A tal da Expectativa Literária

Quantas vezes você já ouviu ou leu a frase “final de ano, tempo de reflexão...”? Várias, tenho certeza. De fato, o final do ano representa isso, um período no qual criamos novas metas utilizando como base os sucessos e as falhas do ano que se passou. Pensando nisso, hoje, ao ser pega de surpresa com a queda da minha estante (- sim, ela desmontou; fui almoçar e ao entrar no meu quarto me deparei com todos os meus livros no chão) me vi avaliando os livros que li em 2012, relembrando os que me marcaram, aqueles de que mais gostei e alguns que me decepcionaram. Enquanto isso as frases que comumente surgiam em minha mente eram: “-Li tantos elogios sobre esse livro”; “- Me falaram que esse livro era tão bom;” “- Desse eu sem dúvida, iria gostar, afinal fulano caiu de amores por ele”, discursos que se resumidos em apenas uma palavra são perfeitamente definidos como expectativas¹.
“¹Esperança fundada em promessas, viabilidades ou probabilidades: a expectativa de um bom negócio. Ansiedade, esperança: estar na expectativa de ...” (Fonte).
Mas me diga, qual é o leitor que não cria algumas expectativas em seu primeiro contato com um livro que parece ter o poder de envolvê-lo? É comum nos apaixonarmos a primeira vista pela capa de uma obra, ou nos deixarmos influenciar por comentários (comerciais ou não) feitos sobre a mesma, isso sem comentar as associações que realizamos entre novos livros que se parecem ou se baseiam em nossos livros preferidos. Por exemplo, quando me apaixonei por Jogos Vorazes, eu passei a ver a emoção que a trilogia gerou em mim em todas as outras distopias que foram lançadas conseguintes a essa trama, de fato, acabei comprando outros livros dessa classe esperando que eles fossem tão bons quanto a história escrita por Suzanne Collins. É claro que gostei de outros livros do gênero distópico que li, mas nenhum deles pode ser comparado diretamente com o fervor criado por Jogos Vorazes, assim, seria impensável da minha parte confrontá-los, mas não foi exatamente isso que me incentivou a lê-los? A comparação, a busca por semelhanças? Então, eu poderia reclamar das eventuais decepções se foi exatamente eu, e mais ninguém, que exigi muito desses livros?
Refletindo sobre isso não consegui parar de pensar no quanto é negativo a criação de expectativas. Graças a esse sentimento deixamos de avaliar um livro por sua essência e passamos a julgá-lo com base em nossas perspectivas, se imaginamos um final para determinado livro e a realidade se mostra distinta disso, muitas vezes não conseguimos avaliá-lo sem deixar de levar em conta nossas esperanças e anseios. Indo ao estremo, do ponto de vista de um leitor, o quanto é favorável para a leitura de uma determinada obra a leitura prévia de resenhas sobre a mesma? E olha que sou blogueira, amo resenhar livros, mas mesmo assim, me peguei pensando, será essa a melhor forma de falar sobre uma história?
No geral, existem dois lados da moeda. A exposição de determinados livros, tanto via resenhas, comentários ou posts de caixinhas de correio nos deixam cientes da infinidade de obras literárias que temos ao nosso dispor, informações que alimentam nossa curiosidade literária nata. Contudo, quando somos expostos em demasia a essas informações (levando em conta as que não revelam partes essenciais da trama) somos incentivados, mesmo que indiretamente, a criarmos expectativas a respeito de certas obras, e estas esperanças, que são intrínsecas a cada leitor, quando não supridas podem gerar uma imagem deturpada sobre a real qualidade de um livro. Ora, se você lê por aí que um livro é emocionante, o melhor do ano para determinada pessoa, que a mesma não se conteve em choro e sentimentalismo durante toda a leitura e, quando tem sua própria experiência com a leitura não vive nada disso, pode criticar o livro, não porque ele não te agradou, mas porque ele não fez jus ao que você esperava dele com base na experiência de outro leitor.
Agora me pergunto: Qual o melhor caminho para não criar tantas expectativas com relação aos livros? No meio em que vivo é impossível ficar alheia a chuva de informações literárias ao meu redor, mas ando trabalhando em métodos que possam me ajudar a ficar quase “imune” a esse tipo de decepção (a que é baseada nas minhas expectativas pessoais). E foi essa a conclusão que cheguei ao ver meus livros espalhados pelo meu quarto. Desde o começo do ano evolui como leitora e principalmente como compradora compulsiva de livros (Lembra que já falamos sobre isso aqui no blog?). No geral ando mais atenta aos meus gostos e predileções, evitando empolgações momentâneas e passageiras. Isso me faz evitar a criação de certas expectativas, mas não me deixa indiferente a elas.
Sinto que vou continuar a criar expectativas, que vou continuar a me decepcionar por causa delas, contudo, me vejo uma leitora diferente por estar ciente disso, por compreender que a avaliação final de um livro deve estar longe do que eu espero dele. De fato, o que deve importar é a mensagem transmitida pelo autor e como a mesma me tocou. Tenho tentado transmitir isso em minhas últimas resenhas e mais, tenho me permitido avaliar as obras sem considerar o que já li sobre elas. Isso anda me fazendo muito bem, já que acabo me surpreendendo mais com os livros lidos. Se fim de ano é tempo de reflexão e autoaprendizagem, esse é um amadurecimento e um desejo que levo para 2013: - “Nada de expectativas literárias para mim, por favor!”.
Agora só falta um vídeo com minhas maiores expectativas do ano, quem curte?

10 comentários:

  1. Expectativa é uma coisa complicada. Seja para um livro, um filme, pela roupa da vitrine e até para o namorado.
    Confesso que já comprei muito livro por alarde e acabei me decepcionando (e muito). Nos últimos meses venho ponderando bastante sobre isso. Leio milhões de resenhas para poder comprar, e normalmente corro atrás das promoções. Até que está dando certo...Nunca mais errei ao comprar um livro.


    Pos excelente!!

    bjus

    www.terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei o post Pah! Mto bom! Me fez refletir tbm!
    Bejos! ;)

    ResponderExcluir
  3. Adorei o post, me fez refletir.
    Afinal sempre criamos muitas espectativas e podemos nos decepcionar.
    E com certeza é melhor não criarmos espectativas e termos, então , surpresas.

    Adoro seu blogger!!

    Bjos

    http://adorelivres.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. expectativa com qualquer coisa é complicado. na maioria das vezes nos decepcionamos :S
    jurei uma coisa para mim mesma: nunca mais vou ler livros logo que lançar. Percebi isso com 50 tons de cinza. logo que lançou eu estava louca para ler, mais pelo preço dele acabei esperando um pouco para comprar. antes era só resenha positiva e mais resenha positiva dele, agora já vemos várias negativas. em 90% dos livros que pretendo muito ler, acabo me decepcionando. claro que cada um tem seu estilo literário, e não é pq determinada pessoa gostou de tal livro eu também vou gostar.
    acho que cada um tem seu ponto de vista. enquanto eu posso amar um livro, achar que ele me tocou profundamente e até mudou minha vida, para você ele pode não fazer diferença nenhuma.
    claro que isso vária muito da idade, mentalidade e maturidade da pessoa, as nunca será a mesma coisa.
    e depende muito também do momento em que estamos lendo determinado livro, certo? as vezes estamos lendo um que pode até ser bom, mas estamos tão cheia de determinado assunto/gênero, que acabamos não entrando na história.

    ResponderExcluir
  5. Sábias palavras...
    Realmente criamos expectativas com relação a opiniões dos outros. Não vou negar, comprei vários livros influenciada pelas diversas opiniões que encontrei sobre os mesmos. Ainda não houve decepção, então tô no lucro (risos)
    Mas fazer o que??? Sempre haverá momentos de expectativas na vida, o problema é que assim, a decepção acaba sendo maior.

    Ótimo post
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Pah!
    Nossa, sua estante despencou, que chatoo!!
    Ai, eu também crio expectativas e isso não ajuda. Muitas vezes termino uma leitura frustrada e dependendo eu empaco mesmo na leitura!
    É difícil não criar expectartivas enquanto vemos todo mundo falando bem de um livro, ou aquela capa linda e maravilhosa nos chama atenção. Também estou me trabalahndo neste aspecto!
    Aii, faz sim um vídeo com suas expectativas, vou adorar!!

    Bjinhs*
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Pois é Pah, a tal da expectativa... Adorei teu texto, mas não concordo totalmente (minha fama de 'do contra').
    Acho expectativas saudáveis também, até mesmo num exemplo apontado por ti: muitas vezes são as motivações para algo, no caso a leitura.

    E é natural criarmos expectativas, mesmo quando não lemos ou ouvimos nada sobre determinado livro.
    As expectativas surgem quando iniciamos o primeiro parágrafo, lemos o título. Nem precisamos ver a capa.
    Consegues entender? Sempre criaremos expectativas em algum momento.

    O jogo, a oscilação de expectativas é que eu acho gostoso na leitura (ou num filme), e também minha motivação ao ler resenhas.

    Quando eu escrevo minhas resenhas, minha preocupação não está tanto em descrever o livro, mas exatamente contar como foi a leitura para mim (bem diferente de uma resenha que eu faça para uma disciplina).
    'Eu achei que iria gostar por causa da capa, mas a escritora criou personagens com atitudes que eu condeno, entretanto a dinâmica da história me deixava sedenta pelos acontecimentos... etc etc etc'

    Se eu vou a um blog (como o seu), leio resenhas de livros que eu desconheço procurando os sentimentos que manifestas sobre aquela leitura para criar meus próprio sentimentos e decidir: leio ou não?
    Vejo capas com a mesma motivação: que sentimentos me evocam?
    Leio resenhas de livros que já li, buscando aquela reflexão gostosa: será que sentiram o emsmo que eu? será que não? o que eu não percebi?

    Claro que quando sinto que as expectativas (em geral altas) podem estragar a minha leitura procuro afastar as informações do livro próximo a leitura. Assim eu 'dou uma esquecidinha'.

    Termino meu monólogo sem fim e a ocupação do teu blog para meus desabafos (hehe) para dar exemplos contrários: li a resenha de O inverno das fadas no Viagem literária e fiquei tão triste em ver que o livro parecia inferior ao que esperava dele com tanto carinho. Como a fernanda costuma ter opiniões semelhantes as minhas, me pautei nela para decidir que era uma leitura que valia a pena esperar para adquirir. Comecei lendo mais medianamente e percebi que realmente a leitura não está sendo o que eu esperava quando vi a capa e o título. Isso não me fez gostar mais do livro (por ter se distanciado menos do meu ideal), ele só me causou um sentimento menor de decepção.

    Concordo que às vezes eu preciso reler algo em momento diferente da vida para reavaliar MEU PRÓPRIO GOSTO (que muda, obviamente como tudo na vida). Ainda assim, um livro que eu gosto não terá menos problemas do que o que eu não gostei. Resumo que um livro que eu AMEI, pode não ser necessariamente um livro brilhante, uma obra-prima. Eu posso ter AMADO o meu envolvimento com ele. Enquanto livros EXCELENTES podem me fazer gostar ou não do nosso relacionamento.

    O filme 'Réquiem para um sonho' é fantástico. É perfeito sob muitos aspectos para mim, ainda assim não me sinto bem ao tê-lo assistido porque eu não gostei do que eu vi lá, não gostei de como ele me fez sentir (e eu gosto de sofrer, viu! sou extremamente dramática).

    Então não se imunize, porque seria impossível imunizar-se.
    Viva e reviva situações e livros.

    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi gêmea!
    Eu adorei o post e concordo com você. É difícil não criarmos expectativas e, ao mesmo tempo, sempre tenho receio, quando gosto muito de um livro, de fazer as pessoas criarem expectativas e se decepcionarem.
    Como você, também acho que evolui como leitora e compradora esse ano e que hoje me sinto mais madura quanto a isso.
    Eu tenho conseguido acompanhar as opiniões e só sinto criar expectativas quando o livro é muito relacionado ao que eu gosto. Se o livro não costuma fazer meu gênero, não importa o quanto a pessoa elogie, eu continuo sem deixar essa opinião me influenciar.
    Enfim, é importante a gente conhecer nossos gostos e saber controlar as expectativas!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  9. Oi Pah! =)
    É muito difícil controlar a expectativa quando for ler determinado livro, principalmente se você já ouviu muitas opiniões sobre ele.
    É muito bom quando o livro supera suas expectativas, mas quando não é nada daquilo que você esperava, é deprimente =/
    Adorei o post!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Nossa sua estante não aguentou a bagagem e desabou....
    Muito legal o post muito interessante superou minha expectativa,porque o blog está amadurecendo e melhorando cada vez mais e mais.
    Expectativas na vida com amigos,objetos,namorado,livros...
    É complicado ter expectativa com algo ou alguém porque se estiver tudo bem ótimo,mas quando a expectativa não é atendida,nossa sai de baixo...
    Realmente ficamos pensando em determinado livro que criamos uma expectativa louca e na hora h da leitura o livro é uma porcaria do começo ao fim.
    FINAL DE ANO VAMOS FAZER REFLEXÕES E AVALIAR O QUE FOI BOM OU NÃO,O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR,O QUE ESTÁ FALTANDO OU SOBRANDO...

    Mas na maioria das vezes temos sorte e encontramos livros maravilhosos que nos transportam para o mágico mundo da leitura e aprendemos coisas novas, conhecemos lugares novos,simpatizamos ou odiamos mocinhas e vilões, nos emocionamos,rimos,choramos,xingamos o autor,torcemos...
    Esperando o vídeo!

    ResponderExcluir