[Resenha] O Gigante Enterrado - Kazuo Ishiguro

Uma terra marcada por guerras recentes e amaldiçoada por uma misteriosa névoa do esquecimento. Uma população desnorteada diante de ameaças múltiplas. Um casal que parte numa jornada em busca do filho e no caminho terá seu amor posto à prova - será nosso sentimento forte o bastante quando já não há reminiscências da história que nos une? Épico arturiano, o primeiro romance de Kazuo Ishiguro em uma década envereda pela fantasia e se aproxima do universo de George R. R. Martin e Tolkien, comprovando a capacidade do autor de se reinventar a cada obra. Entre a aventura fantástica e o lirismo, "O gigante enterrado" fala de alguns dos temas mais caros à humanidade: o amor, a guerra e a memória.
396 Páginas | Cortesia Editora Cia das Letras | Skoob | Compare & Compre: SubmarinoSaraivaAmazon| Resenha da Kamila Mendes | Classificação: 4/5
Comecei a leitura de “O Gigante Enterrado”, de Kazuo Ishiguro, sem muita pretensão. Trata-se de uma obra de leitura fácil e diálogos bem autoexplicativos. Confesso que em determinados momentos os diálogos ficam maçantes, quase forçados, como se fosse uma tentativa de explicar detalhes do livro que passaram despercebidos na hora da discrição. Mas, com exceção desses pequenos deslizes, a história é intrigante e prende a atenção do leitor. E um dos diferenciais é que a história criada por Kazuo é desenvolvida na Grã-Bretanha pós a queda do Rei Arthur. Um mundo permeado por fantasia e seres míticos, como ogros, bruxas e dragões.

Em meio a um cenário fantástico o autor apresenta os protagonistas da trama: o casal de idosos Axl e Beatrice, que vivem em uma aldeia de origem bretã, onde são tratados com descaso devido à idade avançada. O casal luta pra manter as lembranças em um mundo que não consegue se lembrar de seu passado: onde não existem mais memórias, nomes, rostos, e conversas que aconteceram minutos atrás são esquecidas com uma facilidade assustadora. Com medo de acabar esquecendo um do outro, o casal parte em uma aventura para encontrar seu único filho (de quem não se recordam muito bem, apenas lembranças vagas e memórias que parecem vindas de outra vida). Como não recordam onde o rapaz mora, eles partem sendo guiados mais pela fé de que o filho os espera do que pela certeza do que vão encontrar.


Durante sua viagem eles se deparam com personagens intrigantes como Winstan, que parece ser a resposta para o fim da névoa que rouba as memórias, Edwin, o menino que carrega uma maldição e que pode ser a promessa de um futuro, além de Sir Gawain, último remanescente da Távola Redonda e sobrinho do Rei Arthur. Cada personagem tem um papel fundamental na jornada dos protagonistas; e cada um deles também nos faz refletir sobre aspectos da nossa própria vida. Sendo assim, apesar de se tratar do gênero fantástico, o foco de Kazuo não está nas aventuras vividas pelo casal, mas em sua luta para manter as memórias e em como eles mantém a chama do amor acesa, mesmo quando não se lembram do seu passado. E isso é um dos detalhes mais bonitos do livro, toda a reflexão por trás das lembranças e da jornada desse casal.
A obra tem uma sensibilidade ímpar, pois leva o leitor a pensar sobre a força e a legitimidade dos laços que os unem a outras pessoas – além dos nos fazer refletir se estamos deixando que monstros imaginários roubem o que temos de mais belo em nossas vidas. Portanto, o livro é doce, reflexivo e instigante ao ponto de deixar o leitor curioso. Afinal, constantemente nos questionamos o que tem roubado as memórias dos protagonistas e se eles encontrarão seu filho. Claro, como disse anteriormente a narrativa conta com diálogos maçantes, mas não são todos. Então vale a pena dar uma chance para a história e mergulhar nos segredos de Axl e Beatrice.
Beijos,



Participe Aqui

18 comentários:

  1. Oi, Kamila. Não posso negar o meu enorme interesse por este livro, muitos pontos relacionados ao mesmo me agradam. Primeiramente, a capa me fascina imensamente, lembra-me capas de clássicos como Alice. A história de O Gigante Enterrado não fica para trás, curti bastante cada item do livro, personagens, gostei muito dos idosos escolhidos, cenário, a Grã-Bretanha ♥ e coadjuvantes, tudo me agradou muito.

    ResponderExcluir
  2. Oii!!!
    Confesso que a capa chamou muita atenção e o detalhe azul das folhas simplesmente me encantou, azul é minha cor favorita. Mas depois de ler a sinopse e a resenha fiquei bem interessada, adorei o enredo, o mistério da nevoa e o desejo de Axl e Beatrice de rever o filho. Fiquei bem curiosa pra saber o desenrolar deste mistério.
    Bjos e sucesso!!

    ResponderExcluir
  3. Eu morro de amores neste livro, e ele em e-book não serve, quer pegar, olhar, admirar. Acho a arte dele incrível, e sem contar na estória, que é sem dúvidas, maravilhosa. Vai ser com certeza, uma das minhas próximas compras.

    ResponderExcluir
  4. Kamila,legal um livro falar do amor da guerra e da memória.Pena às vezes os diálogos ficarem maçantes .Mas interessante a história ser desenvolvida na Grã Bretanha,após a queda do Rei Arthur.Além de seres místicos,ogros, bruxas e dragões.Legal os protagonistas terem idade avançada e se aventurarem em ir em busca do filho,que não lembram muito bem.Além de fantasiosos personagens que eles encontram durante a viagem ,o legal é que eles,nos fazem refletir sobre a nossa vida,amei saber disso.Gosto muito de livros doces,reflexivos e instigantes que nos deixam curiosos.Mil beijinhos!!!!

    ResponderExcluir
  5. eu nunca li nada nesse gênero, achei a capa linda! ah eu daria uma chance sim! :D
    www.byanak.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Kamila, tudo bem?
    Confesso que esse livro não desperta meu interesse, apesar de ter adoro a capa e a diagramação ser linda! No entanto, gosto desses livros que nos fazem refletir e fiquei curiosa para conhecer a narrativa. Parabéns pela leitura.
    Beijos,

    http://versosenotas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Kamila
    A construções desses seres místicos é o que mais me chama atenção nesse livro. Mas, ele parece até passar uma mensagem além do que eu imaginei da obra. Apesar de parecer um pouco detalhista, daria uma chance sim ao livro. Adoro a diagramação dele.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Quero ler esse livro, todo mundo falando bem, além da edição que está linda...

    ResponderExcluir
  9. Oii Kamila, adorei a resenha, apesar que não curto muito esse tipo de livro..mas a história se mostrou bastante interessante..
    Beijoss

    ResponderExcluir
  10. Oii Kamila, gostei bastante da sua resenha. Confesso que esse tipo de livro não é o que eu mais gosto de ler, mas sempre estou aberta a novas possibilidades.
    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  11. Olá Kamila
    Confesso que não ouvi falar muito desse livro/autor, mas fiquei bastante curiosa pra ler, como gosto de diversificar minhas leituras, vale a pena dar uma chance para o livro “O Gigante enterrado”. Depois de ler sua resenha fiquei bem interessada em saber o desenrolar dos mistérios, e a história parece ser bem intrigante, adoro livros que prendem a atenção do leitor até o final da leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Olá, primeiramente quero lhe dizer que eu sou um leitor que juga o livro pela capa e essa capa não me conquistou aparenta ser mais uma historia clichê. Bjs !

    ResponderExcluir
  13. Ooi, nunca tinha ouvido falar sobre esse livro, mas quero muito ler, parece ser bem bacana, achei tão linda essa edição.
    Entrou para minha listinha.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Oi Kami! me apaixonei pela resenha amo leituras fácil e diálogos autoexplicativos. tomara que esse defeito de determinados momentos os diálogos quase forçados, amo por fantasia e seres míticos.Estou apaixona pelo cenário fantástico do autor ,to muito anciosa confesso para ler esses misterios
    BJS KAMI!!
    Bjs!!Kami!

    ResponderExcluir
  15. Já conhecia esse livro a um tempinho mas até então nunca tinha lido nenhuma resenha sobre ele..e adoreeei!!! Fiquei bem curiosa se o Axl e a Beatrice em fim vão reencontrar com o filho...mais um pra minha listinha!!!

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Eu confesso que a capa do livro havia sido a único coisa a me chamar a atenção nele quando o vi pela primeira vez. Mas a tua resenha conseguiu me explicitar a grandiosidade de ensinamentos e reflexões que esse título pode nos proporcionar à cerca de laços familiares e afetivos, o que por si só já é de grande valia dentro de um enredo.

    ResponderExcluir
  17. Oi, Kamila. Mesmo essa descrição arrastada em alguns momentos, confesso que tenho vontade de ler o livro e de ter na estante, só pelo fato de ter essa capa linda com as folhas azuis ao redor. Achei perfeita.

    ResponderExcluir
  18. Nao sei se faz bem o meu estilo mas parece ter um enredo interessante.. porem o que achei bem diferente e bonitinho foi as bordas azul.. deveriam ter mais assim

    ResponderExcluir