[Resenha] Um mais Um – Jojo Moyes

Há dez anos, Jess Thomas ficou grávida e largou a escola para se casar com Marty. Dois anos atrás, Marty saiu de casa e nunca mais voltou. Fazendo faxinas de manhã e trabalhando como garçonete em um pub à noite, Jess mal ganha o suficiente para sustentar a filha Tanzie e o enteado Nicky, que ela cria há oito anos. Jess está muito preocupada com o sensível Nicky, um adolescente gótico e mal-humorado que vive apanhando dos colegas. Já Tanzie, o pequeno prodígio da matemática, tem outro problema: ela acabou de receber uma generosa bolsa de estudos em uma escola particular, mas Jess não tem condições de pagar a diferença. Sua única esperança é que a menina vença uma Olimpíada de Matemática que será disputada na Escócia. Mas como eles farão para chegar lá? Enquanto isso, um dos clientes de faxina de Jess, o gênio da computação Ed Nicholls, decide se refugiar em sua casa de veraneio por causa de uma denúncia de práticas ilegais envolvendo sua empresa. Entre ele e Jess ocorre o que pode ser chamado de ódio à primeira vista. Mas quando Ed fica bêbado no pub em que Jess trabalha, ela faz questão de deixá-lo em casa, em segurança. Em parte agradecido, mas principalmente para escapar da pressão dos advogados, da ex-mulher e da irmã — que insiste em que ele vá visitar o pai doente, Ed oferece uma carona a Jess, os filhos e o enorme cão da família até a cidade onde acontecerá o torneio. Começa então uma viagem repleta de enjoos, comida ruim e engarrafamentos. A situação perfeita para o início de uma história de amor entre uma mãe solteira falida e um geek milionário.
Romance | 320 Páginas | Cortesia Editora Intrínseca | Skoob | Compare & Compre: SaraivaSubmarinoAmazon | Classificação: 5/5
A leitura de Um mais um foi uma grata surpresa. Mesmo que a trama não tenha me surpreendido completamente, o alto teor emocional do livro me pegou desprevenida; não esperava que a obra, de aparência leve e superficial, fosse tão emocionante – e não uma emoção melodramática, mas uma chuva de sentimentos especiais e verdadeiros. Assim, o que realmente me encantou foi que através da leitura eu ri, chorei, suspirei e aprendi valiosas lições. Além disso, também me espantei com a capacidade da autora em descrever um cenário comum a milhares de mulheres: mulheres que precisam fazer o papel de mãe e pai, mulheres batalhadoras que lutam diariamente para pagar as contas e colocar comida na mesa, e mulheres que, mesmo constantemente pisoteadas pelas dificuldades do dia a dia, mantêm a esperança de uma vida melhor e de um futuro brilhante para os seus filhos. Mas não me entendam mal, a obra é repleta de bom-humor e romance, contudo seu enfoque está na luta de uma família que carrega o peso das contas acumuladas, do preconceito social, e do bullying em sua forma mais amedrontadora. Portanto, por mais fofa e apaixonante que a narrativa seja, ela possuiu um lado reflexivo que, além de me surpreender, me deixou apaixonada pela história.

A obra possui quatro personagens principais e intercala a narrativa entre eles: Ed, o milionário que está sendo acusado de fornecer informações privilegiadas sobre sua própria empresa (é que ele, meio sem querer querendo, disse por aí que as ações da empresa iriam subir, o que deu um problema danado quando certa pessoa – talvez uma namorada paranóica da qual ele queria se livrar – comprou ações com base no que ele disse); Jess, a jovem que casou e engravidou muito cedo e que nos últimos dois anos, graças ao ex-marido imprestável, teve que cuidar sozinha de sua filha de dez anos e do enteado de dezesseis; Tanzie, a filha de Jess que é um prodígio em matemática e que não se enquadra nos padrões estabelecidos pela sociedade para as meninas da sua idade; e Nick, enteado de Jess, jovem que sofre bullying por ser diferente, que vive solitário e mal humorado, e que anda de cabeça baixa graças às injustiças da vida. Essa turma não tem muito em comum, apenas o fato de que eles vão acabar juntos em uma viagem com destino a uma grande mudança de vida. Para Ed, dar carona para Jess e seus filhos foi uma chance de retribuir um favor e fugir da loucura que está sua vida. Já para Jess e seus filhos, foi à oportunidade de levar Tanzie para a Escócia, local em que a garotinha poderá participar de uma olimpíada de matemática, talvez ganhar uma boa quantia de dinheiro e, quem sabe, dar o primeiro passo para a boa sorte da família. Porém, o que eles não sabem é que depois dessa viagem suas vidas realmente irão mudar, mas não como eles imaginavam.

O romance, como já era de imaginar, é bem previsível. Ed e Jess são de mundos completamente diferentes: ela vive no limite, administrando seu escasso dinheiro da melhor forma possível, enquanto ele está acostumado com o luxo que seu trabalho proporciona. Assim, quando viajam juntos Jess e Ed são apresentados a realidades econômicas cruelmente distintas, o que permite que eles aprendam mais sobre si mesmos, sobre a vida que levam, e sobre o futuro que pretendem ter. Enquanto isso, a autora aborda o antigo relacionamento de Jess e o fato do seu ex-marido não ajudá-la financeiramente, e fala também das antigas namoradas de Ed – que sempre queriam o dinheiro dele – e de como ele está se mantendo distante da família quando eles mais precisam dele. Problemas financeiros, dramas familiares... é tudo tão real, não é mesmo? Durante a leitura eu só conseguia pensar em quantos casais assim existem por aí, em quantos homens e mulheres enfrentam diversos problemas por causa da falta ou da sobra de dinheiro. Gostei bastante dos protagonistas, de como a relação entre eles é baseada no companheirismo, no bom-humor, e na fé de que as coisas irão melhorar. E gostei ainda mais de como o amor entre eles nasce do convívio diário, de como Ed chega na vida de Jess para salvar ela e seus filhos, mas no fundo são eles que o salvam.
Muito além do romance, como já disse, o que me encantou na leitura foi a intensidade dos sentimentos descritos. Dói saber que muitas mulheres enfrentam as mesmas dificuldades que Jess. Em inúmeros momentos me vi chorando com e por ela, derramando lágrimas pelas injustiças da vida que ela enfrenta; Jess sempre acredita que boas pessoas são recompensadas, só que, infelizmente, a realidade não é bem assim. Por isso, acompanhar a luta da personagem abre nossos olhos para uma realidade muito comum em nossa sociedade, fazendo-nos valorizar todas as bênçãos que recebemos e que muitas vezes nem nos damos o trabalho de agradecer. Fora que a narrativa de Tanzie e Nick também colabora para a carga emocional do livro. A garotinha é tão direta e verdadeira. Ela é apaixonada por matemática, não filtra as palavras, e não entende o motivo das pessoas não aceitarem isso. – Poxa, o que tem de errado se dar tão bem com os números? Já Nick sofre tanto com o bullying que dá vontade de entrar no livro e abraçá-lo bem apertado. Assim como ele, não compreendo a lógica desses chamados valentões, porque não tem valentia nenhuma em bater em alguém que é diferente, ou de assombrar com ameaças uma família que já sofre demais. Mas a presença de Ed vai ajudar esses jovens e mesmo na dificuldade eles permanecerão unidos. E não tem nada melhor do que o companheirismo e amor de uma família. Pode faltar dinheiro, boas oportunidades de crescer na vida, e até mesmo o carinho e respeito das pessoas ao nosso redor, contudo quando se tem uma família como essa, que apoia o outro constantemente, é mais fácil seguir lutando. E eu amei isso. Amei como esses personagens lutam por uma vida melhor; como eles sofrem, perdem a esperança, recomeçam, mas sempre estão juntos.
É isso que não entendo. Não entendo como a nossa família pode basicamente fazer a coisa certa e sempre acabar na merda. Não entendo como a minha irmãzinha por ser brilhante, meiga e um verdadeiro gênio e, ainda assim, agora acordar chorando e ter pesadelos, e preciso ficar acordado na cama ouvindo a minha mãe atravessar o patamar da escada às quatro da manhã para tentar acalmá-la.
Todo mundo sabia o resultado. Quem tinha aparência esquisita apanhava. Quem continuava tendo uma aparência esquisita continuava sendo perseguido. Essa era a lógica demolidora e inflexível da cidade pequena.
No geral a obra possui uma narrativa fluída e contagiante que, variando entre o romance e o drama familiar, traz um diverso leque de emoções e proporciona uma valiosa lição de vida e superação. – Se é clichê? Sim, um pouco, mas a história é tão bonita que isso passa a ser irrelevante. Definitivamente me apaixonei pela escrita da Jojo Moyes e não vejo a hora de ler mais livros dela.
Beijos,


Participe Aqui


34 comentários:

  1. Escuto falar muito bem da autora Jojo Moyes, mas nunca li nada dela, estou bem curiosa para ler algum dos seus livros. Esse parece ser muio bom.

    ResponderExcluir
  2. Com certeza vou gostar e tenho de ler. Nunca li algum livro da Jojo Moyes, mas os livros dela parecem ser bons.

    ResponderExcluir
  3. Com sua resenha endoidei por esse livro, por ele trazer muitas emoções ao longo da história. Amo quando uma leitura trata de dramas familiares e bullying, então não poderia perder essa!
    Amei a resenha! Abraço, Pah!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Não tinha lido nada a respeito do livro e gostei muito!
    Sempre leio resenhas positivas dos livros da Jojo, porém ainda não li nenhum dos livros dela.
    Mesmo sendo clichê a história pareceu ser bonita e passa uma mensagem para se acreditar na vida que mesmo com as dificuldades algo bom pode surgir.
    Gostei dos personagens, eles são diferentes, porém o encontro vai ajudá-los a se compreenderem melhor.
    Pretendo logo ler!

    ResponderExcluir
  5. Esse livro me chamou atenção por me parecer ter uma temática mais leve e divertida,depois de muito choro diante da obra :Como eu era antes de você,já se encontra na minha lista de próximas leituras.Bjs!!!!

    ResponderExcluir
  6. Já ouvi alguns comentários bons a respeito da escrita da Jojo,mas ainda não tive oportunidade de ler nada dela.. Esse parece um ótimo livro pre se começar, amei desde a capa até cada centímetro da resenha .. Parece trazer muitas lições,acho que emociona quando mulheres guerreiras tem que faz papel de "pãe".. Sempre há ensinamentos e reflexões nesses livros que gosto muito por sinal.

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca li nada da Jojo mas sua resenha me deixou bastante curiosa, o fato dos protagonistas serem de mundos diferentes me chamou bastante atenção e também dela lutar muito pra ter as contas em dia sendo sozinha e com tantas responsabilidades, deve ser um livro encantador.

    Bjus

    ResponderExcluir
  8. Ainda não li nenhum livro da Jojo Moyes, mas estou louca para ler. Todas as resenhas que vejo sobre os livros dela são sempre tão positivas que não tem como não colocá-los na lista de leitura :)

    http://sobrecontarhistorias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Paola,gosto muito da Jojo Moyes e estou muito interessada em ler está obra que com toda certeza possui uma história mais leve do que o livro:Como eu era antes de você que nos estilhaça o coração fazendo-nos chorar riiiiios.Beijos!!!

    ResponderExcluir
  10. Ainda nao me entreguei a nenhum livro dessa autora! Sempre acho que vou me acabar de chorar e sofrer horrores kkkkk e ja faz um tempo que venho equilibrando a minha carga de livros emotivos demais. Leio alguns, mas entre eles leio mil livros que me façam rir e outros livros que sejam de açao! mas vou encaixar esse nos momentos de drama kkkk

    ResponderExcluir
  11. Amo esse escritora!!!
    como eu era antes de vc.. perfeito!
    e todos os outros livros dela são simplesmente lindos!
    Esse está na fila para ler....

    ResponderExcluir
  12. Oi Pah ^^
    Nossa, esse livro parece ser tãão bom :o
    Eu tenho um coração mole para esse estilo, talvez por pensar demais na realidade por detrás das palavra. Nunca tive coragem de ler um livro da Jojo por esse motivo, talvez. (Eu devo ser única que ainda tem esse receio :P)
    Eu amei a resenha, realmente atiçou a minha curiosidade e eu preciso lê-lo!
    Beijos,

    http://clubeleitorassumidas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi, estou escrevendo um livro, e postando os capítulos no meu blog, é um livro teen, e gostaria muito de saber a opinião de vocês, visitem: http://segredosdab.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Muito interessante esse livro, há tempos que estou curiosa para ler, pois já conheço a autora e gostei muito dos livros anteriores.

    ResponderExcluir
  15. Comprei esse livro há uns 2 meses, assim que eu o vi na livraria, já que li todos os livros da Jojo e amei todos. Comecei a ler e não me empolguei nas primeiras páginas, aí deixei de lado, desisti. Mas, agora, essa resenha me mostra que ele pode ser tão empolgante e emocionante quanto os outros. Vou dar uma nova chance. Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Ainda não tive a oportunidade de ler um livro da Jojo, mas sei que as pessoas são "toda elogios" pra ela. Esse livro em especial parece muito cativante por conta de alguns aspectos:
    1. Narrativa intercalada. Acho que já falei em algum comentário aqui o quanto eu amo isso. Torna a trama mais rica e menos monótona.

    2. A história de vida de Jess, de mulher batalhadora que cria os filhos sozinhos

    3. O clichê (o que já não é ruim, já que é difícil um romance não ser clichê) que tem um bom pano de fundo, lições importantes e montanha-russa de sensações.

    Resumindo: quero muuuuuito ler esse livro!

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  17. Oooi Pah,
    adorei a resenha.
    Fiquei morrendo de vontade de ler, gosto muito quando a historia trata de dramas familiares.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Já faz um tempo que estou curiosa pra ver um aopnião sobre esse livro, pois lendo a sinopse não chamou minha atenção.
    Saber que te fez ter essa mistura de sensações e sentimentos já me deixa feliz, é bom quando uma historia tem esse poder.
    O tema escolhido pela autora é algo real, muitas mulheres realmente passam por isso.
    É ótimo saber que a narrativa tem esse lado reflexivo.
    Ótima resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Oi Pah,
    só li um livro da autora mas gostei da escrita dela. só conhecia este livro pela sinopse e na minha cabeça a trama era bem diferente hahaha
    fiquei curiosa. gosto quando o romance enfrenta este tipo de problema.
    fiquei com vontade de ler e espero conseguir ler logo! :D

    ResponderExcluir
  20. Pah!
    Que montanha russa de emoções, hein?
    Tão bom quando um livro nos desperta diversas sensações, eu gosto.
    E livro que tem criança e cachorro, não tem como não dar risadas.
    Gosto da escrita da autora, li um outro livro dela que me encantou.
    Espero ter oportunidade de ler esse...
    “A experiência é uma lanterna dependurada nas costas que apenas ilumina o caminho já percorrido.”(Confúcio)
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Que bom que voce gostou, mas eu não tenho certeza se eu gostaria, pois acho que não seria uma leitura que conseguiria me prender, mas se eu tiver a chance irei tentar ler e ver se gosto tanto quanto voce.

    ResponderExcluir
  22. Jojo é incrível mesmo! Estou louca para ler esse livro, mas ainda não deu. Acho que essa autora pode ser classificada como uma das melhores da atualidade, eu adoro suas obras! E como você mesmo disse, é uma sensibilidade e uma capacidade de reproduzir sentimentos tão humanos e nada forçados que a gente chora.

    ResponderExcluir
  23. Esse livro poderia virar filme, né?
    Alias, todos os livros da Jojo Moyes <3 Essa escritora é incrivelmente boa :3
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  24. Eu estou louca para ler esse livro. A Jojo tem uma escrita sensacional, ela sempre consegue extrair o mais profundo dos sentimentos e nos deixar envolvidos e emocionados. É realmente como você colocou, ela é sensível, delicada e só podemos ficar reverente a ela. Parabéns pela bela resenha Páh <3

    ResponderExcluir
  25. Gosto da escrita da Jojo e esse livro ta na lista de leituras! Acho que o que mais chama a atenção são os personagens mais maduros e por isso, já cheios de cargas emocionais e ''problemas'' da vida! Tenho certeza que vou gostar!

    ResponderExcluir
  26. Já ouvi críticas super positivas com relação aos livros da Jojo, mas ainda não tive a oportunidade de ler nenhum deles. Este livro tem uma trama que me parece envolvente e descontraída ao mesmo tempo, com certeza seria uma leitura leve com a qual eu não me decepcionaria. Além disso, os personagens também são muito bem construídos pelo que pude perceber.

    ResponderExcluir
  27. Nojo Moyes estará para sempre no meu coração, adoro a escrita dessa mulher e me parece que esse é mais um livro top dela

    ResponderExcluir
  28. Oi Pah!
    Imagina uma pessoa que não tenha lido absolutamente nada da Jojo ainda! Prazer, sou eu!
    Não tenho a mínima ideia do porquê ainda não li, eu fico sei lá, com um certo receio. Principalmente agora que Como eu era antes de você virou modinha.
    Tenho medo de ler livros assim.
    Eu quero muito ler algo dela, mas vou acabar esperando essa febre de Jojo Moyes acalmar um pouco.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Eu to pra ler esse livro, gosto muito da escrita da Jojo, e acho que a abordagem desse tema, e a construção de personagens mais maduros que ja possuem uma carga emocional é fantástica! Tenho certeza que irei gostar!

    ResponderExcluir
  30. Essa autora tem uma escrita muito boa de acompanhar e de nos emocionar também.
    Até agora só li um livro dela, mas preciso muito ler todos os outros, inclusive esse *-*

    ResponderExcluir
  31. Dessa autora li A garota que você deixou pra trás, chorei muito, livro muito lindo. Você fala do alto teor emocional desse livro, também posso dizer isso do livro que li dela, talvez seja uma marca da autora. Quanto a ser um pouco clichê, acho que é normal nos livros que envolvem relações familiares e romance, o amor por si só já é bem clichê né?

    ResponderExcluir
  32. sempre imaginei que a jojo era uma escritora dramática, mais ou menos no estilo de pessoas com bons valores patrióticos que contraem uma doença mortal. e há alguma verdade nisso. seus personagens são sofridos, mas mesmo assim há muito que aprender com eles, da pra ver que sao mais do que uma armadilha piegas para apelar para os sentimentos das mulherzinhas. tem uma narrativa muito leve e interessante que compensa todos os horrores, e claro, não exatamente soluções positivas, mas verdadeiras. com certeza é uma das minhas autoras favoritas!

    ResponderExcluir
  33. A Jojo tem o poder de mexer com o emocional da gente. A princípio me interessei pelo livro pelo fato da filha dela ser superdotada em matemática (também vivo o mesmo problema) e as peripécias que uma mãe faz para investir nos filhos, toda a superação e abdicação em prol deles.Chorei e me emocionei bastante, só acho que não precisaria sofrer tanto em prol do "bendito" dinheiro.
    Nádia

    ResponderExcluir
  34. Depois de um ano reli Um mais um, lembrava que era bom, mas não lembrava do quanto. Nossa, que livro maravilhoso, chorei muito. Já li alguns livros da Jojo Moyers, todos bons, e esse supera todos. Vou comprar pra presentear, essas coisas da vontade de compartilhar. Bjs.

    ResponderExcluir