[Resenha] Seeker, a guerra dos clãs – Arwen Elys Dayton

“Primeiro da trilogia de mesmo nome, que marca a estreia da autora Arwen Elys Dayton na literatura young adult, Seeker – A guerra dos clãs é uma fantasia épica com toques de ficção científica perfeita para fãs de séries como Jogos Vorazes, Divergente e Jovens de Elite. A história gira em torno da jovem Quin Kincaid, treinada para se tornar uma Seeker e lutar ao lado de seus companheiros para proteger os injustiçados, levando luz para um mundo mergulhado na escuridão. Na noite de seu juramento, porém, quando está prestes a honrar seu legado e iniciar sua missão, Quin descobre que ser uma Seeker não é bem o que ela havia imaginado. E mesmo sua família e seu grande amor não são exatamente como ela acreditava. A jornada de Quin Kincaid em busca de sua verdadeira identidade vai começar. Uma saga memorável, protagonizada por uma heroína inesquecível.”
Fantasia | 416 Páginas | Cortesia Editora Rocco | Skoob | Classificação: 3,5/5 | Compare & Compre: SaraivaAmazon | Resenha da May

Confesso que estava muito curiosa para conferir Seeker, o livro de estreia da autora Arwen Elys Dayton. Não sabia muito sobre a história, mas estava ciente de que o livro vinha fazendo sucesso mundo a fora – tanto que os direitos para adaptação do mesmo já foram comprados. Tudo o que conhecia sobre a obra é que se tratava de uma fantasia, com aventura, viagem no tempo e um propósito nobre de proteger a humanidade se tornando um seeker. Ou seja, não precisei de muito mais que isso para ficar ansiosa e animada com a leitura. E até certo ponto mantive este mesmo sentimento, entretanto a leitura não evoluiu como eu esperava e acabei me decepcionando bastante.


A trama de Seeker nos apresenta Quin, Shinobu e John, três jovens que vivem em uma fazenda na Escócia treinando para se tornarem seekers. Seus treinadores são Briac (pai de Quin) e Alistair (pai de Shinobu), quando terminarem seu treinamento e realizarem o juramento terão grande poder e responsabilidade nas mãos, podendo decidir o destino das pessoas, alterar o curso da história e evitar grandes tragédias. Mas se tornar um seeker não é o que eles imaginam, Briac escondeu grandes segredos que somente vem à tona quando Quin e Shinobu realizam o juramento, verdades que John já sabia, mas movido por um desejo de vingança se manteve firme no propósito de se tornar um seeker e mudar as coisas, ser mais justo e um seeker melhor. Somos apresentados ainda a Maud, a Pavor Menor, ela é a mais jovem Pavor e eles existem para acompanhar os seekers em suas missões e garantir que nada saia do controle, funcionando como uma espécie de júri que tem o poder de punir quem foge as regras de um seeker. Maud é jovem e tem muito a aprender, assim como Quin, Shinobu e Jhon, nem tudo que é importante foi contado a ela, e terá que descobrir sozinha em qual lado ficar, se fará justiça ou apenas assistirá como um peão neste jogo perigoso entre Seekers, Pavores e o destino da humanidade.

A autora nos insere num mundo bem distinto, diferente de tudo o que eu já li, trazendo um sentimento de nostalgia ao lembrarmos dos Shadowhunter da Cassandra Clare que também protegem a humanidade sem que eles saibam. Os cenários de pano de fundo da história são muitos: Escócia, Hong Kong e Londres; lugares belíssimos e bem diferentes, mas que poderiam ter sido mais explorados durante a narrativa, que em terceira pessoa nos leva a acompanhar Quin, Jhon, Shinobu e Maud e tudo o que acontece durante tal jornada. Quin é a protagonista, mas cada personagem tem uma importância no enredo, e no decorrer da trama somos apresentados a mais de um vilão, o que reafirma como o ser humano possui as duas naturezas dentro de si e, por poder e ganância, pode despertar e sucumbir ao seu lado mais obscuro.

Mas aí minha empolgação começou a cair. Eu li o livro em dois dias, li freneticamente é verdade, mas terminei decepcionada. A história é dividida em três partes. A primeira me manteve empolgada com tudo tantas descobertas (momento em que somos apresentados ao mundo criado pela autora, às personagens, e antes que ela termine voltamos um pouco no tempo para entender as motivações de algumas delas quando eram mais novas), e a segunda, apesar da fluidez, foi decepcionante, pois não encontrei mais as personagens fortes e guerreiras que me foram apresentadas antes. Eu esperava que Quin, Shinobu e Jhon lutassem para alterar as coisas, para serem melhores, mas não foi o que eu encontrei. Por fim a terceira parte, onde as coisas voltam a ficar interessantes, senti que a autora tomou decisões precipitadas e criou um romance leviano e raso que não me cativou. E o ponto crucial foi à falta de respostas; acreditava que iria encontrar as respostas para a falta de explicação em que a trama se inicia, mas os protagonistas estão tão perdidos quanto nós leitores, e nada fica claro – simplesmente deduzimos a maioria das coisas ou as aceitamos quando são jogadas na cara dos protagonistas. De fato foi muito decepcionante, até porque a trama tem potencial para ser mais, poderia ter sido melhor desenvolvida, faltaram respostas e faltou um romance crível e que cativasse o leitor.

Resumindo: a obra tem grande potencial, sua narrativa é fluida e nos prende do início ao fim, temos fantasia, o começo de um romance, viagem no tempo, tradições milenares sendo exploradas, um cenário rico e uma luta entre o bem e o mal. Porém, em determinados momentos a autora se perdeu e nos deixou sem as explicações necessárias. Ainda assim, apesar de ter me decepcionado, confesso que o final conseguiu me deixar curiosa com o que está por vir. Então, se o gênero faz o seu estilo, vale a pena arriscar e descobrir os altos e baixos dessa obra.

• Sobre a Trama •



Seeker é o primeiro volume de uma trilogia. Ainda não temos previsão para o lançamento dos outros volumes.


Beijos, 











Participe Aqui

13 comentários:

  1. Uma pena essa decepção em relação a alguns pontos da obra.
    Confesso que estou bem curiosa.
    Me parece ser uma leitura boa, mas confesso que não é um livro que tem prioridades na minha lista.
    Quem sabe mais pra frente eu acabe conseguindo ler e possa ver se as minhas expectativas serão superadas.
    Gostei bastante da sua opinião.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  2. Mayara!
    Triste quando começamos um livro tão bem e ele vai nos decepcionando. Talvez as respostas que esperava venham nos próximos livros da série.
    Quanto a mim,não tem como não querer ler um livro que tem "romance, viagem no tempo, tradições milenares sendo exploradas, um cenário rico e uma luta entre o bem e o mal. "
    “A missão suprema do homem é saber o que precisa para ser homem.” (Immanuel Kant)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de NOVEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Melhor parte da resenha: "A obra tem potencial"
    Brincadeiras à parte, eu achei a capa linda e me lembrou de alguma maneira o Rei Arthur, mas acredito que nada tem de parecido. Acho que você foi de uma maldade extrema, porque li a resenha e nem queria ler o livro, mas fiquei tão tão curiosa com o que você não falou(que djabos são os Seekers?)... Que agora estou me sentindo orfã... Quero ler!

    ResponderExcluir
  4. Ah, que pena que a autora acabou se perdendo em alguns pontos da obra. Sabe o que eu acho? Que ela pode trazer de volta assuntos inacabados nos dois outros livros da série. Eu sou uma grande fã de fantasia, e esse livro me chamou a atenção demais. Vou dispensar apenas pelo fato de não ser um livro de volume único.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Livros de guardiões corajosos que protegem a humanidade sempre me empolgam bastante. Até curti a sinopse e a resenha ia me ajudar a decidir se gostei ou não, e me decepcionei por tabela por não ser tão empolgante quanto a premissa

    ResponderExcluir
  6. Oi May, no início eu achei bem legal e fiquei ate animada com a sinopse. Mas sabe que no decorrer da leitura da resenha eu lembrei bastante da tristeza que foi ler Divergente. Pois é, acredita que eu prefiro o filme? Quando peguei o livro, vi que era tão diferente do que eu gostava, da ordem das coisas e tudo mais. Então, pelo que você falou que acabou se decepcionando, acabei lembrando dele e não sei se me arriscaria em ler.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Oi Mayara, tudo bem?
    Pela sinopse me parece um livro interessante, ainda mais sendo na vide de Jogos Vorazes e Divergente, séries que eu amo de paixão. Espero que nos outros livros, o que te deixou desapontada com o livro, seja concertado. Acredito que mesmo com esses pontos negativos vale a pena ler o livro.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  8. Gosto muito de livros nesse estilo, então estou com vontade de ler.

    ResponderExcluir
  9. Oi Mayara! Adorei a resenha!
    Eu não conhecia este livro, mas a premissa me deixou curiosa pela leitura. Adoro livros de fantasia e aventura e também achei o universo criado pela autora bem diferente. Os pontos negativos que você citou me deixaram um pouco receosa em apostar na leitura, mas talvez eu dê uma chance e conheça um pouco mais dessa história futuramente.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  10. Oi Mayara,
    Estava curiosa para ler uma resenha desse livro, pois adoro fantasia e essa sinopse me fisgou. Parece ser uma fantasia bem diferente, gostei desse enredo de “personagens que protegem a humanidade”. Acredito que por ser o primeiro livro da trilogia é normal ter algumas pontas soltas e o romance não ser tão desenvolvido, se não é capaz de faltar conteúdo para os próximos livros. No entanto, vou aguardar o lançamento dos demais livros, pra ver se realmente vale a pena a leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Fiquei um pouco confusa sobre qual realmente é a premissa do livro, e logo depois da sua decepção me desanimei rs.
    Quanto a parte das perguntas não respondidas, pode ser que elas sejam respondidas ao longo da série, como foi em Divergente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Adoro livros com esse tipo de capa, se eu vejo uma espada a vontade de ler me domina, a possibilidade de lutas com espadas, cavaleiros, guerras épicas e etc me encanta, porém, ao ler a tua opinião acabei me decepcionando com o livro sem nem mesmo ler, talvez surja a oportunidade de eu dar uma chance pra ele, mas acho difícil

    ResponderExcluir
  13. Confesso que fiquei boiando um pouco na resenha. Nem a sinopse do livro deixa claro exatamente a premissa da história.
    É bem ruim mesmo quando criamos certas expectativas e nos decepcionamos com a obra.
    Já havia visto o livro por acaso quando estava pesquisando pela a autora. Achei interessante e tudo, me lembrou também um pouco os Shadowhunters, mas não tive tanta vontade de ler. Logo na sinopse o livro é comparado com distopias de sucesso e isso tem me cansado bastante, sabe? Não me pareceu tanto uma distopia...

    ResponderExcluir