[Resenha] Uma Canção de Ninar – Sarah Dessen

Remy não acredita no amor. Sempre que um cara com quem está saindo se aproxima demais, ela se afasta, antes que fique sério ou ela se machuque. Tanta desilusão não é para menos: ela cresceu assistindo os fracassos dos relacionamentos de sua mãe, que já vai para o quinto casamento. Então como Dexter consegue fazer a garota quebrar esse padrão, se envolvendo pra valer? Ele é tudo que ela odeia: impulsivo, desajeitado e, o pior de tudo, membro de uma banda, como o pai de Remy — que abandonou a família antes do nascimento da filha, deixando para trás apenas uma música de sucesso sobre ela. Remy queria apenas viver um último namoro de verão antes de partir para a faculdade, mas parece estar começando a entender aquele sentimento irracional de que falam as canções de amor.
Jovem Adulto |320 Páginas | Cortesia Editora Seguinte| Skoob | Compare & Compre: SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 3/5
Uma das coisas mais marcantes na narrativa da Sarah Dessen é que ela sempre aborda temas tabus. Por mais leve ou superficial que suas histórias possam parecer, é certo que em todas elas encontraremos o debate de assuntos polêmicos e reais. Tanto é que em Uma Canção de Ninar, para mim um dos livros mais medianos da autora, somos incitados a refletir sobre relacionamentos fracassados e pais divorciados e ausentes. Em meio a um lar instável e conflituoso, Sarah Dessen no apresenta uma jovem que tem medo de ser como a mãe e que, exatamente por isso, abri mão de sua juventude e inocência para mergulhar em uma vida sem emoções.

Depois de ver a mãe sofrer por amor várias vezes (em uma sucessão de casamentos fracassados), Remy desistiu do amor. Filha de um músico que abandonou a família e de uma mãe que já caminha para o quinto casamento, a única maneira que a jovem encontrou para não sofrer mais foi fechar-se ao amor. Ao tomar essa decisão ela mergulhou em relacionamentos levianos, abusando da sorte e dos encontros de uma única noite, e envolvendo-se apenas com os caras errados – aqueles por quem ela sabia que nunca iria se apaixonar. Remy perdeu as contas de quantas noites bebeu demais e acordou sem saber onde estava e, principalmente, com quem esteve. Só que as coisas mudam quando Dexter aparece em sua vida. O jovem é tudo que ela tentou afastar: músico, imprevisível, divertido, companheiro e amoroso. O relacionamento deles passa de amizade para o algo mais muito rápido, e isso assusta Remy. Assim, sem saber o que esperar e como se proteger, Remy vai aprender que é impossível levar uma vida completa sem se entregar aos altos e baixos do amor.
Três pilares se destacam dentro da história: a personalidade de Remy e como ela se envolveu com pessoas erradas na intenção de evitar o amor; o relacionamento da jovem com os pais (um pai que sumiu e uma mãe que vive trocando de maridos); e como Dexter aparece para quebrar ás barreiras que Remy construiu ao redor do seu coração. Com uma escrita leve e fluída, a autora foca no romance para nos mostrar as inseguranças da protagonista. Assim, conforme a relação imprevisível entre Remy e Dexter ganha força, vamos entendendo o quanto essa personagem está quebrada e precisa de ajuda. Em outras palavras, o livro mostra como o amor pode curar e ajudar os jovens a superar os erros do passado (principalmente aqueles que foram cometidos por seus pais) e seguir em frente.
Gostei bastante de como a autora construiu a personalidade da protagonista. Sarah aborda, através da Remy, inúmeros pontos de reflexão: o perigo de beber em excesso, o vazio dos relacionamentos levianos de uma noite só, e o medo de se perder para a solidão de uma vida em excessos. Ainda assim, confesso que gostaria que a autora tivesse focado mais na personalidade autodestruitiva da protagonista, pois a partir disso teríamos aceitado mais as justificativas de suas ações. De certa forma, por conhecermos Remy de uma maneira muito superficial, fica difícil entender o peso que ela carrega nos ombros por ter feito escolhas ruins. Várias vezes a jovem diz que não merece e/ou acredita no amor, mais poucas vezes conseguimos ver os motivos por trás dessas alegações. Aqui, faltou drama e aprofundamento. E o pior que não foi apenas nesse pilar: o relacionamento de Remy com Dexter parece superficial demais, os problemas familiares foram resolvidos tão facilmente que perderam a força, e os segredos de Dexter – que parecia ter muito a oferecer com sua jornada pessoal – raramente foram citados. Em linhas gerais, senti que a trama como um todo foi pouco aprofundada. E, exatamente por esse motivo, não consegui me conectar com ela.
A leitura é rápida e fofa (por conta do romance), mas em quesito de drama deixou a desejar. Como um todo, é o tipo de história que agrada os fãs de obras mais leves e decepciona aqueles que esperam maiores reflexões. Mas, por estarmos falando de uma ótima autora, vale a pena dar uma chance e descobrir se vão amar ou não essa história.



Beijos,




Participe Aqui

19 comentários:

  1. Oi Pah tenho que confessar que nunca li nada da autora :(
    Eu sei rs já passou da hora, que pena que esse faltou um pouco do drama esperado, mas enfim quero sim ler algo da autora. Beijos

    Aline - Divagando Palavras

    ResponderExcluir
  2. Oi Paola, faz tempo que venho lendo umas resenhas sobre esse livro, e a cada leitura me convenço mais que vou adorar o livro.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  3. Oi,Pah.
    Uma frustração que tenho tido atualmente é a falta de profundidade dessa autora e esse parece um romance que eu vou me frustrar nesse ponto, apesar da minha curiosidade com a autora.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos,
    Ana.
    www.umlivroenadamais.com

    ResponderExcluir
  4. eu acabei de ler esse livro, faz dois dias, mas foi um dos livros mais demorados pra mim esse ano. A leitura simplesmente não fluiu, gostei da Remy até mas a história como um todo não me encantou.

    Blog Entre Ver e Viver

    ResponderExcluir
  5. Paola, que delícia de resenha!
    Também sou fã de livros com grandes reflexões, mas acho que uma leitura mais suave vale a pena pra diferenciar de vez em quando.
    Nunca tinha visto a sinopse desse livro, mas essa capa sempre me chamou atenção...
    Fiquei curiosa!
    Beijos,
    Carol | Fantasma Literário
    http://ofantasmaliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi, Pah
    Eu amei esse livro!
    Acho que o fato da mãe da Remy ter casado tantas vezes e a decepção dela com o pai já foram motivos para eu entender as escolhas erradas da protagonista. Mas de fato, também concordo que poderia ter sido mais aprofundado do que foi. E acho que gostei mais do livro do que você, pelo fato de ser meu primeiro contato com a autora, acho que você já deve estar mais acostumada com o desenvolvimento das obras dela, né rs
    Gostei de ver sua visão da história.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Li apenas um livro da autora, O Que Aconteceu Com o Adeus, e me apaixonei pela escrita dela, mas por incrível que pareça já não tenho mais muitas expectativas em relação a Uma Canção de Ninar, estou vendo algumas opiniões não muito positivas por ai e isso me deixou com um pé atrás.
    Confesso que gostaria de ler o livro sim, mas num futuro -um pouco distante-.
    Não achei interessante a capa também, uma pena.
    Tenho outros livros dela que gostaria de ler mais :)

    ResponderExcluir
  8. Tem tempo que estou querendo ler este livro, gostei do tema abordado, muito real, pais divorciados, relacionamentos conturbados... é o que estamos vivenciando hoje em dia, muito bom ler para para refletir.
    ronida_sindi@hotmail.com

    ResponderExcluir
  9. Li apenas um livro da autora, O Que Aconteceu Com o Adeus, e me apaixonei pela escrita dela, mas por incrível que pareça não criei muitas expectativas em relação a Uma Canção de Ninar, estou vendo algumas opiniões não muito positivas por ai e isso me deixou com um pé atrás.
    Confesso que gostaria de ler o livro sim, mas num futuro -um pouco distante-.
    Tenho outros livros dela que gostaria de ler mais :)
    Gostei da resenha.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  10. Pah!
    Uma pena o relacionamento não ter sido tão aprofundado. Já estava gostando da ideia de não ser um romance instantâneo, como geralmente acontece nesse estilo, tinha sido algo construído aos poucos...
    “É melhor saber coisas inúteis do que não saber nada.” (Sêneca)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de NOVEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  11. Oi Pah, realmente esse é aquele típico romance que no final a gente cai apaixonada.
    Adoro essas histórias de pessoas contra o amor e tudo mais, e no final acham uma pessoa que as fazem mudar de ideia.
    Além desse livro tratar também de relacionamentos e todas as suas implicações.
    Gostei bastante da dica, beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi Paola! Adorei a resenha!
    Eu ainda não li nenhum livro desta autora, mas estou ficando curiosa para conhecer as obras dela. Gostei da premissa deste livro, mas fiquei um pouco receosa em começar a conhecer o trabalho da autora por ele. Eu gosto de livros que me fazem refletir, mas que não deixam de ser leves. Por isso, apesar de não saber se esta será a minha primeira leitura da autora, vou adicionar esse livro nas minhas metas de leitura ;)
    Bjos!

    ResponderExcluir
  13. Eu amo livros de drama. Apesar de gostar de livros leves, acredito que também sentiria falta de um aprofundamento maior em algumas partes da história, por saber sobre a dificuldade da Remy em ter um relacionamento sério.

    ResponderExcluir
  14. Oi, Pah!
    Me apaixonei pela capa do livro e acho muito legal quando as autoras envolvem tabus do nosso cotidiano em suas histórias. Nunca li nenhum que explanasse sobre o assunto de drama familiar.
    A história de Remy deve ser mesmo muito interessante e emocionante, mas é bem ruim mesmo o fato da autora não ter conseguido prender tanto com o drama na história, que eu acho que era ou deveria ser o foco principal do livro.
    Eu leria, com certeza e já anotei a dica!

    ResponderExcluir
  15. Nunca li nada da Sarah, mas tenho muita vontade, pois já vi muita gente falando super bem dela.

    ResponderExcluir
  16. Oi Pah,
    Já li Os Bons Segredos, estava ansiosa para conhecer a escrita tão elogiada da Sarah, terminei o livro com sentimentos contraditórios, uma leitura que me agradou mas não me cativou tanto assim. Gosto de livros reflexivos e tocantes, que tem como foco no crescimento dos protagonistas, mas tudo indica que nesse livro a autora não soube desenvolver muito bem a personagem. Que pena que faltou drama e aprofundamento na história, que ficou tudo muito superficial, tinha bastante potencial para ser uma história emocionante e cheia de lições.
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Li Os bons segredos e gostei tanto que agora todo livro lançado da autora, me interessa bastante.
    Uma canção para ninar parece ser uma ótima leitura. Gostei do que você falou sobre a personalidade da protagonista, talvez me incomode um pouco, mas se tiver sido bem desenvolvido acredito que não será problema.
    Será uma das minhas próximas leituras.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Concordo contigo, não gosto de livros que apresentam personagens com grandes problemas/segredos e depois banalizam tudo, resolvendo de forma rápida e sem drama (seria ótimo se na vida real fosse assim, mas na literatura eu prefiro, pelo menos, um pouco de sofrimento antes do final feliz). Por esse motivo não me interessei por esse livro, mas não conheço essa autora, quem sabe um outro título...

    ResponderExcluir
  19. Com certeza vale a pena dar uma chance. Pelo que vi também sente o mesmo,a falta de aprofundamento em porque Remy fez escolhas tão erradas é agustiante, pois, se os pais fizeram tanta besteira, ela não precisava passar os mesmo. Claro que é muito fofo que sempre o amor salva tudo, mesmo de forma superficial.

    ResponderExcluir