[Resenha] Arábia: A Incrível História De Um Brasileiro no Oriente Médio – Rafael Coelho

Você largaria seu emprego em uma multinacional para estudar em uma universidade que ainda nem existia? E se esta universidade fosse na Arábia Saudita? Pois é... Rafael Coelho largou tudo, se mudou para o Oriente Médio e agora descreve, sob a perspectiva de um jovem de vinte e poucos anos, este curioso relato de forma divertida e minuciosa. Na Arábia Saudita há muito mais do que petróleo e sheiks. Trata-se do berço do Islamismo e um dos países mais conservadores e fechados do mundo, onde mulheres não podem dirigir, bebidas alcoólicas são proibidas e a pena de morte é sentenciada por decapitação em praça pública. ARÁBIA: A Incrível História de Um Brasileiro no Oriente Médio é uma aula de diversidade cultural e respeito às diferenças, usando de histórias reais nas terras sauditas e, também, em países vizinhos, incluindo a Síria, um pouco antes da ascensão do Estado Islâmico. ARÁBIA é muito mais do que um livro de viagens. É uma leitura inspiradora que mostra como decisões fora da caixa podem ser acertadas e proveitosas. Depois de conhecer essa história, será impossível você olhar para "oportunidades bizarras” com os mesmos olhos de sempre.
Autoajuda; Viagens | 155 Páginas|  Skoob | Amazon (Aproveita que está em Oferta!)| Classificação: 4/5
Arábia é a história de um jovem que fez uma escolha ousada e que, mesmo rodeado de inseguranças e incertezas, provou que sair da sua zona de conforto foi a melhor maneira de construir um novo futuro. –Consegue imaginar largar casa, emprego e terra natal para iniciar um mestrado na Arábia Saudita? Rafael também não, mas mesmo assim decidiu correr o risco.

A obra narra os anos que Rafael Coelho, o próprio autor, passou na Arábia Saudita. Acho importante dizer que a ideia da obra não é reconstruir os passos dele no melhor estilo biografia, muito pelo contrário, o foco está na necessidade que Rafael viu de compartilhar suas escolhas, acertos e erros, e todo o aprendizado gerado por esses anos em que esteve em um continente tão diferente – tanto em costume, quanto em política. Assim, aqui acompanhamos a vida desse jovem corajoso e aventureiro, mas sempre na intenção de entendermos o quanto viver na Arábia Saudita mudou, completamente, a vida de Rafael.
Surgiu para o jovem a oportunidade de fazer mestrado na KAUST, King Abdullah University Of Sience. Na época a universidade não passava de um projeto gráfico: o Rei Abdullah, na tentativa de diminuir a dependência da nação diante do petróleo e de fazer o país ser reconhecido pela formação acadêmica de ótima qualidade, investiu 20 Bilhões de Dólares na construção de uma universidade de ponta. Além de um projeto incrível e de muito dinheiro investido, e também porque não são bobos nem nada, a KAUST abriu bolsas acadêmicas para os melhores alunos do mundo, buscando criar uma primeira turma forte e sólida. E é aí que Rafael entra nessa história. O rapaz, que não pensava em fazer mestrado e só queria terminar a faculdade e ser efetivado na empresa em que estagiava, acabou sendo um dos escolhidos para a turma de primeiros alunos da KAUST. E, depois de alguns incentivos financeiros, decidiu ir para Arábia Saudita. Decisão que, anos depois, provou ser uma das melhores que já tomou.
O livro traz tanto o dia a dia de Rafael na universidade, convivendo com estudantes do mundo todo e aprendendo a lidar com as regras de um país tão rígido e fechado, quanto às viagens que ele e seus amigos fazem ao longo dos dois anos de mestrado. Existem inúmeros países e culturas próximos da Arábia Saudita, assim ele aproveitou os feriados e finais de semana prolongados para visitar regiões para quais nunca sonhou ir. Portanto, é fato que o livro possui dois pilares que gosto muito: a possibilidade de mergulharmos em outra cultura (nesse caso uma cultura fortemente embasada e dependente do Islamismo) e de viajarmos pelo mundo ao lado do personagem principal. Carrego em mim essa vontade de rodar o mundo, então foi incrível ver o autor listar suas idas e vindas, principalmente por regiões pouco conhecidas. O clima do livro é tão focado na aventura e nas viagens que, sem brincadeira, a vontade que dá é comprar uma passagem e partir pelo mundo. Além disso, adorei a perspectiva de conhecer essa região tão mística e fervorosamente religiosa. Aqui, o autor traz tanto a visão preconceituosa que a mídia prega dos costumes desse povo, como a maneira fechada, reclusa e inaceitável para quem vê de fora que esse povo vive.
O mestrado da KAUST realmente me proporcionou essa oportunidade de conhecer países, histórias e culturas incríveis e, o mais importante de tudo, abriu muito minha cabeça sobre como é bom viajar e explorar destinos fora da caixa! (...) Durante minha estadia das arábias, foram um total de 15 países visitados: Arábia Saudita, Bahrein, Indonésia, Jordânia, Líbano, Malásia, Cingapura, Síria, Tailândia, Chipre, Egito, Emirados Árabes, Índia, Qatar e Turquia.
Além das viagens e de conhecer mais essa cultura tão opressiva, o livro também traz a perspectiva de um jovem de vinte e poucos que quer ter dias normais: jogar futebol, sair pra noitada, namorar, encher a cara e tudo isso sem se preocupar com as leis que dominam o oriente médio. A narrativa do Rafael é bem “gente como a gente”. Ele escreve como se tivesse falando com um amigo, o que torna a leitura bem rápida e fluida, e não tem vergonha de contar as dificuldades – sociais ou comportamentais – que passou no seu período na Arábia Saudita. Afinal, independente de estar lá para estudar, qual jovem que não precisa de um pouco de diversão de vez em quando? Claro que também devo dizer que não concordei com algumas das opiniões do autor (principalmente com relação ao papel desempenhado pela mulher no oriente como um todo), mas o ponto é entender que o livro é a forma como ele vê e sentiu o sua estadia na Arábia Saudita e em seus países vizinhos.
No final do livro o autor compartilha com o leitor tudo o que essa experiência, de convívio e viagens, ensinou. Ele criou uma lista de dicas bem bacanas e que nos fazem refletir sobre nossos medos e anseios, e como deixamos de conquistar determinadas vitórias simplesmente por termos pavor do desconhecido. Ou seja, o livro é um prato cheio para os amantes de viagens e também para aqueles que precisam de um empurrãozinho para lutarem por aqueles sonhos guardados na gaveta.
Quando você toma uma decisão, não pode ficar pensando no que teria acontecido se tivesse seguido o caminho A ou B. Tem que fazer o caminho que você escolheu ser o certo. Se joga!

Beijos,






Participe Aqui

11 comentários:

  1. Nossa!!Que livro diferente. Deve ter sido uma ótima leitura.

    www.lendoebebendo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Katharine Emídio8 de abril de 2017 12:18

    Pah, gostei da resenha!! Não sei se teria essa coragem viu?! Mas eu me identifiquei muito com a temática, temos que arriscar e hoje, o medo priva muito!! Vou dar uma chance a esse livro, até porque estou passando por isso no momento. Super Beijoo

    ResponderExcluir
  3. Oi Paola! Ótima resenha!
    Adoro ver autores nacionais por aqui e conhecer novas obras! Tenho muita vontade de viajar ao redor do mundo e conhecer novos lugares também. Por isso, gostei muito da premissa desse livro e fiquei curiosa pela leitura, principalmente por se tratar de uma experiência real em uma cultura tão diferente da nossa.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Pah!!
    Que homem corajoso, né?
    Bom, eu não teria essa coragem, e e nesse lugar tem muitas leis, deve ser bem difícil de se viver por lá.
    Amei o livro, por ser uma história real, e inspiradora.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha, muito boa, me interessei pelo enredo do livro, muito boa a perspectiva de saber como seria viver um uma realidade totalmente diferente do conhecido. Queria muito ler pra tentar entender as dificuldades que o Rafael passou lá no Oriente Médio.

    ResponderExcluir
  6. Pah!
    Mostra que ele é um tremendo corajoso de largar tudo e ir estudar na Arábia Saudita, além de distante, um país totalmente diferente em termos de costumes, alimentação, clima e tudo o mais.
    Gostaria de ler.
    “ O amor é a sabedoria dos loucos e a loucura dos sábios.” (Samuel Johnson)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

    ResponderExcluir
  7. Mana, esse eu não sei se posso dizer que teria a coragem que esse menino porque não é fácil tomar uma decisão desse porte e afinal como foi dito ele foi pra um país onde a situação é bem complicada. Eu não sou capaz de imaginar como foi dificil pra ele viver lá e ao mesmo tempo realizar as mesmas atividades que ocorrem aqui. Eu achei super legal o enredo e espero ter a oportunidade de ler esse livro algum dia.

    ResponderExcluir
  8. Olá Pah,
    nossa, um livro bem diferente e interessante, deve ser algo bom e ruim porque o personagem esta indo para fazer sua faculdade mas também terá que aprender a conviver em um pais bem rigido e também longe da propia familia...achei interessante a historia mas não sei se leria!

    ResponderExcluir
  9. Já fiquei com muita vontade, não sou de ler livros nesse estilo, mas acho que vou dar uma chance para eesse.

    ResponderExcluir
  10. Não sei se teria a coragem do Rafael de largar um emprego e ir acreditando na realização de um projeto que poderia falhar. Claro que a vontade de viajar e vivenciar outra cultura me deixaria morrendo de vontade. Quero muito ler para poder entender como é a adaptação e qual as principais dificuldades além do que já imaginamos

    ResponderExcluir
  11. Oi Pah.
    Que premissa mais interessante, sair assim do seu pais natal e viajar para um lugar totalmente desconhecido é impressionante, necessita de muita coragem coisa que eu com certeza não tenho muito, mas adorei e preciso ler com toda certeza.
    Bjs.

    ResponderExcluir