julho 28, 2016

[Resenha] Confissões de uma Garota Excluída, Mal-Amada e (um pouco) Dramática – Thalita Rebouças

Tetê acaba de se mudar com a família toda para Copacabana, no Rio de Janeiro, para a casa dos avós. O lindo e espaçoso apartamento da Barra da Tijuca em que morava teve que ser vendido, pois com a crise o pai foi demitido, e o resultado é que a vida dela virou de cabeça para baixo. Além de perder a privacidade, tendo que dividir o espaço com cinco parentes malucos que brigam o tempo todo, ela perdeu todas as suas referências. A única coisa que a deixa feliz é cozinhar. E, claro, comer as delícias que faz. O lado bom foi se livrar do antigo colégio, no qual sofria bullying por causa de seu jeito peculiar. Sem contar sua desilusão amorosa… O problema é que ela está apavorada, porque agora tudo será novo e estranho, com o ensino médio, com a nova escola, e sem conhecer ninguém. E morre de medo de ser excluída ou de sofrer bullying novamente. Ela está bem mal, para dizer a verdade. Ou talvez seja um pouco de drama, porque já no primeiro dia as coisas parecem ser um pouco diferentes… Pelo jeito, tudo vai mudar, e para melhor.

Jovem
| 272 Páginas|  Cortesia
Editora Arqueiro| Skoob |
Compare & Compre: Saraiva
SubmarinoAmazon| Classificação 4/5
Apesar
de a Thalita Rebouças ser conhecida por escrever para um público bem mais jovem
do que eu, confesso que sempre tive curiosidade em conhecer o trabalho da
autora. Assim, mesmo não me identificando mais com livros excessivamente
juvenis, resolvi dar uma chance para a leitura de Confissões de uma Garota Excluída, Mal-Amada e (um pouco) Dramática
– livro que provou não só o talento da Thalita, como também o bom-humor nato de
sua narrativa. Além de possuir uma trama jovem e divertida, a história surpreende
por também ter um alto teor reflexivo. Ao abordar temas importantes como bullying,
preconceito social e os abusivos e ilógicos padrões de beleza estabelecidos por
nossa sociedade, Thalita Rebouças criou um livro capaz de falar sobre e para os
jovens, dando a eles um motivo para lutar contra qualquer tido de preconceito e
imposição social.

A obra
gira em torno da Tetê e de sua história levemente
dramática. Depois que o pai perdeu o emprego a vida dela virou de pernas
para o ar: mudou de casa e foi morar com os avós (amorosos mas bem enxeridos),
trocou de escola e, para piorar, passou a se sentir ainda mais solitária e
confusa. Tetê nunca levou uma vida normal; ela não tem amigos, era alvo de bullying
na antiga escola, tem uma família que adora uma boa confusão, e sofre muito por
não ser como as outras garotas – magras e seguras. Entretanto, mudar de casa e
de escola pode ser a sua grande chance de recomeçar! Decidida a fazer amigos,
Tetê segue para o primeiro dia de aula no ensino médio com a certeza de que tudo
será diferente: ela vai fazer muitos amigos, vai se divertir, vai se sentir
aceita e bonita (mesmo com seu bigode e sua sobrancelha taturana que a mãe vive
pedindo para ela fazer), e vai encontrar um grande amor. Mas o problema é que a
Tetê é a mesma de sempre e o ensino médio também, o que significa que ela terá
que aturar muitas provações, armações e o temido bullying.
A
obra é bem previsível: a história da garota que sofre bullying por ser
diferente, mas que encontra bons amigos e dá a volta por cima. Gostei dos
clichês trabalhados pela autora e de como, apesar de batidos, eles são fundamentais
para a formação dos nossos jovens. Precisamos falar sobre padrão de beleza,
orientação sexual e bullying, então ao mesmo tempo em que achei a trama jovem e
leve, também senti nela um lado muito real e reflexivo. Tetê tem um coração
enorme, uma alegria contagiante, e uma vontade de viver e ser feliz. Ela é
igualzinha a grande maioria das jovens da sua idade, contudo por ser fisicamente diferente (mais gordinha e largadinha – E daí se ela não gosta de
pentear o cabelo? Eu também não gosto! Risos)
sofre com apelidos maldosos, com o afastamento das pessoas, e com
pré-julgamentos. Nesse aspecto não é nenhum pouco difícil se conectar e
emocionar com a personagem. Até mesmo porque, independente da idade do leitor, relembramos
e/ou revivemos todas as nossas inseguranças da adolescência através dos medos
de Tetê. E eu gostei disso, dessa parte verdadeira e reflexiva da obra.
Além
de falar sobre temas importantes, o livro encanta por ser muito divertido. A Tetê
é uma figura!
Sua narrativa em primeira pessoa é jovem, engraçada, direta e
dramática como só uma garota de quinze anos consegue ser. Claro que, como
alguém mais de dez anos mais velha, em muitos momentos a narrativa juvenil me
incomodou. Porém, já sabia desse lado da história e fiz de tudo para aceitá-lo na
intenção de aproveitar o máximo da obra. Fora isso, também gostei dos amigos
que Tetê faz no novo colégio, de como a personagem prega uma mudança por dentro
ao invés de apenas uma transformação por fora, dos meninos lindos que ela
encontra nas idas e vindas da vida, no laço dela com a família, e em suas
receitas maravilhosas. – A personagem ama cozinhar, portanto prepare-se para
engordar com as receitas deliciosas que ela descreve durante o livro.
No
geral a obra é bem jovem, divertida e reflexiva a sua maneira. Indico para
todos os fãs de romances jovens e fofos, e principalmente de personagens
doidinhas e mega divertidas.
Beijos,


Participe Aqui

confira também

Posts relacionados

Comente via Facebook


Deixe seu comentário

21 Comentários

  • brenda05
    01 fevereiro, 2017

    eu comecei ler esse livro, gostei muito da Tetê e tenho medo de parar leitura por ser um livro com essa linguagem mais juvenil.

  • Paula
    02 agosto, 2016

    Esse livro ru ainda não tenho , mas vou garantir um para mim logo, logo, porque gosto muito dos livros da Thalita Rebouças, ja li alguns deles como fala sério mãe, fala sério professor e fala sério amor e me diverti muito com eles….ri muito,muito mesmo.
    Vi uma vez o livros bem rápido na americanas,mas achei muito fofa a capa, amei as cores e estou super ansiosa pra ter ele na minha estante…..tenho certeza que vou amar, assim como amei os outros dela que eu ja li.
    Um super bjo Pah…..

  • Rafaella Abreu
    02 agosto, 2016

    Tão linda a capa desse livro, ela me ganhou hahaha

  • Lara Cardoso
    01 agosto, 2016

    Meu, que resenha! Eu estava muito curiosa para ler este livro, nunca li nada da autora e pensei que seria, pelo menos, uma leitura agradável… ledo engano.
    Infelizmente, creio quea autora tenha tentado criar um livro divertido, mas acabou pisando na bola… enfim, ainda quero lê-lo para tirar minhas conclusões, mas já adianto que não estou mais tão empolgada assim.

  • Adriana Holanda Tavares
    01 agosto, 2016

    Acho a capa desse livro linda e adorei o trabalho dele no interior. Por mais que seja um enredo bem clichêzinho tenho vontade de ler, principalmente por ser da Thalita! Adorei as fotos e a resenha… Estou precisando de livros jovenzinhos!

  • Evellyn Mendonça
    01 agosto, 2016

    Oiii Pah, nunca li nada da Thalita, mas fiquei curiosa para ler esse livro.
    Confesso que narrativas juvenis ás vezes me cansam, mas vou dar uma chance para esse!
    Bjs

  • Vania Correa
    31 julho, 2016

    Adorei a história, apesar de não ter lido nada da autora, me diverti com a personagem, amei as receitas estarem no livro, a capa está linda, fiquei muito curiosa com a leitura, beijos…

  • Pamela Liu
    31 julho, 2016

    Oi Pah.
    Acho que esse livro não é para mim, não sou o público-alvo. Acho que iria me irritar bastante com essa linguagem mais juvenil.
    Mas parece ser um bom livro para os adolescentes que estão passando pelas mesmas situações que Tetê.

  • Priscila Tavares
    30 julho, 2016

    Oi Paola, estou perseguindo esse livro desde que ele foi anunciado. Só pelo título ele já me ganhou e enquanto não posso ler a obra, me divirto lendo as resenhas sobre ele.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

  • Micheli Pegoraro
    30 julho, 2016

    Oi Pah,
    Confesso que não estou empolgada para ler esse livro, esse tipo de trama bem adolescente não me atrai muito. Mas quem sabe dou uma chance futuramente, pois o que mais me chama a atenção em livros com trama jovem é a parte reflexiva, então pode ser que essa história me surpreenda.
    Beijos

  • Melissa
    30 julho, 2016

    Eu ri da sobrancelha de taturana e bigode, eu também tinha isso aos 15 anos. É importante falar sobre bullying, embora batido tenho a impressão que os jovens de hoje precisam ter esse tipo de discussão pois ainda vejo muito preconceito e zoação online. Não é o tipo de leitura que escolheria para mim pois passei muito da idade dela e acabo não tendo identificação, mas parece ser uma boa dica para quem está nessa fase difícil da adolescência.

  • N4tyDark
    30 julho, 2016

    Oláa Pah ♥
    Esse livro tem uma capa super fofa *——*
    Gosto quando um livro mostra esse tipo de mensagens aos jovens que muitas vezes não percebem o quanto machucam alguém com algumas “brincadeiras”.
    Gostei muito da sua resenha e fiquei mais animada. ♥ Bjoos

  • Theresa Cavalcanti
    29 julho, 2016

    Peguei esse livro para ler hoje. KKKK Nem comecei ainda, mas quero muito ler.

  • sara
    29 julho, 2016

    super me identifiquei com essa tetê viu hahahhaa
    nunca li nada da thalita e esse atiçou a minha curiosidade. vi um dia desses nas americanas, vou comprá-lo assim que puder. gosto muito de histórias assim 🙂 ainda mais que vem com receitas!!! haha
    beijo no coração

  • Vick Lais
    29 julho, 2016

    Esse Livro parece ótimo! Já quero kkkk

  • Gabriela Souto
    29 julho, 2016

    Comecei a gostar de ler com Harry Potter e os livros da Thalita Rebouças, então, mesmo com 24 anos, ainda me derreto e me divirto com histórias juvenis. Acho que essa adolescente que mora em mim se recusa a ir embora kkkkkkkkkk

  • Leticia Golz
    29 julho, 2016

    Oi, Pah
    Confesso que sempre quis ler um livro da autora também. Acho que gostaria de conhecer a Tetê também. Esses temas precisam mesmo ser trabalhados, e que bom que a autora soube trabalhar bem e te agradar na leitura. Também amo personagens divertidas e doidinhas.
    Narrativas juvenis às vezes me incomodam também, mas daria com certeza uma chance a esse livro. Linda resenha, como sempre!

  • Gabryella Oliveira
    28 julho, 2016

    Eu fico pensando em quando eu fazia o ensino médio… eu já lia… não tinha muitas leituras juvenis com o formato que tem hoje, tão atuais. Quando a Paula Pimenta surgiu com seu primeiro lançamento se eu não me engano, eu tinha uns 15 anos… Hoje tem um lançamento atrás do outro. As adolescentes estão no céu rs. Mas eu ainda leio muitos desses livros, para continuar as séries. Mesmo que hoje, com 21, já fico em algumas partes assim: Sério, que bobo. Em outras eu estou suspirando me lembrando de várias coisas. Mas não sei se lerei esse, com tantos romances históricos (meu novo vício) pra ler que eu não conheci ainda.

  • Josiane
    28 julho, 2016

    Ganhei esse livro numa promoção do Nuvem Literário e adorei. A leitura é leve e agrada a todas as idades.

  • Maria Fernanda Medeiros
    28 julho, 2016

    Me identifiquei muito com a primeira parte do primeiro parágrafo da sua resenha. Não tive a oportunidade de ter algum contato com os livros da Thalita ainda e vou confessar que, apesar de nutrir muita curiosidade, não é nem de longe uma prioridade para mim, afinal foge um pouco do estilo de livro que prefiro. Mas fico muito feliz com todo o sucesso dessa autora nacional que cada vez mais cresce!!! Ainda bem que você gostou dessa história, espero que isso ajude ainda mais a estimular escritores nacionais!

  • Veronica Vieira
    28 julho, 2016

    Também, nunca li nada da Thalita Rebouças, tenho vontade de ler, pois falam muito bem da escrita dela.