[Resenha] Dália Azul - Nora Roberts

Sinopse: Stella Rothchild tem compulsão por planejar tudo em sua vida, o que, segundo ela própria, a mantém longe de imprevistos. Quando se apaixona perdidamente, o leitor verá a luta dela para evitar ir contra tudo que sempre defendeu. O livro começa com a morte repentina do marido da protagonista e sua mudança, com os dois filhos, de Michigan para Memphis. Ela vai morar na misteriosa Harper House onde trabalhará como responsável pelo famoso e enorme viveiro de plantas. Na mansão centenária, mora a severa Roz Harper e também a assombração da Noiva Harper, que anda pelos corredores cantando canções de ninar. Depois de um período de luto, Stella reencontra a felicidade em sua nova casa e seu trabalho, e descobre em Roz uma ótima amiga. Quem também fará parte de sua vida é o designer Logan Kitridge, que ela odeia no primeiro momento, pois é a sua antítese: vive no caos, é impulsivo e não planeja o futuro. Com o tempo, a tensão torna-se admiração e amor. O único problema: a Noiva Harper não suporta a felicidade alheia. Dália Azul traz um mistério bem-elaborado, aliado a personagens que agradarão demais os leitores. Ao longo da trama, apenas pequenos detalhes da Noiva Harper são divulgados, deixando a história ainda mais instigante.

378 Páginas || Skoob || Bertrand Brasil || Compare & Compre || Classificação 5/5 
A Trilogia das Flores, escrita pela diva do romance Nora Roberts, é composta pelos livros: Dália Azul, Rosa Negra e Lírio Vermelho. Como característico da autora, a trilogia está interligada de uma maneira única, narrando a história de três mulheres fortes e determinadas, que mesmo diante das dificuldades da vida permanecem firmes em busca da felicidade. Sendo assim, a trama de cada livro gira em tono, especificamente, de uma dessas mulheres: Stella, Roz e Hayley; contudo, a narrativa em sua totalidade, envolve a história de cada uma delas com os mistérios do passado que a Harper House carrega.  
Antes de mais nada preciso dizer o quanto é prazeroso ler um livro da Nora Roberts, mesmo com tramas simples ela, talentosamente, é capaz de mesclar romance, amizade, emoção, superação e um nível inacreditável de mistério em suas histórias, envolvendo assim, completamente o leitor. Em Dália Azul ela me ganhou na carta ao leitor, ou seja, na primeira página do livro, local em que escreveu um pequeno texto para justificar o tema central escolhido para essa trilogia - A Jardinagem, explicando o prazer que existe nessa tarefa e compartilhando conosco sua experiência e a gratificação que sente ao ver algo florecer de seu trabalho manual. E exatamente por isso, o tema do livro é tão rico em aromas florais, diversividade de plantas, beleza de flores e jardins, e da calma que esse contato com a natureza acarreta.
No primeiro volume dessa trilogia o foco da narrativa é a história de Stella, viúva, mãe de dois meninos muito ativos, que retorna a sua cidade materna em busca de um recomeço e de um verdadeiro lar para os seus filhos. Contratada por Roz para gerir seu negócio de comercialização de plantas, ela supera as expectativas quando se trata da qualidade do seu trabalho, contudo as recompensas financeiras de seu serviço são mínimas quando comparadas ao que ela realmente encontra nessa nova cidade. Stella tem em seu futuro a possibilidade de formar uma nova família, de criar novos laços de amizade e companheirismo, novas experiências que poderão se unir com as suas lembranças do passado, entretanto, para isso ela precisa ter coragem para aceitar o desconhecido e o imprevisível, algo que para ela, viciada em planejamento, é quase impossível.
Magnífico. Imaginem um romance simples e natural? O que senti lendo Dália Azul foi uma mescla de surpresa com felicidade. A cada experiência narrada dessas três mulheres (Stella, Roz e Hayley, principalmente de Stella), me senti parte delas, compartilhei suas dores, seus medos, suas alegrias. Por isso, para ser sincera, acredito que a beleza do livro está na descrição da essência feminina, o que faz com que nos identifiquemos com os papéis narrados, com a mãe, a viúva, a mulher madura, a jovem confusa que tem medo de seu futuro, entretanto o foco não são os rótulos, mas sim, as características que temos em comum com tais personagens.
Outro ponto que saliento é a explosão de sentimentos narrados, a dor da perda, o amor de mãe, a amizade, o amor e paixão incondicional; é como um buquê composto pelas mais variadas flores, todas alinhadas em um arranjo que não segue um padrão e que encanta por sua diversidade. E falando em sentimentos, como não falar do amor descrito? Suspirei com o primeiro indício de paixão, torci por um final feliz e me surpreendi ao ver que aqui, o romance não foi tomado de uma forma poetizada, repleta de palavras bonitas e ações de romantismo, ele esteve presente em momentos de superação, na busca por se libertar das mágoas do passado para seguir em frente.
Mais um ótimo ponto da trama, os segredos familiares. Quem não gosta de uma história repleta de mistérios que entrelaçam o passado e o presente? Surpreendi-me com o toque sobrenatural que a autora utilizou para dar vida a uma mulher que como Stella, Roz e Hayley, teve sua vida e a extinção dela ligada a Harper House.
Para concluir só posso dizer que adorei o livro, talvez seja minha predileção aos livros da Nora Roberts, mas me senti extremamente envolta nessa trama, me afeiçoei a ela. Isso mesmo, não aos personagens, que também merecem seu crédito, mas a trama em si, a história como o todo, o que só me faz ansiar pelos próximos livros. Sei que vou amar o último livro da trilogia, história pela qual estou mais curiosa.
Gosta de romance? Então leia esse livro!
Quotes pelo mundo:
“- Não consigo respirar. O que está acontecendo comigo? - Lembre-se disso. Pense nisso. Lembre-se da inocência dos seus filhos e corte-a. Arranque-a. Antes que seja tarde demais! Você não vê que ela está tentando ofuscar todo o resto? Não vê como está roubando a luz? A beleza pode ser venenosa.”
“Oh... Bem, os meus pés já estão ensopados; portanto, tenho que pedir emprestado o pé de alguém para enfiar outra vez na poça.”
“-Foi o cabelo que começou tudo. - Ele abriu a geladeira e tirou uma cerveja. - Mas isso era apenas atração. Depois a voz. - Abriu a garrafa e bebe um longo trago. - Mas isso é apenas espírito de contradição da minha parte. Foi uma série de pequenas coisas, com uma série de coisas importantes acrescidas. Não sei exatamente o que é, mas, sempre que estou perto de você, ficou mais perto do precipício.”
Capas pelo mundo:
  

 


9 comentários:

  1. Oi Pah!
    Que bela resenha, fiquei encantada e louca para ler este livro.
    Essas capas são maravilhsas! Eu adoro quando o livro envolve flores e jardins e faz comparações com a vida eu acho lindo. O Livro A linguagem da flores da Arqueiro tbm tem este tema e eu amei ler, muito bom.

    Bjinhs*
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Pah, sua linda

    Não se se foi porque acabei de ler um livro da diva, 'Fora da lei', mas amei de paixao sua resenha, me fez querer ler outro livro dela. Ela é demais né?

    bjao

    ResponderExcluir
  3. Uau! Admito que comprei o livro sem saber nada sobre ele. Aproveitei uma promoção, e esse livro acabou vindo pra mim somente pelo nome da autora, de quem eu sempre ouvi maravilhas. Agora, lendo sua resenha, tenho certeza deque fiz um ótimo negócio! ^^

    ResponderExcluir
  4. li somente um livro da autora e amei a escrita dela... simplesmente incrível, mas acabei não indo atras de nenhum mais
    todas as resenhas de livros que leio dela, fico fascinada! parecem ser um melhor do que o outros, sem exceção

    ResponderExcluir
  5. Eu fico encantada que tenhas sentido tudo isso. Eu vou confessar, não consigo gostar de Nora Roberts. E quando digo não gostar, digo que não consigo ao ponto sequer de ler um livro dela.
    É como quando você não fala com a pessoa porque não vai com ac ara dela, simples assim.

    Pode me achar tola, eu já tentei romper essa barreira. Ainda assim não consegui.

    O livro parece muito bom, com toda sua descrição. Só que não foi dessa vez ainda.

    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Ah, então foi esse o livro das intrigas familiares :)
    Ai, gêmea, você sem ter lido Sophie e eu sem ter lido Nora. Como é que pode, me diz? Hahaha
    Fiquei super curiosa pela leitura, essa capa e todas as que você colocou aqui no post já remetem à feminilidade, e parece que tudo desse contexto foi muito bem explorado!
    Achei o livro sua cara, sabia?
    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Ah, a Nora é MARA! hahaha Acho que a forma com que ela escreve os livros deixa a gente envolvida demais ans histórias. Ainda não li essa série, mas quem sabe futuramente...

    ResponderExcluir
  8. Adoro os livros da Nora e quero muito poder conseguir esses livros acima dela. Um cheiro!

    ResponderExcluir
  9. Nora Roberts e muito amor ela escreve com a alma sei lá sempre que leio um livro dela no final suspiro e fico pensando como a historias dela sempre me tocar,super quero ler essa trilogia das flores.

    ResponderExcluir