Livros para Refletir: Passarinha, da Kathryn Erskine

Uma das coisas que mais admiro na literatura é sua capacidade de ensinar. Como uma fonte constante de aprendizado, as palavras nos incitam a enxergar o mundo sob uma nova ótica, abrindo nossos olhos para uma realidade infinitamente distante da nossa rotina de vida. Assim, um bom livro é aquele que nos tira da nossa zona de conforto, que acrescenta algo completamente novo às nossas perspectivas e valores. E de fato, não importa se o livro é profundamente reflexivo ou não, o que vale é a mensagem que ele deixa na mente do leitor. Por isso, quando penso em livros que mudaram minha visão de mundo não consigo deixar de pensar em Passarinha, a bela história escrita por Kathryn Erskine.

Em Passarinha nossa protagonista possui Síndrome de Asperger (que é considerada uma das variações do autismo), e por ser diferente a jovem Caitlin sofre preconceito, tem muito medo do desconhecido, insegurança por ser especial e, principalmente, uma forte dificuldade em se conhecer e aceitar. Suas dúvidas estão ligadas ao trato que ela recebe dos adultos ao seu redor – parece que muitos simplesmente não sabem como lidar com ela. Assim, o principal ponto abordado é o despreparo das pessoas ao redor da jovem. Fora que, além de abordar o autismo e suas peculiaridades de uma maneira única, fazendo-nos ver – sob a narrativa de uma garotinha de dez anos – como o mundo pode ser perigoso para as crianças especiais, a autora também nos faz refletir sobre o bullying, a desconhecida Síndrome de Asperger, o despreparo das escolas públicas, e o desequilíbrio emocional e ético dos nossos jovens. Temas tensos e fortes, mas facilmente envolventes quando contados de uma forma tão simples e verdadeira quanto à utilizada por essa autora.
Então, levando-se em conta a importância desses temas, que tal refletirmos a respeito de alguns dos pilares educacionais dessa história?
Você sabe o que é o Autismo? 
“O autismo é fundamentalmente uma forma particular de se situar no mundo e, portanto, de se construir uma realidade para si mesmo. Associado ou não a causas orgânicas, o autismo é reconhecível pelos sintomas que impedem ou dificultam seriamente o processo de entrada na linguagem para uma criança, a comunicação e o laço social.” (Fonte).
Percebem a diferença? “Uma forma particular de se situar no mundo”, não uma disfunção genética que precisa ser corrigida. Não se trata de adequar os autistas a nossa realidade, mas de nos adequarmos a deles.

E essa tal de Síndrome de Asperger?
Enquanto no autismo o portador tem uma grande dificuldade para desenvolver a linguagem, na Síndrome de Asperger esse processo ocorre de forma natural, ou seja, os portadores da Síndrome de Asperger possuem os mesmos sintomas que os autistas quanto ao trato social, porém têm a habilidade de percepção e desenvolvimento da comunicação.

“A síndrome de Asperger, caracteriza-se por prejuízos na interação social, interesses e comportamentos limitados, porém não apresenta atraso no desenvolvimento da linguagem falada ou na percepção da linguagem. É característico o desajeitamento motor, determinados interesses que lhe ocupam toda a atenção, tendência a falar sobre o que querem, sem se dar conta do interesse do outro.” (Fonte).
No livro essa característica é muito bem desenvolvida, já que a protagonista não tem problemas com a fala, mas apenas para “captar” o sentido emocional de muitas situações ao seu redor: empatia, compaixão, laços fraternos... Tudo isso é muito difícil para um autista assimilar.
Você pode abrir e fechar os livros um milhão de vezes que eles continuam os mesmos. Têm a mesma aparência. Dizem as mesmas palavras. (...). Livros não são como pessoas. Livros são seguros.
Será que as escolas públicas estão preparadas para lidar com crianças especiais?

Apesar de a tendência atual ser a inclusão de alunos com deficiência em escolas regulares, as limitações que o distúrbio provoca devem ser respeitadas. Há casos em que o melhor é procurar uma instituição que ofereça atendimento mais individualizado.” (Fonte).
Sem dúvida inclusão é a palavra do momento, entretanto não adianta apoiarmos a união sem estarmos preparados para lidar com as diferenças. No decorrer da história a autora deixa claro a ineficiência das escolas públicas no trato com as crianças especiais, e por mais que estejamos falando de ficção, é fato que essa é uma triste realidade de nossa sociedade. Muitos pais lutam por igualdade, porém não teríamos antes que lutar por profissionais qualificados? Por escolas públicas devidamente preparadas?
O tempo é o melhor remédio. (...). Como poderia ser? Um relógio não é como um comprimido ou um xarope. E eu não preciso de remédio. Preciso de um Desfecho.
É essa a educação (social, familiar e moral) da nova geração?
Um atirador que mata – a sangue frio – alunos e professores em uma escola; crianças de dez anos que ridicularizam seus colegas; pais que olham para o diferente com asco... Que mundo é esse que não aceita e ama seus irmãos como eles realmente são?
Uma dos grandes pontos de reflexão desse livro é exatamente isso: a abordagem social quanto ao diferente. Dói ver o que a protagonista de Passarinha enfrenta, mas é ainda pior saber que isso acontece na realidade, que existem inúmeras crianças passando pelo mesmo preconceito que ela.
Ele vira a cabeça para mim e sussurra, Perdedora. Eu sei, digo para ele, mas vou continuar tentando.


Por isso esse livro é tão forte e reflexivo, por nos fazer conhecer mais sobre o autismo e a Síndrome de Asperger, ao mesmo tempo em que nos faz pensar sobre o preconceito e a ignorância de nossa sociedade.
Diga NÃO ao preconceito – não apenas com uma faixa de manifestação, mas com apoio e conscientização, nem que seja por meio da indicação de um livro sobre o tema, um artigo de revista, ou um post em blog. A questão é debater, conversar, ler e aprender.
Dia 02 de Abril é o dia mundial de conscientização do autismo e, junto com a Editora Valentina, mergulhamos em uma campanha de aprendizado e respeito ao diferente.

PS. As citações em destaque são trechos do livro. 






Participe Aqui

32 comentários:

  1. Muito bacana essa iniciativa da editora!! *-*
    Disse tudo, nos livros aprendemos muito, lições que tiramos das histórias e levamos pra nossa vida, tenho um primo que é autista e antes dele nascer eu confesso que não entendia nada sobre o autismo, esse livro parece bem legal, eu gostaria de lê-lo e poder conhecer um pouco mais sobre o autismo... :D

    ResponderExcluir
  2. Oi, Paola
    Adorei sua resenha. É muito importante aprendermos sobre o Autismo. Eu acho que o preconceito diminui proporcionalmente ao aumento do aprendizado. Conheci várias crianças com autismo e posso dizer que são crianças lindas e especiais.

    ResponderExcluir
  3. Eu já tinha lido algumas resenhas sobre esse livro, e fiquei super curiosa para lê-lo, nunca li nenhum livro com essa temática, gostaria de saber mais sobre o assunto.
    E-mail: juliamariamoraes2013@gmail.com
    Nome de seguidor: Julia Moraes

    ResponderExcluir
  4. Acabamos lendo tantas histórias de ficção, e acabamos esquecendo no mundo ao nosso redor. Muita boa a iniciativa. Estou lendo uma fanfic com esse mesmo tema e muita apaixonada pela criança.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Ja havia lido outras resenhas de passarinha , mas isto foi melhor que uma resenha.adorei a coluna e o fato de vocês refutarem este assunto.estao de parabéns , estou ansiosa para a proxima e o livro ja entrou em minha lista de desejos.
    Obrigado e beijos !

    ResponderExcluir
  7. Achei muito legal esta iniciativa da editora! E a resenha ficou ótima. Nunca havia ouvido falar do livro, e ache bem legal tudo. E já vai pra minha listinha de livros!
    Beijoos

    ResponderExcluir
  8. Acho super relevante o fato da editora dedicar uma semana para nos ensinar, de certa forma, sobre o autismo. E esse livro em especial, mostra o quão desinformadas as pessoas estão quando relacionados ao tratamento e a aceitação social de quem tem autismo. Com certeza esse livro foi um dos melhores que eu já li.

    ResponderExcluir
  9. Tenho muita vontade de ler esse livro, tenho muita curiosidade com o tema abordado, já não conheço muito a respeito. Achei a capa desse livro simplesmente linda, mas nota-se que o livro em questão é muito mais do que uma bela diagramação. Espero lê-lo em breve, um livro com uma história tão delicada, profunda e intensa como esse deve ser lido por todos.

    ResponderExcluir
  10. Já ouvi falar sobre o livro é ele parece simplesmente perfeito, a história em Sí parece que nos fará enxergar o mundo de uma maneira diferente.

    ResponderExcluir
  11. A proposta do livro é muito boa, já faz um tempo que quero ler esse livro, tenho curiosidade de conhecer um pouco mais sobre o autismo.
    E-mail: juliamariamoraes2013@gmail.com
    Nome de seguidor: Julia Moraes

    ResponderExcluir
  12. eu fiquei super curiosa para ler esse livro , confesso que eu nn sabia oque se tratava ele, mas após ler sua opiniao, comprei e estou na metade estou adorando , eu nn sabia muito o sobre autismo , mas esse livro me fez pensar de um modo diferente ,amo sua opinao isso me faz ler livros maravilhosos .!

    ResponderExcluir
  13. Oi Paola,
    tudo bem?
    Um livro que deveria ser mais divulgado, pois retrata um problema social, sim, pois nós é que não sabemos lidar com o autismo, nós é que estamos despreparados, desinformados.Mas livros como esse deveriam ser escritos e campanhas realizadas.
    Adorei sua resenha, sua pesquisa, você está de parabéns. Eu apoio essa campanha.
    beijinhos.
    cila-leitora voraz
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oi !
    Então, eu vi esse livro na saraiva e me interessei bastante por ele, mas acabei comprando outros, infelizmente.
    Acho que vou dar uma chance a ele e colocar no meu próximo carrinho de compras.
    Beijos.
    juleitora.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Ainda não li esse livro, mas admiro muito obras desse gênero. Nos faz tomar conhecimento sobre a doença em questão e nos ensinam a lidar com a diferença.

    ResponderExcluir
  16. Que linda essa postagem Pah. Tão delicada e esclarecedora. Adorei a iniciativa de muitas Editoras por aí no dia da conscientização do autismo. Confesso que já comecei a ler esse livro, mas a história acabou não engrenando e abandonei. Talvez fosse o momento inapropriado. Mas com certeza este é um livro que quero muito ler porque sei que ele acrescentará muito na minha vida. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  17. um dos motivos que me dá mais prazer em ler é o fato de sempre aprendermos algo novo nos livros. enquanto lemos e passamos o tempo acabamos aprendendo...
    não sabia que sindrome de asperger era uma das variações do autismo :O
    conhecia as duas sindromes, mas não sabia a diferença entre uma e outra não...
    desde que o livro foi lançado eu quero lê-lo, mas até gora não tive oportunidade :(
    parece ser um livro lindo mesmo, e bem forte, mas mesmo assim desejo ele!

    ResponderExcluir
  18. Pah, adorei a frase "E de fato, não importa se o livro é profundamente reflexivo ou não, o que vale é a mensagem que ele deixa na mente do leitor."

    Sou totalmente de acordo. É uma das coisas que busco na leitura. Além do entretenimento, vou atrás de situações de vida que me trazem mensagens. Alguns são mais fortes do que outros em mostrar isso.

    Achei ótima a sua iniciativa, desconhecia o livro e me interesso bastante pelo autismo e a inclusão (em especial relacionado às escolas).
    Não sou a favor de segregação, mas já fui professora em escola inclusiva e achava muito complicado diversas vezes. O local não estava ainda preparado para lidar com essas diferenças, tornando o clima e o crescimento dos jovens muito mais complicado.

    Incluir fisicamente, pode muitas vezes ser pior do que escolas 'especiais'.

    Imagine que numa turma de 2º ano de ensino médio, você encontrar comentários 'ferinos' com uma aluna que tinha epilepsia, que faltava muito e tinha dificuldade de concentração por conta dos medicamentos. Não era nada muito fora "do comum", ainda assim os alunos falavam cada coisa sobre a situação de avaliação dele que é triste lembrar.

    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Eu amo quando livros acrescentam algo em nossas vidas, nos fazem refletir, pensar, repensar, nos ensinam, nos cativam e nos inspiram. Passarinha foi um caso destes, pois mexeu comigo, confesso que não tanto quanto eu gostaria, mas mexeu e é isso que importa. Conheço muito pouco sobre a doença, mas sei que é uma luta silenciosa, que deve ser mostrada, como diz a campanha, conscientizada.
    Achei seu post lindíssimo, Pah, parabéns!

    ResponderExcluir
  20. Oi, adorei a resenha, e que ótima iniciativa da editora, estamos acostumados a ler ficção, mas aprender sobre a realidade das coisas é uma boa ideia. Ler livros como esse que acrescentam coisas em nossa vida, que mudam de alguma maneira o nosso modo de pensar, é maravilhoso. Já sabia algumas coisas sobre a doença, mas esse livro acrescentou ''algo mais'' .

    ResponderExcluir
  21. Ameeei a resenha. Gosto desses tipos de contos. Um parabéns bem grande para os autores que decidem fazer livros como esse e "a estrela que nunca vai se apagar", "extraordinário" e "O Que me faz pular" (que fala sobre autismo também)...
    Com esses livros nós temos outra forma de ver o mundo, as pessoas... são livros extraordinários!

    ResponderExcluir
  22. Nunca li nada com essa temática ou algo parecido, achei muito interessante, foi uma ótima iniciativa da editora. Parabéns pela resenha e agora estou com vontade de ler.

    ResponderExcluir
  23. Oiii, Pah!
    Quando vi a resenha do livro, acabei não gostando muito. Mas agora com esse post, me interessei. Acho que é porque antes não pude ter a compreensão sobre o tema como tive agora. Então já entrou pra lista dos livros que quero ;)
    Infelizmente, na nossa sociedade, nem escolas publicas e nem as particulares estão preparadas pra receber pessoas com alguma necessidade especial. Vejo isso em minha cidade mesmo.
    Achei muito legal você fazer um post assim. Poderia até ser uma nova coluna ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sika, tudo bem? Que bom saber que acabou se interessando pelo livro, ele é realmente muito lindo! Estou pensando em transformar esse post em coluna, vamos ver se consigo falar de novos livros reflexivos :) Beijos

      Excluir
  24. Gostei muito do post! Também adoro livros que nos ensinam algo e estou muito interessada nesse livro. Sei pouco sobre o Autismo e gostei de conhecer um pouco mais sobre a síndrome. Concordo que devemos dizer não ao preconceito, principalmente em escolas! :)

    ResponderExcluir
  25. Oii Pah!
    Adorei o post! Todas as resenhas que já li desse livro foram positivas. É uma boa leitura para sair da rotina. Está na minha lista!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  26. Desde que li o primeiro post sobre o livro, fiquei com vontade de lê-lo. Adoro quando o livro vai além de uma história, mas ensina de uma maneira agradável algo difícil. Esse livro parece ser exatamente assim. Certamente está na minha lista de leituras.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de Abril

    ResponderExcluir
  27. Adorei a resenha, fiquei super interessada no livro, acho muito importante falar sobre o autismo, até porque a maioria das pessoas não sabem nada sobre esse assunto.
    Ele parece ser lindo mesmo!!!

    ResponderExcluir
  28. Adorei a resenha. Tenho muito interesse no assunto e sua resenha me deixou com mais vontade ainda de ler esse livro. Gostei muito do seu comentário acerca das escolas. Inclusão é a palavra do momento, mas nada é feito para preparar os educadores para receberem essas crianças especiais, que merecem muito mais do que lhes é oferecido na escola atualmente. É realmente uma bela iniciativa da editora!!

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  29. Minha amiga comprou, já leu e adorou, mas apesar de achar interessante não sei se compraria agora. Vou ler e ver o que acho e comprar depois, mas a resenha ficou muito boa =]

    ResponderExcluir
  30. Nossa que bacana! Adorei a abordagem, é um assunto que muitas vezes é abafado pela sociedade, justamente pelas pessoas não estarem preparadas pra lidar com essas síndromes.
    Quero muito ler, na verdade um livro assim TODAS as pessoas deveriam ler, é um choque de realidade e um aprendizado gigante!

    ResponderExcluir