Destaques

Newsletter

assine a newsletter!

E receba a notificação de novos posts por e-mail

abril 11, 2017

[Resenha] O Mais Desejado dos Highlanders – Maya Banks

Por Paola Aleksandra

Genevieve McInnis está presa no castelo McHugh, no cativeiro de um líder cruel que tem grande prazer em mantê-la distante de qualquer outro homem. Mas, quando Bowen Montgomery invade os portões em uma missão de guerra, Genevieve redescobre a vontade de viver. A sensualidade robusta de Bowen atiça nela uma sensação profunda que anseia por ser prolongada mediante carícias pacientes e gentis. Algo quente, louco e tentador. Bowen toma conta do castelo de seu inimigo, despreparado para a misteriosa e reclusa mulher que captura seu coração. Ele está encantado com sua determinação feroz, sua beleza incomum e sua força silenciosa e infalível. Contudo, para cortejá-la, será necessário mais do que a habilidade de um sedutor experiente. Ele descobre que amar Genevieve significa devolver a liberdade que lhe foi roubada, mesmo isso que signifique perdê-la para sempre.
Romance de Época| 400 Páginas|  Cortesia Editora Universo dos Livros| Skoob | Compare & Compre: SaraivaSubmarinoAmazon| Classificação 5/5
O Mais Desejado dos Highlanders foi um divisor de águas. Antes desse livro eu admirava a narrativa da Maya Banks, depois dele fiquei completamente apaixonada pelo trabalho da autora. Não é segredo que amo os romances de época, contudo são os que trazem detalhes a mais – que vão além do enlace amoroso e incitam reflexões emocionantes e tocantes – que ganham meu coração. Até agora todos os livros que li da autora contemplam temas reflexivos (rapto, surdez, abuso emocional, físico e/ou de poder), contudo nenhum deles chega aos pés da história de Genevieve e Bowen. Aqui, conhecemos uma mulher maltratada pela vida, uma jovem que teve seus sonhos despedaçados e que, solitária e desacreditada, perdeu completamente a fé nos homens. Contudo, como só o amor é capaz de fazer, mergulhamos em uma jornada de perdão, recomeços e fé – fé nas segundas chances, no amor verdadeiro e, principalmente, na vida.

Bowen foi escolhido, como representante do irmão, para vingar o rapto de sua cunhada. O clã Montgomery cuida dos seus, por isso – sob o comando de Bowen – os guerreiros seguem para as terras McHugh na intenção de matar os culpados pelo atentado contra Eveline, a atenciosa e amorosa senhora do clã Montgomery. Porém, ao chegarem lá eles encontram uma terra abandonada, dominada por homens calados, mulheres assustadas e crianças amedrontadas. O antigo senhor do clã, responsável indiretamente pelo rapto, fugiu e abandonou seu povo, o que faz com que Bowen e os Montgomery assumam a responsabilidade de cuidar, e punir na medida certa, essas pessoas. E é lá, em uma terra inimiga marcada pelos erros de seu senhor, que Bowen encontra Genevieve, sua perdição. Genevieve é um mistério: vive aos arredores com uma capa preta escondendo-lhe o rosto, de um lado tem uma face digna de um anjo e de outro uma cicatriz horrenda que não representa um milésimo da marca que carrega no coração, vive calada e submissa na intenção de esconder seu temperamento de guerreira, e mesmo sendo ofendida constantemente pelo clã McHugh – que adora chama-la de vagabunda e meretriz – clama a Bowen pela misericórdia do seu povo. A incógnita que Genevieve representa mexe com os sentimentos de Bowen e, certo de que ela precisa dele, o guerreiro não medirá esforços para descobrir os mistérios que essa jovem esconde. Mas o problema é que talvez, bem lá no fundo, Genevieve não queria mais ser salva.

Gostaria de dizer o tema central desse livro, contudo para evitar spoilers só que digo que a história é sobre uma jovem que precisa de alguém que lute por ela – e não como a típica donzela em perigo, mas sim para acender em seu coração uma fagulha de esperança. Genevieve está tão desolada, tão magoada e insultada, que nada mais a atinge. A sensação que dá, e que parte o coração do leitor, é que ela desistiu de viver, desistiu de sonhar com o dia em que encontraria uma casa para chamar de sua, para chamar de lar. A jovem tem uma das personalidades mais fortes e intensas que já vi na literatura (isso quando comparo o livro com outros romances do mesmo gênero literário), portanto é ainda mais angustiante ver o quanto o mundo – sob o disfarce de lobo na pele de cordeiro – destruiu a vida dessa garota. A dor que ela carrega é cruel, palpável, aflitiva e, principalmente, dolorosamente real. Acho que isso que me dói tanto; é saber que existem muitas jovens por aí como Genevieve, sem esperança de serem aceitas, ouvidas ou entendidas. Por isso, Bowen assume uma posição linda e cativante nessa história. Sua relação com Genevieve vai muito além do romance e do desejo, aqui ele luta por ela, luta por seu passado e por seus medos, e luta ainda mais por sua felicidade – uma felicidade que nem sempre o contempla. Achei lindo o envolvimento dos dois e a posição que esse homem, uma figura tão forte e temida, assume no recomeço dessa jovem. Mas amei ainda mais a delicadeza da autora ao abordar temas tão complexos e importantes.
Quanto mais ela poderia aguentar? Seu rosto, seu corpo, sua alma tinham sido roubados dela. Nada mais era seu. Ela se tornou outra pessoa, Genevieve McInnis morrera, e em seu lugar uma mulher que Genevieve mal conhecia.
O livro como um todo é sobre cura, perdão e recomeço. Contudo, é obvio que a autora não deixa de lado outros aspectos característicos de sua narrativa: grandes batalhas e um clima gostoso de aventura (com direito a participação ativa de Genevieve); bom-humor; um romance sensual que cativa e encanta; personagens fortes e inusitados (que ganham, instantaneamente, o coração do leitor) e intrigas palacianas dignas das terras altas. Não existe um único aspecto desse livro que me desagradou, muito pelo contrário, tudo nele me fez suspirar, torcer, vibrar e manter um sorriso bobo do roso. No final, depois de mergulhar em uma leitura gostosa e interrupta (porque sim, eu li o livro direto e só parei quando cheguei na última página), a história de Genevieve e Bowen aqueceu meu coração e entrou para a lista de romances preferidos da vida.
Não leu nada da autora ainda? Então corre dar uma chance, sem dúvida ela irá te surpreender. 
• Sobre a Série •

O Mais Desejado dos Highlanders é o segundo volume da trilogia Montgomery e Armstrong. Os livros narram às aventuras das famílias Montgomery e Armstrong (dois clãs inimigos) e cada livro narra a história de amor de um casal diferente.
No Brasil a Editora Universo dos Livros já publicou os dois primeiros volumes. (Resenha do primeiro volume aqui).
Beijos,


Participe Aqui

Comentários via Facebook

13 comentários:

  1. Pah!
    Ai que vontade de ler mais esse livro da Maya.
    Adoro a forma como ela faz toda ambientação de seus livros, sem contar com os temas: recomeço, cura e perdão.
    Muito curiosa.
    “ O amor é a sabedoria dos loucos e a loucura dos sábios.” (Samuel Johnson)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

    ResponderExcluir
  2. Quando você disse romance de época minhas orelhas já ficaram em pé, eu nunca li um romance de época dessa escritora embora eu tenha o primeiro volume comprado em uma promoção. Eu imagino como deve ter sido pro cara invadir um ligar e no meio do processo acabar encontrando o amor verdadeiro, literalmente matou dois coelhos numa cajadada só kkk Eu adorei a resenha e vou correr pra poder ler o primeiro volume e poder pegar esse esse. Minha unica reclamação são essa capas estranhas.

    ResponderExcluir
  3. Katharine Emídio11 de abril de 2017 20:02

    Pah, eu amei muito!! Eu sou apaixonada por essa autora, a sua narrativa é magnífica, envolvente e que me prende do início ao fim. Com toda a certeza irei ler essa série e vou começar já. Sou louca por Romances de Época <3 Super Beijo

    ResponderExcluir
  4. Olá Paola !!!
    Romances de época como a obra da autora merece ser lido, espero então conhecer a trilogia que tanto encanta as pessoas, ainda mais reflexivo, e a forma de como ela descreve as características dos protagonistas.
    Adorei, abraços!!!

    ResponderExcluir
  5. Mais um pra lista, leio muitos clássicos, mas adoro ler romances bacanas assim no meio de tudo, senão acabo pirando rsrs, bjo!!
    https://cafeeclassicos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá, Pah!!
    Não conhecia a autora, mas pelo visto seus livro são incríveis, pois esse eu amei, e ainda lendo pela sua resenha, que sempre deixa a história mais especificada.
    Que romântico encontrar seu amor no meio de uma correria, amo isso.
    Queria ler antes o primeiro volume, mas...
    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia esse livro, mas já fiquei louca para ler! Tem cara de ser ótima.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Pah
    Comprei o primeiro livro na Bienal e até hoje não li. Sofrendo com essa resenha pra lá de positiva! Curiosa por esse tema central, mas sabendo que há recomeço e perdão já imagina-se que deve valer mesmo muito a pena.
    Adoro quando esses romances fazem a gente suspirar! Preciso começar a trilogia logo!

    ResponderExcluir
  9. Olá Pah, amei sua resenha, a historia me pareceu linda, nunca li nada dessa autora mas com certeza irei procura para ler...um belo romance!

    ResponderExcluir
  10. Oi Paola, estou cada vez mais apaixonada por romances de época, suas resenhas sempre me fazem querer ler mais e mais. Minha lista só esta aumentando, adorei a história desse livro, muito interessante. A única coisa que não gostei foi da capa, não curto capas que mostrem as pessoas reais, gosto mais quando são desenhos, ou pinturas. Mas mesmo assim vou comprar o livro pra ler.Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Oi Paola! Adorei a resenha!
    Fiquei encantada com essas capas lindas! (as brasileiras, pelo menos, porque não gostei nem um pouco das originais hehehe)
    Ainda não li nada da autora, mas gostei muito da premissa do livro e das reflexões que a história parece proporcionar. Vou adicionar essa série nas minhas metas de leitura :)
    Bjos!

    ResponderExcluir
  12. Também sou fã da Maya a um tempo, mas não li nada de época dela ainda. Gostei muito da resenha e imagino como seja para uma mulher viver com esse clã, sempre pressa e até invisivel as vezes. Agora fiquei querendo não só esse mas todos os livros da série

    ResponderExcluir
  13. Oi Pah.
    Eu também depois desse livro passei a admirar ainda mais o trabalho dessa autora, ela é incrível escrevendo e a forma como ela lidou e criou os personagens foi impressionante, me apaixonei pelo mocinho e sofri junta com nossa mocinha, simplesmente adorei.
    Bjs.

    ResponderExcluir

Resenhas

© Livros & Fuxicos – Desenvolvimento com por Subir