abril 18, 2017

[Resenha] Pax – Sara Pennypacker

Peter e sua raposa são inseparáveis desde que ele a resgatou, órfã, ainda filhote. Um dia, o inimaginável acontece: o pai do menino vai servir na guerra, e o obriga a devolver Pax à natureza. Ao chegar à distante casa do avô, onde passará a morar, Peter reconhece que não está onde deveria: seu verdadeiro lugar é ao lado de Pax. Movido por amor, lealdade e culpa, ele parte em uma jornada solitária de quase quinhentos quilômetros para reencontrar sua raposa, apesar da guerra que se aproxima. Enquanto isso, mesmo sem desistir de esperar por seu menino, Pax embarca em suas próprias aventuras e descobertas. Alternando perspectivas para mostrar os caminhos paralelos dos dois personagens centrais, Pax expõe o desenvolvimento do menino em sua tentativa de enfrentar a ferocidade herdada pelo pai, enquanto a raposa, domesticada, segue o caminho contrário, de explorar sua natureza selvagem. Um romance atemporal e para todas as idades, que aborda relações familiares, a relação do homem com o ambiente e os perigos que carregamos dentro de nós mesmos. Pax emociona o leitor desde a primeira página. Um mundo repleto de sentimentos em que natureza e humanidade se encontram numa história que celebra a lealdade e o amor.

Juvenil; Drama| 288 Páginas|  Cortesia
Editora Intrínseca| Skoob |
Compare & Compre: Saraiva
SubmarinoAmazon| Classificação 5/5
Pax é o
tipo de leitura que encanta, ensina e emociona. Nunca imaginei que iria amar um
livro narrado – mesmo que parcialmente – por uma raposa, mas assim como todas as
histórias com animais fofos e amorosos, acabei apaixonada por Pax e por sua
história sobre confiança e amor sem medida. A trama traz uma narrativa direta e
fluida que, sob o olhar de um garotinho e de sua raposa de estimação, descrevem
as complicações da vida adulta com uma delicadeza que acerta em cheio o coração
do leitor. Ao falar sobre amizade, relações familiares, recomeços e as
dolorosas consequências deixadas pela guerra, S
ara Pennypacker criou uma história única e extremamente
especial.

Uma nova guerra começou e, por
causa dos perigos e do novo trabalho do pai, Peter precisará de um novo lar.
Seu convívio com o pai nunca foi o dos melhores, mas Peter sente a dor de perdê-lo para a guerra enquanto vai morar
com o avô. E o pior de tudo não é a mudança de casa, mas sim o abandono. Ao que
parece todos os homens da família são fechados e não suportam gastar tempo com bobagens sentimentais, por isso o
garotinho precisou deixar para trás uma parte do seu coração: Pax, sua raposa,
seu melhor amigo desde a morte da mãe. Desolado com a separação, Peter decide
voltar para a casa antiga – um local que já está sendo dominado pela guerra –
em busca do seu melhor amigo. Enquanto isso, Pax – uma raposa que nunca viveu
na natureza – segue seu caminho sentindo saudades do melhor amigo, dor por ter
sido deixado e, principalmente, medo de precisar encontrar um novo e solitário
lar. E pergunta principal é: será que esses dois amigos conseguirão se
reencontrar?

Os corvos encolheram os ombros, eriçaram as penas, sacudiram e baixaram o
bico. A agitação deles deixou Pax com os nervos à flor da pele. Tumulto. Prestou
mais atenção, e o que sentiu o alarmou. Tentou descrever: ar engasgado de
morte. Fogo e fumaça. Sangue em um rio, a água correndo vermelha, a terra
encharcada de sangue. Caos. Está tudo se desfazendo. As fibras das árvores, as
nuvens, até o ar está se desfazendo. Sim. Guerra. Onde?
 

A narrativa é intercalada entre
Peter e Pax. Assim, conseguimos acompanhar a vida dos dois e a esperança que os
guia a um possível reencontro. Peter é um garoto corajoso e muito amoroso. Foi
incrível ver os sacrifícios que ele faz em nome da amizade, mas foi ainda mais
bonito ver que durante sua jornada ele encontra pessoas dispostas a ajuda-lo. Tanto
é que no meio do caminho ele descobre uma mulher marcada pela guerra e, mesmo
sem querer, ela assume um papel muito importante na história, mostrando o outro
lado da guerra, o lado que separa famílias, que mata jovens inocentes, que
rouba a fé e a esperança, e que deixa sequelas mentais e físicas para ao resto
da vida. Aqui, entre adulto e criança, conseguimos sentir a guerra de uma
maneira cruel e dolorosa; e eu amei isso, amei esses personagens e o laço que
surge entre eles, e amei ainda mais o fato das páginas serem carregadas de
sentimento e de reflexão. Em contra partida a narrativa de Pax consegue ser
ainda mais emocionante. Imagine você: abandonado por seu melhor amigo em um
lugar desconhecido, com fome, medo, e rodeado de perigos – como coiotes e
homens maldosos. Seria assustador, não é mesmo? Essa raposinha está perdida e
solitária, mas logo encontra semelhantes que ajudam na compreensão do que é a
guerra e porque ela separou Pax do seu garoto. E isso é tão lindo! Ver esses
animais mostrando que são os homens, através da ganância por poder, que
complicam e destroem vidas. Além disso, novas amizades são construídas ao longo
dessa jornada, mostrando também como podemos ser solidários e fraternos.

Foi quando percebi: embora ele fosse homem, embora fosse branco, embora
fosse de outro país, talvez tivéssemos muitas coisas em comum. Coisas importantes,
mais importantes que o Exército que nos convocou. Dois, mas não dois.

Além de trazer uma bela jornada
de reencontro e falar sobre temas complexos como a guerra, o livro também traz belíssimas
lições de amadurecimento, perdão e recomeço. E tudo isso com uma narrativa leve
e envolvente. De fato, o que me surpreendeu mais nessa leitura foi a delicadeza
das palavras usadas e o sentimento por trás de cada uma delas. Trata-se de uma
história que você pode ler com o seu filho e que também pode dar de presente
para homens e mulheres de qualquer idade. Trata-se de uma história real,
emocionante e que traz uma amizade que supera ás barreiras e as imposições da
guerra. Amei, muito. Impossível não essa história tão bela e marcante.
Beijos,

Participe Aqui 

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

11 Comentários

  • Marlene Conceição
    25 abril, 2017

    OI Pah.
    Que premissa mais incrível, mas eu não sei se leria um livro que é narrado por uma raposa, apesar de achar super interessante não sei s conseguiria me apegar a ela e gostar da leitura, por siso tenho esse receio.
    Mas ainda assim essa capa é uma coisa fofa.
    Bjs.

  • OtimiZando
    24 abril, 2017

    Nossa eu esta louca para ler este livros, agora com a resenha fiquei com mais vontade ainda.

  • Theresa Cavalcanti
    22 abril, 2017

    Esse livro não faz muito o meu estilo de leitura, e como eu to sem tempo pra ler, não to querendo arriscar muito. Já to indo nos que eu sei que vou gostar.

  • Cinde Fernandes
    20 abril, 2017

    Oi Paola!
    Adorei sua resenha sobre o livro Pax. Faz um tempo que quero lê-lo, mas ainda não tive oportunidade. Me parece que é um livro muito comovente porque além de ser sobre a perspectiva de um garotinho e de seu animal/amigo de estimação, a história se passa em um cenário de guerra que é um assunto delicado para humanidade. Além de a capa ser linda! Amo histórias assim que tocam meu coração e falam de coisas essenciais como a amizade. Quero ler o quanto antes.

  • Katharine Emídio
    20 abril, 2017

    Pah, amei a resenha! Já tinha ouvido falar muito bem desse livro e muitas pessoas já me indicaram. Ele está na minha lista para logo, então espero amar muito!! Super Beijo

  • Nathallia
    20 abril, 2017

    Oi Paola, essa resenha do livro me encantou, adoro livros que são narrados por crianças, minha grande paixão é Extraordinário, por isso me encantei por esse. A ambientação ser na guerra me deixa um pouco tensa, e mostra q possivelmente irei chorar. A capa é linda, a raposa que acompanha o garotinho, faz dela uma protagonista maravilhosa, companheira. Quero muito ler o livro, obrigada pela indicação Paola.

  • Anna Mendes
    20 abril, 2017

    Oi Paola!
    Fiquei com muita vontade de ler esse livro! Parece ser uma história muito envolvente, cativante e emocionante. Adoro livros que tratam de temas mais complexos, mas cujos narradores dão um toque de leveza e delicadeza para a história. Com certeza vou adicioná-lo nas minhas metas de leitura 🙂
    Bjos!

  • Maria Clara
    19 abril, 2017

    Olá, Pah!!
    Achei muito fofo o livro, por ele ser ilustrado, e a história, por os animais serem animais, bem diferente mesmo.
    Abraço!

  • RUDYNALVA
    19 abril, 2017

    Pah!
    Gosto muito dos livros ambientados nas guerras e ver uma amizade tão linda entre o menininho e seu bichinho de estimação é uma coisa linda.
    Não sei se conseguiria abandonar meu bichinho, seja lá porque motivo for, deve ser um livro fabuloso.
    “Compreender que há outros pontos de vista é o início da sabedoria.” (Campbell)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

  • Leituras da Ketellyn
    19 abril, 2017

    Estou ansiosa para ler esse livro desde a primeira vez que vi falar dele, alem da capa ser linda já li tantos comentários positivos que fica impossível não querer ler, ainda mais com uma narrativa intercalada, isso faz a gente gostar e saber mais sobre o que eles estão passando. Ele chegou aqui em casa na semana passada,mas ainda não pude começar a leitura, depois da sua resenha vou ter que me apressar para começar. Bjss

  • Lily Viana
    19 abril, 2017

    Olá Pah,
    esse livro e para acabar com meu sentidos emocionais né??!! que historia linda, a trama, tudo me pareceu tão lindo, essa amizade dos dois, a raposa que teve que vive longe de seu melhor amigo, e com essa guerra que está tendo e muito interessante, mostrar ser uma lutar, coragem..amei o livro, me deixou com vontande de conhecer essa historia!