Newsletter

assine a newsletter!

E receba a notificação de novos posts por e-mail


Da autora best-seller Renée Ahdieh, O fogo entre a névoa é uma elaborada história de fantasia que une a história de Mulan ao Japão Feudal. HATTORI MARIKO, filha de um respeitado samurai, sabe perfeitamente qual o seu lugar na sociedade. Mariko nasceu mulher e, justamente por isso, sempre ouviu que seu futuro não estava em suas mãos. Aos dezessete anos, ela está prestes a se casar com o filho do imperador, num casamento político que promete elevar ainda mais a posição de sua família. Aparentemente conformada com seu destino, ela inicia sua jornada até a cidade imperial de Inako, acompanhada dos mais prestigiosos samurais e de seus servos mais fiéis. Mas Mariko sequer consegue chegar à Inako: sua carruagem é violentamente atacada na misteriosa Floresta Jukai, com nenhum sobrevivente. Ao escapar por pouco, ela aproveita a liberdade de ser dada como morta e, vestida como um simples camponês, parte em busca de vingança contra o Clã Negro, grupo rebelde supostamente responsável pelo crime. No entanto, ao se aproximar do líder do Clã e de seu braço direito, ela se depara com uma história de segredos, traição e assassinato, que a fará questionar tudo o que sabe. Mais que isso, Mariko aprenderá o significado de amizade e amor em um mundo onde todos a querem morta.

Jovem Adulto • Editora Globo Alt • 400 Páginas • Classificação: 3,5/5
Skoob • Compre: Amazon • Resenha @mayeosvicios


Na mais nova série da minha querida Renée Ahdieh, temos uma releitura de Mulan ambientado no Japão Feudal, uma obra que tem todos os elementos necessários para chamar a minha atenção: releitura, mocinha forte e badass, a promessa de um romance proibido, mitologia e escrito por uma das autoras que me mais me cativou nos últimos tempos.




Aqui conhecemos Mariko, uma garota que teve seu destino traçado por seu pai, filha de um dos mais importantes samurais, ela fora prometida em casamento a um dos filhos do imperador, com o intuito de seu pai e sua família ganharem mais prestigio e visibilidade entre os poderosos. Quando chega o momento de apresentar-se ao seu noivo e sua família, Mariko parte em uma caravana com destino a Inako, a cidade imperial, porém no meio do caminho são atacados pelo Clã Negro e, por sorte do destino, somente Mariko sobrevive.

Perdida em meio a floresta, sem ninguém que possa lhe ajudar e com o Clã Negro em seu encalço, Mariko decide cortar seus longos cabelos, trocar suas roupas e se disfarçar de menino para ir atrás de respostas. Resposta de quem mandou atacar sua comitiva, quem a queria ver morta, quem é afinal de contas o Clã Negro e qual seu real objetivo... E nesta aventura, Mariko descobrirá verdades que nem imaginava, perceberá que nem tudo o que parecia realmente é, e aquilo tudo em que acreditava é desconstruído em frente de seus olhos e ela finalmente consegue enxergar a verdadeira realidade.

A narrativa da obra é um pouco mais lenta, pois ela é rica em detalhes, afinal de contas temos aqui uma história riquíssima e cheia de cultura, personagens fortes e que ao longo da narrativa crescem muito e nos surpreendem com suas escolhas e terminam nos deixando curiosos com a sequência.

Outro ponto que gostei muito na trama é o papel que Mariko representa, pois no momento em que a história acontece ela, como mulher, não tem absolutamente nenhum controle e poder de escolha sobre a sua vida, quem decide o seu destino é seu pai ou seu irmão na falta dele, e quando sua caravana é atacada ela se vê sem saída, percebe na situação a oportunidade de tomar as rédeas da sua própria vida, lutar por si mesma e poder fazer suas escolhas. 

Confesso que minhas expectativas estavam altíssimas com esta história, pois sou completamente apaixonada pela primeira série da autora, e talvez por este motivo terminei a leitura um pouco frustrada, pois expectativa demais é dificilmente superada. Eu gostei sim de Mariko, nossa protagonista, pois ela é inteligente, bonita e uma guerreira que realmente corre atrás daquilo que deseja, porém senti que faltou algo a mais, e senti falta de um romance arrebatador, como temos com Sherazade e Khalid... Pontos que mesmo inconscientemente ficava martelando e comparando em minha mente, o que tiraram um pouco do brilho desta obra.

É uma história muito boa, certamente uma excelente opção para quem curte os elementos que já citei aqui: releitura, conhecer novas culturas e mitologias, uma mocinha forte e que cresce ao longo da narrativa... Mas que deve ser apreciada sem que haja expectativas em cima da mesma, pois assim ela será muito mais aproveitada.

Beijos

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Resenhas

© Livros e Fuxicos • Por Paola Aleksandra – Desenvolvimento com por Subir