[Resenha] Amor Amargo – Jennifer Brown

Último ano do colégio: a formatura da estudiosa Alex se aproxima, assim como a promessa feita com seus dois melhores amigos, Bethany e Zach, de viajarem até o Colorado, local para onde sua mãe estava indo quando morreu em um acidente. O Dia da Viagem se torna cada vez mais próximo, e tudo corre conforme o planejado. Até Cole aparecer. Encantador, divertido, sensível, um astro dos esportes. Alex parece não acreditar que o garoto está ali, querendo se aproximar dela. Quando os dois iniciam um relacionamento, tudo parece caminhar às mil maravilhas, até que ela começa a conhecê-lo de verdade… Em um retrato realista de um relacionamento conturbado, a autora Jennifer Brown – do sucesso A Lista Negra – nos leva até o limite de nossos sentimentos.
Jovem Adulto Maduro | 272 Páginas | Cortesia Editora Gutenberg | Skoob | Compare & Compre: SaraivaSubmarinoAmazon| Classificação: 5/5
Amor Amargo é o tipo de livro que demora para ser digerido. Faz uma semana que terminei a leitura e ainda estou completamente devastada – e sem palavras para descrever a complexidade dessa trama. Existe algo na escrita da Jennifer Brown que fala diretamente comigo; suas histórias me fazem refletir sobre nossa sociedade e sobre temas que raramente são abordados com sinceridade e veracidade. Tanto é que nesse livro o assunto principal é um relacionamento abusivo que resulta em violência. Você com certeza conhece alguma vítima de agressão; alguma mulher que apanhou do marido ou namorado e que, ainda assim, permanece fiel ao agressor. Você também, sem dúvida, já julgou essas mulheres e encheu a boca para dizer que nunca se sujeitaria a isso. Porém, alguma vez você realmente parou para pensar no que essas mulheres sentem? No que é apanhar do homem que jurou amá-las e protegê-las? Do que é amar alguém que quando quer é carinhoso e atencioso e, quando não, parte para socos e ofensas? Ninguém sabe ao certo o que passa na mente de uma mulher que sofre agressão, contudo a Jennifer Brown conseguiu escrever uma história que une amor, violência, medo e superação de uma forma que nos leva a enxergar todos os pilares de um relacionamento abusivo. Em outras palavras, vamos realmente entender o que é apanhar daquele que apenas deveria nos amar.

Alex está pronta para o último ano do ensino médio. Ela e os melhores amigos, Bethany e Zach, estão desde pequenos planejando a viagem que farão após a formatura. Claro que a ideia é celebrar e cair na estrada, mas por trás disso existe um motivo mais forte: A mãe de Alex que, antes de abandonar a família e morrer em um grave acidente de carro, estava indo para Colorado. Por isso a jovem quer tanto essa viagem, para descobrir o que tinha de tão incrível em Colorado para a mãe decidir deixar o marido e as três filhas. Alex é muito apegada a dor do abandono da mãe e, exatamente por isso, não tem um relacionamento bom com o pai, evita ao máximo as irmãs (que parecem não sentir a falta da mãe como ela), e só tem como apoio seus dois amigos. Contudo, o início do ano escolar promete uma mudança na vida de Alex e a presença de um novo melhor amigo. Cole é tudo com que Alex sonhava: bonito, atencioso, divertido, estudioso, carinhoso e, principalmente, compreensivo sobre perda familiar. Ele também carrega o fardo de ter uma família ausente, por isso o relacionamento dele e de Alex cresce e se fortalece muito rápido. Logo os dois viram melhores amigos, começam a se apaixonar, e passam cada minuto do dia juntos. O problema é que esse relacionamento, que parece tão perfeito, vai mudar drasticamente a vida de Alex e mudar sua concepção de “e viveram felizes para sempre”.
Não é fácil falar sobre esse livro; abuso, agressão, amor doentio, amizades perdidas, sonhos abandonados... Existem tantos pilares de reflexão que fazem dessa leitura única, contudo só lendo para realmente entender sua grandiosidade. Uma das coisas que mais amei foi a possibilidade de mergulhar na cabeça de uma vítima de agressão; e não uma vítima qualquer, mas uma jovem que anseia por amor e que acredita – mesmo depois de ser agredida – que aquele é o tipo de amor que merece, que o melhor é se manter calada, que o correto é ter a esperança de que um dia os surtos de violência cessarão. Foi doloroso ver Alex inventar desculpas por ter apanhado, se culpar pelos socos e xingamentos, e fazer de tudo para manter seu relacionamento. Mas sabe o pior de tudo isso? É que em determinados momentos conseguimos entender os motivos por trás dessas inúmeras tentativas de perdão. Sei que não faz sentindo, mas o ponto é que ao mesmo tempo em que uma parte nossa compreende que estamos sendo vítimas de um sistema machista que subestima o papel da mulher e nos vende uma imagem completamente deturpada do amor, a outra – totalmente ilógica – apoia as motivações de Alex. E é óbvio que não acredito nisso, mas percebi que irracionalmente fui criada para acreditar. Sendo assim, ao ler Amor Amargo sentimos na pele a dualidade de querer tanto perdoar quanto culpar o agressor. E isso dói, dói porque torna ainda mais real o drama de Alex e de milhões de mulheres que, assim como ela, apanham daqueles que deveriam ser o amor de suas vidas.
E eu chorava, mas era um choro baixo. Um choro de desistência. Naquela altura, não tinha ideia do que fazer. Queria deixá-lo, mas tinha medo. Queria amá-lo, mas não queria ser o tipo de pessoa que amava alguém capaz de fazer isso com ela.
Além de toda essa complexidade por trás do drama de Alex e da abordagem de um tema tão complexo e real, o livro nos traz drama familiar e amizades verdadeiras do tipo que são para a vida toda. Confesso que foi muito difícil não se colocar no lugar de Alex e se sentir injustiçada e solitária – muitas vezes a personagem repudia a ajuda dos outros, mas sinceramente, se você fosse irmão dessa protagonista e soubesse pelo que ela estava passando, você não se intrometeria mesmo que fosse a força? Mais uma vez, de forma maravilhosa por sinal, a autora nos faz refletir sobre os dois lados de uma moeda, mudando nossos pré-julgamentos e o velho discurso de “comigo seria diferente”. Amei do fundo do meu coração todas as reflexões geradas por essa história, seus altos e baixos, e principalmente todos os sentimentos conflituosos que ela gerou em mim. Foi, a cada página, um soco no estômago e a queda de várias das minhas certezas. Antes desse livro, como disso no início da resenha, eu achava que sabia como era ser uma vítima de agressão. Agora eu tenho certeza de que não sei mas que posso fazer mais do que dizer “seja forte e saia dessa”.
Eis um livro incrível, bem escrito, emocionante e extremamente reflexivo. Indico, sem medo nenhum, para todos os leitores.


Beijos,




Participe Aqui


22 comentários:

  1. Oi Paola! Amei a resenha!
    Eu ainda não li nenhum livro da autora, mas com certeza este entrará para a minha lista de futuras leituras. Achei muito bacana o fato da autora pegar um tema tão real, atual e complexo e abordá-lo da forma como você resenhou. Parece ser uma leitura emocionante, envolvente e inesquecível. Espero lê-lo em breve :)
    Bjos!

    ResponderExcluir
  2. Olá. Que resenha maravilhosa! Desde que vi esse livro eu tenho tentado ler, sei que ele mexe com nossas emoções e nos faz adentrar na pele daquelas pessoas que sofrem com a violência doméstica, meu problema é que nao sei se estou preparada para isso. Sinto que minha cabeça ainda não está bem psicologicamente para algo assim agora. No mais, anotei mais uma vez a dica.
    Abraço! Participe do sorteio do livro Twist de Tom Grass

    ResponderExcluir
  3. Já me imagino extremamente emocionada e chocada com a história e em completa ressaca literário depois do fim :/ mas fiquei mesmo motivada a ler

    ResponderExcluir
  4. Oi Pah, logo que comecei a ler a sinopse imaginei que seria aqueles livros clichês. Mas foi chegando ao final e vi que não era o que eu imaginei, e fiquei super curiosa pra ler sua resenha.
    Quando percebi o tema tratado fiquei perplexa! Poxa, que triste o homem que ele se tornou e como age com a Alex.
    Só posso imaginar que esse livro seja intenso e incrível.
    Abraços

    ResponderExcluir
  5. É a realidade das mulheres abusadas, tanto física e principalmente psicologicamente.
    Alex é mais uma entre tantas mulheres que mantém uma relação abusiva e justifica sempre as ações do namorado. Imagino que ela tenha uma baixa estima muito grande.
    Gostaria de ler porque livros que são polêmicos, são meus favoritos.

    ResponderExcluir
  6. Gosto de livros que tratam de assuntos pesados mas sem romantiza-los. Amei a resenha. Vou tentar ler o livro essa semana.

    ResponderExcluir
  7. ESSE LIVRO PARECE MUITO INTERESSANTE , POIS ABORDA UM TEMA QUE PARA NÓS AINDA É MUITO DELICADO, POIS QUANDO UMA MULHER SOFRE DE AGRESSÃO ACHAMOS QUE ELA ESTÁ SENDO BOBA POR CONTINUAR NESTE SOFRIMENTO. EU ACHEI ESTE LIVRO BOM , POIS , A AUTORA RELATA O QUE SE PASSA NA CABEÇA DA VÍTIMA PARA QUE ELA CONTINUE NESTA LABUTA; VIVENDO UM TIPO DE AMOR QUE NÃO ACRESCENTA NADA A SUA VIDA ,UM AMOR DOENTIO E CRUEL.GOSTARIA MUITO DE LER ESTE LIVRO , POIS ACHO QUE ELE CONTÉM O ENTENDIMENTO PARA QUE POSSAMOS PARAR DE SERMOS PRECONCEITUOSOS COM A VÍTIMA DE AGRESSÃO , POIS ELA NÃO TEM CULPA DE AMAR TÃO INTENSAMENTE UM HOMEM QUE A MALTRATA.

    ResponderExcluir
  8. Pah, que resenha(Boca aberta)! Sem palavras, eu não li esse livro ainda, mas ele já está na minha lista com toda certeza. Se sua resenha me fez ficar sem palavras, fico imaginando quando eu ler. Parabéns pela resenha, você como sempre arrasando muito! Mil beijoos!

    ResponderExcluir
  9. Tenho muito vontade de ler algo dessa autora, pois vejo muito gente falando super bem dela!

    ResponderExcluir
  10. Admiro muito a escrita da Jennifer, o jeito que ela consegue nos mostrar uma visão diferente de algum ''assunto batido''. Quando eu soube que nesse livro iremos entender o por que Alex aceita esse tipo de ''amor diferente'' que recebe de Cole e que durante a leitura o ''nossa se isso acontecesse comigo eu faria diferente'' nem é tão simples ou a resposta padrão para relacionamento abusivo. Fiquei muito curiosa por esse livro e espero que um dia eu possa ter a oportunidade de ler

    ResponderExcluir
  11. É muito bom em vários sentidos quando saímos de uma zona confortável e encaramos uma leitura com tema tão forte como esse. Aprendemos a ver as coisas de forma diferente, a olhar as situações e as pessoas de forma mais crítica, critica no sentido de nós policiarmos em nosso pré julgamento.
    Acho que esse livro, assim como PROIBIDO, nos faz repensar algumas situações. Você pode não concordar, mas deve sempre tentar entender, e assim talvez encontrar uma maneira de ajude...
    Ótima resenha. Ainda não li, mas com certeza está na lista.

    ResponderExcluir
  12. Pah!
    Deve mesmo ser um livro doloroso e até certo ponto, incompreensível para quem está de fora da situação.
    Tem vários aspectos psicológicos que interferem na mente de quem sofre os abusos em um relacionamento e com toda certeza, nós que nunca passamos por isso, fica difícil de compreender, mas quem passa, tem lá seus inúmeros motivos para aceitar e continuar...
    Deve ser um grande drama o livro e muito sofrimento.
    “Buscamos, no outro, não a sabedoria do conselho, mas o silêncio da escuta; não a solidez do músculo, mas o colo que acolhe.” (Rubem Alves)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de OUTUBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  13. Uau! Que resenha mais arrebatadora Pah, consegui me sentir dentro do livro agora. Que livro heinm? Quero muito ler A Lista Negra e agora a ansiedade é em dobro de conhecer a escrita da Jennifer Brown. Imagino como dever ser uma leitura dolorosa, repleta de reflexões e alguns tapas na cara arrisco em dizer. Nem sei o que esperar dessa leitura, com certeza será cheia de emoções por se tratar de um tema bem real e delicado. Parabéns pela resenha tão perfeita.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Nossa... apenas preciso ler. Já desejava esse livro há um bom tempo graças à propaganda da Pam Gonçalves, mas essa é a primeira resenha que eu leio do livro. Acho que é realmente uma leitura que eu PRECISE fazer, que me faça enxergar essa questão de violência contra mulher de modo totalmente diferente, pra só assim ter um posicionamento mais justo (sim, sou do tipo que acredita que comigo seria diferente)...
    Apenas obrigada pela resenha, Pah, não me lembrava o quanto queria esse livro.

    ResponderExcluir
  15. Preciso ! Tá na minha lista já. Fora que achei essa capa super bonitinha

    ResponderExcluir
  16. Poxa é dose mesmo! E o que já se tornou rotineiro é o comentário dos outros acusando ela pois continua junto dele após a sequência de agressões. Sei que não é exatamente o caso, mas só me vem a mente os casos de violência doméstica com mulheres com filhos, que após fazer a denúncia (algumas) tem que voltar para casa para dormir com inimigo e cuidar das crianças como se nada tivesse acontecido :( É triste demais...
    Parabéns pelo texto, realmente me deixou com vontade de ler.

    ResponderExcluir
  17. Paola AMEI A RESENHA. Quando vejo que você gosto eu sinto isso. Com sua resenha pode sentir os sentimentos que você sentiu, não conhecia esse livro, mais já me apaixonei. Essa autora é muito incrível por trazer um tema como esse e mostra o lado que ninguém vê, onde julgam sem saber. Adorei o livro.

    ResponderExcluir
  18. O tema abordado é bem atual, apesar de desde os primórdios da humanidade a violência contra a mulher ser presente na sociedade. Realmente, ver pela narrativa em primeira pessoa os motivos da protagonista aceitar se submeter a um relacionamento do tipo pode nos ajudar a tentar compreender porque tantas garotas e mulheres continuam em relacionamentos abusivos. É fácil julgar por fora, achar que são tolas e iludidas, mas nada é assim tão simples. Vemos sempre casos assim pela na janela, nunca entrando pela porta de casa ou ao menos, torço para que não.

    ResponderExcluir
  19. ainda não li nenhum livro da autora
    mas a gente sempre acha que é fácil julgar quando não está na pele, histórias sobre relacionamentos doentios são sempre dificil de engolir e pior ainda é saber que é a realidade de muitas mulheres.
    achei interessante que pelo jeito a autora conseguiu fazer com que a gente entre no personagem e sinta o que ela sentiu.
    colocar na minha lista de desejados (tudo bem q já com uma coisa mais leve, pq pelo jeito eu vou ficar na bad depois)

    ResponderExcluir
  20. Temas fortes em livros realmente são dificílimos de digerir, principalmente aqueles que se tratam sobre abuso e tudo o mais. Relacionamentos assim são bem comuns, infelizmente. Acredito que a autora deve ter abordado isso com bastante delicadeza, então deve ter sido uma leitura incrível. E que capa é essa?! Adorei.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Eu gosto muito de livros que nos apresentam uma temática forte, mesmo que eles sejam dificeis de engolir ou que eu fique um pouco mal com a leitura. Esse livro está na minha lista de desejados desde o lançamento, porém ainda não tive a oportunidade de ler.

    ResponderExcluir