[Resenha] A Ditadura da Beleza e a Revolução das Mulheres – Augusto Cury

Com mais de 2 milhões de livros vendidos no Brasil, Augusto Cury retrata neste romance o cotidiano de mulheres que sofrem caladas as consequências de uma cruel realidade do mundo moderno: a ditadura da beleza. Apoiando-se em sua vasta experiência como psiquiatra e pesquisador, Cury dá um grito de alerta contra essa forma de opressão que vem deixando mulheres, adolescentes e até crianças tristes, frustradas e doentes. Influenciadas pela mídia e preocupadas em corresponder aos inatingíveis padrões de beleza que são apresentados, milhares de mulheres mutilam sua autoestima - e, muitas vezes, seus corpos - em busca da aceitação social e do desejo de se tornarem iguais às modelos que brilham nas passarelas, na TV e nas capas de revistas. Ao tratar de um tema tão atual, este livro faz com que o leitor se identifique imediatamente com os personagens e sua luta por uma vida mais plena, em que cada pessoa se sinta livre para ser o que é, sem se envergonhar de sua aparência e sem se comparar a ninguém
208 Páginas | Editora Sextante | Skoob | Compare: SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 4/5 | Resenha da Kamila Mendes 

Sempre tive um pé atrás com os livros do Augusto Cury. Nada contra o autor, mas toda vez que tentava ler um livro dele ficava presa logo no início e perdia o interesse. Contudo, confesso que com esse livro minha experiência foi completamente diferente. Até porque, apesar de fazer parte do gênero autoajuda (como a maior parte dos livros de Cury), a obra também se encaixa no gênero romance. E não aquele tipo de romance entre casais, mas sim um muito mais importante: o amor próprio.


A história está ambientada na sociedade em que vivemos que exalta a beleza incomum e magérrima das modelos de passarela e atrizes de Hollywood. Apesar de ter momentos impossíveis e até mesmo clichês, como a plateia inteira de uma conferência começar a se abraçar do nada, o livro aborda com veracidade a situação crítica em que se encontram as mulheres, adolescentes, crianças e homens da nossa geração.
O livro narra à trajetória de uma jovem modelo, admirada por sua beleza e invejada por seu corpo “perfeito”, mas que se achava feia e tinha a urgente necessidade de modificar seu corpo em busca do Padrão Inatingível de Beleza (PIB). A auto rejeição levou a jovem a uma tentativa de suicídio. E, após sua recuperação, ela foi obrigada a frequentar o consultório do psiquiatra Marco Polo, um jovem amante da mente humana que abre os olhos da modelo para a verdadeira beleza: a interior que transborda para o exterior. O encontro com Marco Polo é tão impactante que, além de mudar sua visão de mundo, seus princípios e relacionamentos, também a faz criar um movimento que pretende mudar o mundo e mostrar às mulheres a beleza em ser normal. Desta forma a protagonista, ao lado de sua mãe, provoca uma revolução que valoriza o ser humano como um todo e, exatamente por isso, acaba enfrentando o pior de seus inimigos: o sistema capitalista (os empresários, a indústria da beleza e da moda, e até seus amigos mais íntimos).
É fato que a busca pelo PIB (Padrão Inatingível de Beleza) tem adoecido bilhões de pessoas a redor do mundo. Portanto, a obra aborda os perigos da auto rejeição e suas consequências na vida das pessoas que buscam seguir o padrão imposto pela sociedade: cirurgias plásticas desnecessárias, mudança de aparência drástica, isolamento, bulimia, anorexia e suicídio. Que fique claro que o autor não é contra a cirurgia plástica, ele apenas questiona a motivação por trás da decisão de modificar alguma parte do corpo.
A obra é uma ode á beleza da mulher comum. Uma das frases repetidas constantemente é: cada mulher possui uma beleza própria, que a torna única. E eu gostei muito disso, pois a história leva á reflexão: de fatos nos amamos e nos achamos bonitas (os) ou vivemos em busca de um padrão de beleza opressor que alimenta a indústria da moda, dos cosméticos e da publicidade? De fato fiz uma autoanálise. Enquanto lia, passei a perceber a forma como me enxergo e como estou muito perto do comportamento autodestrutivo que caracteriza as pessoas que buscam esse padrão de beleza.
É um livro questionador, que leva o leitor à reflexão sobre como somos manipulados pela mídia. Nosso cérebro armazena todas aquelas imagens de mulheres perfeitas, magras e cheias de curvas, exibidas em revistas, novelas, filmes e propagandas. Então, quando olhamos no espelho, não vemos nossos pontos positivos. Vemos apenas as gordurinhas extras, o nariz que não é afilado, a boca que poderia ser mais carnuda e, mentalmente, vamos nos automutilando até rejeitarmos por completo nosso próprio corpo. Os homens também sofrem ao serem expostos a esse tipo de agressão psicológica: as propagandas mostram jovens bonitos, bem sucedidos, musculosos. Por consequência, aumenta a cada dia o número de meninos e jovens que sofrem com bulimia e anorexia em busca desse padrão “bem sucedido de beleza”.
Dei quatro estrelas por causa dos momentos “impossíveis” que falei no início. Mas super recomendo como uma leitura essencial para revolucionar nos padrões pré-concebidos de beleza. De fato é um livro que ensina muito e que fala sobre temais importantes e extremamente atuais.

Beijos,




Participe Aqui

14 comentários:

  1. Oi, Kamila
    O autor sempre escreve obras reflexivas e questionadoras. Já li um livro dele e, embora não tenha caído de amores pelo autor, gostei bastante. Confesso que esse não conhecia.
    Adorei o tema que ele trabalhou nesse livro. Nunca tanto quanto hoje as mulheres tem buscado pelo padrão de beleza perfeita. E é verdade mesmo, a mídia até faz a gente ser um pouco assim. Senhor!
    Adorei a ideia do livro, tenho certeza que é uma ótima dica. Leria sim!

    ResponderExcluir
  2. Kamila!
    Os livros do autor sempre impulsionam a reflexões, seja de auto ajuda ou não. O mais importante que acho é repensarmos mesmo sobre os padrões impostos pela sociedade e a 'doença' de tentarmos nos enquadrar ou não dentre desse padrão.
    Confesso que sempre fui gorda e nem por isso deixei de me amar. Agora dentro do peso 'normal' para minha altura, vejo outro tipo de preconceito: está doente? O que houve para emagrecer tanto? Enfim, estamos sempre expostos aos comentários maldosos...
    Temos é que ser felizes!
    “Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida.” (Sandra Carey)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mundo é sempre cheio de comentários maldosos e pessoas que gostam de botar os outros pra baixo!! Mas devemos passar por cima disso e nos aceitar sem levar em consideração essas maldades!! Espero que nada do que te falem por maldade te atinja e vc seja mt feliz!!

      Excluir
  3. Oi Kamila! Adorei a resenha!
    Eu sou viciada nos livros do Augusto Cury hehe. Antes, eu tinha um preconceito literário com os livros de auto-ajuda. Mas depois que li um de seus livros, fiquei encantada com a forma como o autor fala de assuntos sérios e importantes através de uma linguagem fácil e simples. Além disso, as diversas reflexões presentes em suas obras são um ponto muito forte, pois adoro livros que, independentemente do gênero, me fazem refletir e questionar as minhas atitudes.
    Ainda não li esse livro dele, mas já vou colocá-lo nas minhas metas de leitura, pois gostei da premissa.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  4. O Augusto Cury tem um sensibilidade humana além da de psicólogo que ele transmiti para seus livros e toca vidas. Amo tudo o que ele escreve.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Kamila!!
    Conheço umas obras do autor, mas dessa não tinha visto ainda.
    Parece ser uma história muito linda, fiquei bem interessada no livro.
    Amei a resenha!!

    ResponderExcluir
  6. Adorei o livro, justamente por falar de assunto tão importante que mulher de maneira muuuuuito forte na sociedade hoje, a ditadura da beleza. Apesar de não ler muito livro do gênero autoajuda, acho importante a existência deles. Acho que pelo menos uma vez na vida, vimos algum livro com nome que achei "putz, já passei" ou "estou passando por isso". Fiquei feliz em sabe que você trouxe uma resenha diferente para gente hoje, é sempre bom varia na leitura, e como disse não costumo ler esse gênero, mas acho super necessário

    ResponderExcluir
  7. Oi Kamila.
    Até entendo sua relutância com os livros do autor, eu também me sinto assim, nada contra o Augusto Cury, mas porém seus livros nunca me chamaram a atenção e os que tentei ler abandonei.
    Porém tenho que dizer que esse livro já me conquistou de primeira, li uma frase que tenho que concordar cada mulher tem sua beleza própria, e não precisamos da sociedade falando como devemos nos vestir e qual é o corpo ideal, eu irei ler com certeza.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Só li um livro do Augusto Cury e ainda não conhecia esse, achei bem legal o assunto abordado, até porque é uma coisa que está em alta e que precisa ser discutida, para muitas mulheres como nós, a busca pela beleza inalcançável é uma luta diária e considerada por muitas, normal, afinal, quem sai do padrão, é a feia e quem gosta de ser tachada como feia? Temos que aprender a nos amarmos como somos e por quem somos, sem precisar de mídia ou sociedade nos dizendo como devemos parecer e como devemos agir.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Nunca li nada dele, mas fiquei bem interessada com a temática desse livro, talvez eu dê uma chance.

    ResponderExcluir
  10. Olá, Já vi muitos livros deles porém nunca li...sempre achei interessante os titulos dos livros deles, a capa e tal..mas não sou tão fã de ler livros de auto ajudar mas deve ser bem interessante o sistema dele aborda palavras pensativas que te faz reflexiona!

    ResponderExcluir
  11. Boa Noite, Kamila! Confesso que não sou muito fã de livros de auto ajuda, mas abro uma exceção para os livros de Augusto Cury, pois ele sempre aborda temas interessantes, inclusive, esse livro que você leu, é um tema muito bom, forte e bem presente na vida das pessoas atualmente.
    E falando desse livro, vale ressaltar que não são só as mulheres que estão sofrendo para atingir um padrão elevado de beleza; os homens e as crianças estão entrando nessa onda e isso vem prejudicando o seu desenvolvimento pessoal e profissional. É bom forcarmos que, mais importante que a beleza externa, é a beleza interna e essa tem que prevalecer para sempre em nossas vidas.

    ResponderExcluir
  12. Kamila, gostei bastante da sua resenha! Não sou muito fã dos livros de Augusto Cury(já tentei,mas auto ajuda não me atrai), mas pode ser que esse me leve a modificar meu pensamento! Super Beijo

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pela resenha. Ainda nao li nenhum livro do autor, mais o tema e o assunto abordado no livro é super importante ainda mais no dias atuais.

    ResponderExcluir