abril 27, 2016

[Resenha] Toda poesia de Augusto dos Anjos – Augusto dos Anjos

Incompreendido e não reconhecido em vida, Augusto dos Anjos (1884-1914) ganha sua mais completa antologia. Em Toda poesia de Augusto dos Anjos, prefaciada por ensaio crítico de Ferreira Gullar, encontram-se os poemas de Eu, único livro publicado em vida pelo autor, e trabalhos até então inéditos. Frequentemente apontado com um dos escritores que influenciaram o Movimento Modernista, Augusto dos Anjos ficou conhecido pelos versos ácidos e fortes, comparados a de ícones como Edgar Allan Poe e Charles Baudelaire. Tais características estão presentes em toda a sua obra, como o leitor pode comprovar nesta compilação definitiva. Além dos 58 poemas de Eu, o leitor poderá apreciar verdadeiros achados inéditos. Alguns deles, como A caridade, que encerra o livro, foram escritos poucos meses antes de o autor morrer. Apesar de terem sido escritos há quase um século, os versos de Augusto dos Anjos mostram-se atuais. Sem dúvida, uma obra de importância ímpar.

320 Páginas |
Cortesia Editora
José Olympio
| Skoob | Compare & Compre: SaraivaAmazon | Classificação: 4,5/5

Confesso que sou leiga quando o assunto é poesia e que não
tenho costume de ler esse tipo de obra. Portanto, e exatamente por isso, quis
ler Toda Poesia de Augusto dos Anjos não
penas para conhecer mais sobre os poemas de um dos nomes mais renomados da literatura
brasileira, como também para sair da minha zona de conforto e ler algo completamente
diferente do que estou acostumada. E o ponto é que não só cumpri meu objetivo,
como também terminei a leitura extasiada por ter tido a possibilidade de
conhecer a história do Augusto dos Anjos, ter mergulhado em seus poemas
verdadeiramente cruéis, e ter me encantado por um novo – pelo menos para mim –
estilo de leitura.


A obra pode ser dividida em três partes: Prefácio sobre o poeta
Augusto dos Anjos; Coletânea de poemas que fazem parte do livro “
Eu
(o único publicado em vida pelo autor); e Reunião final com poemas até então
inéditos.

No prefácio com um estudo crítico de Ferreira Gullar temos: a
apresentação de quem foi Augusto dos Anjos, uma discussão sobre o período em
que o autor viveu, e divagações sobre as peculiaridades de sua narrativa. O ponto
abordado é que Augusto dos Anjos (1884 – 1914), paraibano, filho de senhores do
engenho, viveu em um período de decadência social. Se antes o engenho era a
grande fonte de trabalho e dinheiro, agora a estrutura é substituída pelas
usinas de cana-de-açúcar. Além da mudança social, Augusto também vivenciou um
período de abolição da escravatura, proclamação da República, a consolidação do
capitalismo e o agravamento da miséria do povo. Portanto, perante uma sociedade
em declínio, Ferreira Gullar defende que Augusto dos Anjos modifica a estrutura
da literatura poética ao falar sobre o homem e suas dores da vida real.


Desta forma, conforme vamos lendo os poemas do autor – tanto
os que compõem o livro “Eu” quanto os inéditos – percebemos o quão crítico Augusto
dos Anjos era e o quanto ele almejava uma mudança para a sociedade. O poeta
fala com uma propriedade incrível sobre os erros humanos, comparando-os com
vermes que, sem mudança ou sem fé em Cristo, não serão capazes de ressurgir e
terão fim na morte. Além disso, os escritos de Augusto refletem quem ele foi e parte
da sua história de vida. Vários de seus poemas falam de suas experiências: a
morte do pai, a ama de leite que o amamentou, as idas e vindas por cidades perdidas
em meio a um período de tantas mudanças, a morte prematura do filho, a visão de
uma sociedade sem fé, corrupta e comprada pelo dinheiro e pela luxúria, e assim
por diante. Portanto, tais poemas refletem o que o homem tem de pior e,
exatamente por isso, chegam a ser atemporais. As reflexões do autor cabem até
hoje, pois infelizmente, a humanidade continua corrompida e perdida em pecados
do corpo e da alma.



Os poemas do Augusto dos Anjos são cheios de raiva, dor e
mágoa. Eles falam sobre morte, pobreza, pecado, fé, prostituição, solidão, e
inúmeros outros termas reflexivos e reais. Surpreendi-me com o teor crítico da
escrita do autor, e principalmente pelo fato de seus poemas conseguirem
transmitir a confusão de sentimentos que ele vivenciava enquanto escrevia. Foi
uma leitura rica em emoções, cheia de “tapas na cara” e meditações sobre o
comportamento do homem, e uma oportunidade de conhecer quem foi Augusto – pois,
apesar de seus poemas serem universais, eles refletem a alma desse poeta e nos
permitem conhecer melhor o escritor, sua vida e seus dilemas. Definitivamente
senti, durante toda a leitura, que estava mergulhada em um período social
repleto de medo, perdas e dor. Foi incrível!

Confesso que a leitura do livro foi rápida – afinal estamos
falando de poemas – mas ao mesmo tempo difícil. Augusto usa várias metáforas
que eu não fui capaz de compreender, de forma que nem todos seus poemas, por
mais que eu repetisse a leitura, ficaram claros para mim. Sei que não absorvi
toda a mescla de emoções passada pelo autor exatamente por não entender muito
do que ele escreveu, e sei também que me faltou conhecimento de sua estrutura
linguística e até mesmo da literatura brasileira como um todo. Porém, ainda
assim, a experiência valeu muito apena. Mesmo não entendendo todos os poemas, os
que fui capaz de compreender me impactaram o suficiente. Sendo assim, para quem
gosta de livros que nos tiram da zona de conforto, eis uma leitura mais que
recomendada.
Beijos,


Participe Aqui

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

15 Comentários

  • Carol N
    02 maio, 2016

    Tenho que confessar que não sou lá a maior fã de poesia… Isso pq eu sei que não entendo metade das coisas que eles querem dizer e isso me incomoda demais!
    Apesar disso, sou curiosa e leio.
    Adorei ler uma resenha desse livro!

  • suzana cariri
    01 maio, 2016

    Oi!
    Também tenho muita curiosidade de conhecer a escrita do Augusto dos Anjos, mas poesia e um gênero que quase não leio por isso acho interessante pegar outros livros e gêneros que não lemos para poder conhecer e também tenho vontade de pegar mais livros de poesia para ler !!

  • Larissa Alves
    01 maio, 2016

    Lia bastante poesias na escola, faz tempo que não leio algo do gênero pois não sou muito fã, acho lindo.

  • Rhoana Lersch
    30 abril, 2016

    Oi, Pah!! Amo poesia e livros que reúnam coletâneas!! Augusto dos Anjos está entre os meus poetas favoritos de todos os tempos e quero muito adquirir esse livro lindo <3

  • Vania Correa
    30 abril, 2016

    Confesso que não sou de ler livros de poemas e poesias, mas gostei da diagramação, gostei muito de saber sobre a vida de Augusto dos Anjos, beijos…

  • Crika Regina
    30 abril, 2016

    Oi Pah!
    Pelo visto os poemas são bem fortes. Bom, eu não tenho o hábito de ler algo do tipo e ainda saio da minha zona de conforto apenas com outros gêneros literários, rs. Sendo bem sincera, por enqto não me animo de encarar esse tipo de leitura. Quem sabe mais pra frente?! Eu gosto de variar.

  • Micheli Pegoraro
    28 abril, 2016

    Olá Pah,
    Também não tenho o costume de ler poesia, sempre achei esse tipo de obra uma leitura difícil, pois nem sempre consigo compreender tudo o que a obra tem a oferecer. Mas, assim como você, estou sempre buscando sair da minha zona de conforto, então vou anotar a dica e quem sabe ler mais pra frente. Os poemas de Augusto dos Anjos parecem ser bem reflexivos e reais, com certeza será uma leitura cheia de emoções.
    Beijos

  • Ana Paula Lelis
    28 abril, 2016

    Eu adoro poesias, acho uma arte encantadora maravilhosa! Eu até costumava escrever quando eu era pequena. Mas nao sabia desse livro nome do Augusto, fiquei bem interessada. Acho que poesias tem que ser lidas e apreciadas, sem pressa para absorver toda emoção!

  • Talita Oliveira
    28 abril, 2016

    Sou como você, não gosto muito de poesia, mas estou sempre apta a novidades, ainda bem que você superou suas expectativas!!
    Achei bacana essa divisão, dá mais dinâmica! Os poemas são muito fortes, já quero, hehe
    O bom de livro de poemas é que não precisa ser lido de vez, pode ser aos poucos, acho bom pra diferenciar dos livros normais. Adicionado a minha whislist com sucesso!! Amei a resenha!

  • Bruna Lago
    28 abril, 2016

    Sempre me impressionei com o estilo do Augusto. Me pergunto como ele não foi tao reconhecido em vida, que pena !! Gosta muito de poesias, acho que elas passam toda a história e contexto da época, muitas vezes em poucas estrofes.
    Boa noite!

  • Theresa Cavalcanti
    27 abril, 2016

    Nunca fui de ler poesias e tal, mas sempre tive vontade. Talvez um dia eu arrume coragem para começar.

  • rayane colombo gomes
    27 abril, 2016

    nao sou mto fa nem entendo mto de poesias mas gostos de algumas as vzs… hahah ja tinha ouvido falar desse autor.. nao sabia que tinha livro com varias assim

  • Raquel Moreira
    27 abril, 2016

    Oi, Pah!
    Fiquei bem curiosa, vou acrescentá-lo na minha lista. Rs Gosto muito desses livros com teor crítico, abre os nossos olhos de forma a conseguirmos identificar ou não esses pontos na sociedade em que vivemos. Estou lendo "As Viagens de Gulliver" e estou levando uns "tapas" também. Beijos

  • Lara Cardoso
    27 abril, 2016

    Primeiramente, preciso dizer que mesmo não conhecendo o trabalho de Augusto dos Anjos (já ouvi o nome dele muitas vezes, mas nunca tive a chance de conhecer de perto o seu trabalho), achei a capa desse livro absolutamente primorosa !!!
    Como não conheço nada do Augusto, provavelmente não leria esse livro já, buscaria ler algo dele primeiro para depois entender o que existe por trás de tudo aquilo. Mesmo assim, lhe agradeço pela dica !!!

    • Luiz Guilherme
      08 junho, 2016

      Comentario desnecessario e auto ridicularizante. Na wikipédia vc encontra poemas dele… ''meu nirvana'' por exemplo..