[Resenha] Talvez um Dia – Colleen Hoover

Um dos livros mais comentados de 2015, nos Estados Unidos, este é mais um sucesso arrebatador de Colleen Hoover, autora das séries Slammed e Hopeless. Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex- melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida. Um namorado atencioso, uma melhor amiga com quem dividia o apartamento... Tudo bem, até Sydney descobrir que as duas pessoas em quem mais confiava se pegavam quando ela não estava por perto. Até que foi um soco merecido. Sydney encontra abrigo na casa de Ridge. Um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora.
Ney Adult |368 Páginas | Cortesia Editora Galera Record| Skoob | Compare & Compre: SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 4/5
Eis um fato: a Colleen Hoover é uma das minhas autoras preferidas. Suas histórias são cativantes, refletivas e emocionantes ao ponto de marcar para sempre o coração do leitor. Faz tempo que li Talvez um Dia, porém ao reler a obra todas as emoções da primeira leitura voltaram com força total: culpa, raiva, insegurança, alegria, paixão e um amor profundo pelo significado por trás dessa história. Confesso que toda vez que penso nesse livro meu coração fica dividido; uma parte de mim é inegavelmente apaixonada pela trama, enquanto a outra metade (a mais racional, por sinal) não consegue aceitar completamente um amor nascido em condições tão conflitantes. Por isso, se tem uma coisa que amo na escrita da autora é que ela não escolhe os caminhos mais fáceis – afinal, nada é simples quando o assunto é o amor real, que surge nas dificuldades e nas imperfeições da vida. Assim, mesmo que eu tenha achado a trama de Talvez um Dia imperfeita para mim e para as minhas concepções de amor, não consigo negar que o livro tem um pedacinho do meu coração.

A trama gira em torno de Ridge e Sydney. Todo dia, pontualmente às oito da noite, Sydney vai para sacada do seu apartamento com a intenção de ouvir Ridge, seu talentoso vizinho de alojamento, tocar. Em contra partida, Ridge toca sempre no mesmo horário e na varanda de seu quarto para observar as reações que suas músicas causam em Sydney, jovem que parece amar suas melodias e criar letras para cada uma delas. Eles não se conhecem, porém é nítido que possuem uma conexão musical. Assim, precisando de ajuda para compor suas músicas, Ridge recorre a estranha da varanda da frente, e a partir disso é que eles engatam um relacionamento musical que vai abrir portas para sentimentos conflitantes e perigosos. Inicialmente, parece natural e inocente Sydney e Ridge comporem músicas juntos, mas o problema é que eles estão começando a se apaixonar: ela que acabou de sair de um relacionamento que a machucou profundamente, e ele que está – há anos – namorando com o grande amor da sua vida. Como é que algo tão errado pode parecer tão certo?
Ao mesmo tempo em que foi fácil me conectar com essa leitura (afinal, estamos falando de uma autora que faz o leitor mergulhar de cabeça em suas histórias), confesso que foi muito difícil me entregar a ela. A Colleen desafia o leitor por escrever sobre temas tabus e controversos; ela cutuca velhas feridas e nos faz repensar muitas das nossas verdades. Amo essa qualidade na escrita da autora, mas ainda assim existem coisas que não conseguimos aceitar, e eu sou do tipo de leitora que não entende quando o amor, por mais verdadeiro e palpável que seja, nasce no meio de mentiras e traições. Sydney e Ridge possuem uma relação única. É impossível não se apaixonar por eles, pelo laço sincero e verdadeiro que os une, pela amizade e companheirismo, e pelo amor que eles tentam com todas as forças omitir. Amo como eles se entendem através de um único olhar, como eles conversam por meio de cada música que compõem, e principalmente como juntos descobrem mais sobre o que realmente almejam para o futuro. Ri, torci e chorei com o amor deles, mas como aceitar algo tão bonito nascendo enquanto Ridge namora? E não é um namoro qualquer, é um namoro para a vida inteira. Aqui não temos um velho relacionamento fadado ao fracasso e um novo amor verdadeiro, mas sim dois amores dignos, reais e donos de um mesmo coração. Como conviver com essa dualidade? Com tamanha dúvida e raiva? Odiei a autora por me colocar em uma posição em que precisava entender que nem sempre as coisas são como deveriam ser, que nem sempre uma traição é completamente injustificada, e que ás vezes o coração é capaz de amar o errado. Odiei porque não aceito isso, mas ainda assim quis torcer por Ridge e Sydney.
O romance em si é o que me faz querer odiar esse livro – todos esses sentimentos arrebentaram meu coração. Mas em contra partida, não pude evitar amar loucamente todo o resto da história: a deficiência física que ao invés de limitar inspira Ridge a construir uma vida diferente, os dilemas emocionais e o amadurecimento de Sydney, os amigos que eles fazem, a personalidade de Maggie (namorada de Ridge) e seu papel tão incrível nessa trama, e principalmente cada música que Sydney e Ridge escrevem. Amo livros com conotação musical, mas aqui não temos apenas citações de uma trilha sonora, mas sim o processo de composição e escrita de músicas que falam sobre a trama: sobre as dúvidas do casal, sobre o dilema de não poderem estar juntos, sobre o amor confuso que carregam no peito, e sobre o final que escolhem trilhar. Cada uma dessas músicas me tocou e marcou, principalmente por elas refletirem tão bem tudo o que a autora quis passar com essa história (fiz um post sobre as músicas aqui, vai lá conferir que vale muito a pena).
Acho a trama cheia de altos e baixos, de dor e superação, de surpresas e reflexões. Não é fácil aceitar a proposta da autora, mas é maravilhoso mergulhar nessa leitura e acompanhar a jornada desses protagonistas. Além disso, como digno da Colleen Hoover, a obra não trata apenas do amor, ao longo da leitura nos deparamos com vários temas reais e reflexivos – alguns dos quais eu nunca tinha visto em um livro. Fazia tempo que não sentir esse frenesi gostoso de não querer que uma leitura chegue ao fim. Então, só posso dizer que não consigo nem amar e nem deixar de amar essa história tão viva e reflexiva.
• Sobre a Série •
Talvez um Dia é um livro único. Entretanto, a autora lançou um e-book com um epílogo narrado pela Maggie (que é maravilhoso) e um romance protagonizado pelo melhor amigo de Ridge.

Veja o epílogo, algumas curiosidades e as músicas do livro aqui.

Beijos,




Participe Aqui

33 comentários:

  1. Eu adorei esse livro!
    Tão fofo!!! uns dos meu preferidos!

    ResponderExcluir
  2. Quero muito ler esse livro! Ta todo mundo falando dele! Que isso, produção? Fiquei com muita vontade mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Nunca tive a oportunidade de ler nada da Collen, mas confesso que há um bom tempo ando querendo conhecer as obras dela. Hopeless fez muito sucesso e vi muitos comentários sobre a serie, agora estou vendo que ela continua lançando sucessos. Gostei muito da resenha.

    ResponderExcluir
  4. Um dos meus livros favoritos ♥
    Estava muito ansiosa por sua resenha Pah, li este livro no ano passado e lembro que não dormi e virei a noite lendo o livro e no outro dia tinha um seminário para apresentar na faculdade... Enfim amei, sofri muitooo por Ridge, Sydney, Maggie e amei muito todos os personagens, fiquei com o coração dividido queria Ridge e Sydney juntos e ao mesmo tempo queria que Maggie não sofresse.
    Achei uma historia muito real deve ser por isso ter me tocado tanto, foi meu primeiro livro da Colleen Hoover e que me fez tornar fã desta autora. To tentando comprar o livro mas ta um pouco caro rs, amei a resenha parabéns!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Não vejo a hora de comprar esse livro! Li em inglês no kindle ano passado e eu gostei bastante. Fiquei com alguns sentimentos iguais a você, principalmente com relação a Maggie. Eu realmente amei as musicas 😍

    Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  6. Amei este livro Pah ❤️
    Fiquei mal pela Maggie, mas torci pelo Ridge e Sidney, me descabelei com a leitura 😂😂😂
    Nota 5/5
    Bjs.
    Pati

    ResponderExcluir
  7. Amei o livro Pah! Torci pelo Ridge e Sidney e fiquei triste pela Maggie, me descabelei com a leitura 😂. Nota 5/5 ❤️
    Bjs,
    Pati

    ResponderExcluir
  8. Que história mais comovente e instigante, nos deixando em dúvida quanto aos nossos sentimentos, fico feliz pelo amadurecimento da personagem feminina e por esse amor "proibido", ainda não li nada da autora, mas me apaixonei perdidamente por esse livro, beijos...

    ResponderExcluir
  9. Não importa onde eu vá sempre encontro alguém falando desse livro, e na maioria das vezes falam bem, isso acaba comigo porque sou dessas que quando gosta muito de um livro tem que comprar, e o dinheiro nem sempre está aqui quando precisamos. Me resta esperar mais um pouco rsrsr
    Beijos

    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  10. Gente, que resenha perfeita! Paola, muito obrigado por me convencer a ler Talvez um dia.
    Eu gosto bastante da escrita da Colleen Hoover, porém tinha deixado de lado minhas leituras new-adults.
    No entanto, esse conflito de sentimentos despertados em você é uma das coisas que eu busco na leitura de um livro. Logo, já está na minha lista de desejados da Amazon!

    Beijos, Iza
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Resenha maravilhosa!!
    Quero muito ler este livro *_*

    www.saidaminhalente.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Pah,
    Lá vem mais um livro da Colleen Hoover para arrebatar meu coração! Todos os livros que já li da autora conquistaram meu coração, sou bem sentimental, então sempre fico envolvida com suas histórias, e que jeito maravilhoso de escrever, que nos prende até a última página. Mas pelo que li na resenha, vou ficar bem dividida com essa história, vou ler assim que for possível para matar a curiosidade.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. O tanto que tô vendo falarem desse livro por aí, tá me fazendo querer ler ele o mais rápido possível. O fato de ter música envolvida no começo da história, me faz querer ainda mais, pois é um amor antigo já. Tá na listinha de desejos ♥

    ResponderExcluir
  14. to doida pra ler, falta $$$$$$. mas assim que der vai ser o primeiro da lista

    ResponderExcluir
  15. to doida pra ler, falta $$$$$$. mas assim que der vai ser o primeiro da lista

    ResponderExcluir
  16. Pah amei o livro, entendo essa raiva que a gente sente quando a autora coloca nos entre a cruz e a espada, não sabemos se escolhemos o que é certo ou o que parece certo, mais enfim o romance é muito gostoso de se ler.

    ResponderExcluir
  17. Oi Pah! Confesso que não sou fã da escrita da autora, porém Talvez um dia me pegou de jeito. Eu levo um bom tempo para ler algo dela, mas durante a leitura, sinto um misto de emoções como raiva, alegria, culpa, entre outros. Reconheço o talento da autora e neste livro o que me encantou foi o modo como tanto a música quanto uma deficiência física pode unir duas pessoas.

    Amei a resenha! <3
    Beijos,
    https://queremosmaislivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. O que as pessoas não entendem nesse livro, é que não houve, de fato, um triângulo amoroso. Houve um beijo, e nada mais, e isso, em minha opinião descaracteriza o triângulo amoroso. Estamos falando de um cara, que supostamente ama sua namorada- namoram há 5 anos - e de repente, se vê apaixonado por outra. Não estamos falando de atração física e desejo, apenas. Não gosto de traição, mas não foi isso que aconteceu no livro. Existiu um amor platônico entre eles, e ele era alimentado apenas pela companhia um do outro. E isso foi crescendo a medida que ele percebia que era tudo muito fácil com Sidney. Uma pessoa que namora outra por 5 anos, mas a outra nem conhece seus maiores segredos. E quando ele contou a Sidney coisas que nunca contou a ninguém, nem mesmo a namorada de longa data, percebeu que o que o unia a Maggie, seja lá o que fosse- pois até então não sabia do que o ligava a ela- não era realmente amor. Quero dizer no sentido romântico da palavra. Pois de certo que ele a amava, mas não nesse sentido. As coisas com Sidney eram fáceis, se abrir era fácil, e ele não se importa com isso, porque, nunca antes ele sentiu essa necessidade de ser conhecido, nem de ter uma pessoa que realmente se interessasse naquilo de mais importante que ele nunca contava. É difícil não sentir ciúmes da namorada, aliás nunca sentiu, mas sentia de Sidney. Foram vários os sinais, e no fim do livro, realmente soube o porque ele ainda estava com Maggie. E que bom que ela percebeu isso também, aliás, antes dele. Lealdade é uma coisa importante na vida de Ridge, e foi exatamente por isso, que quando percebeu que Sidney estava se apaixonando pediu que ela fosse embora. Porque ele também já estava, e não saberia se conseguiria ser leal a Maggie, com Sidney morando no quarto ao lado.
    Na verdade, é fácil levar um relacionamento baseado em aquilo que nunca foi. Eu mesma já fiz isso. Um relacionamento, é vc querer estar com a pessoa, mas também respeitar suas decisões, ainda que estas não parecem serem certas. E vimos que Ridge não fazia isso com Maggie. Por causa de sua condição, talvez. Mas está morto aquele que nunca viveu, e Maggie provou que ela estava bem viva, e que queria viver, por muito mais tempo, e muito mais intensamente do que suas condições lhe permitiam. Na minha opinião, corretíssima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gisele! Tudo bem?
      (Tem spoiler nesse cometário, galera!)
      E eu entendi tudo isso, de verdade. Mas não podemos dizer que não existiu traição. Ele estava em um compromisso e beijou outra pessoa, ele diz que amava ela (mesmo que não fosse amor e sim lealdade, o ponto é que ele teria ficado com a Maggie se ela não descobrisse as mensagens) mas se envolveu e se abriu para outra pessoa. Você acha que se ele se abrisse para a Maggie, se contasse sobre o seu passado, ela não entenderia? Ele não fez isso porque protegia ela, e entendo que isso não é amor, mas o que pega no meu calo é o fato de que todos os sinais estavam bem diante dele, e ainda assim ele não foi capaz de ser sincero com a Maggie e seguir o que seu coração dizia. Acho que se você embarca em uma relação, você tem que estar pronto para entender caso ela acabe. E ele sabia que tinha acabado, olha as músicas que escreveu, e não teve coragem de dar um basta. Não consigo aceitar isso, nem justificar, apesar de amar muitas outras coisas desse livro :)

      Abraços!

      Excluir
    2. Então sim, fico feliz que Maggie tenha lido, pq todo mundo merece viver e sentir um amor verdadeiro, como o quem vivo hoje.

      Excluir
  19. O que as pessoas não entendem nesse livro, é que não houve, de fato, um triângulo amoroso. Houve um beijo, e nada mais, e isso, em minha opinião descaracteriza o triângulo amoroso. Estamos falando de um cara, que supostamente ama sua namorada- namoram há 5 anos - e de repente, se vê apaixonado por outra. Não estamos falando de atração física e desejo, apenas. Não gosto de traição, mas não foi isso que aconteceu no livro. Existiu um amor platônico entre eles, e ele era alimentado apenas pela companhia um do outro. E isso foi crescendo a medida que ele percebia que era tudo muito fácil com Sidney. Uma pessoa que namora outra por 5 anos, mas a outra nem conhece seus maiores segredos. E quando ele contou a Sidney coisas que nunca contou a ninguém, nem mesmo a namorada de longa data, percebeu que o que o unia a Maggie, seja lá o que fosse- pois até então não sabia do que o ligava a ela- não era realmente amor. Quero dizer no sentido romântico da palavra. Pois de certo que ele a amava, mas não nesse sentido. As coisas com Sidney eram fáceis, se abrir era fácil, e ele não se importa com isso, porque, nunca antes ele sentiu essa necessidade de ser conhecido, nem de ter uma pessoa que realmente se interessasse naquilo de mais importante que ele nunca contava. É difícil não sentir ciúmes da namorada, aliás nunca sentiu, mas sentia de Sidney. Foram vários os sinais, e no fim do livro, realmente soube o porque ele ainda estava com Maggie. E que bom que ela percebeu isso também, aliás, antes dele. Lealdade é uma coisa importante na vida de Ridge, e foi exatamente por isso, que quando percebeu que Sidney estava se apaixonando pediu que ela fosse embora. Porque ele também já estava, e não saberia se conseguiria ser leal a Maggie, com Sidney morando no quarto ao lado.
    Na verdade, é fácil levar um relacionamento baseado em aquilo que nunca foi. Eu mesma já fiz isso. Um relacionamento, é vc querer estar com a pessoa, mas também respeitar suas decisões, ainda que estas não parecem serem certas. E vimos que Ridge não fazia isso com Maggie. Por causa de sua condição, talvez. Mas está morto aquele que nunca viveu, e Maggie provou que ela estava bem viva, e que queria viver, por muito mais tempo, e muito mais intensamente do que suas condições lhe permitiam. Na minha opinião, corretíssima.

    ResponderExcluir
  20. Sempre ouço o povo falando muito bem dos livros desta autora, e confesso que eu não conhecia nada sobre a história. Não espera que o livro fosse tão chocante abordando tema sobre triangulo amoroso, traições e mentiras. Me interessei bastante pelo livro, e imagino que eu ia ficar também nesta relação de amor e ódio.

    ResponderExcluir
  21. Oi Pah, eu realmente entendo o que disse, sobre ele não ter sido sincero. E talvez sim, se ela não descobrisse,talvez ele teria ficado mesmo com ela. Digo talvez, porque o coração é um músculo, mas parece que tem vida própria. Digo talvez, porque tbm já passei por uma situação bem parecida. Fui diagnosticada em minha adolescência com uma doença incurável e degenerativa, se não tratada. Tive sempre o apoio do meu melhor amigo, e qdo digo melhor, é porque nos conhecíamos desde criança. Algum tempo depois, viramos namorados. E as promessas eram as mesmas. Ele era, e ainda é uma pessoa maravilhosa e altruísta. Talvez até por sua profissão, pois é enfermeiro. Mas chegou um dia, que ele conheceu uma pessoa, e apesar de tbm lutar para que isso não crescesse, cresceu. Mas ele era meu amigo, meu namorado e eu estava doente.E também acabei de coração partido. Pois chegou uma hora, em que essas promessas foram perdendo a força para aquilo que ele sentia dentro do peito. O coração ganhou. E acredito, que mesmo com muita força de vontade, ele sempre acaba ganhando. Por isso que disse que é diferente de atração e desejo. Ele simplesmente se apaixonou. Mas como Ridge, não queria ficar longe, porque de alguma forma, queria cuidar de mim. Bem, isso já faz muito tempo. Minha doença é incurável, mas meu coração não. Sou casada, e tenho a certeza que é com o amor da minha vida. Ele tbm se casou, com ela, e tem filhos. Ainda somos amigos, apesar de tudo. Aliás, acho que a amizade sempre foi maior que o amor. Por isso, não consigo ficar com raiva, ou sei lá o que, porque talvez me identifique com a história. Mas como disse, ninguém controla o coração, e as vezes ele é como um adolescente, quanto mais que a gente diga não, aí que ele se revolta e quer dizer sim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gi! Obrigada por compartilhar comigo a sua história.
      Acho que por ter passado por isso, você realmente consegue entender a trama com outros olhos. Consegue ver nos protagonistas todas as emoções conflitantes que você também viveu.
      Essa parte da traição pisa no meu calo, mas sei que nem tudo é tão "certo ou errado" como nós gostaríamos, ás vezes o coração fala mais alto, e acho que quando o assunto é amor verdadeiro é assim que tem que ser. Seguir o que o coração diz, não a razão.
      Fico feliz em saber que você encontrou o amor da sua vida. É isso que desejo pra Maggie, torço demais por ela (queria que ela tivesse um livro só dela, hahaha).

      Beijos

      Excluir
  22. Adorei esse livro
    Superou minhas expectativas
    Bela resenha!!

    ResponderExcluir
  23. Adorei esse livro
    Superou minhas expectativas
    Bela resenha!!

    ResponderExcluir
  24. Adorei esse livro
    Superou minhas expectativas
    Bela resenha!!

    ResponderExcluir
  25. Oi Pah!!!
    Esse seu questionamento sobre o comportamento do Ridge eu tb fiz e ficava perdida pensando "e agora? Eu vou torcer pra isso?" Mas confesso que foi impossível não torcer por eles pq enxerguei que ali o amor existia plenamente, muito mais forte e intenso do que pela Maggie. Aliás, eu ficava mto preocupada com o rumo que a Colleen daria a ela, mas essa mulher é um absurdo e nunca me decepciona e o epílogo da Maggie é muito legal, digno dela, rsrs. Enfim, amei o livro, a playlist e a composição das músicas o tornou muito especial.

    ResponderExcluir
  26. Oi pah, nunca li um livro dessa autora mas pretendo ler algum em breve. Já que a autora trata de temas tabus muitas vezes a leitura não é tão leve. Qual livro dele você me recomendaria a ler primeiro? Beijos e adoro suas resenhas :*** Ah e como você me sinto incomodada com histórias que contenham traição, acredito que nenhuma é jusrificada, então quando o livro aborda esses temas é preciso muito cuidado pra não fazer com que a história se torne banal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju!
      Meu preferido dela é Um Caso perdido. Então acho que, se for pra começar, comece já pelo melhor! hahahaha
      Beijos

      Excluir
  27. Eu li esse livro a um tempo atrás em formato digital e eu amei esse livro, é supreendente, foge do comum e a trilha sonora é linda!

    ResponderExcluir
  28. Oi!
    Assim que vi esse livro da Colleen Hoover no lançamento fiquei bem interessada, gostei muito da historia e principalmente de temos essa combinação com a musica, mas como temos a traição no livro acho que irei me irritar ao longo da leitura com a historia !!

    ResponderExcluir