[Resenha] A mulher do viajante do tempo - Audrey Niffenegger

Sinopse: Henry sofre de um distúrbio genético raro. De tempos em tempos, seu relógio biológico dá uma guinada para frente ou para trás, e ele se vê viajando no tempo, levado a momentos emocionalmente importantes de sua vida tanto no passado quanto no futuro. Causados por acontecimentos estressantes, os deslocamentos são imprevisíveis e Henry é incapaz de controlá-los. A cada viagem, ele tem uma idade diferente e precisa se readaptar mais uma vez à própria vida. E Clare, para quem o tempo passa normalmente, tem de aprender a conviver com a ausência de Henry e com o caráter inusitado de sua relação.
496 Páginas || Editora Suma de Letras || Skoob || Compare & Compre || Resenha da Kamila Mendes || Classificação: 5/5
Você já imaginou conhecer o homem dos seus sonhos, aquele que passará a vida ao seu lado, ainda na infância? Se você tivesse em mãos um caderno contendo todas as datas e horas em que irão se encontrar? E se ele tivesse um problema genético que o impede de permanecer muito tempo no presente e que isso fosse acabando com a saúde dele aos poucos, o que você faria? Qual seria sua escolha, ficar e viver esse amor, ou deixá-lo ir?
"Bom, seja lá quem você for, estou aqui agora. Você pode ser o passado de Henry, mas sou seu futuro." (Pg. 27)
“A mulher do Viajante do tempo” foi o primeiro romance que eu li. Mas porque justamente agora me senti pronta para resenhá-lo? Bem, porque só agora me dei conta que não se trata de um conto de fadas, mas sim de um romance com bases reais firmadas na fantasia. Complexo, não é?!
O livro aborda o romance através dos olhos de Henry, um rapaz que aos cinco anos de idade descobriu que possuí uma condição genética que lhe permite viajar entre o presente, o passado e o futuro, sempre em momentos e situações que envolvam seus entes queridos, mesmo que eles ainda não se conheçam. Henry não tem controle sobre como, quando e para onde irá viajar. Os pulos, como ele chama, ocorrem sem que ele espere, sempre em momentos de estresse e pressão, contudo com o passar do tempo tais saltos vão ficando tão frequentes que qualquer emoção mais forte o faz viajar. Além da perca do controle de sua própria história, tais viagens no tempo também deterioram a saúde de Henry.

Em um desses pulos, ele conhece Clare, nossa outra protagonista, que empresta seu ‘nome’ ao título da obra. Clare é uma criança quando conhece o estranho que se tornará alvo de sua ambição, amor e dúvidas. A menina é valente e sonhadora e mantém seus encontros com Henry escondidos de sua família. Com o tempo, a garota passa a perceber que cada vez que Henry aparece ele está com uma aparência diferente; algumas vezes mais maduro, com cabelos grisalhos, marcas de expressão e uma sabedoria discreta no falar, outras vezes, ele aparece jovem, com cabelos negros e com um espírito impulsivo, mas sempre cuidadoso com aquela que será sua esposa. Henry nunca conta como eles irão se encontrar, namorar e casar. Apenas lhe conta que ela será sua esposa. Clare passa seus dias sonhando e esperando por esse acontecimento. À medida que a menina cresce ela tem seu amado presente nos momentos mais importantes de sua vida (infância, adolescência e início da vida adulta). Juntos eles descobrem as alegrias e dores do amor, reunindo forças para enfrentar a condição genética de Henry.
A mulher do viajante no tempo é um desafio de leitura. Você fica confusa com as viagens assim como Henry, presencia os primeiros medos do menino e entende como ele aprende a lidar com sua condição. Com Clare aprende-se o desafio de amar alguém diferente, sonho sobre o qual se fantasiou a vida inteira. A leitura é fluente e gostosa. Audrey nos faz acompanhar as trajetórias desses amantes até o momento em que estamos vivenciando o futuro, passado e presente de Henry. Momentos em que o vimos saltar no princípio do livro e que apenas no meio da história entendemos o que aconteceu com aquele pulo no tempo. Como escritora, me encanta a forma como a autora criou tal contexto, história e personagens. A construção do livro é primorosa, o romance é encantador e os sentimentos são reais.
Henry é cativante, mesmo em sua forma jovem e desleixada. Clare é brava e sonhadora e por vezes irritante em sua tentativa de moldar Henry ao rapaz de sua infância. Vivi as lutas de ambos para aprenderem a lidar com a condição de Henry. Sorri com suas conquistas. Chorei com suas dores.
Achei um pouco brusca a mudança de linguagem, principalmente quando se trata de Clare. Ora a linguagem é infantil e quase boba, ora é adulta demais ao ponto de ser vulgar. Mas nada que atrapalhe a fluidez do texto e da história. Penso até que ela foi ousada e crua ao usar alguns termos ‘pesados’. Dou cinco estrelas para ‘A Mulher do Viajante no tempo’, sem o menor arrependimento.
O livro ganhou uma versão para a telona com o nome de ‘Te Amarei para sempre’, com Eric Bana interpretando Henry (apaixonante) e Rachel McAdams como Clare (ela incorporou perfeitamente a ruivinha apaixonante e irritante... rsrsrssr). Confira o link do trailer AQUI.
Capas pelo Mundo:
  



20 comentários:

  1. ahhhhh, sabia que eu já tinha visto esta história em algum lugar! :P
    eu assisti o filme! hahaha
    já tinha visto esta capa (linda de morrer) e não havia parado para ler a sinopse, mas agora que li sua resenha, fiquei super curiosa para ter o livro nas mãos *-*

    ResponderExcluir
  2. Nunca tinha ouvido falar nesse livro! Me pareceu muito interessante e, talvez por essa condição diferente, me lembrou "O Curioso Caso de Benjamim Button", já assistiu?

    Vou alugar o filme qualquer dia desses! (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nunca assisti "O Curioso Caso de Benjamim Button", mas a premissa é quase a mesma..a idéia do tempo e suas variações....alugue sim e assista, muito bom o filme!

      Excluir
  3. Oi!
    Adorei conhecer seu blog!
    Estou te seguindo!

    Já li esse livro e vi o filme!
    Muito bons!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Kamila!
    Sou doida há tempos para ler esse livro! Vi o filme e ele não me emocionou, achei que faltou algo, então acredito encontrar isso na leitura.
    Fiquei curiosa sobre essa questão das mudanças bruscas de linguagem, e é bom saber que elas não atrapalham em nada!
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o filme se tornou um melodrama e a gente acaba não prestando atenção nas finas teias de relacionamento que existem entre Henry e Clare e até seus amigos...o livro transporta os sentimentos...é muito lindo, Aione!

      Excluir
    2. Sério que o filme foge desse jeito do livro? Gostei tanto do filme, por causa dele(e agora da sua resenha tb) eu fiquei com vontade de ler o livro ^^

      Excluir
    3. fugiu um pouco, sim, Evy, mas ainda dá pra ter uma noção do livro. O problema do filme é que ele focou muito na Clare e, apesar do nome, o livro abordar os dois, com capítulos mostrando a vida de cada um!

      Excluir
  5. Assim como a Mi eu sempre fui fascinada por ler esse livro e já ouvi milhares de coisas boas sobre ele. Eu finalmente comprei esse ano e irei ler ano que vem.

    Ao contrário da Mi, o filme já me emocionou e fiquei ainda mais curiosa pelo livro.
    Todos os pontos levantos por ti me deixaram fascinadas, principalmente por saber que os pensamentos de Henry estarão mais presentes.

    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sou tendenciosa ao dizer que prefiro as partes do Henry...me apaixonei por ele e suas fases... rsrsrsrsr

      Excluir
  6. Estava me sentindo tentada a lê-lo, mas fiquei com receio pela linguagem "pesada". É pesada do tipo palavrão ou pesada do tipo erótica? Mas parece ser bem interessante.
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pesada do tipo erótica, mas ela é bem rara, Clara, não está tão presente assim no livro e como disse, ela contribui um pouco pra vc entender o momento do personagem!

      Excluir
  7. Ainda não li o livro,mas assisti ao filme.As capas são muito criativas.Acho incrível essa ideia da viagem no tempo e no espaço.
    Adorei sua resenha,o livro parece ser muito agradável. Acompanhar a trajetória de Henry e de sua futura esposa deve ser muito interessante,porque como ele realiza essas viagens ao tempo como eles vão se encontrar,fiquei curiosa para ler parece ser muito comovente,intenso,triste e emocionante.

    ResponderExcluir
  8. Pequei esse livro emprestado,e nossa o que disse a capa e linda e a historia uma das mais emocionante que já li na vida chorei horrores no final e depois fiquei pensando semanas no livro e um livro inesquecível.
    Já vi o filma tb e legal mais o livro e muito melhor.

    ResponderExcluir
  9. Já tinha visto essa capa e até mesmo lido a sinopse, mas nunca tinha parado para ler uma resenha do livro. Apesar de parecer um pouco confuso, o enredo é, no mínimo, intrigante. Não sabia que existia uma adaptação para o cinema e, de alguma forma, me lembrou O Curioso Caso de Benjamin Button e, mais ainda, Efeito Borboleta.

    http://trouxesteachave.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  10. oi, tenho um blog, sobre livros, culinária e moda. Gostaria de tirar uma parte da sua resenha e colocar como referência desse livro, pode ser? ficaria grata! Ingrid Lima.

    ResponderExcluir
  11. certo, vou citá -la e colocar o endereço do site logo abaixo, pra saberem de onde veio, pode ser? :)

    ResponderExcluir
  12. Se quiser visitar, o endereço é esse www.terapiaintensiva.wix.com/terapiaintensiva coloquei uma parte do teu texto lá, sem esquecer da referência, aliás suas resenhas são ótimas, amo livros, amo o site. haha bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada vou lá visitar sim ;) Agradeço pela carinho, eu e a Ká, que resenhamos os livros por aqui, fazemos tudo com muita dedicação. Bjs

      Excluir