setembro 10, 2013

[Resenha] Todo Dia – David Levithan

Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a
outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não
importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo
corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu
a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma
manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir
desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais,
lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar
tudo em nome do amor.

Jovem Adulto || 280 Páginas
||
Cortesia Galera Record || Skoob || Compare
& Compre
||
Classificação: 4,5/5
Todo dia uma
vida nova, mas dia após dia uma única certeza, a de ficar perto dela… ‘A’, nosso protagonista, não se lembra de ter uma vida diferente da que
leva: A cada novo dia ele se torna hospedeiro de um corpo aleatório – seja rico
ou pobre, garoto ou garota – todos os dias ele saqueia, sem ter controle sobre o
como, quando ou o quem, vinte quatro
horas da vida de um desconhecido. Nesses dezesseis anos de vida, vivendo cada
dia de forma única, ‘A’ aprendeu a passar despercebido na vida das pessoas, ocupando
seus corpos mas nunca influenciando suas escolhas e rotinas, contudo em meio a
tantas dúvidas, medos e incertezas, ele finalmente se encontra ao ver-se refletido
nos olhos fortes e amorosos de uma garota; uma garota de muda tudo, que o faz
sentir, lutar, questionar, e torcer a
cada dia (
independente da casca que habite) que ele possa ficar com ela, só
com ela. Se antes ele deixava-se guiar pelo corpo que habitava, agora ela é o
guia, a motivação e o foco de suas ações, independente de quais sejam as consequências.
Mas de fato, não é isso que o amor faz: permitir-nos esquecer do impossível?
Queria que o amor conquistasse
tudo. Mas o amor não conquista tudo. Ele não pode fazer nada sozinho. Ele
depende de nós para conquistar em seu nome.

David Levithan teve uma sacada genial ao desenvolver
esse livro. Imagine os diversos adolescentes espalhados pelo mundo, cada um
vivendo sua vida de forma particular, enfrentando seus próprios demônios e
medos, lidando com casos sérios de depressão, problemas com drogas, desavenças
familiares, doenças incuráveis… São tantas perspectivas, tantos olhares
diferentes para um mesmo mundo, tantas dores e traumas, não é mesmo? Agora
imagine tudo isso em um único livro, idealize um jovem, um ser dotado de uma
habilidade inexplicável, que diariamente aterrissa de paraquedas em uma dessas
vidas, vidas que não são suas, mas que o fazem sentir a vontade incompreensível
de querer se suicidar para acabar com a dor, ou a ânsia de querer enxergar e/ou
andar e não poder, ou ainda a vontade de amar e ser amado pelo que é, não pelo que aparenta ser. Como
sobreviver a tantas lições de vida?
O grande ponto do livro é definitivamente as
diferentes perspectivas que ele apresenta, as vidas distintas dos jovens habitados pelo ‘A’, e a maneira que cada
um deles suporta sua própria carga de problemas. É tão forte vê-los lidando com
seus medos, ao passo que chega a ser angustiante compartilhar algumas dessas
experiências. Nesse ponto o livro em questão me lembrou do romance juvenil Will & Will, também do Levithan,
pois em ambos os casos o autor faz uso de uma linguagem jovem para falar com e para o jovem. São problemas e
inseguranças tipicamente adolescentes, mas são lições de moral (que em nenhum
momento parecem que foram escritas com a intenção de dar uma lição no leitor) que
aproveitamos em todas as idades. Todos nós temos problemas de relacionamento, todos
nós temos medos, inseguranças e momentos de solidão e angustia, mas quantos de
nós temos força para seguir vivendo, para partilhar nossos medos e
principalmente, para viver cada dia como se ele fosse único?
Além das reflexões o livro também tem um belo
romance. Todas as mudanças que ocorrem na vida de ‘A’ são causadas por esse
sentimento, que tem a mania de transformar
tudo e todos ao seu redor: é por causa do amor que ele cria coragem para lutar
pelo que quer, é por meio do amor que ele cria esperanças de ter uma vida
diferente, e é por amor que ele abre seu coração. Nesse momento o autor mostra
um pouco mais a respeito do que é o ‘A’, colocando no papel sua teoria sobre a existência
incomum do personagem principal, o que a meu ver, foi o único ponto negativo do
livro; as explicações foram vagas e superficiais e o final, momento em que
esperamos por mais esclarecimentos, passou como um borrão de dúvidas e
questionamentos sem respostas. Eu sei que uma ideia tão grandiosa como essa é difícil
de explicar ou justificar, porém eu esperava um pouco mais do desfecho da
trama. Contudo, tal ponto não diminuiu meu encanto com as palavras presentes
nesse livro.
Com Todo Dia
eu ri, torci e aprendi a dar valor pelas graças que tenho em minha vida. Se
você quer um romance jovem adulto que foge do convencional, este livro é, sem
dúvida, para você.  
Quando você experimenta algo
grandioso, o momento persiste em toda a parte para a qual você olha, e quer
ocupar todas as palavras que você diz.
Para
ler ao som de…

Para quem leu e gostou de…
Trecho (s) Marcante
(s):
O momento em que você se apaixona parece carregar séculos, gerações atrás
de si (…). Em seu coração, em seus ossos, por mais bobo que saiba que é, você
sente que tudo levou a isso, que todas as flechas secretas estavam apontando
para este lugar, que o universo e o próprio tempo construíram isso muito tempo
atrás, e agora você acaba de perceber que chegou ao local onde sempre deveria
ter estado.
Sempre haverá mais perguntas.
Toda resposta leva a mais perguntas. O único meio de sobreviver é abrindo mão
de algumas.
Vivi toda minha vida desse jeito, mas você é a única coisa que me faz
desejar não ser mais assim.
Outras Capas + aqui
 

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

12 Comentários

  • Mayara R. da Cruz
    Mayara R. da Cruz
    18 setembro, 2013

    Este livro parece ser bem emocionante e do tipo que faz a gente pensar na vida e dar valor a ela.
    A capa ficou linda, a Galera Record sempre arrasa.
    Eu adorei sua resenha Pah, me fez ter mais vontade de ler e espero poder conferir em breve. o/

    Beijos sua linda. ;*

  • Karina B.
    16 setembro, 2013

    Oii Pah!
    Já li tanta crítica positiva desse livro que eu simplesmente necessito dele o mais rápido possível! haha
    A história parece ser tão emocionante e inovadora. Cada vez que leio sobre ele, fico mais curiosa =)
    E a capa é muito linda *.*

    Adorei a resenha!
    Beijos!

  • Lucas Gilmar
    12 setembro, 2013

    nossa esse livro e muito bom meche com a pessoa total
    livro-azul.blogspot.com.br

  • Ludmila Campos
    11 setembro, 2013

    Eu amo essa capa e adorei a premissa do livro. Acompanho ele mesmo antes de lançar no Brasil e quando já estava prestes a comprar, vi que seria lançado no Brasil.
    Ótima resenha! Mal posso esperar para ler!

  • Poliana Araújo
    11 setembro, 2013

    Oi Pah, eu gostei muito desse livro, é uma história totalmente diferente das outras.
    Desculpa não aparecer muito, mas saiba, que seu blog é um dos que mais gosto, te indiquei em uma Tag lá no blog, sem falar que mencionei você no vídeo, espero que goste, bjs*-*
    Poliana Araújo
    Território das Garotas
    http://territoriodascompradorasdelivro.blogspot.com/2013/09/tag-do-marcador.html

  • Rayme
    11 setembro, 2013

    já vi muita resenha boa dele e até fico curiosa, mas acho ele meio confuso…
    achei esses quotes ótimos, e consegui pegar um pouco do que o livro transmite…
    é, não gosto desta capa, preferiria a azulzinha 😛

  • Amanda T.
    11 setembro, 2013

    Hey flor!

    Que coincidência, nunca tinha ouvido falar do livro, e aí hoje me aparecem duas resehas. E ambas elogiando, não vejo a hora de ler, me parece muito original. Sem contar que fiquei intrigada com A e como deve ser isso de ser várias pessoas.

    Um beijo
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

  • Universo dos Leitores
    11 setembro, 2013

    Nossa Paola, a mensagem do livro parece ser fantástica! A capa não dá a impressão da história, eu imaginava um romance leve e sem muitas reviravoltas, rs…

    Adorei a resenha!

    Abraços, Isabela.
    http://www.universodosleitores.com

  • Mariana Medeiros Miguel
    11 setembro, 2013

    O que eu achei interessante é o fato dele se chamar só A.
    Eu não tinha lido nenhuma resenha, julguei só pela capa e imaginei algo completamente nada a ver com a história.
    triplobooks.blogspot.com.br

  • Jessinha Cruz
    10 setembro, 2013

    Fiquei muito interessada. É um romance fofo como eu gosto mas algo novo, algo invulgar e original. Procurei, mas acho que não chegou a Portugal ainda
    http://www.fofocas-literarias.blogspot.pt

  • Fernanda Oliveira
    10 setembro, 2013

    Essa foi uma das resenhas que eu li , e que eu mais amei <3 pelo simples fato deu conseguir sentir o que a Pah sentiu ao ler o livro 🙂

  • Natália Keli
    10 setembro, 2013

    Oi Pah,
    Apesar desse livro apresentar uma temática bastante diferente, porque nunca vi nada parecido, não sinto muita vontade de lê-lo, quem sabe um dia, né?!Porque se te fez ri e reletir ao mesmo tempo deve ser uma leitura muito válida.

    Ah, respondi uma tag no meu blog e indiquei você para respondê-la também, pode ser no canal, porque seus vídeos são sempre ótimos.
    Beijos

    http://allmylifeinbooks.blogspot.com.br/