[Resenha] O Vilarejo – Raphael Montes

Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome. As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.
Terror| 96 Páginas | Cortesia Suma de Letras| Skoob | Compare & Compre: SubmarinoSaraivaAmazon | Classificação: 5/5
Finalmente li um livro de terror! Não é segredo que prefiro histórias de romance, entretanto há algum tempo prometi que arriscaria mais, lendo obras fora da minha zona de conforto – e O Vilarejo é reflexo dessa mudança. Não vou mentir dizendo que não estava com medo da leitura, porque estava crente de que o livro não me faria dormir, entretanto a experiência foi incrível, pois além de proporcionar várias emoções – como aflição, horror, nojo e surpresa – o livro também aguçou minha curiosidade e abriu meus olhos para a qualidade desse gênero literário que eu comumente repudiava. Ainda não sei se estou preparada para livros de terror mais densos, contudo depois da obra do Raphael Montes minha sede de leituras horripilantes foi aguçada. Será que agora crio coragem para ler outros títulos de terror?

O Vilarejo é composto por um conjunto de contos protagonizados pelos demônios conhecidos como os Sete Reis do Inferno. Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld definiu que esses seres tentam a humanidade de maneiras diferentes: Asmodeus é o responsável pela luxúria, Belzebu pela gula, Mammon pela ganância, Belphegor pela preguiça, Satan pela ira, Leviathan pela inveja e Lúcifer pela soberba. Portanto, Raphael Montes utiliza essa teoria para dar vida a histórias de tentação e pecado, descrevendo momentos em que homens e mulheres se deixaram levar por um dos sete pecados capitais. E o mais incrível é que todos esses episódios ocorrem em um mesmo vilarejo, com um grupo de vizinhos assolado pela fome após um duro período de guerra.

Um dos grandes diferenciais do livro é que ele é apresentado como uma compilação.  Nesse caso, o autor se apresenta como o tradutor que encontrou os contos perdidos e os uniu na obra apresentada. Além disso, por mais que os contos sejam individuais – cada um focado em um demônio e consequentemente em um pecado –, a obra está completamente interligada. E não apenas pelos protagonistas dos contos serem do mesmo vilarejo, mas por eles participarem direta ou indiretamente das histórias uns dos outros.


Fora a ideia incrível, a narrativa fluída e as ilustrações belas e apavorantes, o livro traz uma intensa carga de emoções. A personificação dos pecados capitais não só choca o leitor como também nos faz refletir sobre nossas ações. Por exemplo, no caso da gula. Após uma guerra, assolados por uma forte nevasca, quem de nós não recusaria um prato de comida ao próximo e guardaria tudo o que temos pensando apenas em nosso próprio sustento? Quem de nós não ficaria apavorado com a ideia de morrer de fome? Tais reflexões fazem parte constante da leitura, e eu definitivamente amei isso. Amei como as tentações são reais e os pecados também. Claro que enoja as atitudes dos homens retratados nessa história, mas o ponto é: será que no fundo, imersos nas mesmas situações, nós agiríamos de forma diferente? Afinal, como o próprio autor cita, “O caráter do homem é o seu demônio”. Sendo assim, além de me fazer refletir o livro também me assustou muito. Os pecados são narrados em detalhes tão vívidos que é impossível não sentir asco: sangue, morte, abuso, mentiras... É tudo tão carnal que, em alguns momentos, não consegui parar de reviver as cenas narradas em minha mente. Confesso que chegou a ser perturbador, mas após uma semana consegui me desvencilhar da leitura.
No geral temos um livro graficamente bonito, facílimo de ler, bem escrito e inteligente, e horripilante como deveria ser – mas não por trazer à tona seres maldosos como tais demônios citados, e sim por descrever o pior da humanidade. Adorei!

Beijos,



Participe Aqui

21 comentários:

  1. Apesar de eu ter gostado de alguns contos mais do que outros, achei fantástica a relação entre eles caminhando pra um único fim. Agora de longe o que mais me impressionou foi a foto da senhorinha Elfrida com a mancha no olho. Quem leu vai entender a razão de meu choque ;) hahaha

    ResponderExcluir
  2. Oi Pah! Tudo bem?
    Nossa super feliz que vc gostou do livro do Raphael, o conto que mais me perturbou foi o das irmãs, não é nem o mais chocante, mas não sei, foi nele que eu fiquei (não acredito! não acredito!) kkkkkkkk, mas a escrita do Raphael é assim, tira varias reações do leitor, senti isso também no livro Dias Perfeitos, ficava chocada com as atitudes do Teo, uma em particular me deixou em desespero, e em outros momentos me via torcendo pelo o protagonista, reações super contraditórias durante a leitura. Nesse mês de novembro ele esteve aqui na minha cidade, foi super simpático, atencioso, foi um bate papo super legal!

    Sentidos saudades das nossas trocas de recados no skoob,
    bjs

    ResponderExcluir
  3. eu estou louca nesse livro, está minha lista..e com essa resenha me animou ainda mais

    ResponderExcluir
  4. Nunca li esse tipo de livro. Seria bom começar mas não sei se tenho coragem. Quando a gente ve tais atos pecaminosos, nos recriminamos a pessoa pecadora, mas não sei se seriamo capazes de fazer algo diferente. Amei a resenha.

    ResponderExcluir
  5. Caramba, estou louca por esse livro, e também pelos outros do Raphael Montes. Todos falam muito bem das obras dele, e isso me deixa com mais vontade ainda de ler todos os livros que ele publicou kk.

    ResponderExcluir
  6. MORRI que eu queria tanto ler esse livro e sabia tão pouco sobre ele. Como assim menos de 100 páginas? To bem passada... E nunca imaginei que o livro se trataria de contos. Não leio muitos contos. Na verdade, quase nunca na minha vida tive contato e mesmo assim "O vilarejo" chamou minha atenção. Um dos fatores principais disso foi saber que se trata de terror e eu gosto. Animei um pouco mais por saber que você gostou e recomenda. Sinceramente, imaginava outra coisa do livro e sua resenha me surpreendeu.


    beijo

    ResponderExcluir
  7. Que interessante, nunca li nada desse gênero, sou um pouco medrosa, mas eu quero ler, quero ganhar ele esse mês aqui, Top comentarista!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Pah! Foi com este livro que pude conhecer um pouco mais sobre o autor Raphael Montes e apreciar as suas outras obras. O Vilarejo me conquistou, não por ser um livro extremamente elogiado, mas por ser do gênero de terror, estou devendo esta leitura, e por ser construído em contos e ilustrações.

    ResponderExcluir
  9. Adorei a capa, adorei as imagens e adorei esse negocio que o narrador fala que achou os contos perdidos e resolveu fazer um livro. Entrou pra minha lista!

    ResponderExcluir
  10. Oi Pah, nunca li livros desse gênero, mas esse pareceu bem interessante, não daqueles de dar medo, mas daqueles que te surpreendem. Achei lindo o gráfico do livro que mostrasse na foto, que super! Vou colocar na lista de leituras sim!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Nossa, faz um tempão que esse livro tá na minha lista de desejos, mas ainda não tive a oportunidade de comprá-lo (aliás, são tantos livros pra tão pouco dinheiro hahahah). Mas eu tenho quase certeza de que vou amar, ele parece ser maravilhoso demais! Eu sou apaixonada nesse gênero literário, demais. Se você quiser ler mais algum de terror/suspense, vou te indicar A Estrada Da Noite do Joe Hill. Aliás, o autor é filho do Stephen King, e herdou o maravilhoso dom do pai. O livro é bem mais leve no gênero, acaba sendo um romance de terror (por isso lembrei dele pra você hahaha). Eu achei o começo meio maçante, mas o final compensa tuuuuuudo. Adorei. Fica ai a dica :)
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  12. assim como vc nunca li um livro sequer de terror... tenho medo e acho que nao consigo dormir depois.. apesar de parecer legal, acho que nao irei ler pq ainda nao estou preparada para este tipo de leitura.... achei diferente a historia ser contada em contos....

    ResponderExcluir
  13. Oi Pah, esse livro esta sendo super bem comentado pelos vlogguers literários. E a cada resenha eu fico cada vez mais ansiosa para lê-lo !

    ResponderExcluir
  14. Hello!
    Ainda nao conheço a escrita do Raphael Montes, mas realmente mta pessoas elogiam o livro Dias Perfeitos. Qdo soube do lançamento de O vilarejo eu fiquei ate bem curiosa, mas depois que vi q era um terror e ainda tem varios desenhos dentro, desistir.
    Eu realmente sou mtooo medrosa e fico impressionada facil.
    Mas gostei demais da resenha e agora sei do que posso esperar caso eu perca o medo e resolva ler, hehe… sete diferentes contos sendo que de algum modo se relacionam no vilarejo é algo bem interessante, queria saber como o autor fez.
    A capa está maravilhosa.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. A resenha de O Vilarejo me fez lembrar do livro A Divina Comédia, embora os dois livros sejam escritos de formas completamente diferentes. E as reflexões do livro me parecem muito interessantes ao abordar perguntas de como agiríamos naquela situação. Confesso que tenho um pouco de receio e medo de livros de terror, mas com certeza essa leitura vale a pena.

    ResponderExcluir
  16. Oiie Pah, sabe também não sou chegada em terro, tenho medo, nunca li nada. Mas acho que também preciso me abrir a esse novo gênero, quem sabe também não gosto né? Parabéns pela resenha e por se deixar descobrir um novo gênero. Bjs

    ResponderExcluir
  17. Louca pra ler!!! Já quero vídeo!!

    ResponderExcluir
  18. Oi Pah,
    Nunca li nada do gênero, confesso que tenho receio de ler terror, mas como você talvez me arrisque a ler algo para sair da minha zona de conforto, já que meu gênero literário favorito sempre foi o romance. Vou deixar O vilarejo na lista e quando me sentir preparada e com coragem irei lê-lo. Gostei de saber que o livro trás reflexões durante os contos, sempre é válido um livro que nos faça refletir sobre nossas ações, adoro isso. E que ilustrações mais lindas!
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Aiiiiiiii eu tô doida por esse livro!
    Ao contrário de você, eu amo terror e não sou chegada a romance hahaha
    Realmente o que mais me assusta é pensar no quanto os humanos são horríveis, não imaginar que existem fantasmas e tal...
    Eu vi a história desse livro e achei incrível! A tradução dos contos e tal... é assustador. E adoro esses contos que nos fazem refletir acerca das nossas ações
    Enfim, esse livro parece incrível e ele tá na minha lista de desejados <3 <3 <3
    beijos

    ResponderExcluir
  20. Até hj não li muito terror, mas queria sair um pouco da zona de conforto e mudar isso, recebi indicações desse livro já e agora estou mais interessada em começar a le-lo logo.
    Gostei do cenário onde todos esses contos passam e da ideia de relacionar o terror com os pecados capitais, me senti atraída por ser um livro que nos faz refletir sobre as ações de nós seres humanos

    ResponderExcluir
  21. Que emocionante, impactante e de tirar o fôlego, Pah. Fiquei assim ao ler a resenha, imagine lendo o livro. Além de conter terror nas histórias, fico imaginando a estrutura do livro em abordar sobre os seres humanos. Parece excelente realmente

    ResponderExcluir