[Resenha] Simon vs. a agenda Homo Sapiens – Becky Albertalli

Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da escola, descobre uma troca de e-mails entre Simon e um garoto misterioso que se identifica como Blue e que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte. Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo cairá na boca de todos. Pior: sua relação com Blue poderá chegar ao fim, antes mesmo de começar. Agora, o adolescente avesso a mudanças precisará encontrar uma forma de sair de sua zona de conforto e dar uma chance à felicidade ao lado do menino mais confuso e encantador que ele já conheceu. Uma história que trata com naturalidade e bom humor de questões delicadas, explorando a difícil tarefa que é amadurecer e as mudanças e os dilemas pelos quais todos nós, adolescentes ou não, precisamos enfrentar para nos encontrarmos.
Jovem Adulto| 272 Páginas | Cortesia Editora Intrínseca | Skoob | Compare & Compre: SaraivaSubmarinoAmazon | Classificação: 5/5
Que livro mais fofo! Simon vs. a agenda Homo Sapiens foi uma grata surpresa. Depois de uma onda de leituras medianas – com as quais não consegui me envolver completamente – eis um livro que me encantou do início ao fim e que, ao contrário do esperado, trouxe leveza para o meu dia a dia. Por abordar um tema tão tabu quanto a homossexualidade, confesso que imaginei que a narrativa da autora Beck Albertalli seria profundamente densa e emocionante. Entretanto, por mais que a história faça o leitor refletir e o incite a quebrar paradigmas, em nenhum momento a obra torna-se excessivamente dramática. E talvez esse seja seu grande diferencial: o fato de falar sobre a homossexualidade e o preconceito (seja ele de gêneros ou até mesmo racial) com veracidade e, principalmente, naturalidade. Fazia tempo que não me deparava com uma história jovem, divertida, envolvente e ao mesmo tempo reflexiva.
Simon está no ensino médio e precisa sair do armário. Faz um tempo que ele descobriu que é gay, entretanto não sabe como assumir o fato perante sua família e amigos. O problema de Simon não é o medo de não ser aceito, muito pelo contrário (afinal ele sabe que seus pais e amigos sempre vão amá-lo), mas sim ter que se assumir publicamente – o jovem não entende porque precisa anunciar sua orientação sexual enquanto homens e mulheres héteros não precisam. Mas o ponto central da história é que, entre tantas dúvidas e inseguranças, Simon vai fazer um amigo virtual que mudará sua vida. Depois de ler uma publicação anônima sobre homossexualidade no tumblr da escola, Simon resolve se comunicar com o escritor secreto, conversando com ele sobre o que não fala com mais ninguém: o fato de ser gay e todas as implicações que esse título, muitas vezes usado de forma pejorativa, pode gerar na vida de um jovem. O laço entre os dois vai crescendo aos poucos, passando de amizade para algo cada vez mais envolvente e apaixonante. O único problema é que eles não se sentem seguros para marcar um encontro cara a cara, ainda mais agora que Simon está sendo chantageado na escola por alguém que viu seus e-mails com Blue, seu amigo secreto. Ou seja, entre sair do armário, ter um possível namorado virtual, ter que enfrentar o mundo e os valentões do colégio, e ter que lidar com suas inseguranças, podemos dizer que a vida de Simon está uma bela confusão. Mas isso só significa que é ainda mais incrível acompanhar esse jovem lutando por suas convicções e sonhos.

Simplesmente amei a escrita da autora Beck Albertalli. A forma como ela conduz a história torna muito fácil gostar do Simon e da sua maneira de ver o mundo. Além disso, o fato da narrativa intercalar a descrição do dia a dia do protagonista com as trocas de e-mail entre ele e o Blue nos aproxima ainda mais desses dois jovens e de seus dilemas. Também adorei que a trama não foca exclusivamente na homossexualidade. Claro que a orientação sexual dos protagonistas faz parte da essência da história, porém o que surpreende é que além disso a autora aborda assuntos como o preconceito racial, as expectativas sociais, e os dilemas que qualquer jovem adulto enfrenta. Então o ponto é que a trama não é sobre ser gay ou não, mas sim sobre ser jovem e precisar fazer inúmeras escolhas: sair do armário ou não, manter uma amizade ou não, ser sincero com os pais ou não, beber ou não, se apaixonar ou não, praticar bullying ou não... Uma coisa que não gosto é estereótipos, então talvez seja por isso que tenha gostado tanto dessa história, porque ela é leve, juvenil, repleta de clichês e pontos de reflexão e, principalmente, de zero extremismo quando o assunto é sexualidade e juventude. Amei a forma tão sútil e verdadeira que a autora usou para abordar temas reais e complexos.
Além da narrativa incrível e da personalidade cativante do Simon, também amei: o fato da autora descrever vários tipos de laços familiares; os melhores amigos do Simon e como a amizade entre eles é constantemente testada e modificada; as músicas citadas no texto; o Blue e seus e-mails cheios de espiritualidade e palavras bonitas; e a construção do romance que vai além da homossexualidade ao falar de expectativas, pré-conceitos e limitações. Simplesmente adorei o livro do início ao fim. A trama tem sim seus clichês e previsibilidades, mas não dá para negar que se trata de uma leitura leve, divertida, verdadeiramente reflexiva, e definitivamente contagiante.  
Beijos,




Participe Aqui

23 comentários:

  1. Oi!
    Gostei muito desse livro, ainda não conhecia a historia e lendo a resenha gostei bastante da forma natural que o autor fala do tema sem deixar a leitura densa o que me deixou curiosa para poder ler !!

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia esse livro. Mas gostei bastante da forma que você tratou dele. Falar desse tema, mesmo estando em um mundo tao globalizado, ainda é de grande dificuldade. Com certeza tratar desse assunto é um grande passo para entendermos que somos iguais, independente da orientação sexual. Ser contra ou a favor é totalmente diferente de aceitar. E ter respeito pelo outro é essencial.
    Boa tarde, Pah.

    ResponderExcluir
  3. Sempre vi o título desse livros, mas nunca a resenha e por isso não me interessei, imaginei outras histórias, mas agora lendo a resenha e sabendo mais sobre a história me encantei. É o tipo de livro que ando procurando para tratar sobre o tema, me parece maravilhoso!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oi Pah!
    Conheci um pouco mais sobre esse livro na Turnê Intrínseca.
    Gostei do fato de ter um bom mistério em relação a verdadeira identidade de um dos personagens. Apesar de não me sentir atraída por essa história, acredito que o livro irá conquistar muitos leitores apaixonados.

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Oii, amore!
    Amei a sinopse! Amo histórias assim, que a gente se diverte e se emociona ao longo do livro! Deve ser linda demais!
    Já vou procurar!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Pah
    Pelo modo que falou esse livro parece ser muito amor. Confesso que ainda não o conhecia, mas gostei muito da trama. O que tenho medo nesses livros é o de os autores focarem no homossexualismo em si e não desenvolveram outros pontos de reflexão. Gostei de saber que não é o caso aqui, e que a autora soube conduzir o enredo muito bem, a ponto de te fazer gostar tanto. Vou querer ler a obra com certeza.

    ResponderExcluir
  7. Fernanda Rodrigues Mendonça Estagiária Voluntária em Laboratório de Parasitologia de Animais Silvestres
    Nossa eu adoro quando autores adotam temas pouco ordodoxicos como um ya gay! Saber q é muito bom e sfofo só aumenta essa vontade.

    Ah, antes que eu me esqueça: o certo é homossexualiDADE, não ISMO. O sufixo ismo delimita uma doença, como por exemplo alcoolismo. Tratar homossexuais como doentes intencionalmente é uma forma de homofobia hehehehe

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fernanda! Tudo bem?

      Não sabia que existia essa diferença entre os termos. Já corrigi o texto. Obrigada pela dica ;)

      Beijos

      Excluir
  8. ***Nossa eu adoro quando autores adotam temas pouco ordodoxicos como um ya gay! Saber q é muito bom e sfofo só aumenta essa vontade.

    Ah, antes que eu me esqueça: o certo é homossexualiDADE, não ISMO. O sufixo ismo delimita uma doença, como por exemplo alcoolismo. Tratar homossexuais como doentes intencionalmente é uma forma de homofobia hehehehe

    Bjs!

    ResponderExcluir
  9. Oiiee, tudo bom?
    Eu não conhecia o livro, a historia parece ser ótima, e devo dizer que ainda não li nenhum livro na qual nosso protagonista é homossexual, gostaria muito de ler, amei a resenha.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  10. Own, achei a história muito necessária e encantadora. Entretanto sempre busco em livros ao menos uma dessas quatro coisas: 1- personagens por qm eu vá me apaixonar, 2- heroínas que eu poderia ser, 3- mundos onde eu queira ir, ou 4- tramas que me deem curiosidade para solucionar.
    Sendo assim, entendo e torço pelo sucesso de livros com essa temática, ainda mais quando abordado sob a ótica do conflito interno na adolescência, mas realmente não me inclino a ler romances com narrativa focada na sexualidade do protagonista :/

    ResponderExcluir
  11. Já tinha visto esse livro e algumas pessoas falando dele, mas não parei para ver do que se tratava! Mas agora quero muito ler. Nunca li nenhum livro nessa temática e quero mudar isso logo!

    ResponderExcluir
  12. Acho bem interessante esses temas que ainda são tabu, como homossexualismo, ainda bonito da parte do personagem em não ter medo de ser aceito e sim ter que anunciar a sua opção sexual, fiquei muito curiosa com o desenrolar da história, a capa está muito bonito, beijos...

    ResponderExcluir
  13. Olá Pah,
    Estava esperando sua resenha a respeito desse livro (risos). Quando vi o lançamento, já fui lá no skoob e adicionei no mesmo tempo na meta de leitura desse ano, pois tinha acabado de ler “Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo”, e foi uma bela de uma grata surpresa. Não tinha ideia do que esperar, mas me apaixonei demais pela história do livro, tão fofo! E logo no primeiro parágrafo dessa resenha já me encantei pelo Simon vs. a agenda Homo Sapiens, acho que esse livro vai acabar furando a fila de próxima leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Conhecia o livro pela capa, mas, sinceramente, não tinha lido nem a sinopse. Me interessei!
    Como o livro ganhou 5/5 talvez eu dê uma chance a ele!

    ResponderExcluir
  15. Simon vs. a agenda Homo Sapiens foi uma grata surpresa! Ganhei de presente e não esperava um livro tão cativante assim, me deixou apaixonada!

    ResponderExcluir
  16. Eu já tinha ouvido sobre Simon na turnê intrínseca, e adorei. Me fez lembrar de extraordinário, claro, os temas abordados são diferentes, mas ambos passam por momentos de crítica, zoação, dentre outras coisas que essa nossa sociedade acha justo julgar. E ambos nos fazem refletir, e passar a ver as pessoas de outro modo. Esse tipo de leitura é maravilhosa. P.S: Ainda não li Simon, mas sei que é um ótimo livro pelo que ouvi e agora confirmei com a resenha da Pah. Bjooos

    ResponderExcluir
  17. Oi!
    Pah, vi um youtube falando sobre esse livro e fiquei curiosa, mas não dei muita bola. Fiquei com aquele receio do livro ser pesado. Com você dizendo que o livro é o contrário, já me animo me ler.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  18. Oii...
    não conhecia esse livro nem essa autora... acho uma história valida pra leitura. Um tema super atual que mexe com todos!! Quem sabe não dou uma chance, não é mesmo?
    bj bj

    ResponderExcluir
  19. Oi pa!
    Eu conheci esse livro no evento da intrínseca na minha cidade, e eu achei sensacional a sinopse dele, agora lendo a sua resenha de um jeito tão fofo, vou me fender e colocar ele na listinha! Bjs ❤

    ResponderExcluir
  20. Quando eu vi a capa desse livro fiquei confuso sobre do que se tratava, ignorei o livro sem ao menos ler uma resenha e fiquei bem contente com o que li aqui, com certeza vou colocar na minha lista pois por preguiça tenho lido alguns livros infanto juvenil para passar o tempo e deixando de lado leituras que poderiam ser bem mais enriquecedoras.

    http://52semanasemlivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. Esse livro realmente é incrível. Impossível não se apaixonar. E quando cheguei ao final e descobri quem era o Blue, fiquei =O

    Concordo com você, apesar do foco ser a homossexualidade, o livro não trata o tema de maneira extrema e sim igualitária, além de abordar diversos outros assuntos. Mega recomendo.

    ResponderExcluir
  22. A resenha foi bem generosa. O livro é muito ruim. Utiliza um tema interessante, mas a escrita é bem superficial. Não gostei.

    ResponderExcluir