[Resenha] A Cama da Paixão - Laura Lee Guhrke

Editora: Leya - Selo: Livros D’Hoje  Páginas: 311
Sinopse: Londres, 1833. Quando numa noite Lady Viola conheceu o galante visconde John Hammond foi amor à primeira vista. Vendo-se repentinamente envolvida numa relação séria, só se apercebeu da chocante verdade após o casamento: o seu amado John nunca tinha gostado dela verdadeiramente, casando com ela apenas pela sua fortuna... e o pior, é que ele não via nada de errado nisso. Desolada, Viola jurou nunca mais permitir que o canalha que a tinha enganado se voltasse a deitar com ela. John, na verdade, nunca teve a intenção de ferir a bela e determinada mulher que se tornou numa estranha para ele. Agora, depois de anos de um casamento faz de conta, ele precisa de um herdeiro, e vê-se confrontado com um intrigante e atraente desafio: ter de seduzir a sua própria mulher. Ele tem de convencer Viola a regressar ao seu leito matrimonial, mas desta vez pode ser ele o único a perder o coração.
Romance Adulto
Livro importado de Portugal. Saiba mais AQUI.
_______

A cama da Paixão faz parte da série The Guilty, composta pelos livros Guilty Pleasures, His Every Kiss, The Marriage Bed e She's No Princess. Aqui no Brasil o último livro dessa série foi publicado pela editora Planeta com o título de Muito Mais que uma Princesa (Resenha AQUI), e em Portugal o primeiro (Prazeres Proibidos) e o terceiro volume (A Cama da Paixão) foram lançados pela editora Leya. Sendo assim, quando descobri que um dos meus livros favoritos fazia parte de uma série, e que alguns volumes dela haviam sido publicados em Portugal, não hesitei em comprar os livros lançados por lá. Contudo, mesmo sabendo da ordem de lançamento das obras, de princípio não observei nenhum indício de continuidade entre elas, e realmente, estes não são livros sequenciais, cada novo livro narra a história de um casal diferente, entretanto, confesso que os casais dos livros anteriores aparecem em peso na narrativa conseguinte, pois, ao ler o terceiro livro da série antes do primeiro, tive um grande deslumbre sobre o que aconteceu com o casal do primeiro livro, protagonizado pelo irmão da mocinha de A cama da Paixão, e também do segundo livro, protagonizado por um casal de amigos de John, o mocinho do terceiro livro da série. Assim, para os desavisados fica a dica – É melhor ler os livros na ordem.
Neste terceiro livro da série conhecemos a história de Lady Viola e seu marido, o visconde, John Hammond. O casal em sua juventude viveu uma bela história de paixão, Viola não resistiu aos encantos de John e logo que se conheceram ficou perdidamente apaixonada por ele, mesmo o fato de sua condição financeira e social ser superior que a dele não foi suficiente para evitar o casamento, e logo o casal estava desfrutando de uma feliz lua de mel. Contudo, o passado duvidoso de John fez vir à tona verdades que magoaram profundamente Viola, que desolada, rompeu o laço que os unia. Passaram-se anos e eles continuaram casados, mas vivendo vidas separadas. Viola se tornou uma mulher independente e engajada em casos sociais, enquanto John aproveitava a vida com suas amantes – Casos estes, que ele não fez questão de esconder da sociedade londrina. Por esse motivo, John e Viola não se viam mais, evitando eventos nos quais poderiam se esbarrar, e para ambos, a situação estava aparentemente ótima, até o destino reservar uma surpresa para o casal, fazendo com que mais uma vez, seus caminhos se cruzassem.
Fazia tempos que John não se preocupava com suas propriedades, visto que sempre teve pessoas ao seu redor para auxiliá-lo, contudo, com a morte de um ente querido, no caso o seu sucessor, a necessidade de ter um herdeiro tomou conta de seu ser e para isso, deixou todo seu orgulho de lado e foi em busca de sua mulher, a única que poderia lhe dar o que precisava. Agora imaginem, Viola não via John há muito tempo, na realidade tendo em vista os caminhos diferentes que tomaram, eles não se suportavam, então, ele a aborda, deixando claro que precisa dela como esposa para alcançar um único objetivo: Ter um herdeiro. É claro que ela não aceitou, mas como esposa dele, sabia que legalmente não era mais de que uma “posse” de seu marido. O orgulho fez com que ela deixasse claro que nunca mais aceitaria John em sua cama, e ele, motivado em fazê-la ceder, decidiu criar um jogo de conquista, com o qual, pretendia reacender o fogo da paixão no coração de sua “Fria Viola”.
“(...) Não poderia ter ajuizado de nada disso por si mesma, já que a única coisa que conseguia ouvir era a voz de John prometendo-lhe paixão, quando ela sabia que a paixão não era o suficiente. (...) – Seja o que for que eu tenha de fazer para isso, vou fazer-te lembrar do que é paixão, Viola. A paixão que já tivemos. Mais do que isso, vou fazer-te senti-la outra vez”.
De uma forma própria da autora, ela nos encanta com os jogos de sedução entre o casal, John é encantador e pretende reconquistar Viola de qualquer forma, contudo as motivações dele não são suficientes para que ela possa perdoá-lo pelos erros do passado. Viola não se renderá mais por paixão ou simplesmente luxuria, ela quer amor, e sabe que isso é a única coisa que John nunca dará a ela.
 “Ela e Hammond nunca seriam capazes de, simplesmente, dar-se bem. Porque ele ainda fazia os joelhos fraquejarem-lhe quando lhe beijava o pescoço ou lhe tocava na face. Porque, se lhe desse um centímetro, ele tomaria logo um quilómetro. Porque, se tivesse a fraqueza de acreditar naquele sorriso, naquele riso e naquele olhar aceso, seria enganada de novo. Se o deixasse levá-la para a cama, correria o risco de se apaixonar por ele novamente. Tudo isso só podia ter um resultado. O seu coração despedaçado. Mais uma vez.”
Entenderam o impasse? Ele quer um herdeiro, e quer também de volta sua apaixonada esposa. Ela quer amor, amor forte o suficiente para apagar as mágoas do passado. Mas para que isso dê certo, ambos precisam ceder e orgulhosos como são, nenhum deles está disposto a dar o braço a torcer. Tenho de dizer que nunca vi dois personagens tão orgulhosos e tão moldados pelos erros do passado como esses dois. John é um homem que apendeu a ter responsabilidades da pior forma, levou vários tombos até amadurecer o suficiente para cuidar de si mesmo, já Viola é bela, dócil e determinada, uma personagem forte e envolvente, contudo, tem um coração frio, marcado pela sua solidão e pelas traições de seu marido, não tem como não sofrermos com ela, nutrir a mesma mágoa que ela. Confesso até que, ao mesmo tempo em que torcia para que John enfraquecesse as barreiras do coração de Viola, torcia também para que ela deixasse transparecer sua dor só para fazê-lo se arrepender de seus erros. O engraçado é que, diferentemente dos romances históricos que leio nesse estilo, repletos de dor, perdão e superação, nesse, o mocinho precisou me convencer até o final do livro de que merecia Viola. Não porque ele não seja encantador, muito pelo contrário, ele é bem, digamos, envolvente (rsrs), mas o fato é que, ele não costuma falar de seus sentimentos, então não podia aceitar ou compreender se ele estava realmente pronto para o verdadeiro amor.
Como vocês já repararam, o livro é repleto de romance, emoção e aquelas brigas de marido e mulher que adoramos. Uma história simples e real, daquelas que não se perdem com a diferença de época, muito pelo contrário, se enquadram completamente em nossa sociedade atual. Eu adorei o livro, os personagens são ótimos, o cenário é envolvente e os diálogos são inteligentes. O final não é surpreendente, mas também não é clichê ao ponto de nos desagradar, e claro, a narrativa da autora é fascinante – Quem já leu Muito mais que uma princesa sabe como ela é capaz de nos envolver. Para aqueles que estão se perguntando se o livro é tão bom quanto o último da série, lançado por aqui pela editora Planeta, lhes respondo: Sim, ele é bom, mas não chega a ser tão marcante quanto a história de Lucia e Ian. Entretanto, recomendo o livro para os fãs do gênero, não há dúvidas que vocês iram se envolver com a narrativa desse livro.
Vale lembrar que o livro é um romance adulto e que por esse motivo, possui cenas sensuais. Também aviso que o português utilizado na edição de Portugal é de fácil entendimento, um tanto requintado diria, mas simples e objetivo ao ponto de quase não notarmos a diferença do linguajar.
Confira as capas do livro pelo mundo:
  
Gosta de Quotes de livros? Então fique de olho no Face e no Tumblr do blog, vou postar alguns trechos da história por lá!



10 comentários:

  1. Oi gêmea!
    Ai que vontade de ler a série toda!
    Bom saber que o português não é difícil e, mesmo que o livro não seja tão marcante quanto o último, ainda assim parece ótimo!
    Esse negócio do mocinho que não fala sobre seus sentimentos... Te contar, viu?
    Hahaha
    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Faz tempo que não leio um romance nesse estilo. Acho bem legal, e as estórias são boas, os trechos desse livro, deu para ter uma noção legal do que esperar e gostei bastante =D

    Bjs

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Pah!!

    Vou comentar de baixo pra cima haha
    Há tempos que eu tinha essa dúvida, se livros da Wook eram com o portugês original ou não, creio que vc já deve ter comentado sobre isso em algum post, mas por desatenção nunca tinha conseguido descobrir isso rs

    Gostei do livro, depois que li Perdida e O Pássaro, peguei um carinho especial por romances histórico. Parece que o destino vai pegar uma peça no John hein? Deve ser uma história cheia de paixão =)

    Beijos!
    Nati

    ResponderExcluir
  4. Amei a capa do livro muito linda!!!
    Sua resenha está muito boa!!
    Tem um meme para você la no blog: http://ashistoriasnaoacabam.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. ehehehe, adorei!
    Eu tenho Prazeres Proibidos e Muito mais que uma princesa, ainda não li, QUE ABSURDO!
    Mas tenho que ler logo, muito logo!

    Bjus
    Gisele
    http://www.dicasdelivrosefilmes.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Já li Muito mais que uma princesa e adorei,cama da paixão já ta na minha lista de desejos.

    ResponderExcluir
  7. Olá Pah! Tudo bem?
    Os livros que você indica e resenha aqui são os melhores e seu modo de explicar é tão envolvente que sinto vontade de ler o livro no segundo seguinte, mas então me lembro que antes de tudo eu preciso comprá-lo.
    Parabéns pela resenha ;D

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Pah, não li nenhum desses, e agora fiquei babando. Sua resenha me deixou louca de vontade de ter um desses, kkkk inveja, amiga!
    Mas a culpa é minha, eu fico envolvida entre os históricos, os policiais, as parcerias e esqueço os romances de verdade. Preciso me organizar melhor.
    Sua resenha está perfeita.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Acho interessante que a história mesmo se passando em uma época antiga, tem fatos super atuais. Quando o assunto é romance...não interessa a época...os problemas e dificuldades são os mesmos, hehehehe.
    Bjuss.

    ResponderExcluir