[Resenha] Eleanor & Park – Rainbow Rowell

Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.
Romance Jovem Adulto | 328 Páginas | Editora Novo Século| Skoob | Compare & Compre: SaraivaSubmarinoAmazon | Classificação: 5/5
Eis um livro que me deixou sem palavras. Minhas expectativas para a leitura de Eleanor & Park eram gigantes. Desde o início eu sabia que o livro seria triste e, exatamente por isso, li a obra preparada para chorar de soluçar. Ledo engano. A história é intensa, reflexiva e triste à sua própria maneira, contudo o final não foi nenhum pouco parecido com o que eu tinha em mente. Sendo justa, a culpa é dos milhares de comentários que li, todos destacando o quanto o desfecho da obra era deprimente – o que de fato ele é, mas não como eu esperava que fosse. Por isso ressalto que, pelo menos para mim, a leitura foi completamente inusitada e surpreendente.  Como já era de se esperar de um livro da Rainbow Rowell, a obra aborda temas reais sem cair na mesmice. Ao falar de pobreza, preconceito racial, bullying e abuso físico e moral, a autora cria um amor capaz do, até então, impossível: dar esperança aos corações de dois jovens solitários e maltratados pela vida. E mais, mostra que existem várias maneiras, verídicas por sinal, de experimentar o almejado final feliz.
Não existem príncipes encantados, pensou ela. Não existem finais felizes. Ela olhou para Park. Dentro dos olhos verdes dele. Você salvou minha vida, ela tentou dizer. Não para sempre, não definitivamente. Provavelmente, só por certo tempo. Mas salvou minha vida, e agora eu sou sua. O que sou agora é seu. Para sempre.

Eleanor passou um longo período fora de casa e ao voltar enfrenta tudo do que tentou fugir: a submissão da mãe, a agressividade do padrasto, a pobreza da família e a carência dos irmãos mais novos. Além disso, ela é a garota nova da escola, a menina que pesa bem mais do que dizem que deveria, que se veste de forma desmazelada e que tem cabelos completamente indomáveis. Como uma cacofonia de estilos e cores, ela é uma visão e tanto e, mesmo se quisesse, não consegue passar despercebida dos olhares maldosos dos valentões do colégio. Sendo assim, em casa Eleanor constantemente sente medo, dor e desprezo pela situação da família, enquanto no colégio é vítima de insultos que a magoam e a fazem se sentir cada vez mais imprópria. Já Park é um mestiço – de mãe coreana e pai americano – que não sabe ao certo quem é, que carrega no peito o sentimento de não pertencer a lugar nenhum. Em casa ele vive à sombra das expectativas do pai e dos feitos do irmão mais novo (que, assim como o pai, é atlético e branco), enquanto no colégio ele caminha por uma linha tênue que separa os valentões dos nerds. O fato é que Park poderia fazer parte de ambos os grupos, tanto como alvo de piadas quanto como um dos populares, mas, por não conseguir achar seus traços orientais bonitos ou aceitáveis, Park prefere não chamar atenção e ficar na dele (ou seja, perdido em seu próprio mundo). Em suma, Eleanor e Park estão sozinhos em uma sociedade preconceituosa que os enche de dúvidas e medo. Porém, por meio de um golpe do destino, eles vão sentar lado a lado no ônibus da escola e, entre suas diferenças e semelhanças, vão descobrir um no outro tudo o que mais precisam. 

A obra tem como pano de fundo a década de 80 (o que garante citações incríveis e típicas da época) e usa de um artifício que gosto bastante: a narrativa intercalada entre os personagens principais. Aparentemente e economicamente falando, Eleanor e Park levam vidas bem diferentes. Contudo, ao mesmo tempo em que eles vão criando um forte laço de amizade, os leitores também vão percebendo o quanto eles são parecidos. Inicialmente o que chama a atenção na leitura é como o destino desses jovens é interligado. Eleanor leva uma vida dificílima em casa, mas a amizade de Park torna tudo um pouco mais fácil de tolerar. Os gibis que ele empresta e as músicas que grava para ela são tudo o que a jovem precisa para fingir que não liga para o que pensam dela, ou principalmente para os surtos de raiva do padrasto. Já para Park, Eleanor é aquela que o ajuda a aprender que, independente do que os outros pensam, ele tem que escolher ser feliz. Não importa se seu pai diz que não, se ele quer usar delineador e ressaltar seus olhos orientais é isso que ele vai fazer. O fato é que a relação entre Eleanor e Park é linda e tocante porque funciona como um bote salva-vidas. Para Eleanor é questão de vida ou morte. E para Park é o que o salva do constante medo de não superar as expectativas dos outros. Emocionei-me muito com a verdade por trás das dificuldades desses jovens. A autora foi certeira ao mostrar o preconceito, a dor e o medo que eles sentem por serem diferentes. Afinal, se hoje o desigual é alvo de descaso, imagine há alguns anos atrás?
A relação que esses dois estabelecem não é incrível apenas por eles se ajudarem mutuamente. Também existe amizade, cumplicidade, veracidade, lealdade, paixão e amor. É praticamente impossível não sentir na pele o que eles estão vivendo, ou deixar de se emocionar com o fato de que, mesmo em meio a tantas dúvidas, eles são capazes de abrir seus corações. O que mais me surpreendeu foi como eles conversam sobre tudo, como são sinceros um com o outro, e como descobrem o que realmente é amar e enxergar a beleza de outra pessoa. Eles são diferentes, mas ainda assim encontram alguém que os ama exatamente por essas particularidades: pelos olhos puxados de Park, ou pelas sardinhas charmosas de Eleanor. Outra coisa que gostei é que, mesmo com o avançar da amizade e da paixão entre eles, para ficarem juntos Eleanor e Park também precisam lutar contra seus próprios preconceitos. Por exemplo, Park tem medo de se envolver com Eleanor e, assim como ela, virar alvo de chacotas – é claro que gostaríamos que ele, imediatamente, se apaixonasse por ela e a defendesse de todos; mas não é assim no livro como também não é na vida real. Já Eleanor tem vergonha de se apaixonar por Park porque vê com olhos preconceituosos seu próprio corpo, imaginando que Park nunca irá amá-la ou vê-la como uma menina bonita e atraente, tudo por causa das suas curvas, sem nem ao menos imaginar como ela mexe com os hormônios de Park. – Deu para perceber a intensidade da relação desses dois? Como ela é real, tocante e apaixonante?
Não gosto de você, Park. Eu acho que vivo por você. Acho que nem respiro quando não estamos juntos. (...). Só o que faço quando estamos separados é pensar em você, e só o que faço quando estamos juntos é entrar em pânico. Porque cada segundo parece ser tão importante. E porque sou tão maluca, não me controle. Não sou mais minha, sou sua; e se você resolver que não quer mais me ver? Como pode me querer como eu quero você?
Sei que já me estendi o suficiente, mas ainda tenho que dizer o quão profunda é a mensagem por trás dessa história. A verdade é que a obra, como todos os livros da Rainbow Rowell, são emocionantes por darem vida a personagens, problemas e desfechos completamente reais. A sensação que tive ao terminar é que tal história é uma lição de vida, um exemplo de que sempre temos que manter a fé. Fora que o livro conta com muita diversão e paixão, mesclando perfeitamente a realidade com o sonho juvenil de encontrar um amor para vida toda. Amei, simplesmente amei.
Beijos,


Participe Aqui

33 comentários:

  1. Ai Pah esse livro rsrsrsrs
    Você favoritar ele me deixa mais confusa ainda
    vamos ver né, espero mudar de opinião e gostar tanto quanto você

    ⋙ ♥ Blog Livros com café

    ResponderExcluir
  2. Já ouvi muuuuito desse livro (e do seu final decepcionante). Admito que ainda não criei coragem para ler exatamente porque todos dizem que seu final não é legal. Mas recentemente, comprei outro livro da Rainbow. Então pretendo ler e, se gostar da leitura, partir para os outros livros da autora. Um final triste não deveria me impedir de ler um livro bom, certo?
    Apesar de que, sempre nos apegamos muito aos personagens, você não acha? Eu sempre sofro junto com eles, por mais que a obra seja incrível.É uma dificuldade minha que as vezes me impede de ler bons livros.
    Mas enfim, muito boa e esclarecedora sua resenha. Não seria muito animador se você também tivesse acabado com o livro por seu final. Precisamos aprender a reter o que é bom né. hahaha

    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Adorei a resenha, confesso a você que ainda não fui atrás desse livro exatamente por tantos comentários sobre o livro ser deprimente, eu tenho que me preparar muito pra ler um livro assim que fala sobre preconceitos e agora que li sua opinião sobre ele vou ler de coração aberto, sei que vou me emocionar mas já sei que não vou lamentar a leitura. Obrigado.

    Bjus

    Val

    ResponderExcluir
  4. Eleanor & Park <3 Faz pouco tempo que li esse livro e posso dizer que adorei a história, adorei os personagens, adorei o fato da autora nos mostrar algo mais real, com personagens mais reais.Apesar de esperar um final no estilo "felizes para sempre", como sempre espero, não me decepcionei com o final da história, acho que foi condizente com o enredo. É um livro que recomendo para qualquer pessoa, muito bom.

    ResponderExcluir
  5. A começar pela capa que é lindíssima, esse livro parece realmente ser muito bom.. É a primeira vez que leio alguma coisa a respeito e fiquei chateada e curiosa ao mesmo tempo ao saber que a história é triste.. A capa fazia parecer tão fofa .. De qualquer forma, parece ser um livro um tanto interessante, tendo em si uma única coisa que não me atrai que é a intercalação de narração,mas não deixaria de aproveitar a leitura por isso ..

    ResponderExcluir
  6. Se eu já queria ler esse livro antes, agora que The Cure foi citado e sei que a década de 80 é o pano de fundo, já subiu algumas posições na lista de desejados!
    Essa autora parece simplesmente incrível! Todas as resenhas que leio são super positivas.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Adorei a resenha e o livro parece ser muito bom, mas no momento não estou querendo ler nada triste principalmente com um final triste, então por enquanto deixarei passar esse leitura e quem sabe um dia eu o leia

    ResponderExcluir
  8. Oi, Pah!
    Ai, que ótimo saber que o final não foi triste, tava com muito medo disso.
    Sou louca por esse livro, a relação entre Park e Eleanor parece ser mesmo linda e tocante! E que bom que a autora não caiu na mesmice.
    Amei a resenha! Abraços, querida!

    ResponderExcluir
  9. Desde de quando vi o livro fiquei querendo lê-lo, principalmente por que a capa me chamou a atenção. Não imaginava que o livro que aborda temas desse tipo, que são atuais. Gosto bastante de ler livros assim, depois dessa resenha, com certeza, vou ler o livro.Bjus.

    ResponderExcluir
  10. Ah, eu amo essa história! Se a Rainbow Rowell ainda não ganhou um prêmio por ela, deveria ganhar. É simplesmente apaixonante!

    http://tudoqueeuli.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Gostei muito da resenha!
    Li Eleanor e Park e adorei o livro, a história mesmo sendo triste e tendo um final aberto passa uma mensagem de esperança. Como você disse a autora aborda temas reais de maneira bem verdadeira. Os personagens são ótimos, têm suas dúvidas e o encontro deles é importante para poderem entender quem eles são. Uma das coisas que me fez ler o livro foi se passar na década de 80, pois gosto muito das músicas dessa época.

    ResponderExcluir
  12. Ooi Pah,
    Que resenha linda, adorei.
    Ainda não li esse livro, mas fiquei morrendo de vontade de ler, principalmente depois dessa resenha.
    Não gostei muito dos comentários de que o final é triste, pois gosto de finais mais felizes, quando leio livros com finais triste, fico pensado por um bom tempo nele.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  13. To um tempão tentando engatar a leitura desse livro mas até agora não consegui!! Mas a sua é a primeira resenha que eu leio mesmo sobre livro e posso dizer que me cativou mais para ler, até por ter esse toque mais realístico! Pelo que eu tenho visto a Rainbow é uma escritora maravilhosa e eu estou ansiosa para confirmar isso

    ResponderExcluir
  14. Pah! Eu tenho um sério problema com a Rainbow! Eu li Fangirl e sinceramente detestei. Tenho um certo receio imenso de pegar Eleanor & Park e não gostar. Sofri muita raiva com a autora. Sério.

    ResponderExcluir
  15. já li o livro e não posso discordar de nada do que você falou. apesar de ter amado o livro, devo confessar que me decepcionei um pouco. aquela coisa de esperar demais sabe...
    mas mesmo assim o livro é ótimo mesmo. a ambientação dele é incrível, impossível não se emocionar com esse casal fofinho
    a autora é ótima, sabe trabalhar com tramas mais reais de uma forma incrivelmente bela!

    ResponderExcluir
  16. Olá! Amei o blog e as postagens! =D
    http://cafecomliivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Olá Pah
    Nunca tinha parado pra ler sobre esse livro, mas já vi muitos comentarios positivos...hoje entendi.
    A historia é linda, falando de temas fortes como pobreza, abuso e bullying, parece que a autora sobe juntar tudo muito bem.
    O fato de saber que o final não foi o como você esperava me deixou mais curiosa.
    Ótima resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Oi Pah,
    Acho que vou me emocionar com a Eleanor. Como aguentar tanto sofrimento em casa e no colégio? Todos precisam de um lugar onde que se possa servir de refúgio, mas ela não tinha. Estou ansiosa para ler este livro e saber como foi o desenrolar da relação entre Eleanor e Park. A capa é linda demais e a autora tem uma escrita muito boa!!
    Beijos,

    versosenotas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  19. Doida para ler esse livro. Só leio resenhas positivas. Próxima aquisição!

    ResponderExcluir
  20. Oi Pah!! Quanto tempo...rs

    Esse foi o primeiro livro que li da Rainbow e gostei.
    É um livro muito bem escrito, a leitura flui com facilidade, mas (já falando também de um segundo livro dela que eu li - muito bom também-, os finais me frustam! Não por serem ruins, mas porque eu fico querendo MAIS e quando vejo já acabou e tenho que reler as últimas páginas pra ver se não perdi alguma coisa...rsrs

    P.S. Parei de comentar em blogs por um bom tempo (culpe o fim da Faculdade), rsrs mas não deixei de acompanhar o blog (ainda bem que existe email) rs ♥

    Beijos.

    ResponderExcluir
  21. Me pegou de surpresa, o pensamento que eu tinha do livro não era tão profundo assim!
    Nunca li nada do autor! Mas to vendo que realmente vale a pena! Afinal quantos de nós não vivemos situações tão parecidas dentro de casa! E esperamos "príncipes encantados" que existem sem existir! Um feito pelo molde das nossas vidas e dificuldades!... Sem mais...

    Abraço Pah!

    ResponderExcluir
  22. Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii. Sou louca para ler os livros dessa autora. Não li nenhum de seus trabalhos ainda, mas estou encantada com sua resenha. Gosto de histórias que emocionam, que debatam temas tão dolorosos e ambientes cotidianos.

    ResponderExcluir
  23. eu AMO esse livro, li a poucos dias e estou encantada!!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Todos que vejo que ja leram pegaram um amor tao grande pelo livro e pela autora, que eu fico maluca para ler tbm! O problema é que o tempo nao esta me permitindo tal coisa :( amei sua resenha e fiquei ainda mais agoniada para comprar e me entregar na leitura!!!

    ResponderExcluir
  25. Não gosto de finais tristes, eu choro. Mas já que o final não é triste, vou querer ler. A capa não é chamativa, mas pelas resenhas vale a pena.

    ResponderExcluir
  26. Final triste? aaah que pena :x
    Mesmo eu querendo ficar longe de livros assim, eu vou ler haha
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  27. Cada resenha que leio desse livro só me deixa com mais vontade de lê-lo *-*
    Preciso tomar vergonha e comprar logo hahaah

    ResponderExcluir
  28. Pah!
    Delícia poder ler um livro onde os protagonista tem uma sintonia fina um com o outro e se ajudam a superar seus medos, frustrações e criar novas expectativas de vida.
    Não li ainda nenhum livro da autora, porém só leio elogios sobre ela e suas personagens bem construídas e sempre com a mensagem de fé, isso é importante.
    “A amizade e a lealdade residem numa identidade de almas raramente encontrada.”(Epicuro)
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  29. Oi, Pah!
    Ainda não tive oportunidade de ler esse livro, mas já tinha visto a sinopse
    Não imaginava que ele fosse assim tão lindo, adorei sua resenha. Amo livros que tem uma espécie de lição de vida e me parece que esse tem.

    ResponderExcluir
  30. Eu sou apaixonada por esse livro já há algum tempo, e nunca consigo uma oportunidade de lê-lo. A história me parece comovente, os personagens bem marcantes e eu só leio resenhas positivas sobre ele, o que só aguça minha curiosidade. Espero que eu posso adquirir o livro em breve e enfim tirar minhas próprias conclusões sobre a história.

    ResponderExcluir
  31. Nunca li nada dessa autora, não sabia dos contornos profundos da trama. Também já ouvi falar muito, muito do livro, e já criei muitas expectativas sobre o livro, o que, via de regra, não é muito bom. Mesmo assim, fiquei com ainda mais vontade de ler o livro depois da sua resenha, me parece um livro muito sensível e um lindo amor, se você amou muito já é um ótimo sinal de que vou gostar bastante da leitura.

    ResponderExcluir
  32. O livro é bom só o final que como a gente espera.

    ResponderExcluir
  33. Oii!
    Que resenha mais linda, amei! Ouvi falar muito deste livro, mas nunca procurei saber exatamente sobre o que se tratava. Mas a sua resenha está bem profunda e acho que já sei qual é o presente que estava procurando para minha irmã. Acho que esses livros mais realistas são os melhores, sempre abrem nossos olhos para algum comportamento, de alguma forma. Nos fazem avaliar nosso modo de ser. Acho isso fantástico.
    Beijo
    www.blogleituravirtual.com

    ResponderExcluir