Destaques

Newsletter

assine a newsletter!

E receba a notificação de novos posts por e-mail

agosto 04, 2017

[Resenha] Victoria e o Patife – Meg Cabot

Por Paola Aleksandra

Neste romance histórico juvenil escrito pela autora de “O diário da princesa”, acompanhamos a trajetória de Victoria. Criada pelos tios na Índia, ela é enviada a Londres aos 16 anos para conseguir um marido. Mas é na longa viagem até a Inglaterra que a jovem encontra o amor, na figura de Hugo Rothschild, o nono Conde de Malfrey. Tudo estaria ótimo se não fosse a insuportável interferência do capitão do navio, Jacob Carstairs. Por que ele não pode confiar na escolha de Victoria? Por que ele não a deixa em paz? Estaria Hugo escondendo algo?
Romance de Época (Juvenil) | 256 Páginas | Cortesia Galera Record | Skoob | Compre: SubmarinoSaraivaAmazon | Classificação: 3,5/5
Esse é um livro perfeito para os jovens que querem começar a ler romances de época, mas evitam tramas sensuais. Aqui a Meg, rainha em escrever livros juvenis, apresenta ao leitor uma jovem dama de dezesseis anos que retorna para a Inglaterra com um único objetivo: encontrar um marido. A história é fluida, bem-humorada e reflexiva na medida certa. Afinal, ao falar de preconceitos e imposições sociais, a autora traz à tona um velho e importante debate sobre a importância que damos às aparências.

Victoria é inteligente, bonita, vem de uma família tradicional, e conta com uma atrativa – e gigante – fortuna. Por isso, depois de anos sendo criada pelos tios na Índia a jovem resolve assumir sua posição como dama inglesa e voltar para Londres – claro que com a intenção nada secreta de encontrar um bom partido. Durante os meses que passa no navio, Victoria conhece dois homens: um formoso e galante, e outro imprevisível e convencido. Óbvio que ela se apaixona por um e passa a odiar o outro. Entretanto, o que a garota descobrirá ao por os pés em Londres é que as aparências enganam. E que, ao invés de um lorde pomposo e perfeito, seu coração anseia por um homem irônico e sincero – e conhecido como um belo de um patife.
Victoria é a típica garota de quinze/dezesseis anos deslumbrada e sonhadora. Ter vivido na Índia deu a ela a sensação de ser forte o suficiente para enfrentar qualquer problema. Porém, a jovem não estava preparada para artimanhas, mentiras e tolas regras de convívio social. Por isso, já adianto que muitas das atitudes da protagonista irritam o leitor. Logo nas primeiras páginas fica óbvio que suas escolhas foram precipitadas e que ela adora julgar as pessoas com base apenas em suas aparências. Tanto é que Victoria acaba em uma teia cheia de mentiras e perigos, por sua confiança cega no que os olhos vêm, e não no que o coração diz. Queria dar uma bela sacudida nela, mas foi gostoso vê-la amadurecer e descobrir que o que realmente importa na vida não é um casamento vantajoso, mas sim um enlace por amor. Sei que a mensagem é clichê, mas adoro livros que abordam esse assunto.

Já Jacob, o protagonista masculino dessa história, é do tipo que conquista aos poucos, com suas frases desafiadoras e sua maneira talentosa de mexer com a personagem principal (ele tem a habilidade incrível de deixá-la extremamente irritada; talento masculino, talvez? Risos). Gostei de como o personagem aborda um tema importante: o crédito que damos para a aparência de uma pessoa e que nos faz confiar mais no que é belo do que no que é sincero. Como já disse, essa mensagem é muito importante, ainda mais em um período que vivemos para a imagem que criamos nas redes sociais. Portanto gostei do livro, apesar do romance e da diversão, trazer o amor como algo que vai muito além de dinheiro, títulos ou aparência.
Não vou dizer que esse é o melhor livro da Meg. Na realidade, achei o começo dele meio chatinho – só do meio para o final que realmente consegui me envolver com a trama. Mas sinto que isso aconteceu porque ainda não havia entendido que o público alvo dessa história são os leitores mais novos. Por isso mesmo que ressalto o fato de que a obra não tem conotação sexual e que é uma ótima pedida para os jovens que buscam um romance engraçado e cativante (e do tipo cão e gato, algo que eu adoro). Claro que no geral foi uma leitura boa, mas ainda assim nada maravilhoso e extremamente marcante.
Sei que a galera mais nova vai adorar esse livro. Agora para a turminha mais velha que devora os romances de época: leia sem muitas expectativas, ok? E deixem que essa trama divirta vocês.

Beijos,




Participe Aqui

Comentários via Facebook

25 comentários:

  1. Oi Pah, eu li Meg Cabot quando era bem mais nova, mas o Diário da Princesa nunca me acertou em cheio..mas achei que essa história pode ser muito divertida, então pretendo dar uma chance a ela baseado em sua resenha. Você já leu algum livro da Marian Keyes? Eles eram meus queridinhos na adolescência, até hoje quando ela lança um livro vou correndo comprar e me divirto muito! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Olá !!
    Gosto bastante de romances de época! São meus favoritos !
    Eu li esse livro faz um tempo e posso dizer que é bem "jovem" e tem muitas ações imaturas.
    A escrita da Meg é bem gostosa e flui muito bem !!
    E como você disse, esse livro é uma escolha pra quem quer começar a ler romances de época! !
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Oi Pah! Adoro a escrita da Meg. Já tinha visto esse livro dela e fiquei curiosa pra saber a história. Gostei da premissa de juntar romance de época com a literatura juvenil. Talvez não funcione pra mim, por conta da protagonista que parece ter o temperamento bem adolescente, mas no geral, gostei da premissa dele.
    Abc

    ResponderExcluir
  4. Oi Pah, fiquei um pouco decepcionada com a nota, eu esperava maior já que muitos vêm falando dessa obra.
    Enfim, no decorrer da sua resenha fui entendendo que esse livro é mais para um público jovem e que lê querendo diversão e leveza. Pra gente que já lê os romamces mais adultos e sensuais entende que não se deve esperar tanto como você falou.
    Acho que ele não entra na minha lista de leitura, beijos.

    ResponderExcluir
  5. Oi Pah,
    Li apenas A Rosa do Inverno dessa autora, mas quero ler mais livros, principalmente os romances de época. Gostei da trama de Victoria e o Patife, parece ser uma história bem leve e gostosa de ler. A Victoria deu a impressão de ser uma protagonista bem mesquinha no início, mas que bom saber que é nítida seu amadurecimento no decorrer da história. Amei a sua reflexão sobre a importância que damos às aparências “o crédito que damos para a aparência de uma pessoa e que nos faz confiar mais no que é belo do que no que é sincero”. Belas palavras Pah!
    Sou fã de romance de época, mas acho que vou armazenar esse livro por enquanto, já que ele tem uma narrativa voltada ao público mais jovem.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Pah!
    Não sabia que a autora também escrevia romances de época.
    E que pena não ter se conectado com as personagens e o livro não tenha sido o que esperava, mesmo com trechos que lembrem Orgulho e Preconceito.
    Ainda assim, achei a capa e o enredo tão fofos que daria uma oportunidade para leitura.
    Desejo um mês repleto de realizações e um ótimo final de semana!
    “A vida guarda a sabedoria do equilíbrio e nada acontece sem uma razão justa.” (Zíbia Gasparetto)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  7. Parece ser bonzinho mas não é nenhuma surpresa, afinal a Meg é maravilhosa, li a saga de O Diário da Princesa em menos de 7 dias kkk

    ResponderExcluir
  8. Amei como o Jacob confessou a estratégia de sedução dele kkkk. Foi muito engenhoso!Esse tipo de romance cão e gato, é o mais clichê que existe, porém, amamos né. Uma das coisas que mais gostei na história, foi o enorme coração que a Victoria tinha, sua teimosia achei bem hilariante, porque quando lemos, nós(os leitores de carteirinha), nossa imaginação vai fluindo com a leitura e as cenas vão se desenrolando. Portanto, as brigas do nosso casal principal foram as mais hilariantes, para uma pessoa como eu, de riso fácil.

    ResponderExcluir
  9. Pah estou lendo " Doce Perdão " da Lori Nelson Spielman e acho que é o tipo de livro jovem adulto( nem tão jovenzinho assim ) que você gostaria muito. A história fala sobre perdão, traumas do passado e novas descobertas, uma personagem que chega em determinado momento da vida e vê que ainda não encontrou seu verdadeiro eu, que não seguiu verdadeiramente em frente, por ainda estar presa ao passado. Estou quase terminando a leitura, porém a história está bem tocante. Sem falar na capa, MARAVILINDA <3 Se gostar faça uma resenha dele por favorzinho, pois é uma livro que eu acho que merece ser compartilhado, pois nos faz parar e repensar algumas atitudes.

    ResponderExcluir
  10. Oi Pah! Eu amo esses romances cão e gato, acho divertido.. mas realmente gosto mais dos romances mais adultos, seja de época ou contemporâneos. Mas um livro é sempre um livro né, rs. Provavelmente eu vou dar uma chance... Por mais que não seja do meu estilo favorito, parece ser fofinho e eu gostei das reflexões sobre valorização das aparências que ele traz, tão importantes nos dias de hoje. Infelizmente as pessoas não entendem que "o essencial é invisível aos olhos", como disse a raposa de O Pequeno Príncipe ;) Enfim, obrigada pela dica! Beijos ❤

    ResponderExcluir
  11. Oi,Pah
    Imaginei que esse livro seria algo mais juvenil mesmo. É bom já saber caso eu vá lê-lo, para não ir com muita sede ao pote.
    A trama parece ótima e pretendo ler um dia. Já vale pela mensagem que passa. Gostei de ver sua opinião sincera.

    ResponderExcluir
  12. Oi Páh,
    Meg Cabot fez parte da minha infância com os livros de O Diário da Princesa, e tbm gostei muita de alguns livros dela como Patricia Cabott que são mais adultos. Este eu achei a capa um amorzinho né, talvez eu dê uma chance, mas pelas resenhas que tenho lido não está sendo muito agradado, que pena.

    ResponderExcluir
  13. A Meg é maravilhosa sem dúvidas, mas, confesso que infelizmente os únicos livros que li dela até hoje foram os dois primeiros volumes de O Diário da Princesa e Tamanho 42 Não é Gorda. Gosto da escrita cativante dela e eu compraria esse livro só pela capa fofa dele rsrs e pela relação de cão e gato dos protagonistas descrita na sua resenha. Porém, vai para a lista de Quem Sabe Um Dia...

    ResponderExcluir
  14. Acho que sou uma das poucas leitoras que nunca leu nada da Meg Cabot e, apesar de achar que sua escrita é divertida de se fazer, não me vejo muito interessada em suas obras.

    ResponderExcluir
  15. Eu gosto de Meg Cabot, mas acho realmente a escrita dela mais para o público jovem com, livros mais "bobinhos", por isso não me arrisquei a comprar esse.. Ainda não consegui terminar a série "tamanho 42 não é gorda", faltam dois ou três livros pra ler, e tenho os dois primeiros da série "rainha da fofoca", que ainda não li nenhum.
    Se engatar de vez, aí vou dar uma nova chance pros livros dela.

    ResponderExcluir
  16. Pah já lançou o segundo desse e não li esse ainda, estava esperando uma resenha para eu poder ver, e parece maravilhoso né, todos estão falandoq ue é mais para quem quer começar nesse tipo de romance, quero muito ler <3

    ResponderExcluir
  17. Pah, amei a resenha! Para ser sincera não sou uma das grandes fãs dessa autora, mas já li vários dela. Achei a história interessante e vou dar uma chance. Super Beijo

    ResponderExcluir
  18. Parece ser um livro pra vc distrair, simples e leve! E essa capa é uma fofura. 😘

    ResponderExcluir
  19. eu nunca li romance de época, e esse foi um dos motivos de adquirir o livro, pela sua resenha, e pelo proprio livro ser mais levinho. Se eu gostar desse gênero vou com certeza seguir as suas indicações da Julia Quinn. Sou sincera quando falo que romance de época não me enche os olhos, e espero que eu curta a leitura e me adentre nesses mundo dos romances de época que tanto vejo as pessoas falarem.

    ResponderExcluir
  20. Amo romances de época, esse parece bem fofo, mas não sei se é algo que eu compraria para mim, mas vou indicar ele para pessoas que querem ler romance de época mais leve ❤️

    ResponderExcluir
  21. Olá!
    Ainda não li nada da autora. Mas acredito que a escrita dela seja bem bacana.
    Apesar desse livro ser mais direcionado para o público jovem, daria uma chance a leitura, por gostar de romances de época e por ser uma leitura leve.
    Linda resenha, como sempre muito bem escrita.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  22. Li apenas três livros da Meg Cabot, que foram os três primeiros de O Diário da Princesa, adoro a escrita dela e por não ler muito romances de época, acho que esse seria um ótimo livro para começar, achei legal a protagonista ser um pouco mais nova que eu, para mim, dezesseis anos é muito nova para já arranjar um pretendente, mas se for pensar no contexto histórico, se ela deixasse um pouco para mais tarde, ficaria para a titia, enfim, por gostar da Meg e esse livro possuir uma trama mais divertida, acho que gostaria.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  23. A sinopse é boa, mas não é algo que me chama atenção, por ser um romance de época, é um gênero que não faz o meu tipo. Gostei de sua resenha. Beijos.

    ResponderExcluir
  24. Eu estou lendo o livro e já estou me amarrando na historia, é simplismente muito bom e bem do jeitinho da Meg divertido e maravilhoso.
    Eu já me apaixonei pelo Jacob a primeira leitura, e conforme vai lendo vai shipando ainda mais ele com a Victoria, como a prima Becka vai observando tudo, serio estou amando ler.
    A resenha está impecavel, muito linda, dá vontade agora de voltar a ler.kkk

    Visitem meu blog!
    http://garotaeraumavez.blogspot.com.br/
    Obrigada!

    ResponderExcluir

Resenhas

© Livros & Fuxicos – Desenvolvimento com por Subir