[Resenha] Calafrio - Lobos de Mercy Falls, de Maggie Stiefvater

Sinopse: Quando chega o inverno, Grace é atraída pela presença familiar dos lobos que vivem no bosque atrás de sua casa. Ela espera ansiosamente pelo frio desde que fitou pela primeira vez os profundos olhos amarelos de um dos lobos e sobreviveu ao ataque de uma alcatéia. Esses mesmos olhos brilhantes ela encontraria mais tarde em Sam, um rapaz que cresceu vivendo duas vidas: uma normal, sob o sol, e outra no inverno, quando vestia a pele do animal feroz que, certa vez, encontrou aquela garota sem medo. Tudo o que Sam deseja é que Grace o reconheça em sua forma humana, e para isso bastaria que trocassem um único olhar. Mas o tempo de Sam está acabando. Ele não sabe até quando manterá a dupla aparência e quando se tornará um lobo para sempre. Enquanto buscam uma maneira para torná-lo humano para sempre, têm de enfrentar a incompreensão da cidade, que vê nos lobos um perigo a ser combatido. Primeiro livro da série Os Lobos de Mercy Falls, Calafrio é a história de dois jovens que aceitam correr todos os riscos pelo amor, até mesmo o de deixarem de ser quem são. 
348 Páginas || Editora Agir || Skoob || Compare & Compre || Resenha da Kamila Mendes
Era talvez o dia mais frio do ano quando Grace fora arrastada do seu balanço. Faminto, o lobo a arrastara até o interior da floresta onde começou a mastigar sua carne. Não demorou até que outros se juntassem. A menina não gritava, não se movia. Em choque apenas olhava os focinhos sujos de sangue até que um dos animais se aproximou o suficiente para que pudessem ver seus olhos. Imersa na dor, Grace fixou os grandes olhos amarelos e não se lembrou de mais nada.

É com essa lembrança que a adolescente Grace vive todos os dias. Ao contrário de qualquer outra vítima de ataque animal, a jovem nunca temeu a floresta, ou os lobos. Pelo contrário, seu fascínio pelos animais cresceu em proporções assustadoras, a ponto de esperar pelo Natal ardentemente. Sim, Grace é um enigma da natureza.
Estranhamente, após o ataque na floresta, o lobo de olhos amarelos passou a observar a menina. A medida que crescia, Grace ansiava pela visita do lobo no inverno e passou a perceber que, a cada ano, via algo de extremamente humano naquele olhar animal.
Sam era um rapaz melancólico que nega sua natureza. Com veia artística, o sonho do garoto é ter uma vida normal. Com toda sua força o jovem luta contra o seu destino, até que um dia o destino o coloca na floresta diante de uma alcateia se alimentando de uma garota ainda viva. Desde aquele dia, quando chega o frio, o lobo atravessa a floresta e observa atentamente a menina, em busca de um sinal, de uma esperança e sem saber, de um amor.
Esse é o plano de fundo de Calafrio. Mas não se engane com a premissa de lobos que viram gente e que se apaixonam. Não estamos falando de um romance comum com cobertura de açúcar derretido. Grace não é uma heroína comum, frágil, dependente e tola. Sam não é o mocinho usual. Ele não aparece para salvar o dia. Não usa uma capa invisível de Super-homem, ou aceita seu destino de forma resignada. Ao contrário disso.
‘Os olhos são a única coisa que pode entregar que um dia fora humano’
Poderia passar horas descrevendo esse livro, sendo fã do gênero fantasia como sou. Mas prefiro deixar a impressão que tive. Não vou fazer como tantos outros fizeram: me recuso a usar Calafrio para julgar o trabalho de Stephenie Meyer com os lobos de Crepúsculo. Pelo contrário. Vou apenas mostrar como amo essa história.
Calafrio ganha forma quando um jovem, filho de uma família influente da região, some misteriosamente e o corpo de polícia decreta que ele teria sido vítima dos lobos. Instaneamente, Grace vira o foco da cidade. Fora ela a menina sobrevivente do ataque de seis anos atrás. O pai do rapaz desaparecido instiga os caçadores da cidade a entrarem na floresta para por um fim a ameaça dos lobos.
Desesperada, Grace corre para proteger seus lobos. Ao chegar em casa, se depara com um rapaz nu coberto de sangue, encolhido na varanda de sua casa. A jovem se aproxima e percebe que o sangue vem de um ferimento a bala na nuca do rapaz. Assustada a menina pergunta o nome do jovem e quando ele se vira para responder, Grace entra em choque ao observar que o pedido de socorro vem dos mesmos olhos amarelos que um dia salvaram sua vida.
Ao ser mordida, Grace deveria ter passado pelo processo de transformação assim que o primeiro sinal de inverno se aproximasse. Mas a menina permaneceu a mesma. Sam vê em Grace uma esperança de permanecer humano. Grace vê no jovem a esperança de sair de sua vida monótona e, enfim, se unir ao seu tão amado lobo. O romance se desenrola a um ponto em que ambos devem escolher entre permanecer quem são, ou lutar contra a natureza para ficarem juntos.
A narrativa alternada entre os personagens é um ponto que também encanta, além do romance impossível. A história é contada através da ótica simples, dinâmica e prática de Grace e por intermédio do olhar romântico, fatídico e melancólico de Sam. Mas não presuma que o rapaz é mais um personagem emo entre tantos. Não, Sam cativa literalmente pelo olhar.
De forma sutil e simples, sem arroubos descritivos ou devaneios fantasiosos, Maggie Stiefvater nos introduz no cruel mundo dos lobos que se transformam em gente. Sim, num determinado ponto, já não são mais humanos que se transformam em lobos, mas o animal que cede espaço para as memórias e sensações humanas. Maggie brinca com nosso senso de fantasia e realidade ao mesclar ambas em um ambiente calmo e bucólico.
Enfim, uma leitura recomendada para quem ama as fantasias voltadas para o público jovem e para quem ama a dualidade homem/animal, assim como eu. Li, reli. Indico, recomendo e sou mais uma apaixonada pelo Sam, dono dos mais belos olhos amarelos (futuro alvo de um artigo).
Capas pelo Mundo:

  

  




13 comentários:

  1. Olá!
    Que resenha linda, hum? Parabéns!
    Não sou fã dos lobinhos (desde antes de Creps), mas o livro parece ser muito bom mesmo. Pena que não sou atraída pelo tema.

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. P.S.: AMO capas de livros. Só gostei das capas com os galhos e folhas em formato de coração! *-*

      Excluir
  2. É a primeira vez que vejo o livro, e o fascínio que a leitura te despertou, deu para notar em suas palavras, com certeza é um livro intenso, emocionante *-*

    Bjs

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  3. eu sou louco pra ler essa série , quem sabe eu o ache baratinho na bienal , adorei a resenha pah!

    ResponderExcluir
  4. Oiie,

    Necessito desta série. Só vejo comentários mega positivos a respeito da Maggie, mas, tenho um pouco de receio porque muitas vezes vou com expectativas tão altas que acabo me decepcionando. Espero gostar muuuuuuito desse livro.

    Beijos

    Amigas entre Livros

    ResponderExcluir
  5. O livro tem um enredo super instigante, fiquei com muita vontade de ler.

    Beijos, :)

    Caderno de Resenhas

    ResponderExcluir
  6. Oi Kamila!
    Começou muito bem sua estreia aqui ^^
    Não sou lá muito fã de fantasia, mas pretendo ler esse livro esse mês porque ele será o livro base do Virando a Página, o clube do livro de São Paulo que sempre vou!
    Você realmente parece ser apaixonada pela história e, mesmo sem eu ter lido, já gostei de você não tê-la comparado com Crepúsculo. Eu adoro Crepúsculo, mas não gosto quando fazem comparações. Acho que cada autor tem direito de recriar as "raças" em suas histórias e acaba sendo inútil comparar lobos de Stephenie com os de Maggie, por exemplo!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Estou atrás desse livro a bastante tempo!
    Só leio coisas boas sobre ele.. Tenho que ler!
    Parabéns pela resenha!
    Beijinhos!

    Camila.
    loucuradelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi, :)

    Bom, assim que o livro foi lançado, eu fiquei instantaneamente com vontade de ler. Sou apaixonada por fantasia então todo o mundo sobrenatural me encanta *-* Mas, lendo algumas resenhas eu encontrei críticas tão duras a cerca não só da maneira que o livro foi escrito, mas também sobre os personagens. Engraçado, agora que acabo de ler sua resenha não posso evitar novamente ter esperança rsrs'

    Vou dar uma chance a esse livro; gosto disso de "lutar contra sua própria natureza tentando ser...bom :)" Sua resenha abriu minha mente rs'

    ~> Beijusss Pah...;*

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pela resenha, ficou ótima, fiquei super curiosa em ler...!

    ResponderExcluir
  10. Alguém sabe me informa onde a historia se passa? o local que ela acontece?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não sei te dizer o local exato em que Mercy Falls fica, mas pelas descrições tirei a conclusão que é nos EUA, pois no local faz frio e calor e a cidade de Sam fica próxima a cidade de Grace e em um momento no livro fala que a cidade de Sam é quase na fronteira do Canada.

      Excluir
    2. Mercy Falls fica em Minnesota, nos EUA

      Excluir