot nos faz sonhar acordados com a beleza e a paixão de sua história.

Se você gosta de romances históricos, não pode deixar de ler A Rosa do inverto, tenho certeza que assim como eu, você vai se encantar com a magnitude desse livro.


Comente com o Facebook:

17 comentários:

  1. Nossa, Pah!
    Eu fiquei encantada com a capa desse livro, muito lindo!!
    Fiquei com muita vontade de ler este livro e tbm eu adoro romances históricos e outra que eu amo a Meg, então ta tudo certo!!
    Bem, vc me covenceu, eu quero este livro logo na minha estante!!!
    bjinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. INFELIZMENTE AINDA Ñ TIVE OPORTUNIDADE DE LER NENHUM LIVRO DA MEG, MAS TENHO MUUUUUUITA VONTADE DE LER, SEMPRE VEJO CRÍTICAS BASTANTE POSITIVAS E RESENHAS QUE, COMO A SUA, SEMPRE ME DEIXAM MAIS CURIOSA AINDA!!! PRECISO DE UMA DOSE DE MEG JÁ!!!! RSRSRS

    BJINHOS!

    Swan
    @swannx
    Bem pra Mente

    ResponderExcluir
  3. Não leio muito as resenhas, ou pelo menos não toda ela para poder me surpreender ao máximo.

    Só isso aqui já me basta para querer ler ;) "é um romance arrebatador, capaz de nos fazer suspirar, chorar de emoção, rir, torcer por um final feliz e terminar a leitura com uma sensação deliciosa de plenitude."

    uma ótima semana

    ResponderExcluir
  4. já li esse livro faz um bom tempo
    não esperava muita coisa já que sempre vi a Meg como uma escritora voltada para o público teen
    mas me surpreeendi e me apaixonei pela história (que por sinal é bem quente!) e pelo Edward apesar de algumas vezes ter vontade de dá uns tapas pra ele deixar de ser arrogante

    ResponderExcluir
  5. Olá...

    Venho dar uma passadinha pra saber das novidades (que eu adoro ler) e deixar meu comentário aqui, juntamente venho encomodar um pouquinho você também.

    Sobre seu post: Adoro essa capa acho ela linda de mais, tenho curiosidade na leitura e depois desta resenha a vonta almentou muito em relação a ler ele.

    Criei um meme semanal e se você gostar da idéia, eu irei adorar sua participação nele.
    A idéia é conhecer um pouco mais dos desejos dos blogueiros e fazer novas amizades.

    Meme~> anime-daiki.blogspot.com/2011/10/essa-semana-desejo1.html

    Aproveite e de uma espiadinha nas promoções que estão rolando no blog, se tiver alguma que você gosta participe!

    Beijos e desculpe o encomodosinho!
    @AngelKiller_
    Blog: anime-daiki.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Gostei da resenha. Ainda não li nada da Patricia nem da Meg acredita? :/

    ResponderExcluir
  7. Pah, eu amo o livro e amei sua resenha!
    O livro é mesmo apaixonante e surpreendente, impossível não se cativar pela história!
    Amo os personagens exatamente pela força que fazem pra se manterem separados!
    Quero ler tudo da Meg como Patricia!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  8. Esse e um dos meus preferidos de Patricia Cabot.para falar a verdade e o meu preferido até o momento,e muito bom quando vc pensa que acabou vc tem um surpresa.

    ResponderExcluir
  9. "o Agora que eu descobro que esse livro é da diva! Nunca tinha reparado nele direito !E por causa da sua resenha me deu agua na boca ! Eu quero ler pah e agora ?

    ResponderExcluir
  10. Meg é Meg... Apaixonante e engraçado...
    Esse é um dos livros hot dela néh? Deu para perceber pelos quotes...
    A resenha ficou muito boa!
    Beijosss
    Bianca,
    Book Mania
    http://bookmaniablog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. A-M-O esse livro, tava relendo ele esses dias! Gostaria muito de ter ele sabe, mas ta sempre tão caro ):

    Sua resenha ficou perfeita, nossa, estas de parabéns!

    Beijos.

    Marcella Jordanna - Letras de Chá
    http://letrasdecha.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Olá, Pah! Como vai?
    Não sou uma grande fã da Meg Cabot, mas tenho curiosidade em conhecer sua escrita num contexto mais adulto, ainda mais tratando-se de um romance histórico.
    Gosto de protagonistas como Pegeen, fortes e determinadas, moças à frente de seu tempo e creio que seja realmente difícil resistir a um mocinho tão cobiçado como esse hahaha
    Sua resenha foi escrita com tanta paixão que é impossível não nos sentirmos afetados :)

    E ahhh, antes que eu me esqueça, estou tentando contactar as outras meninas de que o resultado da promo sai hoje...

    Beijinhos,
    Ana - Na Parede do Quarto

    ResponderExcluir
  13. Olá, Pah!!
    Sua resenha me deixou ainda mais curiosa a respeito deste histórico escrito pela sempre DIVA Meg Cabot! Eu já li Liberte meu coração e gostei muito dele por se tratar de Romance Histórico mais voltado ao público adulto. Gosto das passagens calientes no livro e esse me pareceu ser tão hot quanto, né? rs
    Assim como a Ana também aprecio muito as protagonistas que tem personalidade e que estão bem à frente do seu tempo, por isso que eu mal vejo a hora de tê-lo em mãos!
    Bjos.

    Mariana Ribeiro
    Confissões Literárias.

    ResponderExcluir
  14. Oi Pah!

    Eu adoro os livros da Meg, ainda não li nenhum como Patricia Cabot, mas esse livro com certeza está na minha lista!

    Ontem chegou o livro que vc me mandou! ADOREI, estou louuuuca pra ler, depois te conto o que achei! Muito obrigada!! E amei seus marcadores, são lindos!!

    Bjus
    Gisele
    Dicas da Gi

    ResponderExcluir
  15. Oi Pah,

    Primeiro de tudo tenho que dizer; estava procurando os livros que a Meg havia feito com o pseudonimo de Patricia e quando me deparei com esse fiquei em duvida (quem sou pra duvidar da Meg né? =S' rs) e seu blog foi o primeiro em que pensei então vim aqui procurar nos arquivos a sua resenha e...
    Pronto! Eu QUERO o livro! rs' *----------*

    Sabe Pah, é disso que mais gosto nas suas resenhas, o modo como você fala claramente o que sentiu e mesmo sem eu ter lido o livro, me faz sentir também.

    Parabéns Pah, ;)

    ~> Beijusss...;*

    ResponderExcluir
  16. só sua pela resenha, já fiquei encantada com o livro... vou comprar logo o meu...

    ResponderExcluir
  17. Tive o prazer de ler a Dama da Ilha e tinha horas que eu me via rindo sozinha das peripécias dos protagonistas. Delicioso! Comprei por acaso em um sebo em que sou cadastrada. Queria mudar um pouco de literatura e ler algo mais light e me deparei com Patricia Cabot. Lógioco que fiquei meio ansiosa com medo do livro não ser bom mas foi maravilhoso! Acabei de comprar A Rosa do Inverno em um sebo e não vejo a hora de recebê-lo.

    ResponderExcluir