[Resenha] Amante Libertada – J.R.Ward

Payne, irmã gêmea do guerreiro Vishous, é finalmente libertada de sua mãe (a Virgem Escriba) e se revelará uma lutadora por natureza, descobrindo sua verdadeira essência. Ao sofrer uma lesão que a paralisa, o cirurgião Manny Manello é chamado para curá-la. Embora nunca tenha acreditado em vampiros, ele será logo sugado para o secreto e perigoso mundo da Irmandade dos vampiros-assassinos e seduzido por esta misteriosa mulher que precisa salvar. À medida que Payne e Manny descobrem que têm mais do que uma ligação erótica, eles precisam enfrentar o choque entre os mundos e uma dívida de séculos atrás que será cobrada de Payne e colocará tanto seu amor como sua vida em perigo. Uma paixão arrebatadora que promete ser quente... Essa ligação erótica entre os dois universos poderá se concretizar? 
Romance Sobrenatural Adulto || 556 Páginas || Cortesia Universo dos Livros || Skoob || Compare& Compre || Classificação: 5/5
 ‘Amante Libertada’ é o nono livro da série Irmandade da Adaga Negra, que para quem não sabe, narra a história de um grupo de vampiros responsável por defender a sociedade (tanto a deles, quanto a nossa) das garras de seus inimigos, os redutores. Repleto de ação, suspense, desejo e muito romance, J. R. Ward criou um universo fantástico conectado ao nosso mundo, apresentando o lado obscuro e sobrenatural das ruas de Caldwell, em Nova York. É fato que a cada novo livro a autora conquista uma nova parcela de fãs, porém me arrisco a dizer que o romance supracitado é definitivamente o divisor de águas; graças a esse livro a trama adquire um novo rumo, levando a guerra e o inimigo a adquirem uma nova face. (Veja a resenha do primeiro volume da série AQUI).
Como característico da saga cada obra tem como centro a história de amor de um casal específico, entretanto a autora gosta de mesclar núcleos paralelos à trama, interligando totalmente a vida desses Irmãos. Desta forma, no livro em questão, a ênfase da narrativa está na vida de Payne, primeira personagem do sexo feminino a estrelar o papel principal nas obras da Ward, contudo lemos também sobre os conflitos que afligem Vishous (Irmão que acaba roubando a cena no decorrer da história), sobre o surgimento de um ‘novo’ Quinn (o que me fez ansiar por um livro só dele), um inusitado e necessário relacionamento dos vampiros com o teimoso, rabugento e pra lá de envolvente humano Manny, e, o principal, uma mudança brusca no núcleo dos vilões; Clã de redutores é pouco, agora a questão é política, uma guerra fria inteligente e perigosa, que usa a vingança como meio para o alcance de poder.
“... Durante a vida inteira perguntara-se por que nunca havia se apaixonado e agora havia a resposta. Estava esperando aquele momento, aquela mulher, aquela hora. Esta mulher é minha, pensou. E mesmo sabendo que aquilo não fazia sentido algum, a convicção era tão forte que não conseguia questionar.” 

Quem leu os outros livros da série sabe que a aparição de Payne foi, no mínimo, inesperada. Depois de passar um longo período de tempo presa por ninguém mais, ninguém menos do que sua querida mãe, a jovem vampira finalmente quebra tal ligação de domínio, e tão logo começa a desfrutar de sua liberdade, acaba paralisada em uma maca hospitalar. Assim, no decorrer da narrativa ela precisa encontrar uma forma de lidar com tudo isso: o acidente; os costumes sociais diferentes; a complexa vida com os Irmãos; os segredos familiares que não foram totalmente esquecidos; e claro, o fato de que o único médico capaz de ajuda-la é um macho humano pelo qual ela se sente inexplicavelmente atraída.  Nesse meio termo a presença de Manny, o médico em questão, é incrivelmente reconfortante, não só para a sua paciente Payne, mas também para o leitor que ansiava por revê-lo. - Você acompanha a série? Então tem que concordar comigo que a autora deixou muitos pontos soltos com relação ao médico no quinto livro da saga, contudo vale se animar, pois muitos desses questionamentos são finalmente respondidos, de forma que várias surpresas nos aguardam.
Minha relação com o livro foi de puro amor (- Sim nada de paixão avassaladora como nos outros volumes da trama, dessa vez foi apenas amor...). Amei o casal principal e a maneira como eles estabelecem uma forte ligação, mas amei ainda mais os mistérios que os unem. Sem mencionar no papel fundamental de Vishous na trama, demorou mas ele enfim me ganhou. Confesso que não era a maior fã do vampiro, só que isso mudou quando ele assumiu e confrontou seus medos, contando com a ajuda do Butch (LINDO!) para deixar suas máscaras caírem, revelando tudo o que guarda em seu coração, e exatamente por isso, achei que o livro é muito mais sobre ele do que propriamente sobre a Payne, fato que não é de todo ruim. Outro ponto positivo é o núcleo de vilões, a autora tomou um novo rumo para a história, dando dimensões inimagináveis para trama, de forma que agora a guerra conta com três lados conflitantes: Os Irmãos, os redutores e um grupo ameaçador que tente a colocar tudo em jogo.
Com relação a escrita da autora existe uma ambiguidade na maneira como ela anda apresentando os fatos. De certa forma ela deixou a série imensa, imensurável, repleta de sub tramas e pontos soltos, e isso tem um lado positivo e outro negativo. O bom é que garante a originalidade da saga, suas infinitas e imprevisíveis idas e vindas, e seus inúmeros segredos que enlaçam completamente os leitores, contudo, faltam detalhes e respostas. Queremos mais, muito mais, e esperar livros para que alguns fatos sejam explicados não é legal, e não pelo motivo de que tal fator deixa a escrita inconstante, mas sim porque isso acaba com os fãs, deixando-nos ávidos por mais segredos, por mais mistérios e muito mais detalhamento do passado e do presente desses Irmãos. - Dona Ward você definitivamente acaba com o coração de seus leitores, e mesmo assim nós te amamos; isso é que é talento nato para a escrita.
No geral estou bem curiosa para ler os próximos romances, e na espera ansiosa para que o 11º livro da série seja logo lançado por aqui! E se me perguntarem se eu indico a saga, OH SIM, mil vezes sim!
Quotes:
Quando o tira foi até o armário para tirar o roupão e se vestir, V. olhou para a shellan do macho. ─ Está tudo bem, Vishous – ela disse. – Vai ficar tudo bem. ─ Não ansiava por isso. – Mas precisava fazer antes que se tornasse um perigo letal para si mesmo e para os outros. ─ Eu sei. E eu também te amo. ─ És uma bênção sem medida – pronunciou no Antigo Idioma. E, então, fez uma reverência para ela e se afastou.”
Capas pelo Mundo:

   

 

Obs.: Parei de reclamar das capas nacionais depois de ver algumas das imagens utilizadas por aí, estou de boca aberta com a falta de noção de algumas dessas capas (risos).


12 comentários:

  1. nunca li nenhum livro da autora, e caramba! quantos livros esta serie tem? Oo
    já ouvi falar muito bem da escrita dela, e quero lê-los para conhecer...
    é, as vezes a gente reclama das capas brasileiras mas tem umas bem piores mesmo :P

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela resenha Pah! Já li a série Irmandade da Adaga Negra e curti bastante. Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Ameeei a resenha. Parabéns!!!

    Beijo,
    www.estanteseletiva.com

    ResponderExcluir
  4. Não sou muito fã da série, tentei ler, mas acabei me perdendo, fiquei confusa com todos os termos que eles usam e acabei abandonando a leitura. Acho que não estava no clima de romances sobrenaturais intensos, cheios de tramas e mistérios.

    Leio muitas resenhas positivas, mas estou procurando enredos leves e divertidos no momento.

    BEIJOSS

    ResponderExcluir
  5. Oie Pah!!! Eu adoro mistérios, mas nunca li nem um livro dessa série e to vendo que to perdendo né!!!
    Deve ser muito bom, assim que der vou começar a ler ^^
    Beijos flor

    ResponderExcluir
  6. Oii Pah!
    Ward DIVA!
    Eu adoro IAN é uma das minhas séries sobrenaturais favoritas, mas eu ainda não li esse livro. Ele está faz um tempinho na minha estante me esperando. Mas acontece que eu parei no 7º livro, e estou enrolando para ler o 8º porque eu não gosto do John, e também porque a Ward me decepcionou um pouquinho em “Amante Vingado”.
    Mas esse livro parece ser ótimo, quando eu o comprei, eu dei uma olhadinha e vi o quanto o livro é bom! Principalmente porque, como você disse, o Vishous recebe um destaque especial. Eu adoro o V, o livro dele é um dos meus favoritos (depois do Z e do Wrath).
    E estou muito curiosa para saber como o Manny vai entrar no mundo dos vampiros. \o/

    Adorei a resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Vixe, eu tô bem atrasada nas leituras de IAN, mas tô super por dentro da história incrível da Payne e do Manny. Amei sua resenha, como fã assumida de IAN, tá super aprovada, rsrs.
    Bjoks!

    Janne
    baguncinhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Pessoal...estou lendo Amante Meu, com muito menos embalo, de como li os outros, mas quero terminar logo com a série, sou leitora compulsiva de IAN. Bom sou fão demais da Ward e como... a série me pegou de jeito e estou apaixonada por Z. e e incrivelmente por Rehv. sério gostei dele... mas John ta sendo um pouco chato e cansativo ler...mas to tentando.... Muito bom sua resenha, to quase chegando no de Payne e ansiosa. Bjokas pra todas...

    ResponderExcluir
  9. Bom não sei realmente o que dizer sobre o livro,pois eu comprei um livro e acabei ganhando o Amante Libertada,então vocês podem imaginar como a minha cabeça ficou perdidinha,confesso que não estava gostando e nem entendo o livro,porque a cada capítulo tinha a impressão de que ela contava uma história,mas depois que li a sua Resenha comecei a entender a história e claro como sempre fico mais encantada com os personagens mais rebeldes,então meu amor vai para o Vishous.

    ResponderExcluir
  10. Pah, eu fiquei curiosa. Quais são os medos de Vishous? Rsrs.
    Também fiquei um pouco decepcionada ao pensar que Vishous tem mais destaque que o casal principal, mesmo assim queria muito ler.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jeh! Segredo, haha E olha que é um baita segredo, mas algo bom, de certa forma.

      Beijos

      Excluir
  11. Estou super curiosa com esse novo rumo que a J.R. Ward esta dando para a saga da irmandade. No começo achei chato as partes desse novo grupo do Xcor mas no final eu fiquei surpreendida :O Adorei essa relação protetora do V. com a Payne, achei tão fofo. e no fim fiquei com uma enorme vontade de andar a cavalo.
    Ansiossima pra ler a história do Tohr.

    ResponderExcluir