[Resenha] Eu Estive Aqui – Gayle Forman

Quando sua melhor amiga, Meg, toma um frasco de veneno sozinha num quarto de motel, Cody fica chocada e arrasada. Ela e Meg compartilhavam tudo... Como podia não ter previsto aquilo, como não percebera nenhum sinal? A pedido dos pais de Meg, Cody viaja a Tacoma, onde a amiga fazia faculdade, para reunir seus pertences. Lá, acaba descobrindo muitas coisas que Meg não havia lhe contado. Conhece seus colegas de quarto, o tipo de pessoa com quem Cody nunca teria esbarrado em sua cidadezinha no fim do mundo. E conhece Ben McCallister, o guitarrista zombeteiro que se envolveu com Meg e tem os próprios segredos. Porém, sua maior descoberta ocorre quando recebe dos pais de Meg o notebook da melhor amiga. Vasculhando o computador, Cody dá de cara com um arquivo criptografado, impossível de abrir. Até que um colega nerd consegue desbloqueá-lo... e de repente tudo o que ela pensou que sabia sobre a morte de Meg é posto em dúvida. Eu estive aqui é Gayle Forman em sua melhor forma, uma história tensa, comovente e redentora que mostra que é possível seguir em frente mesmo diante de uma perda indescritível.

Jovem adulto maduro| 240 Páginas | Cortesia Editora Arqueiro | Skoob | Compre: SubmarinoSaraivaAmazon | Classificação: 4/5
Desde pequenas as amigas Meg e Cody são conhecidas como unha e carne. Para Cody, que vive em um lar escasso de demonstrações de afeto, Meg passou a ser a única família capaz de amá-la e apoiá-la. Além disso, Cody tem certeza de que a amizade delas é forte o suficiente para aguentar qualquer dificuldade – isso até Meg cometer suicídio. Cody não tem dúvida de que Meg, um raio de sol que espalhava calor onde quer que fosse, nunca seria capaz de se matar. E mais, como melhores amigas, Cody sabia que Meg falaria com ela caso algo estivesse errado. Afinal, melhores amigas não possuem segredos, não é mesmo? Mas o fato é que Meg não contou para a amiga sobre a solidão, o medo, a dor mal compreendida, e a vontade enlouquecedora de controlar o fim da própria vida. Assim, confusa e magoada, Cody embarca em uma aventura repleta de dor, segredos, aprendizagens e superação. Ela sairá em busca de respostas que justifiquem a morte da amiga, mas, surpreendentemente, acabará aprendendo mais sobre si mesma e o futuro que tem pela frente.
Supostamente, eu era a melhor amiga dela, e não sabia nada disso, porque ela não me contou. Ela não me contou que achava a vida um sofrimento insuportável. Eu não fazia a menor ideia.

Meg e Cody tinham o plano perfeito: depois da formatura do ensino médio elas iam juntas para a faculdade. A ideia era fugir da cidade pequena em que nasceram e construir uma vida nova. Contudo, para Cody os planos não viraram realidade. Filha de mãe soleira, a jovem não teve dinheiro suficiente para bancar a faculdade. E sem nenhum apoio ou incentivo por parte da mãe, Cody preferiu ficar na cidade e trabalhar como faxineira. Sendo assim, as amigas trilharam caminhos completamente diferentes: uma realizando seus sonhos e outra mergulhando em uma vida miserável e sem esperança. Depois da separação elas ainda tentaram se encontrar, mas Cody estava chateada demais – com a mãe, com a vida, e com o futuro triste e vazio que via pela frente – para ser capaz de aproveitar os encontros; o que reduziu a amizade delas a algumas raras e superficiais trocas de e-mails. Por isso a morte de Meg é ainda mais chocante: porque Cody se culpa por não estar presente quando a amiga precisou dela, porque Meg era uma garota alegre e amável, e porque ela tinha tudo o que sempre quis bem ao alcance de suas mãos. Abalada pela morte da melhor amiga, Cody divide seu tempo entre o trabalho, a desmotivação, e uma investigação para conhecer a Meg que escolheu morrer.

Por mais que a história fale sobre o suicídio de Meg e os motivos que impulsionaram sua decisão, o verdadeiro enfoque da obra está na confusão que domina Cody. E eu amei isso! Ela é o tipo de personagem que está a um passo da indiferença e isso mexe com o leitor. Jovem, bonita e inteligente, Cody tem todo um futuro pela frente, mas ao invés disso ela está estagnada na vida de um adulto desmotivado, como se não existisse nenhuma esperança de um futuro melhor. E a questão é: quantos jovens terminam a escola e sofrem esse mesmo tipo de desânimo? O drama da protagonista é tão real que fica fácil para o leitor aceitar sua narrativa triste e ríspida. Logo de cara senti que ela era diferente de todas as protagonistas literárias que vemos por aí, que ela não tem intenção nenhuma de agradar os outros e que prefere ser indiferente do que ter que admitir que sua melhor amiga morreu e que sua vida é uma merda (desculpem-me pelo linguajar, mas não consegui pensar em uma palavra melhor). Como sempre, amei como a Gayle Forman trabalha com alguns dos típicos dilemas de um jovem adulto: faculdade, primeiro emprego, relações familiares... Além disso, amei como a protagonista amadurece, como ela descobre que quer sim ter um futuro melhor, que quer amar, que quer ter amigos e que, talvez, também queira ir para a faculdade.
Quanto à morte de Meg, achei importantíssimo o gancho que a autora criou para falar sobre doenças psicológicas e a influência negativa da internet. Também amei como ela tratou o perdão e como uniu Cody, sua mãe, os pais e os amigos de Meg, em uma rede de superação e recomeços. Entretanto, não posso dizer que o livro gerou um frenesi inexplicável de emoção. Já li tantos livros com esse tema que esperava algo mais da história da Gayle Forman – e, por mais que a trama seja ótima, ela não chega a ser excepcional. Ainda assim, mesmo que a história não vá além e surpreenda o leitor, a narrativa é fluída, reflexiva e emocionante. A mensagem é válida e a trajetória da Cody é, sem dúvida, tocante. Leitura mais que recomendada!
Beijos,


Participe Aqui

19 comentários:

  1. Esse livro me lembra muito o livro Garotas de Vidro, por ambas as histórias abordarem o tema do suícidio e uma das amigas investiga, acho interessante esse tipo de história e como gostei do livro Garotas de Vidro pretendo ler Eu Estive Aqui, e essa capa é linda. Adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  2. Oi Paola!!
    Gostei muito da resenha, eu tinha lido uma resenha meio negativa desse livro então foi bom saber que você gostou!!!!! Eu estou começando Se eu ficar e até agora adoro a escrita de Gayle, com certeza vou continuar lendo os livros dela.
    Hoje em dia muitos livros dramáticos estão se tornando best-sellers, geralmente com temas como esse. Acho legal ver essa recuperação, como você falou, essa busca por um recomeço sem deixar de lado o que aconteceu. Adorei a resenha!
    Beijos
    Quer falar de livros?

    ResponderExcluir
  3. Bom, depois dessa resenha me interessei para ler logo esse livro.

    ResponderExcluir
  4. Ando querendo muito ler esse livro. Achei legal que vai citar sobre a influência negativa da internet pq eu não sabia que tinha esse tema no livro e a cada dia que passa fico mais assustada com o comportamento das pessoas na internet. Elas estão ficando cada vez mais sem noção e atingindo umas às outras, e a troco de nada. Preocupante.

    ResponderExcluir
  5. Pah!
    Muito difícil falar de um tema tão delicado como o suicídio em um livro.
    Gostei de saber que a autora falou sobre as doenças psicológicas, é importante debater o tema.
    Já li outros livros da autora, porém me parece que esse é bem diferente dos anteriores.
    “A minha vontade é forte, mas a minha disposição de obedecer-lhe é fraca.” (Carlos Drummond de Andrade)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  6. Oi Pah..
    Acho que esta personagem também iria me conquistar, assim como fez com você. Achei que o foco só seria o suicídio e a busca por descobrir porque a amiga dela fez isso. Gostei de conhecer um pouco mais e saber sua opinião. Vi opiniões bem dividas na verdade, e nem todos se emocionam tanto e acho que foi isso que aconteceu com você. Só eu lendo para saber né o que sentiria.

    livrosvamosdevoralos.bogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Achei que esse livro seria interessante, mais quando li a resenha percebei que é mais do mesmo, nos livros de Gayle sempre tem duas melhores amigas e um guitarrista.

    ResponderExcluir
  8. Eu gosto muito dos livros da Gayle e de como ela consegue levar a história de forma fluida, estou com este livro em e-book pra ler e amei por causa da tema central de suicídio, é um estilo de livro que eu curto muito ler.

    ResponderExcluir
  9. Ultimamente ando apreciando mais esse tipo de leitura, talvez tenha cansado um pouco dos clichês românticos, então esse livro me deixa muito curiosa, já tinha ouvido falar bastante dele, quero terminar os livros da minha estante para poder comprar esse.

    ResponderExcluir
  10. Oi Pah!!
    Eu estava louca para ler este livro, estava muito empolgada e cheia de expectativas. Mas vi várias resenhas negativas que acabaram me desanimando bastante quanto ao livro.
    Mas a história me chama bastante atenção porque parece ser muito interessante todo este toque emocional que o livro parece ter.
    Então estou muito indecisa se vou ler ou não!
    Beijos!!
    umlugarparaleresonhar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Pah
    De inicio este livro não havia chamado minha atenção, na verdade eu ainda não li nenhum livro da autora. Aos poucos fui me interessando ate que solicitei para editora. Achei que o livro aborda temas bem interessantes e essa protagonista me parece diferente de tudo que ja vi. Quero muito ler. Adorei sua resenha

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oii Pah!
    Que livro é esse?
    Será que cometi o erro de comprar os livros errados para a minha " iniciação" com Gayle Forman? Como comentei no post de Caixinha de Correio, esse mês comprei os livros Se Eu Ficar e Para Onde Ela Foi, que sempre ouvi falar muito bem e tudo o mais, mas depois dessa resenha...

    A história é bem forte né? Me lembrou um pouco aquele livro que você resenhou no mês passado, A Playlist de Hayden, é parecido?
    Fiquei curiosa para ler! Quero já!

    Beijinhos Pah!
    Tenha uma boa semana!

    ResponderExcluir
  13. Oi Pah,
    acredita que eu ainda não li nenhum dos livros da autora? apesar de ainda não ter lido, tenho curiosidade em ler todos. a escrita da autora parece ser ótima, e as tramas me deixam bem curiosa...
    não tinha lido nenhuma resenha deste livro, mas já tinha uma ideia sobre o que se tratava. os motivos que a autora dá para o suicídio parece ser bem chocante, mas totalmente realista né? triste imaginar coisas assim =/
    espero conseguir ler o livro logo e espero não me decepcionar! ;~~

    ResponderExcluir
  14. Ooi Pah,
    quero muito ler esse livro, parece ser uma historia bem emocionante.
    Achei que o foco seria mais só no suicídio e o porque do ato. Ainda não tinha lido nenhuma resenha sobre ele e fiquei bastante curiosa.
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Já conheço alguns trabalhos desta autora, e confesso que amei e me decepcionei com ela ao mesmo tempo.
    Mas pretendo ler esse novo livro dela, muitas pessoas parecem estar amando.
    Irei tentar de novo.
    Beijinhos!!
    http://obcecadapeloslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Eu gosto bastante dos livros da gayle.

    ResponderExcluir
  17. Eu estou bem dividida sobre o que achar desse livro. Já li várias resenhas, tem gente que acha incrível, tem gente que acha fraco... Eu não sei, hahaha. Eu ainda não li nenhum livro dessa autora, mas estou curiosa por sua escrita. Acho que vou ler esse livro pra tirar uma conclusão.

    ResponderExcluir
  18. Apesar de não fazer exatamente meu tipo de leitura esse livro me chamou muito a atenção, pois gosto quando temas como psicologia e tal são tratadas em livros... As vezes pode ajudar e/ou abrir os olhos de muitas pessoas.

    ResponderExcluir
  19. Eu Estive Aqui apresenta uma premissa bem interessante. A trama se passa em um "suicídio" e a melhor amiga da mais nova hóspede do cemitério vai investigar esse caso? Parece ótimo!

    ResponderExcluir