[Resenha] Outros jeitos de usar a boca - Rupi Kaur

Outros jeitos de usar a boca é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta, artista plástica e performer canadense nascida na Índia – e que também assina as ilustrações presentes neste volume –, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.
Poemas | 208 Páginas|  Editora Planeta| Skoob | Compare & Compre: SaraivaSubmarinoAmazon| Classificação 5/5
Não é segredo o quanto amo narrativas reais e reflexivas. Mesmo que os temas abordados sejam dolorosos ou que a história pareça cruel, amo a sensação de vivenciar as emoções descritas nas páginas de um livro. Portanto, não é surpresa nenhuma o fato de eu ter amado a intensidade por trás da narrativa de Outros Jeitos de Usar a Boca. Lê-lo foi como mergulhar de cabeça nas dores, medos e inseguranças que afligem qualquer ser humano. Os temas abordados não são belos e leves mas, ainda assim, é bonito ver como a autora transforma dores e lembranças ruins em algo bonito e sincero. Resumindo: Estou irremediavelmente apaixonada.

Para quem não sabe a Rupi Kaur ficou famosa ao compartilhar seus poemas nas redes sociais. Ao falar de temas reais que afligem toda a população – principalmente a feminina – a autora ganhou milhares de fãs e, exatamente por isso, resolveu publicar um livro. A ideia da obra era reunir seus poemas e compartilhar, através deles, importantes mensagens sobre preconceito, feminismo, abuso, amor e solidão. Mas uma coisa legal é que os temas dos poemas, que inicialmente vinham exclusivamente do dia a dia da Rupi, mudaram. Em determinado momento a autora passou a receber relatos de seus leitores e, a partir disso, começou a falar de assuntos ainda mais tabus – fatos que ela foi capaz de vivenciar através das histórias compartilhadas por seus seguidores. Ou seja, seus poemas são um tapa na cara da sociedade porque falam de experiências reais, da menina que foi hostilizada pelo namorado, da mulher traída pelo marido, da garotinha maltratada pelos pais, do namorado abandonado, e da sobrinha estuprada pelo tio. Além disso, vale dizer também que o texto (ou um deles) que impulsionou a carreira da autora aborda os estigmas da menstruação, algo que achei surreal de verídico (principalmente quando levamos em conta o quanto somos incitados a não falar publicamente sobre nosso período menstrual, como se isso fosse uma vergonha). Indico esse post para quem quer ver a tradução desse poema específico.
“Nós menstruamos e eles veem como sujeira. como forma de chamar a atenção. doente. um fardo. como se esse processo fosse menos natural que respirar. como se não houvesse uma ponte entre este universo e o anterior. como se esse processo não fosse amor. trabalho. vida. altruísta e impressionantemente belo.”
Entendendo um pouco mais sobre a autora, vamos para o livro. A obra é dividida em quatro partes: a dor, o amor, a ruptura e a cura. Nesses blocos a autora reúne poemas (e ilustrações também, viu?) de um mesmo tema e descreve histórias de luto, perda, estupro, repressão, tesão, amor, traição, término, perdão e recomeço. É a vida real diante dos nossos olhos, a vida de uma forma meio cruel e sexual em alguns pontos, mas ainda assim é a vida e suas nuances.
O primeiro bloco acabou comigo. Chorei, muito, principalmente nos poemas com teor familiar (me vi em alguns relatos sobre a dificuldade da filha em falar com o pai). No segundo bloco fiquei impressionada, amei como a autora falou do amor sem omitir o desejo, o toque, os beijos... Nesse tópico é importante dizer que, apesar do conteúdo sexual, Rupi Kaur usa as palavras com cuidado, trabalhando com duplos sentidos e sem a necessidade de ser obscena. No terceiro tópico, sobre a ruptura, fiquei incomodada. Ler sobre términos, mentiras, dores, traições, tentativas e erros nunca é fácil. E por último fiquei aliviada. A sensação é que, não importa a merda que a vida jogue em você, a cura está no final do caminho a sua espera, pronta para reavivar seu coração.
“fique firme enquanto dói
faça flores com a dor
você me ajudou
a fazer flores com a minha
então floresça de um jeito lindo perigoso
escandaloso floresça suave
do jeito que você preferir
apenas floresça.”

Esse é o tipo de livro que lemos rápidos, já que são poucas páginas e todas com poemas, mas que ainda assim precisamos ler com calma. Cada página é uma bomba de emoções e sentidos, principalmente quando o leitor se identifica com a história narrada, então é importante ler a obra de coração aberto para todas as emoções – mesmo as tristes e dolorosas – que ela carrega. Acho importante também falarmos sobre a mensagem que a autora traz. Aqui ela nos mostra um pouquinho do dia a dia feminino, da opressão por trás do nosso corpo e das nossas escolhas. Por isso, ele é tido como um livro feminista. E, para mim, Outros Jeitos de Usar a Boca mostra muito bem o que é ser uma verdadeira feminista, provando que o movimento não é esse ato monstruoso que a mídia quer que acreditemos, mas apenas o ideal de esperar que o mundo nos valorize do jeitinho que somos: menstruadas ou não, depiladas ou não, mães ou não, donas de casa ou não, e assim por diante.
Sei que a resenha traz o enfoque no público feminino – e acho que senti isso porque a autora é mulher, porque eu sou mulher e porque fui, constantemente, marcada pelas emoções descritas aqui. Mas esse é o tipo de obra que pode e deve ser lida por qualquer pessoa. E que, se você abrir o coração, poderá te trazer a confiante sensação de vitória: vitória sobre o medo, a dor, o trauma, a depressão. – Porque se no final tudo acaba em cura, quem somos nós para perdermos a esperança?
Simplesmente leiam, vale muito a pena.
Beijos,



Participe Aqui

13 comentários:

  1. Ultimamente, as leituras estão sendo maravilhas ne Pah? Cinco pontos :)
    Não sou muito de ler poema, mas os temas desse livro deixa a gente na perspectiva de ler e conhecer o que o autor traz.
    Que ideia legal a de trazer seus poemas soltos para um livro, realmente não são temas fofos e bonitinhos, mas de uma dureza e realidade que não podemos fugir. Imagino que mereça mesmo a nota máxima! Abraços

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Pah! Que resenha mais incrível!
    Esse livro tem sido tão elogiado, até entrou para a lista de mais vendidos, você viu?
    Adoro leituras assim, por mais que sejam dolorosas, e acho que é principalmente por isso. Imagino o quanto as palavras da autora deve tocar o leitor, deu para sentir na sua avaliação.
    Estou ainda mais curiosa para ler o livro.

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus Pah, acho q essa foi uma das suas resenhas mais profundas e q eu mais gostei, deu p ver o quão conectada vc estava com esse livro, e já vi q vou amar, nunca tinha ouvido falar nele, mas já vi q já irei colocar na minha lista de favoritos sem ao menos ler...
    "Porque se no final tudo acaba em cura" assim eu espero, pq de dor eu entendo e foi isso q me fez ter interesse em ler o livro, parabéns para a autora e a vc Pah, pela resenha, tenho ctz de q irei ficar bem conectada com os pemas.

    ResponderExcluir
  4. Oi Pah!
    Eu to ansiosa pra ler esse livro. Adoro poemas, porque eles são carregados de realidade e ironia. Adoro isso. Não sabia que a autora tinha feito sucesso com as publicações na internet. Achei muito legal o livro ser baseado nas histórias que mandaram pra ela. Isso acaba tornando a coisa mais real.
    Adoro estudar sobre o movimento feminista e sei muito bem que esse movimento não é só pras mulheres. Gostei que ela inseriu temas recorrentes com as mulheres e isso aguçou ainda mais minha vontade.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Amei sua resenha Pah!!! Não é meu gênero preferido de leitura, mas sua resenha me incentivou a ler!!! Pretendo ler em breve!!!

    ResponderExcluir
  6. Eu acho tão importante debater os temas que a Rupi Kaur aborda, mas acho tão triste ler sobre isso... Estou tão acostumada a ligar a leitura ao prazer!!
    No entanto, a sua resenha teve o poder de me deixar com vontade de conhecer o livro!
    =)
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Eu não sabia o que esperar deste livro. Foi bom ter visto sua resenha para que eu me abra a oportunidade de lê-lo. Não imaginava que se tratava de algo tão profundo. O título me remetia a mais um livro de conteúdo erótico. Mas acho que foi a forma que a autora usou para chamar atenção dos assuntos. Parece que o livro grita para ser lido. Muito interessante!

    ResponderExcluir
  8. Concordo com você,Pah! Todos deveri ler,sejam homens ou mulheres,é até bom alguns homens lerem,porque ainda vemos o quanto o maxismo predomina em muitos lugares do mundo,o quanto ainda existem homens que repreendem as mulheres e não sabem um terço do quanto sofremos ou temos que passar para conseguirmos nosso lugar numa sociedade marcada pela opressão e desigualdade.
    Tema interessante, que num primeiro momento achei que fosse um livro de romance bem sensual,mas que depois da leitura da sua resenha,percebi que é um ensinamento promissor que precisa ser levado a sério,para mudarmos um pouco a visão do mundo em.que vivemos, passando a conscientizar a todos, que as mulheres, apesar de ainda serem reprimidas e ganharem menos que os homens, fazem coisas iguais a eles e muitas vezes, fazem muito mais do que eles (sem querer desrespeitar a classe masculina, porque tudo tem sua excessão, nem todos os homens tratam as mulheres de forma rude). Belo livro, prentendo lê-lo sim.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Desde quando eu vi a jout jout falando sobre esse livro fique toda doida pra ler, agora mais ainda. Que resenha linda ♥
    Quero adquirir o meu o quanto antes!

    ResponderExcluir
  10. Estou muito ansiosa para ler esse livro! Já encomendei online :)

    ResponderExcluir
  11. Oi Pah,
    Estava aguardando essa resenha ♡, pois desde que vi você falando bem desse livro em um vídeo eu fiquei intrigada para saber do que se tratavam esses poemas.
    Também amo demais livros que trazem narrativas reflexivas e reais, mesmo que alguns dos temas inseridos sejam dolorosamente cruéis. Adoro uma narrativa nua e crua.
    Tudo indica que esses poemas irão mexer muito comigo. São tocantes, inspiradores e extremamente reflexivos ao abordar experiências reais do cotidiano feminino. Adorei a proposta dos poemas, traz uma mensagem e tanto.
    Estou ansiosa para ler esse livro, uma vez que quero muito começar a ler poemas, que até então é um estilo que não tenho o costume de ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Pah!
    Euzinha amo livros de poesias e ando bem feliz por ver que estão voltado ao mercado, porque passaram um tempo sem serem editados.
    Adorei um livro com poemas voltados exclusivamente para o mundo feminino e achei maravilhoso que os temas foram divididos e podemos apreciar cada uma das poesias, lindo mesmo!
    “Educar é semear com sabedoria e colher com paciência.” (Augusto Cury)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Apesar da ótima resenha, não sei se eu leria. :/ Contudo, valeu a pena conhecer um pouquinho da história pelo seu ponto de vista, Pah.

    Um abraço! <3

    ResponderExcluir