janeiro 29, 2014

Não julgue um garoto pela cara (e muito menos um livro pela capa)

Esse
não é um texto didático, inovador, ou muito menos explicativo sobre as
infinitas considerações a respeito da definição do que é certo ou não. Essas
palavras são, antes de qualquer coisa, um
desabafo.  Um grito de uma leitora que está cansada de
julgamentos enfadonhos e hipócritas.

Você já
foi julgado, avaliado com descaso, ou apelidado e analisado por algo que
reflete apenas seu exterior – seja uma roupa, um corte de cabelo, ou até mesmo uma
característica genética? Já passou por uma situação real e dolorosa de
preconceito? Ou ainda, já teve que presenciar um amigo ou parente sofrer bullying? Infelizmente tais casos são
comuns em nossa sociedade; uma sociedade que repele o diferente e que não
prepara as crianças para a diversidade cultural e étnica do mundo. Porém, nossa
comunidade reflete o que somos, e se hoje enfrentamos tantos problemas de preconceito
racial e cultural é porque assim o somos: intolerantes, egoístas, e covardes
com o desconhecido.
É fato
que em uma primeira impressão analisamos o outro a partir daquilo que ele
expressa em seu exterior, mas não é preciso ser um gênio para saber que a
aparência não é tudo, que só podemos definir algo ou alguém quando nos tornamos
aptos a compreender mais do que os olhos podem ver. As aparências enganam, a
beleza pode ser comprada, e os sorrisos muitas vezes não refletem a alma. Em
contrapartida um bom coração, um
interior rico em amor e carinho, não pode ser camuflado por muito tempo, e a
grande questão é que é preciso dar um voto de confiança, é preciso querer enxergar além. Então mais uma vez, se nossa
sociedade declina no abismo da injustiça e da segregação é porque colaboramos
para isso, é porque não somos capazes de enxergar com o coração. E eu sei que
isso não é uma grande descoberta, afinal não estou dizendo nada que já não
sabemos, contudo mesmo tratando-se de algo tão óbvio continuamos a julgar a
todo direito o que está ao nosso redor, considerando-nos os donos do mundo ao soltarmos
nossas opiniões maldosas e muitas vezes supérfluas. – Porque sim, se você não
sabe ou não conhece completamente sobre o que está falando você está sendo
superficial, mesquinho, ou até mesmo desnecessário ao definir o desconhecido
como algo negativo.
O ponto
em que quero chegar é que existem pré-conceitos intrínsecos de todo ser humano,
cada pessoa tem um jeito singular de definir o outro e “catalogar” suas ações
como certas ou erradas, mas o importante é saber que essas impressões podem ser
alteradas com o tempo, e que para isso é necessário deixar que isso ocorra: deixar
que o outro prove ser mais do que aparenta. Exatamente como nós leitores fazemos
(ou pelo menos tentamos) com os livros. Se você lê de tudo, se você não julga
um livro pela capa, se você não tem medo de se arriscar e descobrir que, contra
todas as probabilidades, gostou de um livro que não aparentava ser a sua cara,
então por que você agiria diferente ao mudar o objeto do seu julgamento? Ou
ainda na situação inversa, se você acredita ser uma boa pessoa, com fé o
suficiente para ir além de julgamentos mesquinhos, por que deveria julgar um
livro, um filme, ou um CD pela sua capa? A grande questão é que, julgar algo
pode ser nato de cada indivíduo, mas é a forma como você lida com isso que te define.
Cada
indivíduo reflete Deus, então mesmo em nossas imperfeições e distinções somos
todos perfeitos à nossa maneira. Mesmo com gostos diferentes, mesmo com visões
inusitadas, ou até mesmo com opiniões erradas, todos nós merecemos amor,
carinho e respeito. E quer saber de uma coisa? O que te torna mais ou menos indigno não é sua embalagem, é seu conteúdo.
Então por favor, não me julgue sem me conhecer verdadeiramente, não julgue meus
gostos sem estudá-los, não diminua minha fé sem ver meu coração, ou não dê
razão a minha aparência sem antes observar meus medos e segredos. Eu sou mais
do que aparento, por isso me questione, não me julgue pelo que vê, conheça-me!
E o que
eu quero dizer é: eu leio obras sobrenaturais, constantemente me deixo levar
por algum livro juvenil, adoro um bom clássico, sou louca por narrativas new
adults, e adoro qualquer tipo de romance, seja épico, cômico, erótico ou
histórico. Ou seja, eu sou sim a garota que vê romance em tudo e não me importo
se suas regras ou leis fazem de mim, por causa dos meus gostos, alguém sem princípios
ou menos culta, nesse caso meu
coração e meu cérebro devem bastar como prova e se não forem, por mim tudo bem,
basta eu estar feliz com o que sou.
Quem me
ensinou a lutar contra os pré-julgamentos e a intolerância foi a R. J. Palacio
com seu livro Extraordinário.
Nunca um livro foi tão tocante, real, e reflexivo a respeito do preconceito
como essa história é. – E tudo na voz ativa de um doce menininho de dez anos! Ele
foi capaz de enxergar e lutar por um mundo melhor, então nós também o podemos
não é mesmo? Nem que seja para começar dizendo: eu gosto SIM daquele livro, e
daí?

Se
fizerem isso, se forem apenas um pouco mais gentis que o necessário, alguém, em
algum lugar, algum dia, poderá reconhecer em vocês, em cada um de vocês, a face
de Deus.
Extraordinário, página 303.






Participe Aqui

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe uma resposta para Victor MarcosCancelar resposta

46 Comentários

  • Natália Góis
    25 fevereiro, 2014

    Adorei seu texto e adorei o livro, ganhei de aniversário e fiquei MUITO feliz!

    Beijos ;*

  • Crislane Barbosa
    20 fevereiro, 2014

    Oi!
    Pah li o livro. Espetacular!
    É o tipo de livro que az você pensar. Refletir sobre como você age com o próximo. Sobre com amar acima de qualquer preconceito. Adorei!!!!!
    Para quem não leu, recomendo!
    beijos!

  • Babi Lorentz
    03 fevereiro, 2014

    O tal do preconceito ainda existe com força na sociedade. O homem se diz tão desenvolvido e ainda assim julga as pessoas sem nem as conhecer. Acho isso o cúmulo! Eu faço o possível e o impossível para não julgar alguém que eu não conheço porque não gosto que me julguem sem me conhecer. Sou dessas: não faço com os outros aquilo que não gostaria que fizessem comigo.
    E tenho dito.
    Beijos.

  • Karina B.
    02 fevereiro, 2014

    Oii Pah!
    Que texto lindo!
    “A grande questão é que, julgar algo pode ser nato de cada indivíduo, mas é a forma como você lida com isso que te define.” Falou TUDO!
    Na minha opinião, o ato de julgar precipitadamente uma pessoa, um livro, um filme é natural de todo mundo. Mas o que você vai fazer com esse julgamento, é o que importa.
    "Extraordinário" está na minha lista de leitura, sem dúvida nenhuma!

    Beijos!

  • Fernanda Faria
    02 fevereiro, 2014

    Que lindo seu texto @_@ , tocante as palavras que você escolheu e concordo plenamente com tudo. Sempre ouvi muito falar de extraordinário, comprei ele recentemente, assim que possível quero ler, sei que terá importantes lições para me passar e espero poder aprender muito.

    Beijos

  • Pamela Simões
    02 fevereiro, 2014

    Achei lindo este texto…. Infelizmente, vivemos em uma sociedade em que a mídia (principalmente) pregam sobre o estereótipo perfeito… consequentemente, as pessoas observarão o exterior, não dando qualquer chance da outra pessoa mostrar o que é por dentro.
    Irei procurar mais sobre este livro mais tarde…

  • Amanda T.
    01 fevereiro, 2014

    Super digno o seu desabafo. E o pior é que de vez em quando mesma cometo algum "deslize" nesse sentido, mas como você disse, o importante é o conteúdo, e eu sempre tento enxergá-lo. Eu também adorei Extraordinário, o livro mudou minha forma de pensar e me emocionou. Auggie me ensinou muita coisa!

    Beijos
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

  • Paula Zawatski
    01 fevereiro, 2014

    Oi Pah! Belas palavras empregadas, belo desabafo coerente com a sociedade em que vivemos. É o cumulo ainda ter gente que julgue as aparências, cada um tem seu jeito, e é especial por essa diferença. Ninguém é tão auto suficiente, ou tão perfeito, para julgar outros, pois enquanto você julga também é julgado, é o preço da sociedade em que vivemos, onde uma imagem vale mais que o caráter, onde a marca é mais importante que a educação e o respeito, pois é uma falta de respeito julgar os demais. Como um livro, todos podemos surpreender, e não vai ser a capa/cara que vai dar todas as informações. Não se dá para generalizar, mas a mídia e a conservadora sociedade nos estimulam a pensar dessa maneira, e é uma pena. Beijos

  • raphaela rocha
    01 fevereiro, 2014

    adoro esse livro, eu sinceramente antes de lelo julgava alguns livros pela capa, mas agora me dei conta de como poderia perder grandes leituras se continuasse.

  • Oliveira
    01 fevereiro, 2014

    Profundo e verdadeiro!
    Julgamentos de todas as espécies não é um analogia ao ser humano, é real e presente.
    Esse livro deve ser especial.

  • Tamires Pina
    01 fevereiro, 2014

    Nossa extraordinário!!!
    É impressionante a capacidade do ser humano em julgar, em formar opinião da vida alheia sem ao menos conhecer a pessoa. Isso faz tão parte da gente, que nós formamos pré conceitos sobre nós mesmos. Quantas vezes olhamos pro espelho e não enxergamos o quão bom somos por dentro. Quantas vezes tentamos impressionar as pessoas pelo nosso exterior, sem se quer lembrar da imensidão que carregamos dentro de nós.
    Eu com o tempo aprendi, que algo só pode me afetar, se eu permitir. Eu sou do jeito que sou, as vezes magra, as vezes fofinha, mais pouco me importa, pouco importa que gosto de Livros NA, e pra algumas pessoas isso não "acrescenta". Se alguém gostar de mim pelo que sou ÓTIMO, agora se desejarem ver apenas meu exterior, pena, pq com certeza meu interior é a melhor coisa que tenho.

    Beijos

  • Ycaro Santana
    31 janeiro, 2014

    Oi Pah, texto lindo, com palavras muito bem colocadas, e super bem detalhado. Eu já vi essa capa em algum lugar mas nuca ia saber que era um livro, obrigado e bjs,

  • Pamela Verdan
    31 janeiro, 2014

    Adorei o texto.
    Sou apaixonada por esse livro. Comprei porque tenho uma deficiência na mão e entendo um pouco o que ele passa e queria algo do tipo.
    Indiquei para um monte de gente, livro fofo e lindo extremo

  • Evelise Ciriraco
    31 janeiro, 2014

    Oi Pah!
    Gostei muito do seu texto, já fui muito julgada, algumas vezes pelo que lia, e até por isso tento não julgar ninguém, fiquei pensando sobre livros que nem leio as sinopses por causa da capa…
    Beijos!
    http://sobrelivrosesonhos.blogspot.com.br/

  • Anne Viana
    31 janeiro, 2014

    Oi Pah..muito perfeito seu texto..já li o livro e amei e já fui muito "julgada pela capa" também e continuo sendo,como vc mesma disse as pessoas ´precisam conhecer antes de julgar qualquer coisa.

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/

  • Andréia Renata
    31 janeiro, 2014

    Que texto lindo! Achei o texto muito reflexivo e acho que todos deveriam lê-lo. Infelizmente vemos cada vez mais descaso, mais preconceitos e mais bullyng e infelizmente, para muitos essa situação já está sendo banalizada, e acho que se todos parecem para refletir e analisar seus atos muita coisa poderia mudar, para começo de conversa se todos empregassem aquela regrinha 'não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você' o mundo seria um lugar muito melhor de se viver.

  • Lauro Moura
    31 janeiro, 2014

    Hello Pah !
    Já li muita coisa sobre esse livro, e tenho que lhe parabenizar por esse seu texto maravilhoso. Eu já percebi o quanto você é culta, pela maneira que fala em seus vídeos, e cada palavra que vc escreveu nesse post me tocou profundamente. Me identifiquei bastante, pois quando eu era mais novo era uma vítima incessante de Bullyng, sofria, chorava, levantava a cabeça e ia seguindo a vida, até eu perceber que para as pessoas me aceitarem, eu tinha que me aceitar, e hoje sou feliz, não ligo mais pra nada que as pessoas digam seja querendo me por pra baixo ou julgando minhas preferencias, dizendo de quem eu devo gostar ou não. A vida nos ensina muita coisa e algo que aprendi é que o único com o poder de julgamento é Deus e tenho absoluta certeza que ele me ama do jeito que eu sou *—-*

    Beijoos.
    Lauro,
    http://entreversosepaginas.blogspot.com.br

  • Evelyn Rosa
    31 janeiro, 2014

    Concordo muito com você, achei liindas as suas palavras e os seu argumentos. Concordo muito com você em questão de que todos temos que aceitar diferentes gostos, opiniões, estilos e raças. E também adorei o livro Extraordinário, li ele meio que forçada mais valeu muito a pena.

  • Lindsay Leão
    31 janeiro, 2014

    Que texto lindo, Pah!
    Amei esse livro! Tem uma delicadeza e ao mesmo tempo uma singeleza no modo de lidar com as diferenças que me encanou bastante. R.J Palácio é realmente uma ótima autora, me conquistou verdadeira e permanentemente.
    Nunca esquecerei de Auggie e sua irmã, tão linda e sensível a ponto de se deixar de lado em favor do irmão. Super me identifiquei com ela!
    Parabéns pelo texto, super bem feito e com um tema tão atual que é o bullying e as diferenças sempre tão intrínsecas no nosso dia a dia. Viva as diferenças e Bora ser feliz!
    Beijos

  • Ana Paula Moreira
    30 janeiro, 2014

    Amei o texto e vc esta certissíma, pois nos fez refletir bastante. Parabéns!

  • Dani Kaulitz
    30 janeiro, 2014

    Amei o texto, Pah! Ainda não li este livro, mas sei que tem muitas lições valiosas e emocionantes sobre aceitação, tenho muita vontade ler!
    Gostei bastante do seu ponto de vista, e concordo bastante! As pessoas deviam se respeitar mais, entender que todos são diferentes nas aparências mas iguais por dentro, deviam ensinar isso desde criança! Mas para mim, não importa se vão te julgar por gostar de algo, ou ter uma aparência diferente, pois acho que devemos ser felizes do nosso jeitinho e fazendo o que gostamos 🙂
    beijos ♥
    quemprecisadetvparaverbeyonce.blogspot.com.br

  • Mirelle Candeloro
    30 janeiro, 2014

    Pah, obrigada por dividir seu desabafo conosco, saiba que muitas pessoas, além de mim, devem se identificar com seus argumentos. Eu tenho pavor de rótulos, muito mais de ter que ser alguém que não sou para suprir as exigências da sociedade. Mas também não sou hipócrita, e não sou perfeita.. então eu mesma tenho preconceitos e faço pré-julgamentos. Tenho consciência disso, e tento melhorar, tento me abster de fazer comentários ou de ter pensamentos que não são pertinentes, que não me dizem respeito. E sim, Extraordinário foi um belo tapa na cara e me fez acordar ainda mais para a realidade. Tento sempre dar um melhor de mim e não me preocupar com o que os outros pensam. Estou cansada de ter que cuidar da minha vida a ponto de torná-la perfeita para os outros e não para mim. Não consigo mais viver um "papel", na Cidade de Papel. E vejo que cada vez mais outras pessoas têm feito o mesmo. Beijocas amadas, e continue sendo essa pessoa maravilhosa que és. Mi

    http://www.recantodami.com

  • Lanifer
    30 janeiro, 2014

    Oi Pah!
    Gostei muito de seu texto e apoio totalmente.
    Eu ainda não li esse livro.
    Beijos 🙂

  • Victor Marcos
    30 janeiro, 2014

    Olá.
    Nossa esse livro é EXTRAORDINÁRIO,é muito emocionante, e mais legal é ensinamento que nos ensina e que nos fazem refletir. Muito bom seu texto, eu adorei.
    Abraços.

  • Sika Gennargh Pelegrino
    30 janeiro, 2014

    Gostei do texto. Julgar pela capa/cara é algo preconceituoso, realmente, e é claro que temos que ver o conteúdo interior pra ver se vale a pena. Mas admirar (não julgar) por fora também não faz mal né?
    Enfim. Acabei me interessando por Extraordinário 🙂

  • Rayme
    30 janeiro, 2014

    aii, ainda não li Extraordinário, mas quero muito =/
    não vi este ainda para vender. onde tem?

  • Raquel Ebooks
    30 janeiro, 2014

    Eu entendo você . Muitos julgam muito antes de conhecer . Eu sou como vc , eu leio de tudo um pouco , amo romance , que abrange todas as categorias . Muito obrigado , vc tem sábias palavras , que nos faz pensar sobre nossos atos . Tem um tempo já que quero ler esses livros , sei que são muito bons mesmo .

  • ✿Nessa✿
    30 janeiro, 2014

    Oi Pah*

    Faz pouco que terminei de ler este livro e ele me ensinou muito, me fez refletir.
    Adorei seu texto.

    Beijos*

  • Jéssyca S.
    30 janeiro, 2014

    Seu texto é muito lindo imagina o livro, fiquei encantada.
    Quero muito ler esse livro, me identifiquei muito com isso, realmente lindo
    Beijos

  • Julia Costa
    30 janeiro, 2014

    Esse livro é maravilhoso! Ensina muito mesmo, acho que é uma leitura que todo mundo devia fazer. Eu amo esse quote que você citou, e também um que é mais ou menos assim "mesmo que você esteja certo, escolha ser gentil" e o lembrando sempre disso no meu dia a dia. O que você falou ta super certo, isso de leitura acho que a gente tem que ler o que gosta e ponto final.
    Gosto muito do seu blog/canal!

  • Larissa Santos
    30 janeiro, 2014

    Uau! Quanta emoção e sinceridade nas suas palavras. O que mais vale na nossa sociedade é a capa =/ isso é muito triste.
    Obrigada pela oportunidade desse texto belíssimo.
    Esperando por Extraordinário.
    Beijocas ^^

  • Ana Carolina
    30 janeiro, 2014

    Oi Pah! Muito lindo seu texto.
    Acho que todos nós somos influenciados – e digo em tudo – com a primeira impressão. Não tem como fugir a isso, mas é somente a maneira que lidamos com o novo que faz a diferença. Parece que hoje tudo tem que ser da mesma maneira, temos que ter os mesmos gostos, escutar as mesmas musicas, ler os mesmos livros e quem foge dessa regra já é taxado de diferente o que é muito triste pois são as diferenças que fazem com que o ser humano seja tão único.
    Como já disse uma vez Extraordinário deveria ser leitura obrigatória, faço suas minhas palavras foi preciso que um menininho de 10 anos me ensina-se da maneira mais simples que ainda temos um longo caminho a percorrer contra a intolerância ao que é diferente.
    Beijos.

  • Suzi
    30 janeiro, 2014

    Esse livro parece ser incrível!!
    Pois além de trazer um ótimo entretenimento ainda nos traz muita reflexão!!
    Afinal quem nunca julgou néah!!
    Amei o post Pah!!
    Bjus

  • Mallu Marinho
    30 janeiro, 2014

    Adorei o texto. Extraordinário já está na minha meta desse ano e pretendo lê-lo em breve, acho que de fevereiro não passa. Julgar sem conhecer é o pior sinal sobre a ignorância do ser humano.

  • Aline T.K.M.
    29 janeiro, 2014

    Parabéns pelo texto, Pah! Acho que todo mundo é, em algum momento, vítima de julgamento errôneo e/ou precipitado. É preciso lidar com isso sem se deixar afetar, e entender que quem julga é quem mais precisa aprender, em todos os sentidos.

    Um beijo, Livro Lab

  • Crislane Barbosa
    29 janeiro, 2014

    Oi!
    Pah adorei o texto, o desabafo!
    Uma amiga me deu o livro de presente. Lerei em breve!

    Beijos!

  • Anônimo
    29 janeiro, 2014

    O que nos define como seres humanos é a nossa coragem,bondade,amizade, e carater.E essas qualidades acabam nos conduzindo á grandeza.(discurso do Sr Buzanfa,personagem do livro).
    Livro muito bom,com uma mensagem linda!

    Mariza.

  • Anônimo
    29 janeiro, 2014

    O nome do livro esta errado

    • Paola Aleksandra
      Paola Aleksandra
      30 janeiro, 2014

      Oi, no corpo do texto? Porque verifiquei e está correto 🙁 Se for no título, foi proposital mesmo, rsrs 🙂

  • Camila Rocha
    29 janeiro, 2014

    Pah… entendo perfeitamente o seu desabafo…
    As pessoas que se acham as mais corretas e convictas são as que mais julgam "O Livro pela Capa". Sou muito observadora, procuro sempre entender o que o outro é e o que quer passar, mas infelizmente nem todos são assim.
    Temos que entender que o mundo não gira em torno de nós, ninguém é obrigado a ter os mesmos pensamentos e muito menos fazer todas as nossas vontades. Mas é aí que está a graça nisso tudo… Já pensou se o mundo fosse de pessoas iguais? Não existiria a máxima de: Os opostos se atraem! Não é mesmo?
    E sou assim: leio de tudo e como sempre falo, com a mente aberta sempre.
    Mas também não me calo quando discordo, porém exponho minha opinião da forma que o outro entenda. E se mesmo assim não entender, deixo pra lá e ignoro. Mas tem horas que temos realmente que deixar claro, assim como você fez no post e com muita educação pra justamente não se igualar a quem nos julga sem antes nos conhecer.

    Continue assim sempre.

    Beijos!
    Camila

  • Juliana Ramirez
    29 janeiro, 2014

    Que texto lindo Pah.
    Concordo com você em cada letrinha.. Acabei de ler um livro, Ratos, que fala bastante sobre isso. Não podemos julgar as pessoas pela aparência, e muito menos sermos violentos por causa disso. Cada pessoa tem a sua característica e merece respeito.
    E o mundo é bonito por isso né? Imagina se todos fossem iguais..
    Quanto ao livro, eu ainda não tive a oportunidade de lê-lo, mas realmente parece ser maravilhoso!
    Beeijos

    depoisdeumlivro.blogspot.com

  • Lise Orsi
    29 janeiro, 2014

    Pah, eu não sei o que falar muito, porque eu concordo contigo. Esse livro é muito especial mesmo. E escolheste bem a quote.

    Beijos
    liliescreve.blogspot.com

  • Julia Moraes
    29 janeiro, 2014

    Me deu vontade de conferir esse livro! Parabéns pelo texto , muito bem escrito, e verdadeiro também!
    E-mail: juliamariamoraes2013@gmail.com
    Nome de seguidor: Julia Moraes

  • Carissa Vieira
    29 janeiro, 2014

    Gostei muito do texto.
    Quero muito ler extraordinário.

    Beijos,
    Carissa
    http://www.carissavieira.com

  • Karina
    29 janeiro, 2014

    Parece ser bem interessante.

  • Livroterapias
    29 janeiro, 2014

    Simplesmente de encantei com esse livro!
    Perfeito e profundo!
    Beijinhos
    Rizia – Livroterapias