[Resenha] Toda Sua - Sylvia Day

Postado em 06 fevereiro 2013
Sinopse: Eva Tramell tem 24 anos e acaba de conseguir um emprego em uma das maiores agências de publicidade dos Estados Unidos. Tudo parece correr de acordo com o plano, até que ela conhece o jovem bilionário Gideon Cross, o homem mais sexy que ela - e provavelmente qualquer outra pessoa - já viu. Gideon imediatamente se interessa por Eva, que faz tudo o que pode para resistir à tentação. Mas ele é lindo, forte, rico, bem-sucedido, poderoso e sempre consegue o que quer - Eva acaba se entregando. Uma relação intensa começa. O sexo é considerado por eles como incrível. Capaz de levar os dois a extremos a que jamais tinham chegado. E, então, eles se apaixonam - o que pode ser tanto a chave para um futuro feliz quanto a faísca que trará de volta os traumas do passado.
Romance Adulto || 280 Páginas || Skoob || Editora Paralela || Compare & Compre|| Classificação 4/5
“Não existe coisa mais fácil que resolver o problema dos outros. O duro é enfrentar nossos próprios traumas.”
‘Toda Sua’ é o primeiro volume da (até o momento) trilogia ‘Crossfire’, que seguindo os passos de Cinquenta Tons de Cinza, mescla em sua narrativa as emoções ligadas ao desejo e ao amor, descrevendo um relacionamento conturbado que vai além dos sentimentos de paixão, posse, necessidade ou cura. Seria impossível deixar de salientar as semelhanças que a obra possui com os livros da trilogia adulta da autora E. L. James, até porque a própria Sylvia Day assume que se inspirou em Cinquenta Tons para criar sua própria história. Sendo assim, aqui também temos um personagem masculino dominante, bem sucedido, arisco a compromissos e repleto de traumas do passado; um relacionamento de desejo carnal que não demora a se intensificar e revelar alguns segredos obscuros; cenas extremamente sensuais; e a inserção, mesmo que pequena, de elementos de submissão e dominação. Contudo as semelhanças param por aí. A experiência da autora Sylvia Day, que tem outros livros adultos publicados nos EUA, conta muito para tornar nítida a qualidade de sua escrita. Tanto é que na contracapa de ‘Toda Sua’ temos um comentário de que a obra é ‘melhor escrita que Cinquenta Tons de Cinza’, e após a leitura de ambos os livros, não poderia deixar de concordar com tal argumento.

Desta forma, é fundamental salientar de que existem semelhanças nítidas entre esses dois livros, mas as peculiaridades da escrita de cada uma dessas autoras os tornam (se é que isso é possível) completamente diferentes. Não vou me aprofundar nos prós e contras de cada trilogia, mas como leitora, acredito que ambas são dignas de favoritismo, e a escolha de defesa de uma delas, ou a de uma posição neutra, é independente a qualquer argumento lógico que eu (ou qualquer um que resenhe tais obras) apresente, ou seja, só quem as lê pode concluir se elas agradaram ou não. Meu reflexo inicial é salientar as particularidades de ‘Toda Sua’ que me cativaram e me fizeram enxergar o livro não como uma cópia de ‘Cinquenta Tons’, mas sim como um romance adulto intenso, envolvente e munido de drama suficiente para levar o leitor à loucura - e eis o ponto alto da narrativa, o ponto fundamental que difere tais obras: o drama, os traumas dos personagens principais e a sombra de medo que paira sobre suas escolhas, não que não tenhamos isso em ‘Cinquenta Tons de Cinza’, mas em ‘Crossfire’ são tantos personagens marcados e rodeados por traumas que é impossível não mergulhar em seus sentimentos. Fora isso e a qualidade da escrita da autora, outras diferenças estão, em suma, concentradas na personagem feminina principal, que além de possuir uma boa situação financeira, alguma experiência em relacionamentos e uma personalidade forte e dominante, também tem sua própria cota de traumas que precisam ser definitivamente esquecidos.
O casal em foco é Eva e Gideon Cross, que após um encontro inesperado no ambiente de trabalho são consumidos por uma avalanche de sentimentos. Ele decide que só quer uma relação impessoal para libertar seu corpo de tamanha tensão sexual, e ela não quer um namorado, mas também não pretende se envolver com um completo desconhecido. Em um acordo mútuo, ambos os lados começam a ceder para que eles possam se entregar a paixão que os domina, e como é de se esperar, ele se doam além do imaginável e logo estão mergulhados em um sentimento indefinível que os une. Ao se entregarem eles expõem seus medos, os traumas familiares, a sombra de um suicídio e a marca do abuso sexual, mas o mais forte da narrativa concentra-se nas sequelas que esses traumas deixaram em tais personagens, como por exemplo, as inseguranças, uma personalidade volátil, os pesadelos e as crises de choro. São emoções tão intensas que nos envolvemos completamente com o casal e compreendemos a ligação entre eles, uma relação de necessidade, de busca pela cura que está totalmente direcionada as dores que eles precisam enfrentar.
Com uma mescla de sentimentos como essa, como poderíamos deixar de gostar de tais personagens? Eles são humanos, passíveis de erros e por isso nos irritam em vários momentos, contudo a lembrança do passado conturbado deles e tais segredos ligados a essas mágoas nos prendem intensamente a leitura. O fato é que, eu adoro um bom livro munido de tantos aspectos sentimentais como esse, e de certa forma, senti que o romance e o desejo foram eclipsados por essas emoções e traumas, o que me ganhou por inteiro. A paixão foi um bônus muito bem vindo, fazia tempo que não sentia, pelo menos nesse tipo de literatura, a realidade de um relacionamento, a via de dependência que um casal mantém.
No geral, gostei do livro, do romance, do sentimentalismo, dos personagens secundários e do casal principal. Não gostei do final, mas isso só me fez esperar ansiosa para a leitura do próximo livro (Profundamente Sua) e aguardar apreensiva pelo final da trilogia. Se você gosta de romances adultos, se arrisque, e leia ‘Toda Sua’. E claro, lembre-se de que se trata de um romance adulto, então além da sensualidade, temos também um vocabulário chulo.
Quotes Preferidos:
“— Você é louco, Gideon? Ele estreitou os lábios. — Está perguntando isso a sério? — Sim, estou. Minha mãe vive me espionando, mas ela faz terapia. Você faz terapia? — Atualmente não, mas você está me deixando tão maluco que acho que vou precisar em breve.”
“Eu queria Cross. Muito. Mas ele era demais para mim. Sinceramente, eu não precisava de ninguém para arruinar minha vida. Não precisava de ajuda nesse quesito.”
- Eu estou em casa. Ele me agarrou por trás e enfiou o rosto nos meus cabelos ensopados. - “Estou com você.”
“Você me quer, Gideon?”. (...). “Mais do que o ar que eu respiro”.
Vou dizer tudo o que quero que você faça para me dar prazer, Eva, e você vai fazer tudinho… se me obedecer, vamos fazer sexo explosivo, selvagem, sem restrições. Você sabe disso, não é? Já está sentindo como as coisas vão ser entre nós.”
Capas pelo mundo:

  


Comente com o Facebook:

19 comentários:

  1. Ótima resenha, Pah! Sem dúvidas a trilogia Crossfire é de arrancar suspiros do leitor. Já li os dois livros e estou ansiosa pelo terceiro. Fico na torcida para que não seja o último, pois a autora disse que há muito a ser trabalhado em Gideon Cross para que ele e Eva tenham um final feliz. Porém, não quero criar expectativas sendo que ela também já disse que não vai prolongar a história sem necessidade.

    @anapaulafac

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito da resenha Pah, eu até achei que já tinhas visto a resenha dele por aqui (acho que alguém com um gosto semelhante ao seu já tinha escrito sobre ele e ficou na minha cabeça que a resenha tinha sido sua. Ops!!)

    Talvez eu me aventure. Confesso que quero terminar 50 tons, até pela curiosidade que havia me causado antes do seu lançamento. Mas depois de ler o primeiro achei a escrita da autora muito ruim.
    Gostei de Grey. E gostei de Ana (não da discussão eterna da deusa e inconsciente dela, mas DELA).
    Não sei como é o fim desse, mas o de 50 tons foi o estilo que eu não gosto. Uma saída rápida pra dar continuidade no próximo volume. Gosto quando os livros das séries fecham em si mesmos, mesmo que um fio da história se perpetue nos próximos.

    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. com toda esta onde hot, tenho curiosidade em ler, pois nunca li nada deste gênero, porém, entre 50 tons Toda Sua, preferia ler Toda sua!
    adorei a sua resenha, e me interessei mais ainda pelo livro *-*

    ResponderExcluir
  4. Menina!
    Li o segundo livro antes desse!
    Sou doida!
    Gostei desse, mas prefiro 50 tons!
    Beijos
    Rizia - Livroterapias
    http://livroterapias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Não gostei do livro, achei uma cópia barata do Cinquenta Tons,um homem rico, lindo, com sombras no passados e louco por sexo, uma ex, uma garota apaixonada que divide o apartamento com um amigo. A unica grande diferença é que Ana da vez, não é ingenua e chata, e que a escrita foi um pouco melhor.
    Também achei que muitas histórias ficaram meio sem explicação, e isso não diz respeito a Gideon, mas a outros personagens, acredito que esteja no próximo livro, para fazer algum sentindo... sei lá, talvez eu o leia o próximo livro só por curiosidade, para saber como a autora escreveu a sequência.

    Prefiro Cinquenta Tons!

    ResponderExcluir
  6. Oi gêmea!
    Eu confesso que não tenho tanta vontade de ler por ser muito similar a 50 Tons em vários aspectos e isso acabar me cansando.
    Porém, como você foi efusiva em dizer que achou essa série melhor, talvez eu dê uma chance, fiquei curiosa por conta dos muitos traumas das personagens e de como isso acaba sendo envolvente.
    Ah, e o fato de a série ser melhor escrita também ajuda e muito!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Eu gosto de Toda Sua, assim como também gosto de 50 tons.
    Acho a narrativa melhor, mas o Gideon tem que percorrer muito chão até se tornar um Grey.

    Beijão
    Michelle Boyd
    The Little Things

    ResponderExcluir
  8. As pelo mundo são lindas!
    Eu amo a série Crossfire, é só isso o que vou falar kkkkkk
    Louca para ler o terceiro livro que segundo a autora dependendo de como vão as coisas pode ser que tenha um quarto livro, vou torcer!!!!
    PS: Profundamente Sua começa meio parado, mas depois nos surpreende e nos faz querer mais ;)
    Bjs,
    Pati

    ResponderExcluir
  9. Pah, eu vou ser sincera com você pra dizer que eu tenho um pé atrás com esse livro... Mas eu gostei MUITO da sua resenha e vou dar uma chance. :)
    Assim que ler, te conto o que achei!

    :*
    Mi
    Inteiramente Diva

    ResponderExcluir
  10. Pah,

    Tenho de confessar que não sou muito curiosa em relação a essa nova onda hot... 50 Tons nunca me despertou a atenção, em especial depois de saber que a escrita da autora não é tão boa, que ela se repete bastante. Mas, se eu decidir ler algum livro do tipo, acho que Toda Sua pode ser uma boa opção.
    Excelente resenha!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Sinceramente,ainda não li ainda estou terminando de ler Um Olhar de Amor,Bella Andre. Depois de 50 Tons de Cinza,virou febre,os romances eróticos estão em alta.
    É verdade que é um livro com trechos hot,hot sadomasoquismo,fantasias eróticas... Curiosidade para ler depois de tanta divulgação,gostei de sua resenha,Eva e Gideon com certeza um casal que promete muito
    Como mencionado:um romance adulto intenso, envolvente e munido de drama suficiente para levar o leitor à loucura.

    ResponderExcluir
  12. Sinceramente, nunca tive pretensão de ler outros romances eróticos depois de 50 tons. Não pq eu não gostei, pelo contrário. Por ter gostado tanto, não tive interesse de ler outras coisas sobre o mesmo assunto para deixar 50 tons como sendo algo único sabe?! Bobagem, eu sei.. mas como agora a onda são os romances eróticos e o que mais vemos por aí são livros assim, não tem mto como escapar. Ganhei 2 num sorteio, O Diário de uma Submissa e o Profundamente Sua, ou seja, vou acabar me obrigando a ler esses e outros mais, talvez por pura curiosidade ou talvez acabe gostando mesmo. Mas para mim, 50 tons sempre será único.. hehe

    Bjs, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  13. Oi Pah!
    Eu tenho que admitir que quando as editoras começaram a lançar esse monte de livros eróticos, eu fiquei com mais vontade de ler "Toda Sua" do que "50 Tons". Mas acabei lendo "50 Tons" e não lendo "Toda Sua" (vai entender porque).
    Ainda tenho muita vontade de ler o livro, mas estou um pouco enjoada desse tipo de leitura agora (só um pouquinho 'kk). Ta na minha pilha (enorme) de leitura. :D

    Adorei a resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Gostei de 50 tons e comprei toda sua e Totalmente sua, agora estou aguardando a entrega!!
    Tenho uma tag pra vc lá no blog

    http://borboletaliteraria.blogspot.com.br/2013/02/tag-para-saber-mais-sobre-o-blog.html

    Bjinhos

    ResponderExcluir
  15. Nossa, me identifiquei muito com os termos de sua resenha. Acho que vou virar freguesa aqui no blog.
    Particularmente adorei "50 tons"(a trilogia toda). Entendo o desinteresse de alguns, mas não entendo as críticas tão ferozes, sinceramente. Talvez sejam críticas sádicas, será? Rsrsrs
    Estou pensando em ler "Toda sua". Parabéns pela resenha!
    Janaína

    ResponderExcluir
  16. Otima resenha!!!
    foi isso tudo que eu sentir quando le.
    Parabens!!!!!!!

    ResponderExcluir
  17. Eu li este livro e já estou me aventurando no segundo, simplesmente adorei a riqueza dos detalhes...., é uma leitura que lhe prende e você quer ler mais e mais....quem não leu recomendo.
    Andréa.

    ResponderExcluir
  18. Eu li 50 tons(trilogia) gostei tanto que acabei lendo duas vezes cada um, fiquei apaixonada pelo Grei, e estou curiosa para ler Toda Sua, adoro esses livros, com muito amor e sexo.

    ResponderExcluir
  19. Acho q EL James podia muito bem processar Silvia Day por plágio.
    Pra mim, toda sua esta sendo um 50 tons mais agil. Sr Cross não tem charme nenhum, não é sedutor...Grey coloca ele no chinelo.
    Não há amor entre Eva e Cross...pelo menos não vi ainda, apenas tesão. Tipo de relação q vc só procura qdo tá muito exitada.
    As cenas de sexos são sem paixão, sexo casual e só. Palavras chulas q eu não vi nos 50 tons...ai ai saudades da Ana e do Christian...ele tinham as trepadas sacanas, mas eles faziam amor tb. Eles se seduziam e se envolviam....muito fofs apesar de eu achar a Ana uma chata.

    ResponderExcluir