Newsletter

assine a newsletter!

E receba a notificação de novos posts por e-mail

dezembro 27, 2012

Fuxico de Vitrine: Inspirações para o Ano Novo

Por Sabrina

Olá meninas!
Espero que o Natal de todas tenha sido muito feliz e abençoado! Hoje eu vim trazer à vocês algumas inspirações para montarem o look do Ano Novo. Separei desde as clássicas peças brancas às coloridas, estampadas e tals. Eu particularmente, não passo necessariamente o de branco, dizem que algumas cores trazem sorte pra campos diferentes da nossa vida. Vai saber neah? toda energia positiva é bem vinda, pro início de um novo ano. Também tentei ser democrática, quanto aos estilos e as ocasiões, da festa mais casual à mais chique. Espero que curtam (:


  • Looks com Saia





dezembro 21, 2012

[Resenha] Sedução - Bella Andre

Por Paola Aleksandra

Sinopse: Charles Gibson é um escritor de êxito, mas devido aos temas que escreve afasta as mulheres e sujeita-se a blind dates que os amigos lhe propõem. Candance Whitman, recém-chegada à literatura erótica, tem encontrado diversos obstáculos pelo caminho. Cansada de ser criticada, decide ir a uma conferência de escritores com o objetivo de aprender, onde acaba por conhecer o seu ídolo: Charles Gibson, o autor best-seller de romances eróticos. Charles propõe-lhe cinco lições para lhe ensinar as noções básicas do erotismo, criação de cenas, ou seja, conselhos muito válidos para obter bons resultados. Mas o que nenhum dos dois esperava era que as lições teóricas passassem à prática. Infelizmente, a desilusão de Candace em relação ao novo romance que está a escrever - no qual Charlie desempenha o papel principal - ameaça-lhes a possibilidade de desfrutar de um amor verdadeiro. Conseguirá ela separar a fantasia da realidade?
Edição Portuguesa || Romance Erótico || 168 Páginas || Skoob || Compre Aqui || Classificação: 
Sedução’ faz parte da ampla gama de livros eróticos escritos pela autora Bella Andre, conhecida no Brasil por sua série ‘Os Sullivans’ que foi lançada recentemente pela editora Novo Conceito (veja mais aqui). Quem já leu pelo menos um, dos dois livros da autora que foram publicados por aqui, conclui que sua escrita é essencialmente envolvente. Simples e direta, ela cativa os leitores com a rapidez utilizada para desenvolver suas narrativas. Sendo assim, minha curiosidade relacionada com a obra ‘Sedução’ se resumia em compreender se essa característica era intrínseca da autora, e que se por esse motivo, era empregada em todos os seus livros. Desta forma, não me surpreendi ao me deparar com um roteiro simples e com uma escrita fluída na obra supracitada. 
Fazendo uso de um contexto clichê, Bella Andre aborda o outro lado da fama de um escritor de romances eróticos, escrevendo sobre o preconceito que esses autores enfrentam e os rótulos que recebem. Eu gostei do tom realista da trama, que mostra, pelo menos inicialmente, as barreiras que tais escritores enfrentam, relatando o preconceito vigente que ainda domina a sociedade quando o assunto é a sexualidade feminina.

“- Não, escrevo romances sensuais. Dos meus leitores 99% são mulheres. É como se... - Tarado - replicou a rapariga, levantando-se, atirando-lhe à cara o copo de água gelada e saindo do café em cima dos saltos de quinze centímetros, meneando o pequeno traseiro ultrajado.”



"Chick-lit" é um gênero literário que abrange a vida da mulher moderna, sendo voltado, principalmente, para o sexo feminino. São romances leves, com um toque de humor, que narram o quotidiano e entram fundo nas dúvidas e emoções das personagens, transmitindo, normalmente, a sensação de estar lendo o relato de uma amiga. As história nesses livros poderiam facilmente ser uma conversa entre garotas ou mulheres, na qual há compartilhamento de sonhos, segredos, confissões.





Oi queridos!

Fazia um tempão que eu não postava aqui, isso porque, há duas semanas, eu estava em uma correria insana com o final da faculdade e não consegui atualizar a coluna. Peço desculpas por isso!

Bem, hoje é o último Fuxicando Sobre Chick-Lits do ano!
Sendo assim, fiquei pensando em fazer algo especial para vocês e, então, me ocorreu uma ideia: por que não propor um desafio sobre chick-lits para 2013? Além de divertido, seria uma forma de incentivar a leitura desse gênero, tanto entre os que já gostam quanto entre aqueles que ainda não conseguiram ler muitos à respeito. 
O que acham?  Vamos participar?
Alguns dos meus temas foram inspirados no Desafio Realmente Desafiante de 2012, promovido pelo blog Silêncio Que Eu Tô Lendo! (Obrigada, Clí!!)
Como alguns são bem específicos, colocarei exemplos para vocês, oks? Mas estejam livres para escolherem o que desejarem, desde que se enquadrem na temática!

Confiram as regras para cada mês!

Olá galera tudo bem? Quase um mês sem postar vídeo no blog, mil desculpas! Desculpo-me também pelos cortes, pela imagem ruim e pela minha voz de sono, mas o que vale são os livros. Espero que gostem do vídeo. Confiram:

Rose Fitzroy esteve dormindo profundamente por décadas. Imersa num sono induzido, esquecida em um porão por mais de 60 anos, a jovem foi tratada como desaparecida enquanto os anos sombrios pairavam sobre o mundo. Despertada como por encanto e descobrindo-se herdeira de uma corporação multimilionária, Rose vai entendendo pouco a pouco, tudo o que aconteceu em sua ausência. Ela descobre que seus pais estão mortos. O rapaz por quem era apaixonada não é mais que uma mera lembrança. A Terra se tornou um lugar estranho e perigoso, especialmente para ela, que terá de assumir seu lugar à frente dos negócios. Desejando adaptar-se à nova realidade, Rose só consegue confiar numa única pessoa estranhamente familiar. Rose até gostaria de deixar o passado para trás, no entanto, ao pressentir o perigo, percebe que precisa enfrentá-lo - ou não haverá futuro.
Jovem Adulto||272 Páginas || Skoob || Resenha da Kamila Mendes || Classificação: 

“Mas que escolha eu tinha, presa em um mundo que não era meu, com a minha vida nas mãos de outros? Jantar, falar com uma psicóloga, preparar-me para as aulas. Fiz tudo o que me disseram pra fazer. Pois era tudo o que eu podia fazer.”
Quando comprei adormecida, admito que fui impulsiva. Adquiri o exemplar acreditando ser uma releitura de ‘A Bela Adormecida’ (conto de fadas imortalizado pela Disney), entretanto me enganei completamente.
Anna Sheehan bebe sim da fonte criada pelos irmãos Grimm. O livro conta a história de Rose Fitzroy, uma adolescente de 16 anos (ou seriam mais de 90 anos? Fica ao critério do leitor decidir) que passou 60 anos da sua vida em um sono induzido e é despertada pelo beijo de um do herdeiro de uma das famílias mais influentes em seu mundo. Mas as semelhanças com o conto de fadas terminam aqui. O livro se passa no futuro, onde os humanos colonizaram diversos planetas em galáxias diversas. Tratando-se assim, de uma história gostosinha de ler e, creio eu, ao mesmo tempo despretensiosa.
A autora criou uma distopia, que diferente do grande sucesso de Suzanne Collins, não aborda os esforços de sobrevivência de seus personagens em um mundo pós-apocalíptico. Não, Anna criou um mundo que teve que se reinventar do zero depois de sofrer um colapso financeiro, populacional e ambiental, utilizado como plano de fundo para os conflitos existenciais de sua personagem central.

dezembro 14, 2012

[Especial de Natal] Dê livros de presente

Por Paola Aleksandra


Final de ano, época de festas, reencontros, agradecimentos e presentes. Nós estamos cansados de saber que o Natal não se resume ao consumo exagerado e as compras desenfreadas, ou muito menos, ao enfoque apenas dos bens materiais, entretanto, levando em conta os desejos reprimidos do ano todo, nunca é demais preparar uma lista de presentes, não é mesmo? De fato, muitos começariam sua lista de desejos para esse Natal com ‘Eu quero saúde, amor, alegria, paz... ’. Bem, eu quero tudo isso e um pouco mais, porém não me incomodaria nenhum pouco em ganhar alguns dos livros que estão no topo da minha lista de desejados.  E assim como eu, existem inúmeros leitores com essa mesma vontade, então que tal aderirmos a campanha Dê um livro de presente nesse Natal?
Pensando alto... Quais motivos qualificam os livros como uma boa opção de presente?  Primeiramente, uma ótima história marca para sempre o leitor, pois ela se torna parte dele. Sendo assim, dar um livro de presente não se resume ao ato de brindar alguém com um conjunto de páginas e palavras, e sim proporcionar ao presenteado uma nova aventura, uma reflexão sobre a vida, e até mesmo, a experiência doce de um novo romance. Outro ponto chave que devemos considerar é o caráter imortal desse presente. Palavras não se perdem em nossa memória, e uma vez lido, o livro torna-se parte de nossa vida, uma parte de nós que pode ser passada de geração em geração. De fato, você tem algum livro que já foi dos seus pais ou avós? Alguma obra que esteve presente no passado de sua família? Se sim, guarde-a, esse é um bem imensurável. E falando de imortalidade, não só os livros são imortais, como aqueles que os compraram também. Quer um exemplo? Cite os melhores livros que já leu, pense nos sentimentos que tais obras criaram, na força das emoções que vivenciou com tais histórias e me diga, algum deles foi um lhe dado de presente? Se a resposta for sim, não me restam dúvidas de que você nunca irá esquecer aquele que lhe proporcionou tal graça de leitura.

dezembro 13, 2012

Fuxico de Vitrine: Brooke Hagel

Por Sabrina

Olá pessoas!
Hoje no Fuxico de Vitrine, eu vou falar de mais uma ilustradora de moda! a Brooke Hagal.

É de se esperar que depois de passados quase quinze anos do colegial as pessoas já tenham amadurecido, criado responsabilidades, encontrado um bom emprego e talvez, com um pouco de sorte, descoberto seu verdadeiro amor. Entretanto, nem todos são agraciados com um futuro tão límpido, e mesmo aqueles que se destacaram no ensino médio, e que sem dúvida, teriam um destino brilhante, podem se surpreender com as idas e vindas da vida. E nada melhor do que uma cerimônia de casamento para reunir colegas antigos, desenterrar sentimentos do passado e, de quebra, trazer a tona erros e segredos parcialmente esquecidos.
Regan (Kirsten Dunst), Katie (Isla Fisher) e Gena (Lizzy Caplan) eram chamadas de abelhas rainhas na época da escola. Bonitas, populares e manipuladoras elas aproveitaram bem sua fase de ‘reinado escolar’, e como resultado desses bons anos mantiveram um forte laço de amizade. Unidas a elas sempre esteve a Becky (Rebel Wilson), que mesmo deslocada por sua aparência e pelos apelidos preconceituosos que recebeu ao longo dos anos, mostrou-se uma boa amiga. Fato que não diminui a surpresa das ‘abelhas’ ao descobrirem que Becky além de se casar antes delas, vai se unir com um bom partido. Entra em jogo então, não só a felicidade da amiga, mas também o ego e a inveja daquelas que ainda não tiveram a mesma sorte que ela.
Munido de consumo de drogas, sexo e piadas sobre os homens e seus relacionamentos “Quatro Amigas e um Casamento” é mais um filme que tenta apresentar um lado cômico por trás dessa cerimônia de união. Não é de hoje que filmes assim ganham destaque nas telinhas do cinema, como por exemplo, “Operação Madrinha de Casamento” e até mesmo “Se beber não case”, por isso eles podem ser resumidos como clichês e previsíveis, entretanto o que conta mesmo é a dose de diversão proporcionada e não a profundidade ou a originalidade do roteiro. Assim, levando em conta o humor do filme, senti que ele me alcançou quando já havia assistido um pouco menos do que a metade do longa. Antes disso temos algumas piadas bem colocadas, ou certas realidades do mundo feminino ressaltadas de forma irônica, o que de fato garante alguns risos, mas é só quando ressurgem algumas histórias do passado e o romance entra em cena ao lado dos verdadeiros laços de amizade, é que a trama engrena e as gargalhadas rolam soltas.

Sinopse: Durante 36 anos, Marcus Sullivan fora o irmão mais velho, ajudando a cuidar de seus sete irmãos após a morte do pai, quando ainda eram crianças. No entanto, quando o futuro perfeito que ele planejara para si próprio transformou-se em nada além de uma mentira, Marcus precisa de uma noite de loucura para se esquecer de tudo. Nicole Harding é conhecida no mundo todo por apenas um nome — Nico —, graças à sua música pop contagiante. No entanto, o que ninguém sabe sobre essa cantora de 25 anos é que sua imagem de símbolo sexual é totalmente falsa. Depois de ter sido terrivelmente traída por um homem que amava a fama mais do que a ela, jurou nunca mais deixar ninguém se aproximar a ponto de descobrir quem ela realmente é... ou de magoá-la novamente. Principalmente aquele homem maravilhoso que Nicole conhecera em uma boate, ainda que o desejo — e as promessas transgressoras — em seus olhos negros a fizessem querer revelar todos os seus segredos. Uma noite é tudo o que Nicole e Marcus concordam em compartilhar um com o outro. Contudo, nada acontece como planejado quando, em vez de uma simples relação carnal, descobrem-se ligados de uma forma pela qual nenhum dos dois esperava. E, embora tentassem lutar contra isso, os sentimentos incontidos — e a atração profunda — os aproximava cada vez mais. Bella Andre nos presenteia com o segundo volume desta série sensual e romântica, em que o amor pode tornar um simples encontro algo quente para sempre...

Romance Adulto || 272 Páginas || Skoob || Cortesia Editora Novo Conceito || Compare & Compre || Classificação    
Por um momento apenas’ é o segundo volume da série “The Sullivans”, que até o momento conta com sete livros publicados no EUA. Cada uma dessas obras narra a história de amor de um dos membros da família Sullivan, de forma que os livros, se analisados particularmente, possuem início, meio e fim, e por isso, podem ser lidos separadamente. Entretanto, existe um encadeado de acontecimentos que interliga as obras, tornando a leitura sequencial preferível para o entendimento completo da saga e de suas particularidades.  Saiba mais sobre o primeiro volume da série, ‘Um olhar de amor’, aqui.
Assim que terminei de ler ‘Um olhar de amor’ sabia que iria me encantar com o próximo livro da série. Isso porque, uma das características da escrita da autora é tornar presente em sua narrativa atual o irmão Sullivan que irá estrelar sua obra conseguinte. Sendo assim, no primeiro livro da saga já conhecemos um pouco da história de Marcus, protagonista do segundo livro da família Sullivan. E de fato, se Marcus já havia me ganhado em um livro no qual não era o protagonista, imaginem então, em uma obra própria do personagem?
Marcus, como irmão mais velho, assumiu uma grande responsabilidade após a morte de seu pai. Com sete irmãos mais novos e apenas 13 anos, ele incorporou o papel de homem da casa, e com muito carinho e dedicação ajudou sua mãe na criação de seus irmãos. Sua experiência de vida fez dele um homem maduro, na casa dos 30 anos, com um grande coração, um respeito imensurável por sua família e um equilíbrio natural entre o sucesso nos negócios e a vida pessoal. Entretanto, depois de uma decepção amorosa ele passa a repensar seus valores, e em busca de uma distração momentânea, sai a procura da companhia perfeita para uma, apenas uma, longa noite de amor e de alívio da cobrança e do peso de seus problemas.

Sinopse: A designer-revelação Lola Nolan não acredita em moda… ela acredita em trajes. Quanto mais expressiva for a roupa — mais brilhante, mais divertida, mais selvagem — melhor. Mas apesar de o estilo de Lola ser ultrajante, ela é uma filha e amiga dedicada com grandes planos para o futuro. E tudo está muito perfeito (até mesmo com seu namorado roqueiro gostoso) até os gêmeos Bell, Calliope e Cricket, voltarem ao seu bairro. Quando Cricket — um inventor habilidoso — sai da sombra de sua irmã gêmea e volta para a vida de Lola, ela finalmente precisa conciliar uma vida de sentimentos pelo garoto da porta ao lado.
Romance para Jovens Adultos || 288 Páginas || Skoob || Cortesia Editora Novo Conceito || Compare & Compre || Classificação:   
Quem leu ‘Anna e o Beijo Francês e não se apaixonou pela narrativa da Stephanie Perkins que atire a primeira pedra. Com um cenário cativante, personagens envolventes e um romance de arrancar suspiros a autora me conquistou por completo, fazendo com que eu esperasse ansiosa pelo lançamento dos seus próximos livros. Como bem sabemos não é ‘correto’ criar tantas expectativas em torno do trabalho de um escritor, entretanto, fui envolvida por esse sentimento de forma praticamente inconsciente, e quando dei por mim já estava devorando as páginas de “Lola e o Garoto da Casa ao Lado” com a mesma intensidade com a qual mergulhei na leitura de ‘Anna e o Beijo Francês’. Seria impossível evitar comparações, ainda mais se tratando de um dos meus livros favoritos, contudo, é satisfatório concluir que a magnitude da escrita da autora é um talento nato, pois nos dois livros ela me capturou com a intensidade dos sentimentos descritos e com o bom humor peculiar de seus personagens.
Lola é uma exceção: sua criação, infância, forma de pensar, agir, se vestir; tudo nela caminha para a exclusividade, mas isso é parte dela, ela não tenta ser diferente, simplesmente o é, característica que a torna transparente na demonstração de seus sentimentos e na defesa de seus valores. Como qualquer jovem na casa dos dezessete anos ela vive vários conflitos, toma inúmeras decisões erradas e aprende, apenas com o tempo, como seguir em frente mesmo diante das dificuldades da vida. E me digam, quem é que não gosta de um livro com boas doses de superação e amadurecimento pessoal? Por mais incrível que pareça, uma história juvenil como essa, mesmo munida de alguns clichês literários, surpreende ao tratar de consumo de drogas, homossexualidade, bullying e preconceito social. Passando assim, uma mensagem que envolve e cativa o leitor mesmo seguindo por caminhos que vão além do entretenimento.

dezembro 06, 2012

[Resenha] Dominada pelo Desejo (Wicked Ties) - Shayla Black

Por Paola Aleksandra

Sinopse: Ela não sabia que havia algo pelo que estava disposta a suplicar... Morgan O’Malley foi testemunha de muitas coisas extravagantes como apresentadora de um programa de televisão sobre sexo. Mas nunca tinha conhecido a um homem como Jack Cole, um reconhecido professor das artes eróticas que deseja lhe proporcionar tudo aquilo pelo que ela suspira em segredo. Embora Jack é guarda-costas e pretende protegê-la do estranho que a persegue, Morgan não se sente absolutamente segura em sua presença. Quando começa a participar dos jogos sexuais que lhe propõe, que a submetem a sua vontade, intui que seus motivos não são tão inocentes como parecem, mas não imagina quão pessoais podem chegar a ser. E assim, seduzindo-a, dominando-a, Jack fará realidade suas mais profundas fantasias...
Romance Erótico || 352 Páginas || Skoob || Editora Berkley Trade || Classificação:  

Dominada pelo Desejo é o primeiro livro da série erótica “Wicked Love” que conta com (até o momento) seis livros publicados. Seguindo o estilo de escrita americano, cada livro narra a história de um casal em particular, fato que garante a individualidade das obras e permite que elas sejam lidas fora de ordem, entretanto é de se esperar que alguns personagens se cruzem durante os diversos livros, caracterizando a unidade da saga. A autora, Shayla Black, é reconhecida por sua escrita sensual-erótica e além da série supracitada, possui outros livros publicados nesse subgênero literário (Veja mais aqui). Para os curiosos de plantão, a série ainda não foi publicada no Brasil, mas acredito que não irá demorar muito para termos livros dessa autora publicados por aqui.
Conheci a série ao acaso enquanto, alguns anos atrás, buscava por um livro de um autor com o nome semelhante ao da Shayla Black. Como minha busca tratava-se de um livro didático para um trabalho da universidade, a obra da autora, visualizada por mim em primeiro instante como um romance adulto, destacou-se entre os livros presentes na minha lista de busca e, sem me preparar com a sinopse, resolvi que queria lê-lo. Agora vocês imaginem o meu espanto ao me deparar com fortes cenas de sexo, palavras de baixo escalão e um romance que não foca nos sentimentos, mas sim, nos desejos sombrios da personagem principal. Na época, imatura para esse tipo de literatura (mesmo já tento tido contato com outros livros do gênero “adulto”) a escrita da autora me assustou e terminei a leitura horrorizada com o baixo teor de romance da história.
“Se você estava esperando um príncipe encantado, eu sinto muito. Ele está com o seu namorado.”
Entretanto, nessa semana, ao preparar uma breve introdução sobre a diferença entre os romances eróticos e os romances adultos para a resenha do livro Bem Profundo, percebi que havia interpretado de forma errada a narrativa do livro “Dominada pelo Desejo”, e então, ciente de que ele consiste em um romance erótico, e não adulto, resolvi relê-lo e definir meus reias sentimentos quanto à história. O resultado? Gostei do livro. Para a proposta de romance erótico ele cumpre o papel de esbanjar sensualidade e focar em nada mais, nada menos, do que a libertação de todos os anseios carnais da protagonista da obra.

dezembro 04, 2012

A tal da Expectativa Literária

Por Paola Aleksandra

Quantas vezes você já ouviu ou leu a frase “final de ano, tempo de reflexão...”? Várias, tenho certeza. De fato, o final do ano representa isso, um período no qual criamos novas metas utilizando como base os sucessos e as falhas do ano que se passou. Pensando nisso, hoje, ao ser pega de surpresa com a queda da minha estante (- sim, ela desmontou; fui almoçar e ao entrar no meu quarto me deparei com todos os meus livros no chão) me vi avaliando os livros que li em 2012, relembrando os que me marcaram, aqueles de que mais gostei e alguns que me decepcionaram. Enquanto isso as frases que comumente surgiam em minha mente eram: “-Li tantos elogios sobre esse livro”; “- Me falaram que esse livro era tão bom;” “- Desse eu sem dúvida, iria gostar, afinal fulano caiu de amores por ele”, discursos que se resumidos em apenas uma palavra são perfeitamente definidos como expectativas¹.
“¹Esperança fundada em promessas, viabilidades ou probabilidades: a expectativa de um bom negócio. Ansiedade, esperança: estar na expectativa de ...” (Fonte).
Mas me diga, qual é o leitor que não cria algumas expectativas em seu primeiro contato com um livro que parece ter o poder de envolvê-lo? É comum nos apaixonarmos a primeira vista pela capa de uma obra, ou nos deixarmos influenciar por comentários (comerciais ou não) feitos sobre a mesma, isso sem comentar as associações que realizamos entre novos livros que se parecem ou se baseiam em nossos livros preferidos. Por exemplo, quando me apaixonei por Jogos Vorazes, eu passei a ver a emoção que a trilogia gerou em mim em todas as outras distopias que foram lançadas conseguintes a essa trama, de fato, acabei comprando outros livros dessa classe esperando que eles fossem tão bons quanto a história escrita por Suzanne Collins. É claro que gostei de outros livros do gênero distópico que li, mas nenhum deles pode ser comparado diretamente com o fervor criado por Jogos Vorazes, assim, seria impensável da minha parte confrontá-los, mas não foi exatamente isso que me incentivou a lê-los? A comparação, a busca por semelhanças? Então, eu poderia reclamar das eventuais decepções se foi exatamente eu, e mais ninguém, que exigi muito desses livros?

Sinopse: Pressia pouco se lembra das Explosões ou de sua vida no Antes. Deitada no armário de dormir, nos fundos de uma antiga barbearia em ruínas onde se esconde com o avô, ela pensa em tudo o que foi perdido — como um mundo com parques incríveis, cinemas, festas de aniversário, pais e mães foi reduzido a somente cinzas e poeira, cicatrizes, queimaduras, corpos mutilados e fundidos. Agora, em uma época em que todos os jovens são obrigados a se entregar às milícias para, com sorte, serem treinados ou, se tiverem azar, abatidos, Pressia não pode mais fingir que ainda é uma criança. Sua única saída é fugir. Houve, porém, quem escapasse ileso do Apocalipse. Esses são os Puros, mantidos a salvo das cinzas pelo Domo, que protege seus corpos saudáveis e superiores. Partridge é um desses privilegiados, mas não se sente assim. Filho de um dos homens mais influentes do Domo, ele, assim como Pressia, pensa nas perdas. Talvez porque sua própria família se desfez: o pai é emocionalmente distante, o irmão cometeu o suicídio e a mãe não conseguiu chegar ao abrigo do Domo. Ou talvez seja a claustrofobia, a sensação de que o Domo se transformou em uma prisão de regras extremamente rígidas. Quando uma frase dita sem querer dá a entender que sua mãe pode estar viva, ele arrisca tudo e sai à sua procura. Dois universos opostos se chocam quando Pressia e Partridge se encontram. Porém, eles logo percebem que para alcançarem o que desejam — e continuar vivos — precisarão unir suas forças.
368 Páginas || Editora Intrínseca || Skoob || Compare & Compre || Resenha da Kamila Mendes || Classificação: 

Estamos acostumados com livros ‘bonitinhos’ e suas narrativas limpas e secas, mas quando nos deparamos com uma distopia, sabemos de alguma forma, que nossa visão de mundo literário irá mudar. Confesso que amo livros com personagens lindos que estão em conflito interno e que superam seus problemas em ambientes inóspitos. Contudo, mesmo que as séries Jogos Vorazes e Feios tenham me levado ao mundo do subgênero distopia, nenhuma delas me preparou para a narrativa de Puros.
Em uma época onde os recursos naturais da Terra foram consumidos até seu limite. Quando os oceanos, mares, lagos e fontes de água potável foram contaminados por petróleo, e doenças novas e epidemias criadas em laboratório ameaçam a vida humana, como se preparar para um ataque nuclear?
“Queime um Puro e respire as cinzas
De suas entranhas, faça umas cintas.
Com seus cabelos, teça um cordão.
E de seus ossos faça um Puro sabão.”
Quando li Jogos Vorazes me deparei com um ambiente aflitivo e sufocante. Senti-me reprimida pela mão da Capital e enojada com a presença do Presidente Snow (principalmente na continuação ‘Em Chamas’). Mas Puros triplicou essa sensação, por isso, nessa resenha vou falar muito mais de como me senti ao longo da leitura do quê sobre a história em si, que no geral, (ainda) me deixou em choque, afinal, como já disse, nada do que li até hoje me preparou para o contexto pós-apocalíptico de Puros e seu cenário ligado a explosões nucleares, nunca havia compreendido como uma bomba atômica modifica tudo que sua fumaça tóxica toca.

Resenhas

© Livros & Fuxicos – Desenvolvimento com por Subir