Newsletter

assine a newsletter!

E receba a notificação de novos posts por e-mail

novembro 17, 2017

[Resenha] Não me Esqueças – Babi A. Sette

Por Paola Aleksandra

Em um cenário de contos de fadas, Babi A. Sette convida o leitor a mergulhar em um mundo novo, repleto do encantamento que somente um amor de almas gêmeas pode realizar. Aos vinte e um anos, Lizzie deveria estar empenhada em fisgar um noivo e finalmente se casar. Entretanto, após uma decepção amorosa, o coração da jovem só palpita por sua grande paixão — os estudos sobre o povo e a cultura celtas. Esse interesse faz com que ela troque os concorridos salões de baile de Londres pelas estradas desertas e sinuosas das Highlands escocesas. Ali, ela conhecerá Gareth, o enigmático líder do clã que vive no local mais remoto e bucólico da Escócia. Envolto em uma aura de mistério, ele luta para manter suas tradições, seus segredos e, principalmente, seu povo em segurança. Enquanto o austero Gareth tem a vida toda sob controle e resiste a mudanças, Lizzie está muito entusiasmada com suas explorações e descobertas. Porém a vida de ambos é alterada de maneira inexorável quando uma fatalidade transforma a tão sonhada aventura de Lizzie em pesadelo. Vindos de mundos tão diferentes, mas unidos por uma atração irresistível, Lizzie e Gareth vivem uma paixão proibida e desafiadora, sem saber que finalmente poderão encontrar aquilo que só ousavam buscar em sonhos.
Romance de Época| 350 Páginas|  Editora Verus| Classificação 5/5
Skoob | Compare & Compre: SaraivaAmazon
Sabe aquele romance que aquece o coração e nos deixa com uma sensação de quero mais? Não me Esqueças é exatamente assim: doce, encantador e digno de contos de fadas. Todos os livros da Babi A. Sette me fascinam – alguns emocionam, outros surpreendem e existem ainda aqueles que mostram o poder que só o amor tem de gerar esperança. Mas a história da Lizzie e do Gareth é especial porque traz um incomum toque de magia. Através dessa leitura somos instigados a acreditar que o amor verdadeiro é capaz de superar qualquer obstáculo.



Lizzie sofreu uma grande decepção e está decidida a permanecer solteira. Ela já participou de um número razoável de temporadas londrinas e está cansada de encontrar as mesmas coisas: pompa desnecessária, falsidade e homens frívolos. A posição do pai, que é um Duque, dá a jovem à certeza de que nunca precisará recorrer a um casamento sem amor. Então ela gasta seu tempo cultivando uma paixão antiga: estudar a cultura celta. Desde menina Lizzie ama mergulhar nesse período histórico e entender mais sobre os Highlanders e seus costumes. Por isso, quando a oportunidade de viajar para a Escócia aparece, Lizzie – com um empurrãozinho da mãe – não mede esforços para realizar o sonho de conhecer aquilo que só foi capaz de ver através dos relatos de outras pessoas. 
Do outro lado dessa história temos Gareth. Ele está levando uma vida relativamente calma e feliz em sua propriedade na Escócia quando acaba, pela força do destino, responsável por uma donzela inglesa. Para ele, Lizzie é uma distração desnecessária – assim como um lembrete constante do massacre inglês que exterminou a cultura dos Highlanders. Uma parte dele quer culpa-la pelos erros do passado, enquanto a outra quer protegê-la até que a jovem possa refazer seu caminho para casa. O único problema é que a segurança de Lizzie, e até mesmo a sua vida, pode colocar os sonhos de Gareth – e de todos que ele aprendeu a amar – em risco. Divido ele vai precisar escolher entre a honra para com a sua família e o sentimento, inexplicável e mágico, que o faz desejar o amor de uma inglesa.
O mais bonito nesse livro, sem dúvida, é o laço que une Lizzie e Gareth. A obra é cheia de mistérios e segredos; questionamentos e revelações que vão surgindo aos poucos e criando um intricado quebra-cabeça. Mas o mais surpreendente é que cada artimanha do destino tem um único objetivo: provar que o amor é capaz de curar, perdoar e até mesmo unir pessoas separadas pelas barreiras culturais e sociais. Os dois protagonizam aquele tipo de amor cão e gato – vivem brigando, possuem pensamentos e necessidades completamente diferentes e são do tipo cabeça-dura. Entretanto, o convívio diário mostra o quanto são perfeitos um para o outro, o quanto podem sonhar, construir e aprender se aceitarem que existe algo de especial os unindo. Entre eles vemos química, desejo, piadas irônicas e brigas divertidas, mas mais que isso acompanhamos o nascer de uma relação cheia de diálogos, entrega e vontade de ser mais – de deixar para trás as mágoas e medos e, ao lado da outra pessoa, recomeçar.
Lizzie vê em Gareth a oportunidade de conhecer mais sobre a Escócia e seus costumes. A cada dia ela aprende um pouco mais e é incrível observar como ela não freia essa necessidade, muito pelo contrário, como aproveita qualquer momento para estudar e se descobrir. Já Gareth encontra em Lizzie a esperança que faltava. Ele carrega muitos medos e segredos, e a presença dela faz com que Gareth tenha vontade de lutar por um futuro diferente, de abandonar as reservas – e as máscaras – que o prendem ao passado. Dia após dia vemos os dois mais próximos. E, sério, é lindo ver como eles constroem uma relação sincera e imperfeita. Acho que fazia tempo que não lia um romance de época com um relacionamento tão palpável e real. Juntos eles não têm nada: proteção, títulos, certezas de um futuro promissor... Mas possuem o mais importante, que é o amor. Faz a gente pensar no que realmente importa nessa vida.
Tudo o que amei no livro: a construção do relacionamento do casal, a imersão na cultura celta e no mundo dos Highlanders, os segredos de Gareth e como eles são revelados aos poucos, a personalidade de Lizzie (que é extremamente gente como a gente, tanto em suas certezas quanto nas inseguranças), a família da protagonista (alô fãs de A Promessa da Rosa: Lizzie é uma das filhas daquele casal que aprendemos a amar, sabe?), e o incrível e especial toque de magia que permeia toda a história. Me senti lendo um conto de fadas. É uma trama bonita, romântica e mística. Mas que, assim como toda história de amor com final feliz, traz uma mensagem bonita e verdadeira: vale a pena lutar pelo amor.
Não me sinto capaz de descrever como foi terminar essa leitura. Eu queria mais do final, mais desses protagonistas e mais desse mocinho que ganhou meu coração. Acabei apaixonada e consciente de que uma boa história de amor verdadeiro sempre vai alimentar meu coração esperançoso e alegre.
Recomendo de olhos fechados – esse e todos os livros da Babi.

Beijos. 

Comentários via Facebook

4 comentários:

  1. PAH!
    Sonhando em poder ler mais esse livro da série, pois já li A Promessa da Rosa e O despertar do Lírio, não posso deixar de conferir esse, ainda mais que a hhistória de Lizzie, estuduiosa de mitologia e cúmplice de seu irmão.
    E temos de conferir se o DNA continua fazendo jus e ela sofrerá tanto quanto a mãe.
    Um final de semana carregado de luz e paz!
    “A arte de ser sábio é a arte de saber o que ignorar.” (William James)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Paola!

    Adoro ler as suas resenhas e acompanhar seus vídeos. Sinto uma calma dentro de mim e também é perceptível que você lê e fala sobre as leituras com coração. Parabéns por toda essa sinceridade e por ser essa pessoa tão incrível.

    A respeito de Não me esqueças, eu estou doida para realizar essa leitura. Todo mundo fala tão bem dos livros da Babi que eu fico com muita vontade de conhecer essas histórias (eu já li 'Senhorita Aurora" - que amei muito - e também comecei a ler 'Entre o amor e o silêncio', mas infelizmente não consegui ir com a leitura pra frente... mas pretendo retomar em breve).

    Vi que você citou que no livro podemos encontrar muita coisa sobre a cultura celta e sobre os Highlanders... além de muito amor. Ou seja, tenho certeza de que vou adorar esse livro.

    Mas acho que primeiro vou conferir "A promessa da Rosa" pra conhecer o casal responsável pela Lizzie, hahaha!

    Beijos e boa semana! <3
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Pah
    Que lindo! Morrendo de vontade de ler. Fico adiando, adiando, como sempre.
    Parece que a Babi tem esse toque de conto de fadas nos livros dela mesmo, é o que sempre ouço. Adorei saber mais do livro. Espero não demorar para fazer a leitura.

    ResponderExcluir
  4. Oi Pah,

    Eu gostei muito do livro e da sua resenha. No último sábado (18/11/2017), foi o lançamento do livro aqui em Brasília e eu conheci a Babbi. Ela é uma pessoa muito querida e foi muito atenciosa com os leitores presentes.

    Não vou esquecer do meu autógrafo especial do Simon Thorn (mocinho do Despetar do Lírio).

    Ah, a Babbi confirmou que haverá livros para os outros irmãos \o/. O Steve virou meu novo crush literário.

    ResponderExcluir

Resenhas

© Livros & Fuxicos – Desenvolvimento com por Subir