novembro 22, 2018

[Resenha] O Selo de Bartholomeu – Fabrício Freitas

Após anos se sentindo um completo estranho, Anthony pensa que poderá deixar o passado para trás ao ir para a faculdade. Tudo parece perfeito até que, durante um acampamento, ele e seus amigos presenciam a queda de um meteorito. Agora em posse de um colar feito de rocha estelar, Anthony passa a ter sonhos cada vez mais realistas com um mundo fantástico e sombrio, dominado por um Imperador que usou ciência para conquistar um reino antes repleto de magia. Neste mundo ameaçado, a magia está se esvaindo desde que os Titãs foram aprisionados nos céus por um feitiço que utilizou o sangue da fênix, a criatura mais poderosa do universo. Agora, com a ajuda de um grupo de aliados improváveis, Anthony tem a missão de romper os selos da fênix e descobrir quem ele realmente é.


Fantasia  Editora PenDragon • 286  Páginas • Classificação: 4/5
Skoob | Compre: Amazon • Editora

Você já teve algum sonho tão real que ao abrir os olhos pela manhã, mesmo que por um segundo, pensou que estivesse em uma nova realidade? 
Sonhos confusos e inexplicáveis aterrorizam as noites de Anthony. Toda vez que o jovem fecha os olhos é transportado para um mundo novo onde tudo é diferente e, ainda assim, mais parecido com a realidade do que sua própria vida. As noites mal dormidas deixam Tom confuso, mas nada supera a sensação de acordar com um corte na pele ou com as roupas sujas de terra por causa de coisas que aconteceram em seus sonhos, e não na vida real. Contudo, tamanha confusão é deixada de lado quando a vida real cobra seu preço: Anthony precisa deixar a família para trás e começar a faculdade. Porém, o que parece o desejo da maioria dos jovens da idade de Anthony é algo que desanima o rapaz. De certa maneira ele sente que não está vivendo, por isso, quando seus sonhos noturnos começam a virar realidade, Tom passa a imaginar se a vida real não seria de fato aquela que ele vive enquanto dorme. 


“Quando Tom finalmente abriu os olhos, ele sentiu como se estivesse recuperando o fôlego após um afogamento. Ele sentiu o ar entrando em seus pulmões e notou que estava no chão, coberto por seu lençol e sentindo uma dor horrível em todo o seu corpo.”


O Selo de Bartholomeu é uma fantasia que poderia ser dividida em três partes: primeiro com os sonhos de Anthony e algumas tragédias familiares que maculam seus dias; depois quando ele percebe que algo estranho e sobrenatural está acontecendo com sua mente; e, por fim, quando o jovem mergulha em um sonho fantástico e mal consegue acordar para a vida real. Cada um dos pilares é pontuado por sentimentos diferentes. 
Nos primeiros capítulos conhecemos um garoto que carrega nos ombros um peso monstruoso – e, confesso, isso me surpreendeu completamente; não estava preparada para conhecer um jovem tão emocionalmente frustrado ou desanimado. Existe algo em Anthony que deixa o leitor confuso, uma certa dor em suas palavras, talvez. É algo que só faz sentido no final do livro e que, ainda assim, torna essa fantasia muito mais madura do que o esperado. Por isso, a primeira parte da leitura gira em torno do dia a dia de Tom e dos conflitos internos que o rapaz está vivendo. 
Já nos pontos seguintes da trama – por sinal, os que eu mais gostei – acompanhamos Tom fazendo novos amigos e mergulhando em um mundo de mitologia rica e complexa. Gostei de como o autor usou Titãs, Medusas, Gigantes e outros seres místicos durante a jornada do protagonista. Mas, mais que isso, gostei de como ele criou um mundo novo e só dele. Além disso, a emoção e a diversidade social não ficam de lado. Temos amizade, traição, romance e uma união improvável de pessoas e seres místicos – todos em busca de um mundo melhor, justo e que respeite o próximo. 
Inicialmente levei um tempo para me envolver com os personagens. Foi um choque mergulhar na mente de Anthony – realmente não estava preparada para um personagem tão maduro e complexo, cheio de dilemas e dores. Mas, quando ficou mais claro os motivos por trás das dores de Tom, consegui engrenar na leitura e aproveitar seus encontros e desencontros. Gostei da mitologia, dos amigos que Tom faz ao longo de sua jornada e, principalmente, de como no final todas as pontas soltas se conectam – mesmo que, para um final completamente feliz, o leitor precise de uma continuação. 
No final das contas, o livro gira em torno de uma mensagem muito importante: encontrar seu lugar no mundo. E, exatamente por isso, ainda tem muita coisa para contar. Então, segundo o autor, podemos nos preparar para – no mínimo – uma trilogia.
Ficou curioso? Então vem conhecer mais sobre o trabalho do autor:

 Sorteio

Que tal concorrer a esse livro lindo? Para participar basta:

• Possuir endereço de entrega no Brasil;
• Comentar nessa resenha (Só serão aceitos comentários relacionados com o conteúdo da postagem);
• Preencher o seguinte formulário:


Prontinho, agora você já está participando! A promoção fica no ar até o dia 10 de Dezembro e o ganhador será divulgado na terça-feira, dia 11. Lembrando que o mesmo tem até 48 horas para responder o contato de solicitação de endereço, se não, realizaremos um novo sorteio. Além disso, vale salientar que o envio do prêmio pode demorar até 40 dias.



Beijos 

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

14 Comentários

  • Fabrício Freitas
    30 novembro, 2018

    Olá Bruno Mendes, fico muito feliz que tenha gostado do enredo e esteja interessado no desfecho… Fantasia sempre foi minha paixão! Fui inspirado por Harry Potter, Crônicas de Nárnia e Senhor dos Anéis. Outros livros que me inspiram são do brasileiro Eduardo Spohr, A Batalha do Apocalipse, recomendo bastante para quem gosta de literatura nacional e fantasia com mitologia…

    Se quiser conhecer mais sobre minha história, basta entrar em contato pelo Facebook. Estou sempre disposto a falar com amantes da literatura =D

    Abraços.

  • Unknown
    29 novembro, 2018

    Adoro histórias que misturam a fantasia com a realidade, as aventuras vividas neste tipo de narrativa são incríveis e essa capa está linda.

  • Jane Mello
    29 novembro, 2018

    Aí que lindo … Ameiii ��

  • Amanda Martins
    28 novembro, 2018

    Já fiquei com vontade de ler pela capa, imagina pela resenha a vontade só aumenta, e quem não gosta de boa mitologia.

  • Amanda Martins
    28 novembro, 2018

    Se com capa ja vontade de ler, imagina essa com essa resenha, a vontade só aumenta quem não gosta de livros que envolve uma mitologia.

    • Fabrício Freitas
      30 novembro, 2018

      Olá Amanda Martins, essa capa é linda não é mesmo? A responsável por essa arte é a Artista e Designer/Capista Mariana Teixeira. Ela produziu diversas capas para a Editora que me publicou e tive a sorte de meu livro ser ilustrado por ela =D

      Você pode entrar em contato comigo pelo facebook, estou sempre disponível para falar com amantes de literatura =D

      Abraços!!!

  • katerinne.furtado@gmail.com
    28 novembro, 2018

    Amei como vc descreveu a proposta do livro,deixar vc bem mais curiosa, amo livro de fantasia❤️��

  • katerinne.furtado@gmail.com
    28 novembro, 2018

    Amei a resenha deixar vc bem vuriicu com a proposta do livro ❤️ amo fantasia principalmente qdo te leva para outro mundo!a sensação de viajar e marilhosa! vc descreveu tão bem a proposta do autor! ❤️

  • Susan
    28 novembro, 2018

    Gostei da resenha. Me lembrou sonhos de Avalon. Fiquei interessada a ler.

  • Susan
    28 novembro, 2018

    Gostei da resenha. Me lembrou sonhos de Avalon. Fiquei interessada a ler!!

  • Lia Gomes
    28 novembro, 2018

    Adorei a mistura da fantasia com as angústias do personagem. Já estou louca para ler

    • Fabrício Freitas
      30 novembro, 2018

      Olá Lia Gomes, fiquei muito feliz que tenha gostado do enredo da história.
      Se quiser conhecer mais, basta me procurar no facebook e seguir a página do livro. Estou sempre disposto a falar sobre a história, literatura e tudo mais o/o/

      Abraços =D

  • Anna Mendes
    24 novembro, 2018

    Oi Paola!
    Amei a resenha!! <3
    Que linda a capa desse livro! Faz tempo que eu não leio uma fantasia com esse tipo de mitologia e com esses seres místicos que você comentou.
    Também gostei de saber que, apesar de ser uma fantasia, o protagonista tem um amadurecimento durante a história. Gosto de encontrar isso nos livros que leio.
    Fiquei bem curiosa para fazer a leitura! 🙂
    Bjos!

    • Paola Aleksandra
      26 novembro, 2018

      Também gosto de personagens assim, mais maduros. Foi uma surpresa incrível!

      Beijos,

      Pah