dezembro 09, 2016

[Resenha] Suzy e as águas-vivas – Ali Benjamin

Às vezes, quando nos sentimos mais solitários, o mundo decide se abrir de formas mágicas. Suzy Swanson está quase certa do real motivo da morte de Franny Jackson. Todos dizem que não há como ter certeza, que algumas coisas simplesmente acontecem. Mas Suzy sabe que deve haver uma explicação — uma explicação científica — para que Franny tenha se afogado. Assombrada pela perda de sua ex-melhor amiga — e pelo momento final e terrível entre elas —, Suzy se refugia no mundo silencioso de sua imaginação. Convencida de que a morte de Franny foi causada pela ferroada de uma água-viva, ela cria um plano para provar a verdade, mesmo que isso signifique viajar ao outro lado do mundo… sozinha. Enquanto se prepara, Suzy descobre coisas surpreendentes sobre o universo — e encontra amor e esperança bem mais perto do que ela imaginava. Este romance dolorosamente sensível explora o momento crucial na vida de cada um de nós, quando percebemos pela primeira vez que nem todas as histórias têm final feliz… mas que novas aventuras estão esperando para florescer, às vezes bem à nossa frente.

Juvenil |223 Páginas
| Cortesia
Editora Verus| Skoob |
Compare
& Compre:
SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 5/5
Não é a primeira vez que digo isso, mas amo livros narrados por crianças.
Na maioria das vezes, histórias com personagens infantis carregam uma narrativa
simples e direta que incita no leitor grandes reflexões. E o fato é que gosto
de tramas que me fazem enxergar o mundo de uma maneira diferente e que, graças
ao olhar aguçado e sincero de uma criança, questionam meus valores e modificam
minhas prioridades. Desde o início soube que me apaixonaria pela história de
Suzy. Ao falar de luto, amizade, bullying, separação e amadurecimento (mais
especificamente naquela fase complicada em que saímos da infância e entramos na
adolescência),
Ali Benjamin conquistou meu coração e me fez mergulhar de cabeça nos dilemas dessa
garotinha tão intensa e verdadeira. Amei o livro do início ao fim, mas amei
ainda mais Suzy e tudo o que ela representou para mim: um pedacinho da minha
própria infância.

Suzy decidiu parar de falar. Desde que sua melhor amiga (ou melhor, sua
ex-melhor amiga) morreu, a garotinha percebeu que não gosta de falar bobagens
apenas para preencher o silencio. Assim, sem nada de importante para dizer,
Suzy mantem a boca fechada enquanto tenta desvendar os mistérios por trás da
morte de Franny. Para Suzy, que conhecia muito bem a antiga amiga, é impossível
aceitar que ela morreu afogada – até porque Franny era uma ótima nadadora. Na
intenção de desvendar os mistérios dessa morte inaceitável, Suzy mergulha em
muitas pesquisas científicas até chegar na melhor opção: sua amiga não se
afogou, ela foi picada por uma água-viva mortal! Agora a função de Suzy é provar
para todos que coisas assim não acontecem
e que essa morte é mais do que aparenta ser.
Suzy é completamente encantadora. No ápice dos seus onze anos, a
garotinha vive aquele momento confuso em que meninas começam a reparar em
meninos e passam a priorizar a aparência ao invés das antigas brincadeiras. Só
que Suzy ainda não chegou nessa fase. Ela continua a mesma, com seu cabelo
armado, suas roupas largas, sua vontade de conhecer tudo ao seu redor, e sua
mania – agora esquecida – de falar sem para sobre assuntos incomuns (como o
fato do xixi ser estéreo, por exemplo). Ela é a menina que sofre bullying por
ser diferente, que é constantemente julgada e excluída, mas que ainda assim não
deixa que a opinião alheia determine quem ela é. Tudo que Suzy precisa para se
manter forte é o amor dos pais, do irmão mais velho e de sua melhor amiga. Só
que agora, com a morte de Franny (quando elas ainda estavam brigadas) e a
recente separação dos pais, Suzy está completamente sozinha. Confusa, magoada e
sem entender muito bem o processo de luto, nossa protagonista volta todas suas
energias para as águas-vivas, se esforçando o máximo para encontrar nesses
seres ricos e complexos uma explicação lógica para tudo de errado que aconteceu
em sua vida. Assim, acompanhamos a jovem em um doloroso processo de superação e
descobertas, e isso enquanto descobrimos mais sobre seus medos e os motivos
dela e Franny terem brigado.
Amei Suzy com todas as minhas forças. Sua narrativa é cativante, sua
forma de ver o mundo é inspiradora, sua ânsia de conhecimento é surpreendente,
e suas aventuras são extremamente emocionantes e reflexivas. Ao lado de Suzy,
aprendemos sobre aceitação, amizades verdadeiras, luto, amor fraternal e
recomeços. Em muitos momentos queria ser capaz de entrar no livro e abraçar
essa garotinha, de confortar ela pela morte da amiga, por sua solidão e até mesmo
pela separação dos pais. Mas em outros momentos, quem me confortou foi Suzy,
com sua força, coragem e vontade de recomeçar. Achei também que, além de criar
uma personagem tão maravilhosa, a autora surpreendeu por unir a história de
Suzy com a das águas-vivas. Esse aspecto, científico e exato, dá ao livro um ar
de magia e sentimentalismo.
É através das águas-vivas
que Suzy, que decidiu nunca mais falar, conta para os leitores os maiores medos
que carrega em seu coração.

O que você e eu entendemos, Jamie, é que ter veneno não torna uma
criatura má. Veneno é uma forma de proteção. Quanto mais frágil o animal, mais
ele precisa se proteger. Portanto, quanto mais veneno uma criatura tiver, mais
devemos ser capazes de perdoá-la. Elas são as que mais precisam do veneno.

A obra é rápida de ler, inusitada em sua estrutura de narrativa,
cativante graças à personalidade de Suzy, e cheia de reflexões sobre temas
reais e atuais. Simplesmente amei o livro. E, exatamente por isso, indico de
olhos fechados para qualquer leitor: jovens e adultos, pais e filhos, vilões e
heróis.
Beijos,


Participe Aqui

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

15 Comentários

  • suzana cariri
    01 janeiro, 2017

    Oi!
    Também acho interessante os livros narrados por crianças, eles dão um toque especial as historia e quero muito ler esse livro, gostei muito que o autor fale sobre o luto e principalmente pela visão de uma criança, esse parece ser um livro bem emocionante e achei a suzy uma fofo !!

  • Taís Queres
    21 dezembro, 2016

    Oi Pah!
    Que livro interessante, já li livros narrados por crianças e tenho a dizer que é especial. O olhar e a perspectiva, os diálogos, tudo é diferente, de um jeitinho bom.
    Gostei da sua resenha, me deu vontade de ler porém, tenho outros livros na fila haha mas vou deixar anotado!

    Beijos!

  • Patricia Ferreira
    20 dezembro, 2016

    Quero muito esse livro.
    Já sei que vou chorar muito, a história por si só já emociona ainda mais contada pela perspectiva de uma criança. Já está na minha meta de leitura apesar do choro certo quero saber como vai ser a jornada de Suzy e se a teoria a respeito da morte da melhor/ex-amiga.

  • Lara Cardoso
    19 dezembro, 2016

    Gostei muita da sua resenha. Já vi comentários sobre esse livro, mas não me despertou interesse. Por tudo que você comentou, parece um bom livro, apesar de alguns pontos, mas não sei se um dia irei ler, já que minha lista de leituras está sempre imensa!
    Ótima resenha. Obrigada. Beijos.

  • Márcia Saltão
    13 dezembro, 2016

    Oi, Paola!
    Apesar de não ser um estilo de leitura que eu goste, se tiver oportunidade, darei uma chance ao livro.
    Gostei muito da sua resenha, sempre bem elaborada.
    Obrigada. Beijos.

  • Eduarda Rozemberg
    13 dezembro, 2016

    Sou como você, também amo livros narrado por crianças, principalmente porque acho o desenvolvimento criado pelos autores muito interessante. A história desse parece ser muito emocionante e adoraria saber um pouco mais sobre Suzy após a morte da amiga e sua não vontade de falar.
    um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/
    Participe dos SORTEIOS de Natal que estão rolando lá no blog!

  • Priscila Tavares
    12 dezembro, 2016

    Oi Paola, desde que soube do lançamento, fiquei encantada com a premissa do livro, sem contar que gostei muito da escolha do título, bem diferente né. Histórias assim, sempre que finalizadas, me deixa com a sensação de que acrescentei algo para minha vida sabe.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

  • sara
    12 dezembro, 2016

    que encantador *uuuu* que doçura de história!
    sério, nem sei o que comentar. também tenho essa sensação de que irei amar a história. li tua resenha morrendo de vontade de já estar com os livros aqui nas mãos. livros narrados por crianças é amr mesmo <333
    obrigada pela dica, moça. irei comprar, ler sim!!!

  • Bruna Lago
    12 dezembro, 2016

    Oi Pau, a gente percebe mesmo que você gosta dessa histórias que são narradas por crianças. Eu ainda tenho um pé atrás, raramente leio algo assim, mas vejo muitas resenhas suas e vejo que você fica encantada.
    Verdade que todos estao apaixonados pela Suzy e sua determinação. Nunca li, mas percebo pelas resenhas que a menina é doce, boa e bem intrigante. Acredito que no final a historia seja repleta de ensinamentos e reflexões!

  • Nicolas Bernardo Matos
    12 dezembro, 2016

    Que história linda, parece falar tão bem das tantas explosões de sensações novas da infância pra adolescência e ainda que mexe com luto e perda, espero conseguir ler.

  • Leticia Golz
    11 dezembro, 2016

    Oi, Pah
    É a primeira resenha que leio desse livro e já me encantei.
    Parece ser uma história linda de superação, com todos esses conflitos internos que envolvem a Suzy. E fiquei curiosa para ler como a autora misturou com a história das águas-vivas.
    Adorei suas impressões e gostaria muito de ler a obra.

  • Katharine Emídio
    11 dezembro, 2016

    Paah, amei a resenha! Esse livro já está na minha lista, mas agora fiquei mais interessada em ler!! Li "Extraordinário" e me emocionei demais, quando é narrado pela criança me toca muito mais!! Super beijoo

  • Anna Mendes
    10 dezembro, 2016

    Oi Paola! Ótima resenha!
    Já fiquei encantada pela sinopse deste livro e a sua resenha só colaborou para aumentar a minha curiosidade pela leitura dessa obra. Também gosto de livros narrados por crianças, justamente por serem narrativas simples, diretas, mas que trazem muitas reflexões. Adorei a premissa do livro e parece ser uma leitura muito cativante e envolvente. Com certeza vou apostar na leitura! 🙂
    Bjos!

  • RUDYNALVA
    09 dezembro, 2016

    Pah!
    Amo também livros narrados pelas crianças e quando são inteligentes como Susy, fica uma leitura mais aproveitável ainda…
    Imagino as dúvidas que passam pela cabecinha dela ao perder a amiga e ter de passar pelo momento do luto e indo em busca de um sentido 'concreto' para a morte da amiga.
    “Desejo a você e a sua família um Natal de Luz! Abençoado e repleto de alegrias. Boas Festas!”
    (Priscilla Rodighiero)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

  • Theresa Cavalcanti
    09 dezembro, 2016

    O livro parece ser bom, não faz muito meu estilo de leitura, mas quero dar uma chance.