Newsletter

assine a newsletter!

E receba a notificação de novos posts por e-mail

abril 12, 2018

EU VI: FILMES E SÉRIES DE MARÇO

Por Paola Aleksandra


Oi, galera! Tudo bem? Hoje é dia de conferirmos o resumo dos filmes e séries de TV do mês de março!

Mês passado resolvi tirar alguns finais de semana de folga e simples me joguei no sofá – fazia muito tempo que não maratonava uma série ou assistia dois filmes seguidos. Então, com saudades dos velhos hábitos (aqueles que ficaram de lado por conta da correria do dia a dia), me muni de pipoca e chocolate e assisti muita coisa boa.

Quando nos Conhecemos

A trama começa com Noah celebrando o noivado de sua melhor amiga – que, por sinal, também é sua grande paixão. Inconformado, ele imagina como as coisas seriam diferentes se no dia em que conheceu Avery, ao invés de deixar o relacionamento pender para a amizade, eles tivessem tido a coragem de se beijar. E aí que a mágica acontece: o mocinho vai voltar no tempo, para o dia em que eles conversaram pela primeira vez, e terá a chance de provar para Avery que ele é o cara da vida dela.

Achei que não ia gostar do filme – e que a história ia pender para aquelas comédias cheias de referências sexistas e irritantes. Mas a bem da verdade é que adorei o longa-metragem! O final é surpreendente e traz uma mensagem valiosa sobre o que realmente é o amor. Além disso, as idas e vindas entre presente e passado são recheadas de bom-humor, o casal principal é pura fofura, e os personagens secundários encantadores.

É um filme jovem, divertido, clichê em alguns sentidos e, ainda assim, inusitado. Está disponível no Netflix e é perfeito para quem curte romances fofos e cativantes (aquele que não vai mudar a sua vida, mas que vai ser gostoso de assistir, sabe?).
Pantera Negra

CARACA, que filmão! Mais uma adaptação relacionada com os Vingadores e que, confesso, superou todas as minhas expectativas.

Aqui mergulhamos na vida de T’Challa, príncipe do reio de Wakanda, e nas obrigações que ele assumiu junto com o posto de Pantera Negra. No decorrer do filme entendemos mais sobre a origem do seu poder, seus valores e ideais e, principalmente, a bagagem cultural que T’Challa representa – uma cultura que valoriza as peculiaridades do seu povo, que respeita os diferentes, e que enaltece habilidades e não gêneros.

Adorei o clima de aventura e mistério, mas o que realmente me cativou é a mensagem que essa história traz. O reino de Wakanda manteve-se isolado do mundo na esperança de preservar sua cultura e a prosperidade do seu povo, o que fala muito sobre o momento atual que vivemos: em que nos fechamos em nosso mundo perfeito e fingimos que não existe ninguém do lado de fora precisando de ajuda. Aqui, fica claro que precisamos derrubar as barreiras impostas pelo pré-conceito e aceitarmos, de uma vez por todas, que somos irmãos.

Recomendo demais! Agora até animei para ver os outros filmes dos Vingadores (confesso que havia assistido só alguns).
Aniquilação

Quase ninguém gostou desse filme. Mas, aparentemente, eu sou a exceção (vai me entender!).

A trama começa quando Lena reencontra o marido depois de um ano da declaração oficial de que ele estava morto. A volta repentina, e cheia de meias verdades, faz com que ela descubra algo que mudará sua vida para sempre: existe uma bolha de poder delimitando uma cidade americana na qual, todos que entram, nunca voltam – todos menos o homem que Lena jurou amar para todo o sempre. Procurando por respostas, e assustada com o estado do marido, a protagonista segue até a bolha na intenção de descobrir o que tal ameaça realmente representa.

Uma coisa legal no filme é que além desse lance de “o que diacho é essa doideira dessa bolha?”, ele também foca nos dilemas das personagens principais. E, pelo menos a meu ver, são dilemas que falam diretamente com o público feminino (muito provavelmente porque as narradoras da história são mulheres): carreira estagnada, preconceito, inconstâncias no casamento, pressão social... De fato, foi essa mistura de ficção e realidade que me ganhou. Foi impossível fugir do clima de aventura e empoderamento – são mulheres incríveis e talentosas lutando para combater algo que cientista nenhum foi capaz de explicar!

Adaptação de um livro (esse aqui) e disponível na Netflix, o filme é doido e mega cativante. Recomendo, apesar de saber que nem todo mundo vai amar a história.
Homem Aranha de Volta ao lar

A velha história do Homem Aranha só que recontada de uma maneira jovem, leve e divertida.

A trama gira em torno do Peter Parker (nosso fofo homem aranha) e de seu sonho em ingressar o time dos Vingadores. Ele acha que está pronto para salvar o mundo, mas a verdade é que ainda não descobriu com controlar seu dom. Jovem demais, Peter precisa enfrentar sua primeira paixão, superar as dificuldades na escola e, principalmente, abandonar a necessidade que sente de provar seu valor.

Foi um filme bem levinho e bem-humorado (que assisti depois de me empolgar com Pantera Negra). Acho que o mais bacana dessa versão, sem dúvida, é que ela traz aquele clima gosto de descobertas típicas do período em que cursamos o ensino médio. Não amei, mas gostei mais do que os anteriores dessa mesma franquia.
Despedida em grande Estilo

ADOREI essa história! Achei que não ia curtir, mas fazia tempo que não dava tantas gargalhadas com um filme de comédia.

Aqui temos três senhores que deixam seu emprego em um banco sem um tostão no bolso. A grande companhia fez de tudo para não pagar o que era de direito de seus funcionários, então eles decidem – na calada da noite e impulsivamente – que vão roubar o banco. Mas só aqui que já é deles de direito!

As peripécias que esses senhores vivem até o momento do roubo são hilárias. A personalidade de cada um deles é distinta e juntos eles dão vida a uma gangue cativante. Tem diversão, mas também tem algumas mensagens importantes nas entrelinhas – algo clichê, focado na importância de vivermos cada momento como se fosse o último, mas ainda assim válido e emocionante.

Quer assistir um filme com a família e dar várias gargalhadas? Então essa é uma ótima escolha! Sério, a trama é divertida demais (vai ver o trailer, prometo que ele vai convencê-los).
Riverdale – Primeira Temporada

Agora vamos para as séries MARATONADAS e finalidades com sucesso no mês de Março! Começando, obviamente, com a minha queridinha do momento.

Posso resumir a série como: uma cidade com jovens – gatos e intrometidos – que vão desvendar todos os mistérios do momento (enquanto a polícia só atrapalha). Tudo começa com um jovem desaparecido, aí evoluí para uma morte inesperada, segue para segredos compartilhados por pais controladores e filhos inseguros, e termina com vários casais fofos – e outros nem tanto – roubando nossos corações. Na real, é uma mescla deliciosa de suspense e universo jovem. E, posso repetir o quanto o elenco é lindo?

A série me envolveu logo no primeiro capítulo e me deixou roendo as unhas. Amei o suspense central, os personagens principais e seus dilemas, os romances e amizades, e principalmente como a vida desses jovens representa fatos reais. Tem pai político, pais mentindo sobre o paradeiro dos filhos e tem muito jovem lutando para sobreviver às cobranças e imposições sociais. Bullying, mentiras, vícios, preconceito... Está tudo ali, exposto de uma maneira que meche com o telespectador.

Cara, sério, essa série é maravilhosa! Acho bacana frisar que é bem jovem, mas nada que incomode. Fora isso, o melhor de tudo é que a primeira temporada está disponível no Netflix. Recomendo demais! Foi a melhor produção que assisti ao longo do mês (e olha que vi muita coisa boa).
A Casa de Papel – Primeira Temporada

Terminei Riverdale e comecei A Casa de Papel. Até o quarto episódio não estava muito animada, confesso, mas depois a série engrenou e acabei cativada (não me apaixonei que nem a maioria, mas adorei e já quero muito a segunda temporada).

A série gira em torno do maior roubo da história. A ideia é entrar na Casa da Moeda da Espanha (local responsável por produzir as células de dinheiro) e produzir dinheiro suficiente para todos saírem de lá milionários. E, enquanto os assaltantes entram no local, rendem os reféns e começam a produzir seu próprio dinheiro, acompanhamos duas coisas: o presente, com a polícia investigando e procurando saídas, e o passado, com o plano sendo elaborado. E, o mais legal das idas e vindas, é que conhecemos cada participante do roubo e, mesmo sem querer, acabamos envolvidos em suas histórias e sonhos.

A série é inteligente e cheia de reviravoltas. O final da primeira temporada é deixar o coração partido – e, pelo que vi dos primeiros episódios da segunda temporada – além de trazer mais emoção, a trama melhora em surpresas e maquinações. Recomendo demais!
Pequenas Grandes Mentiras – Primeira Temporada

INCRÍVEL! A adaptação ocultou alguns detalhes do livro ao mesmo tempo em que modificou alguns fatos – com os quais eu não concordo em totalidade. Ainda assim, a maravilha dessa série é que ela só traz verdades. Sério, é tapa atrás de tapa!

São três mulheres (ou cinco, na verdade) com histórias interligadas. Seus filhos estudam na mesma escola, cenário de um chocante e brutal assassinato. Alguém morreu, só não sabemos quem, por isso, seguimos acompanhando essas mulheres, seus medos, seus sonhos e suas vitórias, até que compreendermos o papel de cada uma delas no assassinato que dá início a série.  

O cenário é maravilhoso, o clima de suspense também (apesar do acontecimento em si não ser lá tão surpreendente), as atuações esplêndidas, e as mensagens trabalhadas extremamente valiosas. Indico demais! Trata-se daquele tipo de história que choca por trabalhar com a crueldade da vida real.

Assisti a séria na HBO (para quem assina Net, ela está no campo de séries do Net Now).



E aí, gostaram? Já assistiram alguma dessas?

Se tiverem alguma dica bacana de série ou filme, por favor, deixem nos comentários. Sem dúvida eu vou amar!


Beijos



Comentários via Facebook

2 comentários:

  1. Oi!
    Como assim você não gosta dos filmes da Marvel?? :o
    Eu adoro!! E acho que se você assistir em ordem cronológica também vai gostar.
    Eu sigo a ordem criada pela Thais do Nerdiva (http://nerdiva.com.br/qual-e-a-ordem-do-universo-marvel-no-cinema/), para mim é a melhor, pode ser chato ficar assistindo os filmes picados, mas vale muitíssimo a pena.
    O meu preferido é Agente Carter, se não for assistir tudo, pelo menos dê uma chance a essa série, ela esta disponível na Netflix.
    Beijos, espero que goste!! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal você falar da série, ontem mesmo a Netflix colocou ela como "opção que você pode gostar". Vou assistir o primeiro episódio para ver se vou gostar! Obrigada pela dica ;)

      Excluir

Resenhas

© Livros e Fuxicos • Por Paola Aleksandra – Desenvolvimento com por Subir