[Resenha] Especiais – Scott Westerfeld

Circunstâncias especiais. As palavras dão arrepios a Tally desde seus dias como uma repugnante e revoltada Feia. Naquela época, especiais eram um boato sinistro - assustadoramente bonitos, perigosamente fortes, chocantemente rápidos. Perfeitos comuns podem viver uma vida inteira sem conhecer um especial. Mas Tally nunca foi comum. E agora ela se tornou um deles: uma super máquina de combate, construída para manter os feios humilhados e os perfeitos idiotas. A força, a velocidade, e a clareza e foco de seus pensamentos é a melhor coisa que Tally consegue lembrar. Na maior parte do tempo. Uma pequena parte do seu coração ainda se lembra de algo mais. Mesmo assim, é fácil ignorar isso - até Tally oferecer-se a acabar permanentemente com os rebeldes de New Smoke. Tudo se resume a uma escolha: escutar seu coração ou realizar a missão para que foi programada. De qualquer jeito, o mundo de Tally nunca mais será o mesmo.
Fantasia Distópica || 352 Páginas || Galera Record || Skoob || Compare & Compre|| Resenha da Kamila Mendes || Classificação: 5/5
Vocês já sabem que amo distopias, especialmente pela crítica contida em suas entrelinhas, às vezes de forma clara, outras, bem escondidas, mas creio que toda distopia tem algo que leva o leitor a uma auto-reflexão e é por isso que gosto da série ‘Feios’. Scott Westerfeld criou uma saga distópica de encher os olhos daqueles que leem suas entrelinhas. Estranho como ainda não havia percebido isso, mas Feios possui duas veias críticas principais: um estudo sobre a superficialidade e futilidade da sociedade em que vivemos, e a luta dos adolescentes na busca pela definição de sua identidade em uma sociedade que impõe padrões impossíveis de seguir.
"O momento especial trouxe uma lucidez avassaladora e Tally finalmente desembaralhou as ideias. Por dentro havia elementos permanentes, coisas que continuavam inalteradas fosse ela feia, perfeita ou especial - e o amor era um desses elementos."
Especiais, terceiro volume da série Feios, finaliza a luta de Tally Youngblood para ser aceita em algum grupo social e sua busca por autoconhecimento. Neste livro, encontramos uma Tally transformada em Especial, um tipo de grupo de elite, o mais parecido com as forças armadas que a Nova Perfeição tem. Dentro desse grupo, Tally pertence aos Cortadores, uma equipe de especiais “especiais". Eles são diferentes de tudo o que já foi visto nos livros anteriores.
Se for usar uma analogia, diria que os cortadores são a representação literária daqueles grupos de populares cruéis, que se sentem superiores a todos ao seu redor. De fato, os cortadores são projetados para isso, para serem superiores: são mais velozes, ossos feitos de cerâmica resistente, olhos com ultravisão, incluindo visão noturna, unhas afiadas como garras e dentes afiados como presas de animais. Mas eles possuem uma fraqueza, que é a origem de seu nome. Para se tornarem sagazes, termo bastante usado nesse livro que significa ser racional acima de qualquer sentimento, esse grupo de jovens costuma se cortar. Eles são treinados, condicionados a isso: sempre que as emoções ameaçam vir a tona, eles cortam os braços, pernas, mãos para que a dor clareie sua mente. Alguém, além de mim, viu uma crítica clara à sociedade que aceita de forma passiva que adolescentes se cortem para evitar suas dores emocionais? Bem, eu vi, e achei muito bem colocado dentro do contexto literário e social.
Além das críticas costumeiras a futilidade e superficialidade já existentes e bem contundentes nos demais livros da série, Especiais nos leva ao ápice da luta da Nova Perfeição contra os enfumaçados, fato que garante ação frenética da primeira a última página do livro. A obra mostra um mundo perfeito entrando em colapso por causa de poucos que decidiram ir contra o sistema. Guerra, explosões, mortes (como eu chorei nessa parte) e um final digno de filmes épicos. Finalmente Scott me fez gostar de sua protagonista e, ao menos no momento mais importante, ela soube o que fazer.
Eu sei que essa resenha pode ter ficado um tanto vaga, mas se eu falasse mais entregaria os pontos principais do livro e não quero dar spoilers. Portanto, indico Especiais, e a série Feios, aos que amam uma boa distopia, aos que não tem medo de desafios literários, aos que não são vencidos nas primeiras páginas (nos casos de Feios e Perfeitos) e a todos que reconhecem nas distopias uma forma de crítica e de profunda reflexão. Dou cinco estrelas e super indico. Scott Westerfeld é um ótimo autor!
Capas pelo mundo:


   


10 comentários:

  1. não sou muito fã de distopia, e li somente o primeiro livro desta serie, e não me agradou muito
    somente o enfoque da narrativa que me deixou curiosa mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Olá! Ainda não li nenhum livro da série, mas estou louca pra ler!! gostei da resenha! bjooo
    http://fabipimentarosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Adoro a série Feios e virei fã do Westerfeld por causa dela. Incrível como cada livro supera o anterior e a crítica é colocada de um jeito muito pertinente, tem um sentido de estar lá. Interessante, também lembrei dos adolescentes que se automutilam. Acho que os personagens e acontecimentos da série podem ser vistos sob múltiplos ângulos, todos eles convidando à reflexão.

    Bjs
    Livro Lab

    ResponderExcluir
  4. Oie!
    Eu comecei a ler o primeiro livro e desisti. Mas vendo o seu pot me deu uma vontade imensa de ler.

    Bjinhs*

    ResponderExcluir
  5. Eu li por cima, porque só li feios por enquanto. Mas essa é a capa mais bonita da série na minha opinião.

    Apesar de ter ficado meio assim assim com o primeiro, comprei o resto da série para terminar.

    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Nunca li nada dessa série, até pq faz pouco tempo que descobri meu amor pela distopia.. por causa disso tb li mto por cima a resenha pra acabar não sabendo mais do que deveria. Mas de qualquer forma valeu a dica, não sabia que a série Feios era distopia e agora fiquei com vontade de ir atrás dos livros. Bjss, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  7. Li Feios e Perfeitos ainda não li Extras.
    Também virei fã de distopias, sim as críticas são um fator importante para a auto-reflexão,o que estás por detrás daquilo,como aconteceu e porquê,e o depois?
    Infelizmente nossa Sociedade está ficado cada vez mais superficial e fútil.E concordo em relação aos adolescentes que no meio dessas informações e influências midiáticas às vezes ficam influenciados demais,perdendo a própria identidade ao absorver outras personalidades,realidades,modelos consumistas.
    Acompanhando Tally durante a série identificamos vários momentos que servem de analogia para a questão da "crítica e de profunda reflexão".
    As capas pelo mundo estão criativas e impactantes.

    ResponderExcluir
  8. Pulando essa resenha porque AINDA não li essa série =/

    Beijos :*
    Francielle
    http://theserialreader.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Também ireii pular esa resenha pois quero muuuuito ler a série!
    Ouvi dizer que ela é muito boa! haha ^^

    ResponderExcluir
  10. Ahh finalizei Especiais ontem, com uma dorzinha no coração por ser o último livro da série de Tally (já que Extras não é continuação).
    Ameei!! É claro que queria que algumas coisas fossem diferentes, mas achei tudo muito bem elaborado pelo autor, e o resultado muito satisfatório!
    Virei fã!! :)

    ResponderExcluir