fevereiro 14, 2017

[Resenha] Fellside – M. R. Carey

Uma história de terror moderna, perturbadora e emocionante, assinada pelo mestre dos quadrinhos M. R. Carey, pseudônimo de Mike Carey, roteirista de sucessos como X-Men e Hellblazer e autor do cultuado A menina que tinha dons, adaptado para a telona pela Warner Bros (ainda sem previsão de estreia no Brasil). Em seu segundo romance, Carey conta a história de uma mulher que vive em Fellside, uma prisão de segurança máxima localizada nos confins da Inglaterra. Acusada de ter incendiado o seu apartamento e matado por acidente uma criança, Jess Moulson vive afundada em culpa e medo, e sabe que não pode confiar em ninguém ali. Até que começa a ouvir a voz de uma criança. Uma criança morta, que tem uma mensagem para Jess. Ponto forte: autor maneja com desenvoltura diferentes narrativas – quadrinhos, cinema, literatura – e mantém o leitor em permanente estado de tensão até a última frase.

Suspense Psicológico
| 464 Páginas | Cortesia Editora Rocco | Skoob |
Compare & Compre : SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 4,5/5 | Resenha da May
Intenso e também
perturbador, é esta a sensação que Fellside
deixou em mim quando terminei a leitura da obra. O consagrado autor M. R. Carey
nos presenteia com uma história distinta e surpreendente, ambientada
diretamente de uma prisão somente de mulheres, local para onde são mandadas
criminosas do mais alto escalão de crueldade e com as maiores penas.


A trama nos apresenta
Jess Moulson, que após acordar atordoada em um hospital recebe a notícia de que
está sendo acusada do assassinato de Alex Beech – o menino que morava no mesmo
prédio que ela – por colocar fogo em seu apartamento depois de uma noite muito
estranha regada à heroína e a intensas discussões com seu namorado abusivo.
Jess acorda confusa e sem se lembrar do que realmente aconteceu, e durante seu
julgamento passa a acreditar no que a população e a mídia dizem a seu respeito:
taxando-a como a assassina dos infernos. Ela é condena e então conduzida a
Fellside, uma grande prisão para mulheres criminosas que tem seu próprio
sistema de sobrevivência. Depois do julgamento Jess parece estar desistindo de
viver e, consumida pela culpa da morte do menino Alex, ela embarca em uma greve
de fome que a deixa a beira da morte. Entretanto, um evento sobrenatural e
misterioso acontece e, na beira do precipício que é a vontade de morrer, Jess
vê um garoto que faz sua vontade de viver retornar. Para Jess este menino é
Alex, que pede ajuda para entender os motivos por trás de sua morte. Assim, milagrosamente
Jess se recupera, retoma o contato com seu advogado e decide recorrer para
tentar entender o que aconteceu naquela fatídica noite.

O livro é narrado em
terceira pessoa e não acompanhamos somente Jess e sua visão dentro da prisão,
como também a história de várias presidiárias, de médicos e policiais, e –
embora em um primeiro momento acompanhar tantas visões diferentes e que não
parecem ter nenhuma ligação seja confuso, – aos poucos vamos conhecendo a
dinâmica da prisão, quem é que realmente manda em tudo por ali, como funciona a
hierarquia e, principalmente, como histórias tão diferentes estão interligadas
e juntas auxiliam a solução do mistério do menino Alex e Jess, em um final
totalmente inesperado e surpreendente.

Fellside guarda muitos horrores em suas paredes
e, como é típico de um presídio, aqui temos relações abusivas, manipulação,
tráfico de drogas, corrupção, impotência humana e muitos outros plots sendo
trabalhados ao mesmo tempo. Contudo, não se enganem, pois o autor soube com
maestria ligar todos os pontos, não deixando nada sem explicação ou perdido para
trás. E aqui não posso deixar de comentar que, embora a leitura tenha sido um
pouco lenta pelo fato do livro ser bem descritivo em alguns momentos, os
capítulos curtos fazem com quem nem percebamos as páginas passarem, além de a
todo o momento ficarmos ávidos em descobrir o que realmente aconteceu no
apartamento de Jess e quem é o verdadeiro culpado.

Em suma, Fellside nos permite uma leitura densa e
sombria, cheia de mistérios, reviravoltas e revelações surpreendentes. O livro também
nos tira um pouco da nossa zona de conforto e constantemente nos deixa
instigados e curiosos com o desfecho, que para mim foi inesperado. Trata-se de
uma leitura bem diferente, que trabalha vários tabus e que, definitivamente,
vale a pena ser conferida.

Beijos,

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

10 Comentários

  • Palavras e Notas
    25 fevereiro, 2017

    MEU SENHOR AMADO

    EU NÃO SABIA QUE ELE TINHA LANÇADO OUTRO LIVRO

    AAHHHH EU PRECISO *—–*

    Já leu A Menina Que Tinha dons? Bom, mas pelos seus comentários deu para perceber que a obra está incrível, o que me deixa feliz por saber que o autor manteve o clima macabro na escrita (que se não me engano também é em terceira pessoa em AMQTD). Adorei a resenha e saber da existência da obra porque eu tava bem por fora, não vou mentir, KKK.

    Já vou procurar se, por acaso, o livrinho não está em promoção em alguma loja virtual ❤

    Abs!

  • Thaynara ribeiro
    24 fevereiro, 2017

    Essa resenha foi uma completa surpresa. Não me lembro de já ter encontrado um livro com esse cenário e que seja tão cru em como as coisas funcionam lá dentro. A personagem me pareceu inocente e quero ver como ela lida com essa cruel realidade

  • Lara Cardoso
    19 fevereiro, 2017

    Não conhecia a obra e se não fosse a sua resenha não saberia que é interessante, mas infelizmente não é meu estilo favorito de livros.

  • RUDYNALVA
    18 fevereiro, 2017

    Mayara!
    gosto de enredos que se passam em presídios.
    Pelo jeito a protagonista vai passar por muita coisa dentro dele e o pior, é achar que merce.
    Adorei a inserção do 'sobrenatural' com a presença da criança morta e que no final é quem vai salvar a protagonista.
    Bacana!
    “O saber é saber que nada se sabe. Este é a definição do verdadeiro conhecimento.” (Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

  • raquel rodrigues
    17 fevereiro, 2017

    Oiiii! não conhecia o livro e nem o autor, eu adoro livros que tenham mistérios, e apesar desse livro me tirar da minha zona de conforto, fiquei bastante interessada, parece ser um livro bastante intrigante, e apesar de ser meio lento, gostei bastante do enredo, e ele me lembrou Orange is the new Black apenaas por causa da cadeia feminina kjkjkj, mas pretendo ler o livro, pois fiquei bastante curiosa pra saber tbm o que aconteceu naquela noite, e como o menino faz c que ela volte a querer viver.

  • Evellyn Mendonça
    16 fevereiro, 2017

    Oii Mayara, gosto de livros que faz com que eu saia um pouco da nossa zona de conforto.
    Achei interessante todo esse mistério, fiquei curiosa para saber quem é o verdadeiro culpado.
    Bjs

  • Leticia Golz
    15 fevereiro, 2017

    Oi, Mayara
    Não conhecia o livro e confesso que acho que se não fosse sua resenha, não saberia dizer se leria. Gostei de saber dos temas abordados e imaginei que seria um pouco descritivo. Mas, afinal, que bom que isso não atrapalhou.
    Gostei muito da dica.

  • Girlene Viey
    15 fevereiro, 2017

    Adorei local que historia se passa, incomum acontece em uma prisão… geralmente se passa em floresta, casa, e aquele clichês de sempre. Acho que já ganhou um ponto por isso. Jess parece de fato um mulher perturbada o que fez pensar se aquilo realmente vai acontecer só na sua cabeça ou de fato é real. Gosto de terror, suspense e mistério e tudo isso em único livro é ótimo proposta para que adora-lo antes mesmo de ler. Acredito que autor soube bem trabalhar com coisas sobrenaturais pois já tem bastante experiencia em criações de historias. A capa, achei ela bastante linda e super combina com a tudo que se passa no livro, a editora foi criativa neste ponto

  • Lili Aragão
    15 fevereiro, 2017

    Oi Mayara, esse livro parece uma versão feminina da série de televisão Oz (só que com um toque sobrenatural) e as resenhas que tenho lido dela, me deixam curiosa pra saber como a protagonista vai conseguir investigar mais da morte do menino se já está presa, mas imagino que o advogado desempenhe um papel importante nesse aspecto. A única coisa que me preocupa um pouco é a narração lenta e descritiva, pois isso pode acabar afetando a minha concentração, afinal todos os detalhes devem ser importantes e nem sempre consigo ler em meio ao silêncio completo rsrs, mas como os capítulos são curtos isso deve ajudar. Enfim, a dica pra leitura muito boa 😉

  • Caroline Garcia
    14 fevereiro, 2017

    Ai meu pai! Sinto que é bem arrepiante essa história rs
    Ouvir uma vozinha de criança não é nada legal.
    No momento, por não curtir histórias muito sombrias, não leria o livro em questão.
    Claro, parece ser uma história muito bem desenvolvida, com personagens bons, mas prefiro não me arriscar ainda nesse universo!
    Mas confesso que sua opinião sobre a obra me deixou curiosa.
    Beijos,
    Caroline Garcia