[Resenha] Tabuleiro dos Deuses – Richelle Mead

Justin March, um investigador de religiões charmoso e traiçoeiro, volta para a República Unida da América do Norte (RUAN), após um misterioso exílio. Sua missão é encontrar os responsáveis por uma série de assassinatos relacionados com seitas clandestinas. Sua guarda-costas, Mae Koskinen, é linda, mas fatal. Membro da tropa de elite do exército, ela irá acompanhar e proteger Justin nessa caçada. Aos poucos, os dois descobrem que humanos são meras peças no tabuleiro de poderes inimagináveis.
Fantasia (+ 18) || 424 Páginas || Cortesia Editora Paralela|| Skoob || Compare & Compre|| Classificação: 3,5/5
Desigualdade, preconceito e individualismo são palavras muito comuns em nossa sociedade moderna – uma sociedade marcada pelo capitalismo e pela falta de fé. Imagine então se continuarmos nesse ritmo, como será nosso futuro? Em Tabuleiro dos Deuses somos introduzidos a um cenário futurista rudemente tecnológico e controlador que, infelizmente, não está tão distante assim da nossa realidade atual. A trama gira em torno da RANU, a República Unida da América do Norte, que após o declínio – um período de guerras biológicas, religiosas e culturais – se reergueu como a grande potência mundial. Dentro da RANU as regras são extensas e muitas vezes invasivas, contudo fora dela a população é mantida à margem da evolução cultural. Sendo assim, seria preferível viver em meio à sociedade moderna, sendo controlado por chips e introduzido a uma única religião (a fiel apenas a RANU), ou residir em nações subdesenvolvidas economicamente e culturalmente?  Com Justin – o exilado da RANU – e Mae – a soldada devota à nação – vamos descobrir mais sobre essas duas vertentes e, principalmente, sobre esse cenário complexo, instigante, e brutalmente real.

Não existem dúvidas de que o universo criado pela Richelle Mead é, no mínimo, genial. Marcado por uma forte cultura separatista, tanto no ponto de vista econômico quanto no aspecto genético, esse novo mundo luta contra a ideia de uniões perfeitas apenas entre membros de um mesmo grupo étnico e, mesmo que sem sucesso, tenta abolir os grupos religiosos que tendem a ameaçar o poder vigente – ações que nada mais são do que meios de controle populacional. O fato é que o controle tem obtido um resultado positivo dentro das províncias da RANU, contudo fora delas é que estão as guerras, a fome, e a desigualdade social. Tais detalhes nos fazem pensar nas grandes potências, nos avanços tecnológicos e biológicos, e no preconceito racial e religioso tão enraizado em nossa sociedade atual. Ou seja, a ideia da autora possui um teor distópico que permite a inserção de uma leve crítica a nossa sociedade, fazendo com que o leitor reflita sobre os valores políticos do nosso mundo – o que claro, é incrível!
A RANU responsabilizava três coisas pelo Declínio: a manipulação biológica, a religião e o separatismo cultural. Todas as primeiras mestiçagens genéticas haviam se esforçado muito para aniquilar a solidariedade étnica, e os modelos vagamento greco-romanos que o país adotara possibilitaram uma nova cultura abrangente da qual todos podiam fazer parte.
Fica óbvio então que a trama gira em torno de dominação política, desigualdade, e subjugação religiosa. Contudo, o mistério está em como a autora aborda tais perspectivas: mostrando os dois lados da moeda. Mae e Justin, nossos personagens principais, não poderiam ser mais diferentes – tanto em fé, quanto em criação, ou até mesmo em sua compleição genética – porém eles acabam unidos em uma missão em nome da RANU: Ele, o imperfeito exilado, e ela a soldada perfeita, juntos em nome da nação. Tal missão dá um novo ar à história, atrelando ao aspecto distópico uma ação muito bem vinda e, mais, guiada por uma personagem feminina forte e determinada, do tipo que definitivamente não precisa de ninguém para defendê-la. Além disso, ao unir Mae e Justin a autora dá espaço para a criação de um enlace amoroso, uma relação que ao mesmo tempo em que é esperada também é temida. Fora que, de bônus, ainda temos infinitos mistérios religiosos, suspeitas que fazem com que Mae e Justin questionem e temam a existência de forças invisíveis. Trata-se então de um livro inteligente e surpreendente, porém longe de ser perfeito.
O fato é que o universo descrito na obra é complicado demais e, focando na missão dos personagens principais, a autora optou por deixar esse mundo novo subentendido, explicando-o em partes. Assim, até o meio da leitura não me senti conectada com os personagens, não fui capaz de entender o controle exercido pela RANU, de memorizar os termos técnicos empregados, e muito menos de torcer pelo romance. Justin não me convenceu com seu ar de galanteador superficial, e Mae era intocável demais, perfeita ao extremo. Até esse ponto a leitura foi desenvolvida de forma lenta e por pouco não a abandonei... – E graças que eu não o fiz! Para a minha surpresa, da metade em diante, tudo se fez claro: conexões começaram a aparecer, segredos foram revelados, e a ação se tornou eletrizante. Como um quebra-cabeça prestes a ser concluído eu, realmente, devorei o livro, querendo mais e mais explicações, mais e mais romance, mais e mais intervenções divinas.
Se precisasse definir o livro, o definiria como um jogo de xadrez. Ele demora a engrenar, começa com o estudo do adversário e de suas técnicas, vai se desenvolvendo aos poucos para, não com rapidez mais sim com eficácia, chegar ao ápice da partida. Digo então que esse não é o melhor livro que li da Richelle Mead, e que ainda acho que ele poderia ter sido escrito com mais objetividade em alguns pontos, contudo sou incapaz de falar que a obra não tem qualidade e que essa foi uma leitura ruim, muito pelo contrário, de início foi penosa, mas o final fez valer o esforço. E como fez, não vejo a hora de ler a continuação e descobrir, por fim, parte dos mistérios que envolvem Mae e Justin e que os colocaram no caminho de deuses prontos para serem seguidos.
Se você quer embarcar em uma história adulta e inteligente, eis aqui uma boa opção de leitura. Só não espere moleza, romance água com açúcar, e personagens dóceis e gentis, o nível aqui é outro, é quase humano.
E fica a dica, leia o material de bônus cedido pela editora (aqui) para compreender melhor o universo desse livro, evitando assim problemas para iniciar a leitura.
– Você já quis não pensar? (...) – Eu penso muito, Mae. Eu vejo muito. E meu cérebro está sempre analisando todos os detalhes, infinitamente. (...). É como uma rodinha de hamster.
Nosso povo evitou os deuses por tempo demais e, agora, o divino está tentando voltar. (...). É a fé que dá poder aos deuses, e eles estão escolhendo seus eleitos para cuidar dos assuntos terrenos deles.
– Seja a minha droga –ela disse, baixinho. – Me ajude a esquecer.
• Sobre a Série •
Tabuleiro dos Deuses é o primeiro volume da série Era do X, composta até o momento pelos livros Tabuleiros dos Deuses e The Immortal Crown, que provavelmente será publicado pela autora ainda esse ano.

PS. Para quem já leu, observe o detalhe da “coroa” na cabeça da modelo... Pois é, o que isso nos diz sobre o próximo livro? Que teremos muita ação e romance, sem dúvida!






Participe Aqui

25 comentários:

  1. A resenha me deixou super ansiosa para ler esse livro. Adoro livros com histórias inteligentes, que me faz relacionar o ''mundo'' do livro com nosso mundo. Recentemente li alguns dos livros da Richelle, e estou gostando bastante da narrativa dela.... Os livro da Richelle são livros que prendem a atenção, e com histórias muito criativas! E, pelo jeito, Tabuleiro dos Deuses segue essa mesma receita de sucesso... vai para minha lista de desejados, com certeza!

    ResponderExcluir
  2. Oi Pah,

    Nossa, essa série deve ser muito boa! Adoro os livros da Richelle Mead e como fã certamente esse deve ser mais um sucesso.
    Parabéns pela ótima resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Paola,
    Acho que Tabuleiro dos Deuses foi um dos livros mais criativos que li nos últimos tempos.
    A autora soube mesclar aventura, ação, mistério e romance de uma forma impecável.
    Tbm não curti mto a terminologia criada, pq tinha que ir atrás do glossário o tempo todo, mas fora isso gostei bastante do livro.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. omg, eu simplesmente amo livros assim, sempre com uma ideia governamental sensacional. Eu ainda não li o livro, mas vou logo comprar, a capa é simplesmente linda e com essa historia vale o preço. Amei a resenha arrasou. Estou ansiosa pelo desfecho desse livro.

    ResponderExcluir
  5. Não gostei muito da sinopse rs mas confesso que fiquei curiosa quanto ao livro.


    E-mail: juliamariamoraes2013@gmail.com
    Nome de seguidor: Julia Moraes

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho muita vontade de ler esse livro,pois amei Vampire Academy.

    ResponderExcluir
  7. Não tenho muita curiosidade com os livros da Richelle, mas esse me pareceu interessante.
    Beijão,
    May :*
    {tagarelando.net}

    ResponderExcluir
  8. Oi, Paola
    Gosto Muito da autora, apesar de só ter lido a série Academia de Vampiros (foi amor à primeira série), estou muito empolgada para ler essa nova série.

    ResponderExcluir
  9. Com uma imensa, grande, irrefreável vontade de ler O Tabuleiro dos Deuses!
    Parece ser um livro perfeito, embora no início pareça ser bem mais lento e depois a coisa vai ficando bem mais legal!
    Abraços!!! Blog Saphiy

    ResponderExcluir
  10. Sério sou louca para ler está série, a Richelle Mead tem uma ideia que eu quero te-la lendo este livro!

    ResponderExcluir
  11. Finalmente resenha de Tabuleiro dos Deuses! Este livro me conquistou primeiramente pela capa. Entendo que deva ser difícil se situar num mundo tão novo, ainda mais no primeiro livro. Me senti assim em A Guerra dos Tronos e olha que nem fui além dos primeiros capítulos. Talvez tudo fique mais inteligível na medida em que os outros volumes forem lançados. Assim espero.. hehe Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Pah*

    Que livro diferente, o tema em si é bem interessante. Fiquei com vontade de ler e essa capa me deixa bem intrigada.

    Beijos*

    ResponderExcluir
  13. Já me falaram muito bem da autora, mas ainda não tive oportunidade de ler nenhum livro. Esse me chamou muita atenção!! Parece ser uma leitura muito boa.

    ResponderExcluir
  14. Oi Pah!
    Este deve ser um livro muito inteligente e interessante, senti vontade de fazer essa leitura, mesmo tendo ouvido falar que é um livro bem difícil de ler.
    Adorei a resenha!
    Beijos!

    http://palacioliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Primeiramente é preciso falar dessa capa , o trabalho gráfico dela esta incrível , conquista qualquer um. Adoro os livros da Richelle e seu tipo de escrita , estava meio indecisa se compraria o livro pelo tema , mas depois dessa resenha , ah , eu deveria ter comprado a muito tempo. Obg pelo aval Pah ! beeijos !

    ResponderExcluir
  16. Oi Pah!
    Confesso que esse foi o primeiro livro da Richelle que não me chamou muito a atenção, talvez seja que eu estou um pouco saturada de distopias que o enredo em si não despertou aquela vontade louca para ler o livro. Mas me conhecendo e sendo grande fã da autora (até hoje não me conformo de terem cancelado o lançamento de VA) com certeza vou acabar dando uma chance ao livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. ms , que capa incrivel , esse livro parece ser sensacional , quero muito leer ele , meu deeus , a resenha m deixou louca , preciso urgentement comprar o livro

    ResponderExcluir
  18. Olá Pah! Mais uma vez digo desanimei deste livro. Achei a sinopse hiper interessante e até mesmo a sua resenha chama muito atenção para esse mundo. Adoro histórias que a se sobrepõe ao resto ou pelo menos tenta, como forma de controle da população como em Jogos Vorazes, mas esse "universo complicado demais" também me custa a fixar, geralmente abando livros assim e fico totalmente desapontada. Vou deixar a leitura deste livro para um futuro.

    ResponderExcluir
  19. Oi Paola!! Primeira resenha que leio deste livro e apesar de achar sua trama bastante envolvente creio que como a historia tem um enredo bem mais complicado para a compreensão, e confesso que tenho medo de não entender o livro. Mas aguardarei para ler outras resenhas e ver se realmente me interesso pelo livro!!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  20. Oi Pam!
    Tudo bem?

    Eu já li e assim como você eu achei genial o mundo aqui a Mead criou! No começo realmente foi um pouco difícil acostumar e entender toda a sociedade montada e tudo que ela queria mostrar. Mas mesmo assim esse é um cinco estrelas para mim. Da metade para o fim eu devorei também e quero mais. Louca para ler o próximo livro! Sou mega fã da autora! Minha Diva! Parabéns pela resenha!

    Beijos !!!
    Paulinha - Blog Overdose Literária!

    [No Blog] Resenha: Doce Perseguição - Janethe Fontes!!
    Link: http://overdoselite.blogspot.com.br/2014/03/resenha-doce-perseguicao-janethe-fontes.html

    ResponderExcluir
  21. Talvez esse seja um dos livros mais esperados por mim nesse começo de ano... Só sei que depois da resenha, vou ter que comprá-lo. Desanimei um pouco com sua primeira impressão ao ler o livro. Mas melhorei quando você disse que a partir do meio tudo faz sentido.
    Adoro cenários futuristas em livros, ainda mais quando são distopias, e esse negócio de abolir tudo que for contra o poder vigente é sensacional. Prevejo altas revoltas, haha.

    ResponderExcluir
  22. Oi, Pah!
    Confesso que a sinopse desse livro não me chamou nenhuma atenção, mas a sua resenha me fez ficar até com vontade de lê-lo!
    Mas ainda estou com um pé atrás, por causa dessa sua primeira impressão... não gosto de livros muito complicados, mas se valer a pena, como você diz, com certeza vou querer lê-lo.
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  23. Adoro a autora, mas estou um pouco indecisa sobre ler esse ou não.
    Não teve aquela atração inicial para ler, mas depois da sua resenha, quem sabe com o tempo vem a vontade

    ResponderExcluir
  24. Nossa, quando comecei a ler a resenha, pensei "pronto não vou gostar do livro da minha diva Richelle Mead" mas ai a resenha mudou totalmente e eu fiquei " Eu quero, eu quero" amei a resenha, não gosto de desistir de livros por causa disso, pois depois ele pode ficar muito bom, e se eu desistir irei acabar perdendo, sou super fã da Richelle e espero poder ler Tabuleiro dos deuses em breve.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  25. Desde que li a primeira resenha desse livro, tenho lido todas. Fico babando nesse enredo. Ainda não li nada da autora, mas esse livro parece ser espetacular. Espero não me decepcionar. rs

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista

    ResponderExcluir