[Resenha] Um Amor no Deserto - Rosane Fantin

Sinopse: Amy é uma jornalista desportiva muito competente. Uma mulher independente, de ideias próprias e determinada. Numa de suas aventuras jornalísticas, durante o Rally Paris-Dakar de 1986, se vê perdida no meio do deserto do Saara, com sua moto atolada nas areias, em vias de morrer desidratada e sozinha. Porém, por obra do destino, é encontrada por um estranho tuareg, que a leva ao mundo do antigo povo nômade, numa aldeia perdida no meio das dunas. Ali se vê prisioneira do homem e indefesa contra as leis da natureza, obrigada a esperar que alguém do mundo civilizado apareça para ajudá-la. Neste ambiente, aparentemente hostil, onde Daren passa a definir suas ações, surge um sentimento novo, que vai determinar uma mudança irremediável em sua vida.

Romance Adulto|| 212 Páginas || Skoob || Blog da autora|| Classificação: 
Um amor no Deserto, obra da autora nacional Rosane Fantin, é um romance leve e encantador. Por seu tamanho (apenas 212 páginas) e pela escrita fluída da autora podemos lê-lo em “uma tacada só”, contando ainda com o fato de que a trama não exige muitos esforços por parte do leitor para que ele se conecte com o ritmo da narrativa, o que consequentemente agiliza ainda mais o fluxo da leitura. Em suma, essa agilidade natural da trama e do trabalho da Rosane me lembrou certos romances de banca, que são curtos e ligeiros na descrição dos acontecimentos, mas nem por isso pecam ao deixar muitos pontos soltos na obra.
Narrando a história de Amy a autora nos transporta a um cenário incrível - elemento que particularmente, foi o que mais me agradou em todo o livro - o deserto do Saara. Como jornalista Amy parte a trabalho em um rally (modalidade automobilística na qual se coloca à prova a habilidade dos condutores e a resistência de seus veículos) no qual dentre os vários cenários da competição encontra-se a região desértica da África, com suas adversidades temporais, certos detalhes culturais e belíssimos oásis naturais. É nessa região, desconhecida e ameaçadora para uma jornalista teimosa de Londres, que Amy conhece um homem, o misterioso Daren, capaz de gerar nela uma infinidade de sentimentos controversos.

Daren salva Amy, a deixa agradecida e então, em um convívio forçado os ânimos se exaltam e não demora muito para que eles comecem a discutir, eles possuem opiniões diferentes sobre o que é mais seguro para Amy e sendo ambos orgulhosos e “mandões”, fica difícil encontrar um meio termo ou uma trégua nessa relação. Contudo, não menos que de repente um novo sentimento surge, o de desejo e então, o de paixão. Aqui não posso deixar de citar minha relutância quanto tais sentimentos, não que eu tenha problemas com os romances “instantâneos” narrados em alguns livros, entretanto, nesse caso em particular eu não senti nas palavras a transformação da relação do casal, faltou-me embasamento para que eu pudesse acreditar na força das emoções descritas.
Destarte, a primeira parte da história foca no romance, em como em condições improváveis o casal se une e então, vem o futuro e promessas que tendem a se romper. Foi na segunda parte da história que realmente me envolvi com o livro, aqui temos uma intensificação de perdas, conflitos familiares e encontros e desencontros do destino simplesmente maravilhosos. Senti-me vendo uma novela, repleta de intrigas e repentinas mudanças no desenrolar da trama. Outro ponto positivo foi o final, tão belo e suave. Assim como a proposta do livro, a de entreter e cativar os leitores que gostam desse tipo de literatura.
Minhas ressalvas quanto a obra são em primeiro instante sobre sua edição. Percebi que deixaram escapar alguns erros graves de revisão ortográfica, mas claro, sabemos o quanto é caro e difícil contratar um bom profissional para revisar originais, isso quando não é o autor que se compromete com tal revisão, então não passei a gostar menos ou mais do livro por causa disso. Outro detalhe é, como já disse, o romance lá do início do livro, por mais que no decorrer da história ele fique evidente, senti falta de uma melhor elaboração desse sentimento.
 No geral, indico a obra da Rosane Fantin para quem busca livros leves e ao mesmo tempo, um tanto quanto emocionantes. Espero poder ler outros livros da autora e desejo-lhe muito sucesso.

7 comentários:

  1. pela capa parece ser um livro antigo, ou estou enganada?
    acho que já vi este em alguma livraria, mas nunca me interessei
    olhando sua resenha parece ser beem emocionante e tocante mesmo!
    vou dar uma olhada nos outros livros da autora, vai que já li um dela e não sei :P

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem? Espero que sim. Fiz um meme sobre incentivo à leitura e seu blog foi um dos meus indicados. Dá uma olhadinha lá tá, por favor :) Desde já agradeço! Beijos http://vivonasuaestante.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela divulgação de autores nacionais
    Oi, muito interessante a resenha estava sentindo falta de um romance leve,emocionante

    ResponderExcluir
  4. Oi gêmea!
    Imaginei que a obra lembrasse a um romance de banca, a capa remete a isso!
    Parece ser uma leitura gostosa!
    Bom saber que houve um bom aproveitamento do cenário!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  5. Quando li a resenha, pensei que fosse romance de banca.
    Legal a divulgação de autores brasileiros e de uma autora pra mim, ainda desconhecida!!!
    Bjo

    http://lendoebebendo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oiee!
    Ainda não conhecia este livro, sua resenha me despertou curiosidade!

    Bjinhs*

    ResponderExcluir
  7. Realmente parece com as historias de romances de bancas,pois a historia parece ser bem rápida,mas o que me faz gosta ou não de um livro e o final tem que se feliz claro mais com detalhes.

    ResponderExcluir