[Resenha] A Promessa da Rosa – Babi A. Sette

Século XIX: status, vestidos pomposos, carruagens, bailes… Kathelyn Stanwell, a irresistível filha de um conde, seria a debutante perfeita, exceto pelo fato de que ela detesta a nobreza; é corajosa, idealista e geniosa. Nutre o sonho de ser livre para escolher o próprio destino, dentre eles inclui o de não casar-se cedo. No entanto, em um baile de máscaras, um homem intrigante entra em cena… Arthur Harold é bonito, rico e obstinado. Supondo, por sua aparência, que ele não pertence ao seu mundo, à impulsiva Kathelyn o convida a entrar no jardim – passeio proibido para jovens damas. Nunca mais se veriam, ela estava segura disso. Entretanto, ele é: o nono duque de Belmont, alguém bem diferente do homem que idealizava, só que, de um instante a outro, o que parecia a aventura de uma noite, se transforma em uma paixão sem limites. Porém, a traição causada pela inveja e uma sucessão de mal-entendidos dão origem ao ciúme e muitas reviravoltas. Kathelyn será desafiada, não mais pelas regras sociais ou pelo direito de trilhar o próprio caminho, e sim, pela a única coisa capaz de vencer até mesmo a sua força de vontade e enorme teimosia: o seu coração.
Romance Histórico | 432 Páginas | Cortesia Novo Século| Skoob | Compare & Compre: SaraivaAmazon| Classificação: 5/5
Não vai ser fácil descrever o quão envolvente e emocionante foi a leitura de A Promessa da Rosa. A história gira em torno de algo comumente abordado nos romances históricos: mocinhas à frente do seu tempo. Entretanto, indo muito além da previsibilidade que envolve tal assunto, a autora criou uma história rica em emoção, superação e, principalmente, reflexão. Sei que é muito sonhador imaginar que, em pleno século XIX, as mulheres mais independentes seriam facilmente aceitas pela sociedade, que elas encontrariam bons maridos e que até seriam conhecidas por suas personalidades marcantes. Mas, por mais que eu esperasse uma história repleta de desafios e imposições sociais, não estava preparada para a avalanche de emoções criada pela autora Babi A. Sette. Nunca tinha lido algo assim: com uma protagonista que realmente sofresse as consequências de ser diferente, ou melhor, de simplesmente ser quem ela é. A leitura foi impactante, dolorosa, romântica, emocionante e demasiadamente cruel. Eis um livro que deixou meu coração apertado, que me arrancou lágrimas, e que entrou para a minha lista de romances preferidos.

A protagonista da história é Kathelyn Stanwell. Ela vem de uma família rica e conhecida, é a jovem mais bela da sociedade inglesa, é cobiçada e invejada, mas tem alguns defeitos: é inteligente, sonhadora e não suporta a nobreza. Ela quer se casar por amor e quer poder fazer o que lhe der na telha: subir em árvores, nadar em rios, viajar pelo mundo, e rir sem se preocupar com as aparências. Aparentemente a jovem não quer nada demais, entretanto é apenas por querer ser feliz que ela vai ter seu coração pisoteado pelas pessoas que mais ama. Kathe tem dezessete anos e está na idade de casar. O pai da bela, nem um pouco bobo, está pronto para uni-la com um homem de título e riqueza. Desde o debute da filha ele encorajou-a a conversar com os nobres mais ricos e conhecidos da sociedade, contudo nenhum deles chamou a atenção da dama. Ela quer amor e, depois de ficar um período de castigo – por ter derrubado, com a ajuda do seu cavalo, metade dos seus pretendentes – talvez Kathe o encontrará em um baile de máscaras. Nessa festa o anonimato permite que Kathe seja quem sempre quis: uma mulher inteligente e independente. E é nessa ocasião que ela conhece Arthur, homem que parece um forasteiro mas que logo se revelará um dos partidos mais cobiçados de toda a temporada. Ele é rico, nobre, solteiro e está procurando uma esposa. Mas Kathe não sabe disso e, quando descobre, está completamente envolvida em uma intrincada teia de intrigas, mentiras, desencontros e paixões.

Conforme o esperado Arthur e Kathe se envolvem romanticamente. A jovem acaba conhecendo um lado de Arthur que não imaginava existir; uma faceta que a faz acreditar que ele está longe de ser um duque metido e enfadonho. Já Arthur se encanta com a beleza e a pureza de Kathe, mas é sua personalidade irreverente que o conquista. Entretanto, todo relacionamento precisa de provações, não é mesmo? E com o deles não foi diferente: eles sofrem com olhares de inveja, intrigas, mentiras, e inúmeras cobranças sociais. Por mais que Kathe e Arthur pensem diferente do resto da nobreza inglesa, eles são membros ativos dessa mesma sociedade, portanto são constantemente julgados por ela. Para Arthur é fácil lidar com a cobrança – afinal ele é um duque e é homem. Mas Kathe é uma jovem inexperiente e sonhadora, uma moça que não está preparada para ser reprimida por ninguém, nem pelo pai, nem pela sociedade e muito menos por um futuro marido. Portanto, depois de um escândalo a história toma um rumo completamente inusitado e doloroso. E é nesse momento que a autora me ganhou, eu nunca imaginava que isso aconteceria. Claro que esperamos reviravoltas, mas como essa? É simplesmente impossível imaginar algo assim. Então saliento: essa personagem é uma lutadora, uma mulher que bate de frente com as imposições culturais e que sofre muito com isso. Muito mesmo.

Além da emoção por trás das reviravoltas da história, o que mais gostei na obra foi a reflexão social descrita. Todas as dificuldades que Kathe vivencia refletem o machismo e o preconceito social tão comum ao século XIX (não que hoje seja diferente, não é mesmo?). A jovem sofre na pele as consequências de não aceitar que a sociedade dite como ela deve se portar, e nesse momento vê o mundo lhe virar as costas. Isso nos faz pensar na nossa sociedade atual, nas imposições ridículas tão enraizadas em nossa cultura, nos preconceitos tolos que mantemos, e na crueldade dos nossos corações. – Por que julgamos o diferente dessa maneira? Por que somos tão intolerantes? Chorei tanto com as provações pelas quais Kathe passa. A história transcorre um longo período de tempo, então acompanhamos anos e mais anos de sofrimento. Também gostei do romance que se transforma ao longo dos anos, da narrativa intercalada entre os dois protagonistas, dos anos que passam e que mudam o cenário e amadurecem os personagens, e do ritmo fluído de leitura – são quatrocentas páginas que passam voando! Fora que adorei como a trama pode ser resumida em uma palavra: perdão. Até porque, amar é perdoar, não concordam?
Amei o livro do início ao fim. Comovi-me e aprendi muito com essa história. E, sendo o mais sincera possível, ao terminar a leitura a vontade que ficou é de ter sido eu a autora dessa obra. Agora quero ler mais e mais livros escritos pela Babi. Estou apaixonada!
Beijos,



Participe Aqui

21 comentários:

  1. Oi Pah!
    É tão bom quando um livro meche tanto com a gente né? Eu já conhecia a autora através da obra Entre o amor e o Silêncio.
    Eu nunca li nenhum romance histórico, está mais do que na hora de começar. Parece que a protagonista vai realmente sofrer muito por tentar ser um pouco mais avançada na realidade de antigamente.
    Espero que você leia o outro livro dela, embora não seja de época, tenho certeza de que irá amar.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. com essa resenha queria ler hoje kkkk bjsss

    ResponderExcluir
  3. Que resenha emocionante.
    Parabéns!
    Esse livro parece ter uma boa carga de sentimentos né? Achei bem bom isso.
    A capa dele também está muito bonita e interessante.
    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  4. (eu não faço ideia do porquê, mas olhei pra capa e me veio na mente "segunda guerra mundial") Senti um aperto no coração quando li a resenha. A história me interessou por causa do que a personagem passa. Gosto de histórias que refletem a sociedade atual. Quantas Kathes existem no mundo? No nosso país? Quantas delas estão sofrendo nesse momento? Parece ser uma história pra refletir, pra sentir.

    ResponderExcluir
  5. Conseguiu Pah, enfim me interessei por um romance histórico...
    Vai ser esse, vou colocar na minha lista, parece ser muito bom...

    ResponderExcluir
  6. OI Pah
    Esse livro parece mesmo ser uma avalanche de emoções. Ai como eu quero!
    Já estou sofrendo por essa personagem desde já! Quantos elogios, você e suas resenhas enlouquecedoras. Já estava com vontade de ler agora então. Adorei Pah! Linda e emocionante sua resenha, espero gostar do livro tanto quanto você.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Pah!
    Totalmente encantada com esse romance de época que se passa no século XIX, um dos meus preferidos para romances.
    E sem contar que tem Baile de Máscaras... imagina o glamour.
    Quero demais poder ler mais esse romance da Babi.
    “A alegria evita mil males e prolonga a vida.”(William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  8. Oi Pah adorei sua resenha, já adicionei na minha lista pra comprar-lo! Bjs...

    ResponderExcluir
  9. O livro deve ser realmente maravilhoso, você gostou tanto que me deixou curiosa, já estava na minha lista, mas subiu algumas posições em prioridade.

    ResponderExcluir
  10. Eu me encantei por este livro quando vi a sua capa. Mas, depois de acompanhar a sinopse e várias resenhas sobre A Promessa da Rosa me decepcionei um pouco. Confesso que esperava um pouco mais de mistérios e suspense na estória, ao contrário do que é proposto: um livro de época.

    ResponderExcluir
  11. Ooi Pah,
    desde a primeira vez que vi a capa desse livro, eu fiquei com muita vontade de ler, agora depois de ler sua resenha, estou com mais vontade ainda.
    Parece ser uma historia perfeita, e todo esse preconceito deve ser angustiante e triste.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Primeiramente acho a capa desse livro simplesmente LINDA! E conhecer um pouco da história através da sua resenha me deixou ainda mais ansiosa para conhecer essa história que deve ser incrível! Simplesmente AMO e AMO romances de época (sempre digo isso rsrs) então já sou suspeita, mas saber que a trama é assim tão intensa e emocionante me fez ficar ainda mais na expectativa! Ah Pah, gostaria de ver vc falando sobre ele em um vídeo rsrs seria muito legal!!!

    ResponderExcluir
  13. Quantos elogios pra esse livro!
    Fica até dificil não querer ler.

    ResponderExcluir
  14. Olá Pah! Tudo bem contigo?
    Enfim, acho que finalmente irei me render aos romances históricos!
    Eu simplesmente amei esse livro/resenha/história!
    Noooossa! Fiquei muito curiosa mesmo!
    Quais são as provações pelas quais Kathe irá passar? Por que ela não pode ser simplesmente feliz? Pelo que ela vai ter que lutar?
    Não sei se gosto muito de sofrer assim junto com a personagem, mas me interessei mesmo pelo livro!
    Sem contar que eu achei a capa muito bonita! Hehe!

    Amei a resenha Pah!
    Tenha um ótimo final de semana!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  15. Ainda não tinha visto nenhuma resenha sobre esse livro, não o conhecia, mas depois dessa resenha fiquei com muita vontade de ler o livro.

    ResponderExcluir
  16. Já vi algumas resenhas sobre esse livro, e a cada resenha lida, mais aumentam as minhas expectativas a respeito dele. Primeiro por ser de uma autora brasileira, ultimamente estou nessa vibe de ler nacionais. Quando são nacionais que nos tocam então melhor ainda. Ele está na minha lista pra leitura, e espero ter a oportunidade de lê-lo logo.

    ResponderExcluir
  17. Oi!
    Eu geralmente me mantenho longe desses romances de época pq nunca tem muito a ver com a época mesmo, sabe? E quando eu vi a capa desse livro achei que fosse ser outro do genero. Fico feliz q vc tenha me dito q não, e que a mocinha é forte e etc.
    Vou querer ler ele com toda a certeza, assim q possivel

    ResponderExcluir
  18. Pah,
    amo esse livro. Meu favorito da Babi. ela está escrevendo um novo romance de época. Estou aguardando ansiosa.
    Beijos, Fernanda D.
    NovoRomance.com.br

    ResponderExcluir
  19. Ahhhh amei que resenha mais linda! Muito obrigada, Paola... Adorei conhecer suas impressões do romance.

    ResponderExcluir
  20. Aaah,é um romance incrível,não é só bonito,é intenso,profundo.Fui bem surpreendida,pois ultimamente,a maioria dos romances de época que li,apesar de terem mocinhas fortes,não vinham com essa rede de incertezas e complicações que A promessa da rosa trouxe,fui tão puxada pela trama que sofri e chorei com os personagens!!Obrigada pela indicação Pah,continuei a achar os melhores romances de época,beiijinhos!

    ResponderExcluir