[Resenha] A Carícia do Vento - Janet Dailey

Sinopse: Um ódio transformado em paixão arrebatadora é a tônica deste romance previsível, porém fascinante, sobre a história de uma bela milionária americana que se envolve com um líder de guerrilheiros no México. Impulsiva, mimada e apaixonada, a bela milionária Sheila Rogers, que vivia em Austin, no Texas, contraria as expectativas de seus pais e foge para Juárez, no México, com Brad Townsend, um homem bonito, envolvente, mas que nada mais era senão um caça-dotes. A lua de mel do casal converte-se num verdadeiro inferno quando seu marido é brutalmente assassinado e ela é sequestrada e levada, aparentemente por um bando de pistoleiros, para um refúgio nas montanhas. É ali que Sheila conhece Ráfaga, homem corajoso e idealista, que, como nas histórias de Robin Hood, encarna a esperança de milhões de pessoas oprimidas, acostumadas a viver sem comida, sem justiça e à mercê da vontade das autoridades locais. Logo, o ódio se transforma numa paixão arrebatadora e a rejeição inicial, num amor intenso e febril.
Círculo do Livro - 366 Páginas - Skoob - Compare & Compre
______
Depois de ler e ouvir inúmeros comentários positivos sobre a narrativa da autora Janet Dailey fiquei extremamente curiosa para conhecer seu trabalho, sendo assim, na primeira oportunidade que tive parei com minhas leituras atuais para ler o livro “A carícia do vento”, obra de estreia da autora, um romance contemporâneo reconhecido mundialmente por sua trama envolvente e sedutora, que de forma abrangente tem como tema principal a síndrome de Estocolmo.
Assim que iniciei a leitura de tal obra me vi capturada pela força dos sentimentos retratados, a autora escreve de uma forma favorável ao envolvimento do leitor, que se perde diante dos conflitos de emoções desenvolvidos na trama. A amplitude do livro é tamanha que podemos avaliá-lo de diversas formas. Meu lado blogueira, me fez pesquisar mais sobre tal publicação, imaginei o impacto da obra em 1979, ano em que foi inicialmente lançada no Brasil, me perguntei como as leitoras da época receberam o livro, um romance intenso, cativante e extremamente sensual, em que a paixão carnal se funde com o amor em uma explosão de cenas marcantes. Indo além, passei a enxergar a repercussão da obra diante desse gênero literário, de princípio, exclusivamente voltado para o publico feminino, marcado até mesmo, por um preconceito sem tamanho com relação ao conteúdo simplório dessas tramas, e então conclui que esse romance é como um dos meus romances de banca preferidos, é forte, envolvente, apaixonante e ao mesmo tempo, ingênuo em sua visão romancista da vida. As semelhanças são tantas que, por aqui ele também foi lançado no formato de romance de banca, fato que me fez pesquisar mais e descobrir que a autora possui outros livros publicados no Brasil nesse mesmo formato literário.
O livro também despertou em mim a leitora apaixonada por romances, aquela parte que todos temos espiritualmente romântica, que se derrete com histórias de amor que nascem sob as piores circunstâncias e que sobrevivem aos altos e baixos da vida. Sob esse ponto de vista, vejo em Sheila Rogers uma jovem forte que em um cenário rústico e perigoso, distante da civilização a qual ela está acostumada, se encontra nas mãos de um bando de pistoleiros. Como prisioneira, ela é inserida em uma nova terra, local onde as regras sociais as quais está acostumada não possuem valor algum. Nesse meio tempo, ela amadurece, cria novos valores e encontra onde menos espera um grande amor.
O enlace amoroso é rico em altos e baixos, não encontramos uma trama fácil ou dócil - Sheila encontra seu verdadeiro amor? Talvez, mas isso não ocorre de forma repentina ou simples, mesmo o romance seguindo por trilhos previsíveis. Preciso salientar que Ráfaga, o grande nome masculino da obra é misterioso o suficiente para criar em quem lê um sentimento platônico de amor e raiva, sentimentos que como já sabemos, caminham paralelamente. Além de romance, a trama também é repleta de ação e mais uma vez, Ráfaga tem um papel decisivo nessa parte da história, enchendo-a de força e magnitude. Avaliando o livro com o coração ansioso por um belo romance, me deliciei com a obra, me envolvendo com os personagens e suas lutas internas, me emocionei, me apaixonei e suspirei com a força que Sheila e Ráfaga nutrem.
Por fim, pelo último ponto de vista, avaliei a escrita da autora como um todo: sua repercussão, a destreza com que ela aborda o romance, os aspectos históricos inseridos na obra, e claro, a leveza da paixão narrada. Sabe aqueles romances açucarados, e até em certo ponto improváveis, que tanto gostamos? Pois bem, A carícia do vento se enquadra nessa classe, em que o romance supera a lógica da história. E daí se ela se apaixonou pelo homem que a sequestrou? Homem que a principio, pareceu a distanciar de tudo o que ela mais amava? O amor da trama supera tais aspectos, e esse é o ponto chave do livro, o romance é tão intenso que mesmo quando somos guiados pela razão, acabamos por acreditar nele. Sendo assim, só me resta indicar a obra a todos os apaixonados por romance, não tenho dívidas que vocês se deliciarão com tal história.
Capas:
  

Quotes preferidos:
“Ela deu uma breve risada, olhando para ele bem a tempo de ver um leve sorriso tocar a dureza da sua boca. O pulso se acelerou ao ver o modo como o sorriso mudava as feições ásperas. Sheila se deu conta do quanto ficara descontraída com ele, e se enrijeceu imediatamente, tirando o braço da mão que a segurava levemente. Como é que poderia acha-lo tão encantador?”
“- Se tivesse que fazer tudo de novo, ainda faria a mesma escolha?  - Quien sabe? A vida não permite que se volte atrás nos caminhos, nem que se mude de direção. O hoje pode mudar o amanha, mas não o ontem.”
“Naquele momento, senti um desejo como nunca senti antes. Pensei em satisfazê-lo, possuindo-a. Mas possuí-la uma vez era como beber água do mar. Descobri que tinha que ter mais do que o seu corpo. Queria o seu pensamento, coração e alma.”


19 comentários:

  1. Que lindo , adorei a resenha ...

    ResponderExcluir
  2. Achei a história interessante, apesar de ter ficado com um pé atrás quando tu falou de ele ser açucarado..
    hehehhe

    Mas mesmo assim, acho que irei me aventurar por essas páginas...
    Só não curti as capas..
    hehehehe

    Att. Lika
    www.fernandameireles.com

    ResponderExcluir
  3. Amo esse livro. Esta na lista dos melhores que já li.
    Ja li outros desa autora..mas nenhum se cmara a este.
    A ultima passagem do livro..tbm eh emocinante.

    ResponderExcluir
  4. Adoro esse livro. Li faz tempo.
    Já li outros livros da autora e gostei.

    Beijos,

    Carissa
    http://artearoundtheworld.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Não li o livro, mas eu me apaixonei foi pela resenha. Sim, e daí que ela se apaixonou?! Todas nos apaixonamos por histórias de amor improváveis.

    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá flor, esse tipo de livro não estou acostumada a ler... Vou deixar a página aberta para eu ler mais tarde. E Não esquecer.
    Baby lhe enviei um e-mail com os dados do sorteio em grupo.
    Abraços. Mar
    www.imaginayre.com.br

    ResponderExcluir
  7. Nossa, o livro deve ser realmente lindo, mesmo sendo "açucarado" vou procurar para ler, mas vai demorar ainda, tenho tantos livros na frente!
    Mas já está na minha lista de "vou ler".
    Ótima resenha, bjs.
    http://viajantedasletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Eu li esse livro bem nova e até hoje é um dos meus favoritos, embora romance não seja o meu tipo literário predileto.
    E se você gostou desse não pode deixar de ler "Amante Indócil". De verdade não sei escolher qual dos dois é melhor.

    ResponderExcluir
  9. Gêmea, a primeira vez que eu li esse livro eu tinha uns 15 anos e eu fiquei um tanto quanto surpresa com ele por causa das cenas bem sensuais.
    De qualquer forma, eu lembro que me envolvi ao extremo com a história, chorei que nem bebê na cena do castigo, lembro de sentir em mim a dor do Ráfaga em estar dividido pelo dever e pelo amor.
    É um livro muito bom mesmo e eu nem sabia que existia em formato de banca! O meu é livro mesmo, em capa dura ;)
    Beijão!

    ResponderExcluir
  10. Esse livro eu tenho ele em formato de banca,é a segunda foto com a capa branca.Muito linda a história.Eu sempre me apaixono pelos personagens e o Rafaga é um deles.
    Pretendo ler mais livros da Janet,as histórias dela parece ser o tipo de romance q eu gosto.

    ResponderExcluir
  11. O romance é lindo! Já li 3 vezes: a primeira vez foi aos 15 anos,e me surpreendi ao saber que hoje, aos 39, ainda consigo me emocionar e me excitar com a estória. Ráfaga é extremanente sedutor,a personificação do homem que a maioria de nós mulheres sonhamos.Cavalheiro,másculo,bonito,sensual e apaixonado.Tem momentos em que dá muita raiva dele,mas ele sabe como compensar com outros de muita sedução.E Sheila é como se fosse eu,como se fôssemos nós,pois eu agiria da mesma maneira que ela,com toda certeza!Parabéns,Janet Dailey!

    ResponderExcluir
  12. Li umas 03 vezes esse livro, sempre me emocionando. Uma parte do livro que marcou foi quando ela engravidou que ele diz que já sabia pela silhueta do corpo dela... lindo demais. Esse fato aconteceu com meu irmão, minha cunhada qdo ficou gravida ele saiu falando para todos mesmo antes dela confirmar, dizia ele que o corpo dela havia mudado.. coisa de homem pra lá de apaixonado.

    ResponderExcluir
  13. lindo, lindo,p mim o melhor romance q já li .....chorei d + na parte do castigo.Um livro emocionante e q prende a gente ......>a sena q descreve ela sentada em frente a lareira depois d + uma fuga fracassada e ela pensa q o Rafaga esta olhando para o fogo ,depois percebe q é pra ela !!! uau .....gente !!! falando serio ,ñ dá p escolher só uma parte do livro ....o livro todo é perfeito

    ResponderExcluir
  14. Eu não conhecia a obra, mas a encontrei na biblioteca na sexta-feira. Li rapidamente a primeira página e gostei. Concluí a leitura no sábado e adorei.
    Os seus comentários a respeito de "A carícia do vento" são perfeitos. Parabéns.

    Abraço.

    Elda.
    Blog Arte da Elda

    ResponderExcluir
  15. Ei qer dizer q o final do livro acaba o Rafaga atirando p poder salvar os outros enquanto ela corre p ele e esse o final mesmo? Alguem pode me esclarecer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, tudo bem? Já faz tempo que li esse romance, então não me recordo bem do final. Mas lembro que tem um tiquinho de romance, não lembro mesmo se o final é assim :/

      Excluir
  16. Esse livro é perfeito, amo demais. Muitos não gostam por ser de banca e tal mais eu simplismente o acho perfeito. Ráfaga é vida. Bem que podiam fazer uma adaptação né??? Séria o máximo.

    http://ventoliterario.blogspot.com.br/2015/01/o-vento-me-disse-01-caricia-do-vento.html?m=1

    ResponderExcluir
  17. AMEI ESSE LIVRO SE PUDESSE LERIA SEMPRE GOSTO DE EMOÇOES LINDO DEMAIS

    ResponderExcluir
  18. EU AMO ESSE LIVRO. TEM UMA PARTE, QUASE NO FIM FINAL DO LIVRO QUE EU GOSTO MUITO. QUEM LEU VAI SABER.

    ResponderExcluir