[Resenha] Tudo e todas as Coisas – Nicola Yoon

"Minha doença é tão rara quanto famosa. Basicamente, sou alérgica ao mundo. Qualquer coisa pode desencadear uma série de alergias. Não saio de casa. Nunca saí em toda minha vida. As únicas pessoas que já vi foram minha mãe e minha enfermeira, Carla. Eu estava acostumada com minha vida até o dia que ele chegou. Olho pela minha janela para o caminhão de mudança, e então o vejo. Ele é alto, magro e está vestindo preto da cabeça aos pés. Seus olhos são de um azul como o oceano. Ele me pega olhando-o e me encara. Olho de volta. Descubro que seu nome é Olly. Talvez eu não possa prever o futuro, mas posso prever algumas coisas. Por exemplo, estou certa de que vou me apaixonar por Olly. E é quase certo que será um desastre."
Jovem adulto Maduro | 304 Páginas | Cortesia Editora Novo Conceito| Skoob | Compare & Compre: SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 4,5/5
Minhas expectativas para essa leitura estavam altíssimas. Desde que vi a capa e a sinopse, muito antes do livro ser lançado por aqui, fiquei instantaneamente apaixonada por ele. Portanto, foi muito gostoso me surpreender com a obra e perceber que ela é muito mais do que tinha imaginado. O fato é que amo livros que abordam o universo de um jovem adulto; amo ler sobre as inseguranças, os medos e as descobertas típicas desse período. E quando acrescentamos a isso dramas familiares, citações literárias, e um romance divertido e envolvente, fica simplesmente impossível resistir. Então não deu outra, terminei a leitura de Tudo e todas as Coisas completamente apaixonada pela escrita da Nicola Yoon, por seus personagens, e por essa história tão bela e cativante.
Madeline tem dezoito anos e nunca saiu de casa. Quando ela ainda era um bebê teve uma crise respiratória e foi diagnosticada com IDCG, ou seja, com imunodeficiência grave. Isso significa que qualquer coisa, desde um alimento ou até o ar poluído, pode desencadear uma série de doenças e matá-la. Prezando pela sua saúde, Maddy vive reclusa, compartilhando apenas da companhia da mãe (que também é médica), de uma enfermeira que a conhece desde pequena, e de seus amados livros. Porém, quando uma nova família se muda para a casa ao lado da sua – e quando ela cruza olhar com o novo vizinho – a jovem passa a querer mais da vida. Olly é divertido e insistente, portanto logo ele e Maddy se encontram na internet e desenvolvem uma bela amizade. O único problema é que conversar por e-mail não é suficiente e nunca vai ser. Decidida a viver pelo menos uma vez, Madeline resolve quebrar várias regras e lutar contra as limitações causadas pela sua doença. Mas, o que ela não sabe é que ao decidir viver vai colocar muito mais do que a sua vida em risco.
Talvez seja a culpa por estar sendo egoísta, por querer estar com o Olly até mesmo agora. A cada momento que eu passo com ele, aprendo algo novo. Eu me torno uma pessoa nova.

O que mais gostei nesse livro foi, sem dúvida, de sua narrativa peculiar e cativante. A obra é narrada em primeira pessoa, mas conta também com listas, desafios, definições e até resenhas literárias. É exatamente por a trama girar em torno da Maddy que o livro traz tudo o que é importante para a personagem: anotações que ela faz em seus livros preferidos, definições para as novas emoções que ela vai experimentando, resenhas sobre suas leituras e como elas a impactaram, ilustrações sobre como ela se sente na presença do Olly, e listas sobre a dor de querer viver – querer conhecer o mundo e tudo o que ele pode oferecer – e não poder. E o ponto é que, além dessa particularidade da narrativa ajudar o leitor a conhecer Maddy e a se apaixonar por ela, também torna a leitura fácil, fluída e divertida. Por mais que a obra fale sobre a complexidade da vida da personagem principal e das dores causadas pela sua doença, em nenhum momento a leitura fica pesada ou triste em demasia.  E eu amei isso, assim como amei cada lista ou citação criada pela Maddy.
Outro ponto positivo é a personalidade da protagonista e como ela vai mudando ao longo do livro. A amizade com Olly aparece não apenas como possível romance, mas também como fonte de vida. A cada conversa com ele, Maddy vai mostrando quem ela realmente é e, principalmente, quem ela quer ser. A jovem não quer que a doença dite seus sonhos e suas escolhas; ela entende suas limitações, mas quer se permitir mais. Desta forma, vemos Maddy lutando, sonhando e aprendendo a viver. Amo quando os personagens mudam e amadurem durante a leitura, pois nos dá a possibilidade de crescer com eles. O fato de Maddy querer conhecer o mundo mas não poder, faz o leitor rever suas prioridades. A luta dela se tornou a minha quando parei para refletir sobre o que me prendia e/ou barrava meus sonhos. Talvez a reflexão seja pessoal, mas sinto que todos podem aprender muito com esse livro. Além disso, preciso dizer que amei o Olly e seu envolvimento com a Maddy. O romance deixou o livro fofo e clichê, mas gostei disso porque foi por meio dele que a protagonista descobriu um punhado de emoções que não sabia que existia – e é lindo ver ela experimentando coisas tão simples, como um aperto de mão por exemplo, pela primeira vez.
Ele apoia a testa contra a minha. Seu hálito é quente contra o meu nariz e bochechas. E levemente doce. O tipo de doce que faz você querer mais. 
— É sempre assim? — pergunto, ofegante. 
— Não — diz ele. — Nunca é assim. — Percebo o encantamento na voz dele.
E, assim, tudo muda.
Minha única ressalva quanto ao livro é sobre seu desfecho. Achei que a autora foi muito inteligente e graças ao final tornou a história mais reflexiva e dramática. Porém, confesso que não fui completamente convencida por ele – acho que o problema está no fato da parte racional do meu cérebro esperar uma solução diferente para o problema de Maddy. Ainda assim, mesmo se eu já soubesse o final antes de começar a leitura não abriria mão desse livro. Ele é lindo, tocante, reflexivo, fofo e repleto de descobertas e ensinamentos. Com doença ou não, viver não é fácil. Mas, independente dos desafios, vale a pena. Assim como essa leitura; leiam e se deixem cativar por essa narrativa deliciosa e emocionante.

Beijos,





Participe Aqui

29 comentários:

  1. Nossa agora fiquei mais curiosa...encomendei esse livros uns dias atras quando você comentou sobre ele no canal do youtube, e o livro chega semana que vem...ANSIOSA!

    ResponderExcluir
  2. eu tinha visto vc falando desse livro em um vídeo e fiquei bem curiosa! gostei bastante!
    www.byanak.com.br

    ResponderExcluir
  3. Parece uma obra maravilhosa, esse enredo parece bem encantador, mas não sei se gostaria de ler algo tão triste, mas só lendo para saber hehe

    www.eucurtoliteratura.com

    ResponderExcluir
  4. Li esse livro há poucos dias e a escrita da autora me cativou também. O final é o mais complicado, o que achei que a autora quid passar também com isso é que a super proteção e mesmo o medo podem matar uma pessoa, no sentido de impedi-la de viver, viver verdadeiramente, realizando sonhos e descobrindo a si mesmo e o mundo. É uma leitura que vale muito a pena e concordo quando você diz que o livro, mesmo sendo um drama não é pesado, pois o senso de humor dos personagens é bem elevado, então até os leitores não muito chegados ao gênero, podem acabar gostando da leitura.

    ResponderExcluir
  5. Nunca ouvi falar desse livro, mas já fiquei encantada <3 parece o tipo de livro que é totalmente tocante, ao mesmo tempo que é divertido rsrs e o que deve tornar tudo mais intenso e encantador é o fato de que simplesmente viver é novo e extasiante para ela. E claro, com certeza amarei o romance e a amizade que vem dele contido no livro <3
    Muito obrigada pela indicação :)
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Minha mente imaginou o pior possível, mas não vou perguntar nada kkkkk deixa a curiosidade se instalar. No início, fiquei triste pela personagem, mas depois fui entrando no seu espírito de aventura e tudo que a gente quer é saber como essa história se desenvolve. Com certeza deve ser emocionante :)

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia esse livro, acho que ele parece ser bom. To com tando livro na minha lista, que to quase enlouquecendo.

    ResponderExcluir
  8. Assim que comecei a ler sua resenha, senti sua empolgação na hora. E adivinha? Ela passou para mim!
    Cada palavra que vocês escreveu me deixou mais animada para iniciar minha leitura. Já até adicionei esse livro no skoob pra não correr o risco de esquecer.
    Eu sou da sua opinião também. Gosto de livros que tratem dessas inseguranças, de decisões que os personagens precisam tomar que não afetam somente eles. Acho que a gente cresce um pouquinho cada vez que lê e vive essas experiências com eles.
    Adorei a resenha.
    Beijos

    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  9. Eu estava querendo ler esse livro, mas fiquei em dúvida agora. Não sou fã de drama, mas amo romance e quando fofo melhor ainda. O fato de o desfecho final deixar a história mais dramática me faz imaginar várias possibilidades e nenhuma delas e boa. ;-)

    É super bom quando uma resenha te faz refletir se deve ou não ler o livro.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Elizabethe Souza18 de maio de 2016 21:43

    Muitas pessoas já falaram muito bem desse livro, então deve ser mesmo encantador. Vou colocar na minha lista, mas não sei se vai ser uma leitura próxima...vamos ver!

    Beijão

    ResponderExcluir
  11. Primeiramente, parabéns pela resenha, Pah, você como sempre captando as nuances mais sensíveis de uma história e compartilhando conosco impressões mais que verdadeiras de uma boa história. Pela resenha que fez sobre "Tudo e Todas as Coisas", de Nicola Yoon, fiquei curiosa para ler e mergulhar em mais um universo complicado de corações em amadurecimento, mas totalmente dispostos a amar. Sabe, quando você mencionou que o livro possui um tom clichê no que se refere ao romance, pensei comigo mesma: "E se os livros não fossem mais clichês e seguissem por caminhos diferentes? Aquele romance que você espera que se desenrole de forma previsível e gostosa mas no fim toma rumos jamais imaginados, será que a gente iria gostar?". Refletindo a respeito, tenho ressalvas e uma delas é que, embora a gente não goste do clichê por acha-lo trivial, ao mesmo tempo é o que esperamos da história e por isso nos emocionamos. Um exemplo de que a falta do clichê tirou o brilho de uma boa história é a obra de Sidney Sheldon, "Se Houver Amanhã". Neste livro, a protagonista toma rumos tão diferentes e descabidos, se comparados com o início tão coerente e sensacional do enredo, que mesmo a escrita do autor sendo fantástica, não evitou minha completa decepção com o final, pois foi atípico e frustrante diante do que eu esperava. Por isso acredito que o clichê, querendo ou não, é quem de fato adorna um bom romance, se levar em conta a dose certa certa e sem exageros. Espero ler em breve a obra que resenhou, Pah e poder concordar com você sobre o romance, mas também me convencer sobre o final escolhido porque não gosto de decepções. Beijos, fofa!

    ResponderExcluir
  12. ela morre? faz chorar muito? adorei a história, mas não quero sofrer kkk

    http://entrevereviver.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. oi! é a primeira vez que leio algo sobre esse livro, nem conhecia o título. me interessei bastante, parece ser muito bom!
    pela tua resenha, parece ser aquele livro que faz o leitor pensar (muito) sobre o que realmente importa na vida, pensar em todos os obstáculos que, muitas vezes colocados por nós mesmos, nos impedem de realizar os nossos sonhos.
    é um livro que tô precisando ler agora, haha.
    beijão!

    ResponderExcluir
  14. Me apaixonei por esse livro, peguei emprestado com a minha amiga e de inicio o deixei guardado até q eu tivesse tempo de ler, mas simplesmente não consegui esperar e li em menos de dois dias. Emocionante!

    ResponderExcluir
  15. Oi Pah
    Nem sei como começar a dizer o quanto gostei desse livro <3 Eu já tinha visto muitos falarem dele e quando vi sua resenha eu pensei comigo mesma que tinha que ler esse livro. E realmente adorei tudo, a escrita da autora e o jeito como é fluida me fez ler o livro em um dia e não querer larga-lo até que eu terminasse. Realmente fiquei decepcionada com o final também, eu esperava mais e queria mais da Maddy e do Olly, mas a leitura desse livro foi como você disse valeu muito a pena.
    Adorei sua resenha, parabéns!
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Oi Pah,
    Nunca tinha visto esse livro por isso agradeço pela resenha. Parece ser um livro muito bom com uma historia cativante. Uma pessoa que não pode sair de casa se não ela morre, descobrindo através da amizade e do amor a vida. Fique muito curiosa para saber como ela vai fazer da certo e como vai ser o final desse livro.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Gente que capa é essa está linda,já pelo que vc escreveu quero muito ler agora mesmo rsrs.

    Jéssica Barbosa - www.jesselira.com.br

    ResponderExcluir
  18. Oi Pah!
    Não conhecia bem o livro, só por alto e acabei de ser conquistada pela sua resenha, rsrs. Que livro legal! Confesso que senti um alívio ao vc dizer que não é triste em demasia pq achei que caminharia nessa direção, mas ainda bem que não. Fiquei curiosa em ver as descobertas das emoções da mocinha. Vou comprar! Que marcador lindo ;)

    ResponderExcluir
  19. Olá Pah,
    Fiquei muito interessada por esse livro quando vi o lançamento, a sinopse chamou muito minha atenção. Quero muito ler esse livro, principalmente pelas reflexões que traz, pois gosto de histórias em que aprendemos com o crescimento dos personagens, e acompanhar essa amizade e romance fofo entre a Maddy e o Olly vai ser muito lindo, pois pelo que percebi é através dele que a personagem aprende a viver, e não apenas sobreviver. Fiquei bem curiosa e animada para conferir essa narrativa diferente, quero saber quais são as citações literárias da Maddy.
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Me lembra um pouco o meu queridinho A culpa é das estrelas, super ansiosa pra ler, com certeza vale muito a pena ler.

    ResponderExcluir
  21. É muito lindo o amadurecimento de Maddy e a amizade com Olly, a capa está muito linda, beijos...

    ResponderExcluir
  22. Ando fugindo um pouquinho de histórias com dramas pesados...Mas lendo sua resenha acho que é um romance fofo e com uma pitada pequenina de drama.
    E fiquei com vontade de conhecer a história de Maddy.Apesar de todos os seus problemas, não é uma personagem cheia de mimimi ,rs .

    ResponderExcluir
  23. Amei a resenha, fiquei louca pra ler esse livro!!! Acho que vou adorar, só espero que o final não seja tão dramático. bjs

    ResponderExcluir
  24. Quero muito ler esse livro! A temática é intrigante, a narrativa parece ser envolvente e os personagens cativantes. Estou bem ansiosa para acompanhar o amadurecimento da protagonista, Maddy, e o desenvolvimento do seu relacionamento com o Olly. Acredito que irei adorar a leitura por vários fatores, estou com altas expectativas e por isso espero realmente não me decepcionar.

    ResponderExcluir
  25. Incrível esse livro, né? Nicola Yoon arrasa muito.
    Só mudaria a capa. Nunca leria se dependesse da capa, haha

    ResponderExcluir
  26. Eu li esse livro e simplesmente amei! Recomendo muito!

    ResponderExcluir
  27. Oi!
    Esse foi um livro que logo que li a sinopse já queria ler essa historia, gostei muito do enrendo e de como esse livro acaba sendo bem reflexivo, por causa dos problemas da Maddy e de como a amizade com o Olly acaba representado bem mais, essa historia está na minha lista de leitura !!

    ResponderExcluir
  28. Oi, Pah! Eu também adorei a leitura de Tudo e todas as coisas. Comecei a suspeitar do final do livro quando a babá começou a falar de alguns comportamentos da mãe e de como ela não tinha se recuperado da morte do marido e do filho. No entanto, eu achei essa uma saída um tanto fácil para o grande problema do livro: como Olly e ela viveriam felizes para sempre?

    Apesar disso, o livro me fez pensar e repensar decisões que eu já tinha como certas, apesar de meus 20 anos de vida. Alguns livros são capazes disse e este foi um deles.

    Beijos, Iza
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  29. Amei esse livro também.
    compulsaoliteraria.com

    ResponderExcluir