setembro 20, 2013

[Resenha] On Dublin Street – Samantha Young

Jocelyn Butler tem escondido de
seu passado por anos. Mas todos os seus segredos estão prestes a ser desvendado
…Quatro anos atrás, Jocelyn deixou para trás trágico passado nos Estados
Unidos e começou tudo de novo, na Escócia, enterrando sua dor, ignorando seus
demônios, e avançando sem anexos. A sua vida solitária está funcionando bem,
até ela se muda para um novo apartamento em Dublin Street, onde ela conhece um
homem que abala seu mundo cuidadosamente guardado em seu núcleo. Braden
Carmichael é usado para conseguir o que ele quer, e ele está determinado a
conseguir Jocelyn em sua cama. Saber como ela é arisco sobre a entrada de um
relacionamento, Braden propõe um acordo que vai satisfazer sua intensa atração,
sem amarras. Mas depois de uma Jocelyn intrigado aceita, ela percebe que Braden
não será satisfeito com apenas alucinante paixão. O escocês teimoso tem a
intenção de realmente conhecê-la… até a alma.

Romance Adulto || 372 Páginas
|| Kindle Edition
|| Skoob ||
Goodreads
|| Compre: Kobo Books ou Amazon|| Classificação: 5/5
Favorito
Para esquecer o passado Jocelyn precisou
recomeçar sua vida; em busca de um novo começo ela deixou os Estados Unidos e
mudou-se para Escócia, onde depois de quatro anos de uma vida relativamente
calma e cômoda ela precisa enfrentar mais uma mudança: a escolha de um novo
apartamento e de uma nova colega de quarto. Tudo o que Jocelyn quer é um local pacato
que permita que ela continue sozinha e segura em sua zona de conforto, como
desculpa ela usa a tranquilidade requerida por seu trabalho como escritora, mas
no fundo o que ela realmente quer é continuar livre de amarras emocionais, de relações
interpessoais que a pressionem a doar algo que ela não possui. No fundo ela sente que essa é a única maneira de seguir
vivendo: não se permitindo sentir nada, contudo,
quando Jocelyn aluga o apartamento perfeito em Dublin Street o que ela não
imagina é que está tomando a decisão que vai transformar completamente a sua
vida, levando-a a experimentar os sentimentos que por muito tempo ela lutou
para evitar.
Por que me sinto tão fora de
equilíbrio? Tão fora de controle? Com tanto medo? (…). Tanta coisa havia
mudado, mas aparentemente não havia mudado o suficiente. Eu ainda era sozinha. Mas
eu estava sozinha, porque é assim que eu queria.

A dor da personagem é algo presente na trama
desde o início da narrativa, porém ela não é justificada ou explicada em
detalhes. Seus segredos estão impressos em cada uma das suas atitudes, mas para
o leitor, tudo é um grande mistério. Porém, aos poucos vamos conhecendo mais a
história de Jocelyn, a forma como ela perdeu o chão quando ainda era nova
demais, como ela parou de esperar a dor passar para seguir a diante, como
precisou aprender a aceitar a dor e viver com ela todos os dias da sua vida…
Ataques de pânico, pesadelos, regras e mais regras sobre não se envolver com
ninguém a levaram a uma vida estável, mas solitária. Para muitos seria o fim do
mundo, mas não para Jocelyn, ela gosta dessa solidão, gosta de se sentir no controle dos seus traumas e segredos. E
aqui, eis a confissão, eu sou tão parecida com ela no aspecto de manter minhas
próprias reservas que a leitura foi como um belo tapa na cara, de forma que
além de emocionar, a história também me fez refletir sobre vários aspectos.
Indo além da reflexão e da dor da mocinha, a
autora nos apresenta um romance clichê, mas nem por isso menos envolvente. Braden
é o típico mocinho marcado
pela dor e por seus traumas do passado; ele não quer um relacionamento
duradouro, mas assim que conhece Jocelyn ele a quer em sua cama. Brincando de
se irritar mutuamente e constantemente trocando farpas entre si, é obvio que eles
são totalmente incompatíveis, porém por mais improvável que seja eles possuem
algo em comum: não querem se envolver profundamente com ninguém, fator que faz
surgir um entendimento mútuo entre eles, um relacionamento de companheirismo e
claro, uma bela de uma amizade, só que com benefícios.
Sim, amigos com beneficio, que baita clichê – Quando é que ela vai cair na real e ver
que se apaixonou por ele e que quer algo mais sério?
É isso o esperado, não
é mesmo? Mas não, esse não é o ponto da autora. O relacionamento entre Jocelyn
e Braden é inusitado porque é a mocinha que precisa aceitá-lo. É ela que
precisa de cura, de força e de libertação. Eles se envolvem, se aceitam, se
ajudam, mas ainda assim, para o amor surgir, ela precisa abrir o coração para
tal sentimento, e eis que surge a questão central da história: deixar o coração aberto para o amor também
significa abri-lo para a dor que ela ignorou por anos e mais anos, então será que
essa promessa de paixão vale tamanha agonia?
Eu ri, chorei, suspirei e me surpreendi a cada
página lida. A autora ganhou meu coração com tanta emoção e sutileza, provando
com atos e palavras a força do verdadeiro amor, e me encantou ainda mais por apresentar um casal paralelo a trama tão envolvente quanto o casal principal. M
eu veredito final? LEIAM esse
livro, simples assim
Sobre a Série
On Dublin Street é o primeiro volume da série de
ficção adulta On Dublin Street,
composta atualmente por três livros e dois mini livros. São eles:
OnDublin Street (On Dublin Street, #1); AnOn Dublin Street Christmas (On Dublin Street, #1.5);  UntilFountain Bridge (On Dublin Street, #1.6); DownLondon Road (On Dublin Street, #2) e
Before JamaicaLane (On Dublin Street, #3),  sendo que este último será publicado em
fevereiro de 2014.
 
   
  
Cada
livro possui início, meio e fim, assim, o que os caracteriza como uma saga é
que os personagens dessas obras compartilham um mesmo ambiente, fora que em
alguns casos eles chegam a ser grandes amigos. Já com relação aos contos, o de
natal é um bônus bem vindo para quem gostou do primeiro volume da série, afinal
ele descreve o natal do casal do primeiro livro, e o segundo conto narra a
história de outro casal que tem um papel muito importante em On Dublin
Street
.
Para
ler ao som de…

Para quem leu e gostou de…
Trecho (s) Marcante
(s):
(Tradução Livre)
“Eu fiquei lá, abraçada a ele, como fazia quando era bem mais nova. Era
um bom e honesto abraço, e ficamos parados como dois adolescentes por pelo
menos dez minutos. Meu corpo guerreando com minhas emoções. Eu não queria
desistir do que havia entre nós. Era viciante, sedutor. Mas eu não queria nada
mais do que aquilo que éramos capazes de dar um ao outro fisicamente. Eu devia
sair. Eu não podia sair.”
“- Porque … – ele suspirou – Você me faz rir, você me desafia. Eu sinto
como se estivesse faltando alguma coisa realmente importante quando você se
vai. Tão importante que não me sinto completo. O que eu sinto por você, eu
nunca senti por ninguém antes. Você é minha, Jocelyn. Eu soube disto a partir
do momento que nos conhecemos. E eu sou seu. Eu não quero ser de mais ninguém,
querida.”
 “Ela sorriu se desculpando. – Você
é uma boa pessoa, o que complica é o fato de que você não confia em ninguém, é
muito difícil para as pessoas que se importam com você. E Braden, quando ele se
preocupa com alguém, tem que saber tudo para que ele possa cobrir todas as
bases e protegê-los. Ele é um cara que as pessoas podem confiar. É apenas quem ele
é. Se ele começou algo com você, ele só vai se machucar, se você se recusar a
deixa-lo entrar.”
Outras Capas + aqui


 
Nota: AMO essa última capa… Esse abraço, esse carinho todo é simplesmente a cara desse casal.



confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

10 Comentários

  • Juh**
    16 maio, 2014

    Oi Pah!
    Eu não dava nada para esse livro, mas depois dessa resenha mudei meus conceitos hahaha. Vou agora mesmo pegar meu kindle e começar a lê-lo <3
    Amo as suas resenhas, são uma das minhas preferidas.

    Beijos
    Livros e blablablá

  • Karina B.
    26 setembro, 2013

    Oii Pah!
    Adorei a resenha! Ficou muito boa! =D
    Falou tudo quando disse que o romance entre a Jocelyn e Braden é inusitado. Esse clima de superação, e a forma que a Jocelyn vai aceitando a aproximação do Branden é muito bom.
    An On Dublin Street Christmas é muito fofo, adorei esse conto *.*

    Beijos!

  • Caroline Albuquerque
    24 setembro, 2013

    Mais uma resenha perfeita, Pah! Esse livro é tudo de bom e essa capa inglesa é a mais lindaaa!! Estou me controlando para não comprar ela no bookdepository haha
    bjos

  • Rafaelle Vieira
    22 setembro, 2013

    Oi Paola!
    Eu adoro essas séries adultas mesmo elas sendo clichês e previsíveis. Iria ler esse livro em e-book, mas acabei desistindo por não saber muito da autora e achar não era tão bom. Agora depois da sua resenha vou dar uma chance para a leitura e ver se gosto da história. Ótima resenha! 🙂

    Beijos,

    Rafa{Fascinada por Histórias}

  • Letícia Kartalian
    22 setembro, 2013

    Pah, olha você me convencendo a ler um livro que eu já havia estereotipado e dito que não leria!
    Muita gente já tinha dito que o livro era bom, mas que era erótico e todo aquele blá-blá-blá com livros do gênero e, não que eu não leia livros assim, mas já estava bem cansada de ler sempre a mesma coisa…
    Bom, acho que esse já vai entrar para a minha listinha de próximas leituras, pra depois do lançamento do meu livro.
    Adorei seus comentários sobre ele e bom saber que quem curtiu Forever Black pode gostar desse também!

    Beijos,
    Letícia – Literature Diary | Blog Letícia Kartalian

  • Isadora Duarte
    22 setembro, 2013

    Amo todos os livros da Samantha Young! Into the deep é ainda melhor que On Duplin Street, mas com certeza esses livros valem a leitura! São histórias lindas, com personagens apaixonantes!

    Adorei a resenha!

    Beijoss

    http://preferiaestarlendo.blogspot.com.br/

  • Fernando Pacman
    21 setembro, 2013

    Olá Pah.

    Confesso que ando fugindo dos livros New Adult pois acho que o mercado do estilo avançou demais nestes ultimos tempos e deixou o tema um pouco cansativo.
    Mas, para quem curte o estilo o livro parece ser bem interessante, ainda mais mexendo com tantos sentimentos.
    Abraços

    http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

  • Amanda T.
    21 setembro, 2013

    Oi flor!

    Nunca tinha escutado falar do livro e nem li nada da autora, mas esse me chamou a atenção pela sua resenha… Assim como você e a protagonista, também tenho minhas reservas e acho que a leitura me fará bem!

    Um beijo
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

  • Lucas Gilmar
    21 setembro, 2013

    muito bom estruturado
    beijos
    livro-azul.blogspot.com.br

  • Universo dos Leitores
    21 setembro, 2013

    Que delícia Paola, é tão bom ler um livro e se apaixonar, não é mesmo?

    Parece ótima a história, quero ler quando tiver um tempinho…

    Abraços, Isabela.
    http://www.universodosleitores.com