maio 27, 2013

[Resenha] Desejo à Meia-Noite – Lisa Kleypas

Após
sofrer uma decepção amorosa, Amelia Hathaway perdeu as esperanças de se casar.
Desde a morte dos pais, ela se dedica exclusivamente a cuidar dos quatro irmãos
– uma tarefa nada fácil, sobretudo porque Leo, o mais velho, anda desperdiçando
dinheiro com mulheres, jogos e bebida. Certa noite, quando sai em busca de Leo
pelos redutos boêmios de Londres, Amelia conhece Cam Rohan. Meio cigano, meio
irlandês, Rohan é um homem difícil de se definir e, embora tenha ficado muito
rico, nunca se acostumou com a vida na sociedade londrina. Apesar de não
conseguirem esconder a imediata atração que sentem, Rohan e Amelia ficam
aliviados com a perspectiva de nunca mais se encontrarem. Mas parece que o
destino já traçou outros planos. Quando se muda com a família para a
propriedade recém-herdada em Hampshire, Amelia acredita que esse pode ser o
início de uma vida melhor para os Hathaways. Mas não faz ideia de quantas
dificuldades estão a sua espera. E a maior delas é o reencontro com o sedutor
Rohan, que parece determinado a ajudá-la a resolver seus problemas. Agora a
independente Amelia se verá dividida entre o orgulho e seus sentimentos. Será
que Rohan, um cigano que preza sua liberdade acima de tudo, estará disposto a
abrir mão de suas raízes e se curvar à maior instituição de todos os tempos: o
casamento?
Romance de Época (Conteúdo Adulto) || 272 Páginas ||
Cortesia
Editora
Arqueiro
|| Skoob ||
Compare & Compre || Classificação: 4/5
Desejo
à Meia-Noite
é o primeiro volume da série The Hathaways, que conta com cinco
livros publicados pela autora Lisa Kleypas entre os anos de 2007 e 2010.
Tal saga narra às aventuras e paixões dos irmãos Hathaway, de forma que cada um
dos membros dessa família é protagonista de um livro em especial, entretanto,
mesmo que as obras possuam início, meio e fim, é necessário lê-las em ordem
para acompanhar os avanços gerais dessa numerosa e espirituosa família. Sendo
assim, nesse primeiro romance conhecemos Amelia, uma jovem que para os padrões
londrinos já passou da idade de se casar e que, depois de ter seu coração
despedaçado, se fechou para o amor e passou a dedicar todo o seu tempo no cuidado
com suas irmãs mais novas – fora o fato dela ser a responsável por boa parte
das tarefas que deveriam dizer respeito ao cabeça-dura do seu irmão mais velho.
Porém, além da história de Amelia conhecemos também as particularidades dos
Hathaways, suas perdas, seus defeitos, suas personalidades díspares, de forma
que quando menos esperamos estamos completamente envolvidos em suas histórias
de vida. Entre muito drama familiar e espessas doses de bom humor, temos ainda
um romance clichê, mas exatamente por isso, fortemente cativante. Afinal, quem
não sonha em viver um romance sob a luz do luar da meia noite?
 “Ela merecia bem mais que isso. Merecia um
amor apaixonado, quente, avassalador, um sentimento que consumia tudo. Ela
merecia… Ah,
inferno. Estava pensando demais.” 

Amelia tem uma personalidade típica de
mocinhas de romance de época: forte, destemida, controladora, dona de si… Depois
da morte dos seus pais ela – como irmã mais velha – assumiu uma grande
responsabilidade ao virar uma espécie de mãe para os seus irmãos. E o fato é
que para isso ela precisou assumir o controle de tudo ao seu redor, o que fez
dela uma mulher que prefere a segurança de um terreno límpido do que a
incerteza de caminhos desconhecidos. Além disso, o controle também fez de
Amelia uma jovem com opiniões fortes que facilmente se confundem com resquícios
de teimosia, de forma que quando o mestiço (meio cigano, meio irlandês) Cam
Rohan aparece em sua vida fazendo as coisas fugirem do seu controle, ela
institivamente foge dele, mesmo que isso demande mais força de vontade do que
ela ousaria admitir. O envolvimento dos dois é previsível e instantâneo (como
já é de se esperar), mas em contra partida os fatores familiares que eles
carregam tornam tal relação envolvente e imprudente. Talvez o elemento místico
da trama, ligado com a cultura cigana apresentada pela autora, seja o grande
ponto de imprevisibilidade da história, mas independente disso é inegável que o
livro começa como ‘qualquer outro’ romance de época e acaba como um livro único
e apaixonante.
Minha
ruína
foi o enredo familiar; de início, quando o livro parecia
focar apenas em um romance platônico e socialmente reprovável, não achei que
iria gostar tanto dele, contudo a narrativa se transformou e me abocanhou de
jeito quando passou a revelar mais sobre as idas e vindas do destino que
entrelaçam a vida de Cam com a família Hathaway. Tudo que liga passado com
presente e que apresenta uma grande e complexa família como pano de fundo para
um romance intenso, me ganha como leitora. Porém, existem mais fatores
apaixonantes nesse livro como, por exemplo, os personagens estruturados e a
inserção de dois ciganos para lá de misteriosos, os traumas bem explorados e a
escrita contagiante da autora, que ao mesmo tempo em que é rica em detalhes, é
fluída e leve sem se tornar cansativa.
Cam e Amelia nos levam a viver um romance
açucarado e libertador. É contagiante ver como juntos eles deixam aparecer seus
medos e sonhos mais íntimos. Um grande ponto que a autora aborda é que, antes
do amor, ambos possuíam regras e valores rígidos quanto aos seus anseios para o
futuro, porém, quando experimentam um sentimento tão forte de união e
compreensão, deixam as máscaras caírem, sem medo de julgamentos e repressões. É
claro que o romance é fantasioso e sonhador, contudo, quem não espera um amor
assim? Verdadeiro, intenso e transformador?
Já conhecia o trabalho dessa autora, por
isso, por mais que ela tenha me surpreendido com uma abordagem ‘cigana’, não me surpreendi com seu
talento, pois era ciente sobre ele. Com esse livro eu ri, suspirei, ganhei um
novo mocinho favorito e fiquei com um gosto de quero mais. Estou muito ansiosa
pelos próximos volumes da série, e não posso deixar de parabenizar a editora
Arqueiro por trazer a doçura desses romances para o Brasil. 

E se você ficou curioso, pode aproveitar
para participar da promoção “Dia dos namorados épico com a Arqueiro”,
aqui,
valendo três romances históricos incríveis, incluindo o livro
Desejo à Meia-Noite.
Quotes:
 “… Dormirei entre quatro paredes. Cortarei o
cabelo. Deus me ajude, acho que até carregaria um relógio de bolso, se assim
você desejasse.”
“Abaixando a cabeça, passou as
mãos no cabelo rebelde. O peito doía como sempre que ansiava pela liberdade.
Mas, pela primeira vez, ele se perguntou se tinha certeza do que queria. Porque
não parecia que a dor seria curada pela partida. Na verdade, ela ameaçava se
tornar bem pior.”
Capas pelo Mundo:

  

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

32 Comentários

  • Josiane Barbosa
    08 abril, 2017

    Ameiii…Suspirei bastante, é lindo de mais…sem contar que temos os personagens da Série Quatro estações do Amor…o próximo livro deve ser muito mais lindo!

  • Karen Souza
    09 janeiro, 2016

    Oi Pah!
    Estou lendo e amando esse livro.
    Eu comecei dar uma chance para romances históricos após assistir as suas resenhas no youtube e realmente eu tenho me surpreendido muito.
    Ultimamente tenho usado os romances históricos para ler após uma leitura mais pesada, porque consigo dar umas boas risadas e me emocionar com coisas simples.

    Amei sua resenha.
    Beijo.

  • Karina B.
    17 junho, 2013

    Oi Pah!
    Quero muito ler esse livro!
    Mas eu decidi que só vou ler quando terminar de ler a série The Wallflowers. Então vai ter que esperar um pouco =D
    Adoro os livros dessa autora. E essa capa é muito linda!

    Adorei a resenha.
    Beijos!

  • nunca li nenhum livro dessa autora , mas só pelo fato de ser em outro tempo já me deixou cm vontade de ler.

  • Sabrina Piano
    12 junho, 2013

    Estou muito entusiasmada para com esse livro, acho muito lindo, quando o casal se encontra e finalmente deixam de lado seu orgulho, seus medos, deixam cair suas máscaras em nome do amor que sentem. Pela sua resenha gostei bastante dos personagens, não achei a Amelia chata, ela parece mesmo ser forte e destemida, e o Cam ainda não sei, essa coisa de cigano é meio nova pra mim, então não sei bem o que esperar.

  • Shadai Vieira
    12 junho, 2013

    Muito boa a resenha, e a história deve ser boa apesar de um pouco melosa demais e pragmática, o que não me chama muita atenção, mas ainda assim leria numa boa!

  • Anônimo
    11 junho, 2013

    Excelente resenha!Bjs

  • nick
    10 junho, 2013

    Quero muito ler esse livro!!!

  • Ana Paula Abs
    08 junho, 2013

    Além da capa ser demais, tem cigano? Nossa, que demais.
    Adorei a resenha e a premissa do livro.
    Com certeza uma das próximas leituras. 🙂

  • Saah Guimarães ;)
    07 junho, 2013

    Amei o genero, vo ler apenas esses agora

  • Larissa Lins
    07 junho, 2013

    confesso que não sou muito fã do gênero, passei muito tempo enrolando pra conseguir terminar de ler e não gostei muito não, foi muito cansativo, mas a resenha me conquistou juntamente com a capa, quero muito ler, dar uma outra chance pra esse tipo de livro ^^

  • Carol Souza
    06 junho, 2013

    Adorei a resenha, essa capa é realmente linda ! Já li resenhas positivas dele, parece ser bem legal *-*

  • Cássia Vicentin
    05 junho, 2013

    Essa capa me conquistou <3

  • fernandes
    04 junho, 2013

    Nota 8 boa leitura ok

  • Cibele Santos
    03 junho, 2013

    Ainda nao li o livro dessa autora quando vi a a capa amei quero muito ler esse livro…….

  • Ana Alves
    03 junho, 2013

    Mesmo que o livro não fosse bom, eu o teria pela capa, acho essa capa linda demais mesmo.
    O livro me fisgará pelo romance histórico, claro!
    Ana.
    http://umlivroenadamais.blogspot.com.br/

  • Cassia
    02 junho, 2013

    Eu adorei este livro. No começo eu achei que ele não seria muito bom (mocinho cigano não me atraiu muito), mas quando percebi eu já estava apaixonada pelos protagonistas e pela família da mocinha. Não vejo a hora de ler a segunda história que conta a história da Win com o Marripen, acho que vai ser maravilhosa.

  • Cassia
    02 junho, 2013

    Eu adorei este livro. No começo eu achei que ele não seria muito bom (mocinho cigano não me atraiu muito), mas quando percebi eu já estava apaixonada pelos protagonistas e pela família da mocinha. Não vejo a hora de ler a segunda história que conta a história da Win com o Marripen, acho que vai ser maravilhosa.

  • Juliana Teixeira
    30 maio, 2013

    Primeiramente, estou apaixonada pelo livro só pela capa kkk muito linda!! Romances Históricos são tão gostosos de se ler que acabam sendo um dos meus temas favoritos na hora de ler um livro. E esse ainda conta com o envolvimento da protagonista com um cigano, trazendo uma abordagem bem diferente. Adorei a resenha, me deixou com muita vontade de conhecer a história.

  • Cello
    30 maio, 2013

    A personalidade de Amelia me lembrou muito a Scarlett de E o Vento Levou, até a situação de chefe de família é parecida apesar da situação de Amelia não ser tão extrema. Gostei principalmente que cada livro da série irá tratar de um membro diferente da família.
    Obrigado pela resenha.

  • aline cristina
    29 maio, 2013

    Eu nunca li nenhum livro de época, então não sei muito coisa sobre esse estilo, mas sempre fiquei curiosa pra ler.
    Desejo á meia-noite parece ser um livro muito bom, a trama é bem interessante, e a capa.. essa capa é muuito linda, *U*..
    Ótima resenha.. =)

  • thaila oliveira
    29 maio, 2013

    serei repetitiva, mas estou doida por ler os romances de epoca da arqueiro, e ao meu ver essa é capa mais bonita dos tres livros lançados! creio que deve ser uma linda historia que promete emocionar e fazer rir

  • Ana Claudia
    28 maio, 2013

    Ei!
    Amei o blog, parabéns!
    Tô aqui pra divulgar meu novo blog, se puder dar uma força, passa la!
    xD
    Bjs
    http://owlread.wordpress.com

  • beth
    28 maio, 2013

    Sou apaixonada por romances desde adolescente e não há como se deixar levar por eles,principalmente se tiver um cigano lindo e excitante.

  • Pati Peña
    28 maio, 2013

    Primeiro livro que leio desta autora, já ouvi falar dela e vi resenhas de livros dela mas da versão portuguesa, me apaixonei pela escrita e história, muito lindo e quero que lancem o segundo JÁ hehehhee
    Bjs,
    Pati

  • Ana Lopes
    28 maio, 2013

    Oi Pah…
    com certeza a capa do Brasil é a melhor , me encantei com a história , quero muito esse livro , só estou esperando o "ca$h" kkkk

    quer conhecer meu cantinho ?

    http://livroselivrosana.blogspot.com.br/

  • ✿Nessa✿
    28 maio, 2013

    Oi Pah!
    Ai, adorei sua resenha. Fiquei com muita vontade de ler.
    Menina essas capas são divinas, adorei esta com o vestido rosa.

    Beijinhos*
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

  • Amanda T.
    28 maio, 2013

    Oi! Só a capa e o fato de ser romance historico seriam o suficiente pra me conquistar! Quando soube da tematica ciganos entao, soube que precisava ler! Já comprei, ta aqui na minha estante e planejo ler logo logo. Aí passo aqui pra dizer o que achei!

    Um beijo
    escolhasliterarias.blogspot.com

  • Rafaela Vyviane
    27 maio, 2013

    Não conheço os livros da autora, mas de acordo com a resenha, me parece que Desejo à meia-noite é um livro intenso, que vai além do puro romantismo e fala sobre coisas mais profundas, como os laços familiares. Curiosa para lê-lo.

  • Mirelle Candeloro
    27 maio, 2013

    Bom, vou ser repetitiva ao dizer que nunca li um romance histórico, mas morro de vontade. Adorei sua resenha e gostei de conhecer um pouco mais sobre o livro. Adoro essas séries em que cada livro conta a história de um membro da família como a Marian Keyes fez com a família Walsh. Já o coloquei na minha wishlist. Beijos, Mi.

    http://www.recantodami.com

  • Rayme
    27 maio, 2013

    li poucos romances históricos, então não tenho muita opinião formada sobre eles… mas achei interessante este negocio ai da cultura cigana. nunca li nada sobre isso, e achei legal a ideia da autora abordar isso
    todos os livros da serie já foram lançados lá fora?

  • Aione Simoes
    Aione Simoes
    27 maio, 2013

    Oi gêmea!
    Isso da cultura cigana foi o que mais chamou minha atenção, achei bem diferente a temática – e me lembrou de O Pássaro, da Samanta Holtz (aliás, preciso enviar seu livro).
    Gostei bastante de ver que as conexões entre passado e presente dão uma boa surpresa ao livro!
    Beijão!