setembro 25, 2012

[Resenha] A Culpa é das Estrelas – John Green

Sinopse: Em A Culpa é das Estrelas, Hazel é uma paciente terminal de
16 anos que tem câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu
tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns
anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do
diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama
Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a
Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das
páginas em branco de suas vidas.
283 Páginas || Skoob|| Editora
Intrínseca||
Compare & Compre
Classificação 
 ♥  
“Às vezes, um livro
enche você de um estranho fervor religioso, e você se convence de que esse
mundo despedaçado só vai se tornar inteiro de novo a menos que, e até que,
todos os seres humanos o leiam. E aí tem livros como (…), do qual você não
consegue falar – livros tão especiais e raros e seus que fazer propaganda da
sua adoração por eles parece traição.”
É incrivelmente satisfatório começar
essa resenha dizendo o quanto me surpreendi com a leitura de “A culpa é das Estrelas”. Depois de
inúmeras resenhas lidas e muitos comentários positivos sobre tal história
concluí que me emocionaria e me apaixonaria por ela, entretanto, por já saber
demais da trama, imaginei que não me surpreenderia ao decorrer da narrativa, o
que, é claro, é um ledo engano. O fato é que, quando paramos para pensar no
tema central do desenvolvimento da história, o câncer, inconscientemente pré-estabelecemos
quais serão os tópicos essenciais da narrativa, é quase impossível não imaginar
a comoção constante, as perdas descritas, as dores e emoções vivenciadas e a previsível
romantização da doença. Por favor, não me interpretem mal, adoro livros assim, que tornam
belos até mesmo os momentos mais difíceis e incompreensíveis da vida, contudo,
foi gratificante saber que
John Green não
seguiu por esse caminho, que além de toda a poesia natural existente entre os extremos
da vida e da morte, ele mostrou a escuridão e a dor iminente presente no
câncer, mas sem deixar de lado a juventude e o bom humor dos personagens, e
claro, me ganhou completamente com isso.

Hazel, 16 anos, com câncer
desde os 13 é um exemplo de vida. Não pelos motivos comuns, ou seja, pela força
na luta contra o câncer ou por um coração caridoso que se predetermina que
pessoas em tal situação tenham, mas por sua humanidade,
por sua juventude, por sua visão objetiva e direta das coisas, pela forma, até
certo ponto natural, com a qual ela lida com sua doença. Durante toda a narrativa
a admirei como pessoa. Ela não exalta sua doença, deixando que tal situação
domine completamente sua vida, entretanto, não age como se não soubesse do seu
futuro, como se não doesse pensar no limite finito de suas experiências e dias
de vida. Além de tudo ela é inteligente e bem humorada, sua ironia é um marco
essencial para a leveza inusitada presente na história, elemento esse que
cresce consideravelmente com a aparição do jovem
Augustus.
Gus, 17 anos, um ano e meio livre do câncer, dono de
um meio sorriso encantador, é simplesmente incrível, o definiria como a luz em
pessoa, mesmo em suas dúvidas, imperfeições e medos ele irradia simplicidade,
verdade, esperança. Seu espírito livre, jovem e apaixonado é comovente e
engraçado, e por isso, de certa forma, equilibra a narrativa. Quando
Hazel e Gus se encontram em uma reunião de apoio
para crianças e jovens com câncer tudo muda, a história cresce, se desenvolve,
mostrando o passado de cada um desses jovens e levando-os por um mesmo caminho,
para que construam um presente, e porque não, um futuro juntos.
Diferentemente do que pode
parecer a relação entre Hazel e Gus não é em nenhum momento forçada, muito pelo
contrário, ela é natural e simples, mesmas palavras que podemos usar para caracterizar
a narrativa do autor. O romance e o companheirismo que surge entre o casal,
desde o primeiro momento, ganha o papel principal, e mesmo sendo o câncer a
uni-los, não é ele que molda a paixão dos dois. E é isso que nos faz suspirar,
que comove nossos corações, que enche nossos olhos de lagrimas, o amor em sua
forma mais simplória, sem cobranças, sem rancores, sem anulações, só
complementações.
A emoção vivida por esses
jovens, seus medos, dores, perdas, superações é incrível, e o romance então é
completamente envolvente, mas o que torna o livro categoricamente único é a forma como isso tudo é
apresentado, as palavras são mensuráveis, as emoções palpáveis, e o drama absolutamente
concreto, ou seja, não temos nada de “efeitos cinematográficos”. Li comentários
de blogueiros dizendo que não entendiam o motivo de tanto alvoroço sobre o
livro, que ele não era “extraordinariamente” comovente, mas eu senti o contrário,
ele é extraordinário sim, extraordinário em sua simplicidade e por isso,
comovente.
Com “A culpa é das estrelas” vibrei, chorei, me apaixonei, me
surpreendi, me diverti e no final, compreendi a imensidão dos valores presentes
na trama. – “John Green está tudo ok, finalmente compreendi a verdadeira culpa das estrelas nisso tudo. Muito obrigada por essa história,
obrigada pelo Gus e pela Hazel, eles fazem parte de mim, e sem dúvida, como o
Gus queria, não irei esquecê-los”.
Quotes
preferidos:
”Não dá para escolher se você vai ou não vai se ferir
neste mundo, meu velho, mas é possível escolher quem vai feri-lo. Eu aceito as
minhas escolhas.”
 “Eu sou uma granada e, em algum momento, vou
explodir, e gostaria de diminuir a quantidade de vítimas (…)”
 “Alguns
infinitos são maiores que outros. […]. Queria mais números do que
provavelmente vou ter… Mas, (…), meu amor, você não imagina o tamanho da
minha gratidão pelo nosso pequeno infinito. Eu não o trocaria por nada nesse
mundo. Você me deu uma eternidade dentro dos nossos dias numerados…”
Capas
pelo mundo:
  

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

20 Comentários

  • caroline
    11 dezembro, 2013

    Esse livro ja conquista a gente pela capa! Muito fofo!
    John Green está de parabéns,Gus me fascinou completamente.
    Nem é preciso dizer q chorei horrores

  • Vivian Pitança
    28 julho, 2013

    Adorei sua resenha!! Foi além da superficialidade!!
    Beijos! xD

    http://vivianpitanca.blogspot.com.br/

  • Anônimo
    22 novembro, 2012

    Porque a culpa é das estrelas? Li, mas não entendi ):

    • Paola Aleksandra
      Paola Aleksandra
      25 junho, 2013

      Oi, quando eles discutem sobre o futuro, e como as coisas estão pré-determinadas a acontecer… nesse caso, esse era o futuro deles, então sim, a culpa é das estrelas, ou do destino de cada um de nós 🙂 Bjs

  • Elizabeth Freitas
    26 outubro, 2012

    Amo muito ler,mas não sei se só sou eu,mas não curto ler resenha antes de eu ler o livro primeiro…
    Participando da promoção!!!

  • Maryhelen Bastos
    09 outubro, 2012

    Bem a capa é bem simples e a principio não chama minha atenção, mas tenho uma amiga q esta lendo e todo dia me diz q não consegue para de ler e chorar tb.

    Fiquei curiosa sobre o livro ao ser seu post, mas não sei se estou preparada psicologicamente para le-lo nesse momento.

  • Kamylla Cavalcanti
    04 outubro, 2012

    Ainnn amei a históriaaaa! e já to querendo ele na minha coleção!!!!

  • Camila Fernandes
    02 outubro, 2012

    Pah eu tenho muita vontade de ler esse livro, só não li ainda porque eu acho que não estou preparada para a carga emocional dele. Mas pode apostar que eu vou ler!
    Beijinhos!

    Camila.
    loucuradelivros.blogspot.com.br

  • Kamila Mendes
    30 setembro, 2012

    Pah, ainda não li…mas tenho q dizer q me emocionei apenas lendo sua resenha…parabéns. Amei a forma simples como vc descreveu a história…esse com certeza é o próximo na minha lista de compras!!!

  • Sabrina ツ
    26 setembro, 2012

    Oiê, nem li porque estou no 3º capítulo dele. =3

    Mas pelos coments, a resenha está MARA. Parabéns!

    bjks!

  • Lindsay
    26 setembro, 2012

    Oi Pah,
    Linda resenha! Sabia que você também iria se render aos encantos da Hazel e do Augustus.
    Adorei e concordo com tudo o que você falou!
    Beijos

  • ✿Nessa✿
    26 setembro, 2012

    Oi Pah!
    Faz tempo que eu quero ler este livro, mas confesso que estou relutando um pouco por saber do tema, pois faz pouco que perdi minha madrinha com esta doença e até hj ainda não acredito que ela se foi, ela era quase uma mãe para mim, e passei muito mal no velório e tals.
    Mas pelo que vc diz o livro é lindo e com certeza quando eu estiver mais estruturada eu irei ler.
    Adorei sua resenha!!

    Bjinhs*

  • Eliezer M.
    26 setembro, 2012

    Esse livro é mto bom!

  • Rayme
    26 setembro, 2012

    tenho vontade de chorar só de ler esta resenha! ;~~
    quero muito ler este livro, e tenho certeza que vou chorar horrores nele :S

  • Vanessa Vieira
    26 setembro, 2012

    Parabéns pela resenha Pah! Estou ansiosa para ler A Culpa é das Estrelas! Beijos!

  • FDUARTE
    26 setembro, 2012

    Pah, sua terrível!

    Voce não imagina como corri horrores deste livro!!!! Não ri não! Falo serio! Não queria mesmo ler um livro onde o tema é uma doença!

    Mas a sua resenha… a sua resenha… (culpa sua viu?!!!) me fez mudar de ideia… e, amanha mesmo vou compra-lo e tomar coragem pra le-lo! Afinal, um livro assim, com tantos elogios, deve ser maravilhoso mesmo!

    Obrigada pela dica fofa!

    bjão

    obs: Sua resenha não é mais uma resenha não viu? É 'a' resenha!

  • LILIANE
    25 setembro, 2012

    Adorei a resenha, quero mto ler, parece até que todo mundo leu menos eu, sensação horrível, haha.

    (kauana Pletz)

  • Aione Simoes
    Aione Simoes
    25 setembro, 2012

    Ai, gêmea, preciso desse livro tipo agora.
    Deve ser maravilhoso e tenho certeza de que vou me emocionar, assim como também acho que, mesmo tendo isso em mente, ainda assim vou me surpreender.
    É tão engraçado ver como algumas pessoas não conseguem se envolver com alguns livros, né? Eu vejo por mim e muitos dos sobrenaturais de sucesso… O mundo fala que é incrível e eu fico tipo "Oi?".
    Enfim, achei sua resenha linda e digna de deixar qualquer um maluco por essa leitura!

    Beijão!

  • Vitória Rodrigues
    25 setembro, 2012

    Eu já li tanta resenha e ainda não li o livro, além da vontade enorme… Tantos elogios, e sinto meio um aperto no coração de curiosidade, mas algumas resenhas(sua, por exemplo) passam tanta essa emoção que sentiu a ler que enfim…
    O livro parece bom, mas tudo contra eu o ler, e terei que ficar na curiosidade mais um pouco, morrendo de vontade e tudo mais.
    Ótima resenha!
    Beijos,
    Shake Your World

  • Priscila Boltão
    25 setembro, 2012

    Só de ler as resenhas eu já fico emotiva de novo, okay.
    Oh, God, OKAY, nem dizer okay eu consigo.
    BRB, vou ali abraçar meu exemplar de ACedE de novo e soluçar de novo.
    Pior é q é um livro tão doloroso, mas ao mesmo tempo tão bonito, e a gente sabe q é sofrido e ainda assim não se arrepende por ler e amar e é exatamento como a coisa das granadas.
    =/ *suspiro*