[Resenha] A Elite - Kiera Cass

A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Só uma se casará com o príncipe Maxon e será coroada princesa de Illéa. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Quando ela está com Maxon, é arrebatada por esse novo romance de tirar o fôlego, e não consegue se imaginar com mais ninguém. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto, dominada pelas memórias da vida que eles planejavam ter juntos. America precisa de mais tempo. Mas, enquanto ela está às voltas com o seu futuro, perdida em sua indecisão, o resto da Elite sabe exatamente o que quer — e ela está prestes a perder sua chance de escolher. E justo quando America tem certeza de que fez sua escolha, uma perda devastadora faz com que suas dúvidas retornem. E enquanto ela está se esforçando para decidir seu futuro, rebeldes violentos, determinados a derrubar a monarquia, estão se fortalecendo — e seus planos podem destruir as chances de qualquer final feliz.
Fantasia Distópica || 360 Páginas || Cortesia Editora Seguinte|| Skoob || Compare & Compre|| Classificação: 5/5
A Elite é o segundo volume da trilogia A Seleção; universo distópico que apresenta ao leitor trinta e cinco garotas – de beleza, personalidade e castas diferentes – lutando para conquistar o coração do príncipe Maxon e como consequência, tornarem-se merecedoras do posto de futura rainha de Illéa. Indo além do concurso para a coroa, A Seleção revela a realidade social dura desse país, a tamanha disparidade social que aflige a população, o desagrado dos rebeldes, o controle autoritário dos governantes e principalmente, a verdadeira intenção por trás do processo da Seleção. Assim, em meio a vestidos deslumbrantes, encontros sorrateiros pelo jardim, chás e obrigações frívolas, e claro muito romance, seis jovens permanecem na disputa, e como já é de se esperar, com um grupo reduzido como esse dificilmente os segredos permanecerão ocultos. Verdades virão à tona, o certo passará a ser duvidoso, amizades serão testadas, e um momento de hesitação ou uma decisão tomada por impulso poderá causar infinita dor e devastação. Você acha que o que está em jogo é apenas o futuro dessas jovens, mas o que realmente determina as apostas é o destino da nação.
“– Não, não nasci para ser soldado. Mas – continuou, voltada para Gavril –, se há uma coisa que aprendi na Seleção é que algumas garotas possuem um instinto assassino assustador. Não se deixem enganar pelos vestidos de festa – completou, sorrindo.”

A continuação de A Seleção era, sem dúvida, uma das leituras de 2013 que eu mais ansiava. Existe algo na escrita da autora, uma realidade subjetiva que nos abocanha com fervor, algo misterioso, implícito, até mesmo grandioso, que faz da trilogia mais do que ela aparenta ser. Tudo nos livros da Kiera Cass, tanto em A Seleção como em A Elite, gira em torno da “vida de princesa” das candidatas a rainha, entretanto, é como se cada uma das situações narradas tivessem um sentido oculto, algo que se, por um acaso, tomasse um rumo inesperado, poderia impulsionar uma guerra. E esse sim, é o grande charme dessa saga. Os clichês juvenis, as dúvidas, os bailes, os vestidos, tudo pode ser previsível diante dos olhos de leitores mais críticos, contudo o teor político da trama é puro e inesperado. E o grande ponto é que, vi tal elemento surgir de forma crua durante a narrativa em A Seleção, me deleitei ao ver que ele foi aprofundado em A Elite, e não tenho dúvidas de que em The One (último livro da trilogia, previsto para 2014) ele finalmente ditará o rumo final da trama.
Tenho que salientar um ponto que se fez constante em minha mente durante a leitura de A Elite (leitura que por sinal durou pouco mais de quatro horas quase interruptas... pois é, não sei o que essa autora faz, mas nunca consigo parar de ler seus livros). Com o aprofundamento do teor político da narrativa senti que ela se aproximou demais da saga Jogos Vorazes. Eu sei, parece loucura, afinal o que algumas jovens “trancadas” em um castelo, comendo bem e recebendo o tratamento digno de uma rainha, teriam de semelhante com jovens jogados em uma arena para matarem uns aos outros pela simples desculpa de divertir milhares de pessoas? Tais universos são bem mais parecidos do que ouso dizer, e no meu caso essa característica foi fundamental para me deixar maravilhada com a leitura de A Elite. É lógico que as sagas anteriormente comparadas são em todo diferentes, mas digamos que o aspecto fundamental de cada uma delas é extremamente similar.
Contudo, já saliento que não podemos ler A Elite esperando algo essencialmente político e aventureiro, o foco ainda é o romance e a disputa pelo coração de Maxon. Sobre isso, tantos segredos são revelados, muitos dos quais me deixaram surpresa e emocionada; e a disputa finalmente se tornou uma disputa, isso porque enfim nossa protagonista, a America, se dá conta do que está em jogo. E nesse ponto, compreendi o rumo que a autora tomou, mesmo que para isso acompanhamos uma America insegura, impertinente, ciumenta e extremamente dividia. Eu já disse que não sou fã de triângulos amorosos, e a indecisão de America nesse aspecto me irritou; talvez seja porque eu já sei de quem é o meu coração, ou talvez pelo simples motivo de achar que a atitude da jovem é errada; o fato é que, quase nutri uma antipatia por ela, e acatei e respeitei cada uma das consequências que ela precisou enfrentar por causa de suas indecisões. Afinal, toda causa gera um efeito, não é mesmo?
Eu sei que vocês esperam mais detalhes sobre o livro, mas vou me ater os sentimentos gerados pela leitura. Estou ainda mais apaixonada pelo Maxon e pelo pai da America, acho que sempre quis uma relação paterna assim, de compreensão e mútua confiança, além disso, estou orgulhosa das escolhas feitas pela jovem protagonista e por isso, posso dizer sem medo que estou torcendo verdadeiramente por ela e pelo caminho que decidiu seguir. Mas o que me deixa ansiosa pelo próximo e último livro dessa trilogia, o que me deixou acordada quase uma hora após o término dessa leitura, foi o que ainda está por vir. Fiquei refletindo sobre os possíveis desentendimentos, sobre as futuras batalhas e sobre a guerra que se aproxima... temo o futuro de America, mas ao mesmo tempo anseio por ele.  Esse livro ascendeu a chama da esperança e não vejo a hora de comprovar e compreender a grandiosidade do que está por vir.
Sem dúvidas, adorei o livro. A narrativa intensa da autora, seus personagens, sua sociedade... estou depositando todas as minhas fichas na conclusão dessa trilogia e é quase certo que não vou me decepcionar!
Quotes:
Não era como se a minha presença fizesse o mundo dele mais feliz. A sensação que eu tinha era de ser o mundo dele. Não havia explosões. Não havia fogos de artifício. Era uma chama lenta, queimando de dentro para fora.
 “(...) mas a verdade é... (...) – que só existe você. Talvez eu não esteja procurando de verdade, talvez elas não sirvam para mim. Não importa. Só sei que quero você. E isso me assusta.”
 “–É a coisa mais maravilhosa e terrível que pode acontecer com você – afirmou com simplicidade. – Você sabe que encontrou algo incrível e quer levá-lo para sempre consigo. E um segundo depois de ter aquilo, você fica com medo de perder. (...) O amor é um medo belo.”
Capas pelo Mundo:

 



11 comentários:

  1. Parabéns pela resenha Pah! Já li A Seleção e curti bastante, apesar de não ter simpatizado tanto com o núcleo masculino da história. Em compensação, amei A Elite! Tudo que faltou no livro anterior encontrei de sobra neste. Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Pahhhh, vou pular a resenha por enquanto tá?! Não quero saber de nadica enquanto não terminar o livro.. kkkk assim que acabar volto aqui, combinado?! kkk To quase roendo as unhas, quase desfaleci com aquela cena da Merlee. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  3. Estou contando o dias para ler A Elite desde que terminei A Seleção ano passado, mas quando finalmente lançou, acredita que eu fui deixando pra lá? Mas depois dessa resenha entusiasmada fiquei curiosa para saber o futura da America agora, porque se ela não quiser o Maxon, eu quero! rsrs.

    Beijos
    letrasecupcakes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. OI Pah!
    Sabe que eu demorei para comprar e ler A seleção, mas depois que o fiz fiquei viciada, sério. Li sem parar e em seguida já engatei no livro o conto, O príncipe e Elite. Ameiii.
    O livro é muito bom mesmo e eu tbm estou mega curiosa pelo final.
    Adoreii sua resenha*

    No domingo passado teve evento de Elite aqui na minha cidade, foi muito bom e meu grupo ganhou a gincana. o/

    Beijos*
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Bem comecei a ler A Elite ontem mais ja estou adorando muito. Bem concordo com você eu também não gosto de triângulo amoroso por acho que a protagonista tem sim que escolher alguem . Também ja tenho meu favorito que ganhou meu coração ja em a Seleção. Espero terminar a leitura esse final de semana . Ah adorei a resenha. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Ai Pah! Estou amando esta trilogia, terminei de ler A Elite e fiquei querendo mais, não vejo a hora de lançarem o terceiro!
    5/5 estrelas para A Seleção e para A Elite ;)

    ResponderExcluir
  7. Pronto, voltei aqui!! Acabei de ler A Elite agora, to passada com farofa. Como assim terminou daquele jeito?! Preciso saber o que vai acontecer urgente.. que agonia!! kkkkk Apesar das qualidades da America continuarem lá presente (seu senso de justiça, sua generosidade, personalidade, etc) ficaram mais ofuscados pelo mimimi que ela fez no livro todo. Detesto triângulos amorosos e indecisões infinitas. Acho uma chatice as mudanças todas de opinião e sentimento, apesar de que sei que nós garotas somos assim mesmo quando estamos apaixonadas, mas queria que as coisas fossem logo para os finalmentes sabe.
    O livro teve muitos altos e baixos e me deixou a beira dos nervos, quando algo bom acontecia, algo ruim surgia logo depois. Detestei aqueles diálogos inacabados por causa das interrupções, mas sei que foram necessários para nos deixar aflitos e curiosos. E não tenho nem ideia sobre o que está por trás dos ataques dos rebeldes, estou no escuro. Você conseguiu criar alguma teoria Pah?
    Bom, amei o livro na mesma intensidade em que me irritei profundamente com ele.. kkk
    Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  8. Oi! Sou fã dos livros, e estava ansiosa por A Elite! Posso dizer que fiquei satisfeita com o livro, mas a America me irritou tanto, mas tanto... É muita indecisao pra uma pessoa so meu Deus! Já nao curtia o Aspen, nesse livro não sabia se odiava mais ele ou o rei! E Maxon como sempre me fazendo suspirar, mas [SPOILER] não engoli aquela desculpa dele com a Celeste. Todas as explicaçoes dele fizeram sentido pra mim, e entendi o que ele fez, mas isso nao. Minha primeira decepçao com nosso principe!

    Um beijo
    escolhasliterarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oie Pah!!!

    Concordo com tudo que vc falou... esse livro se aproximou mais do universo distópico, sem deixar de focar no romance. Você também é Team Maxon? Que linda!!!!!!!!!!!! *-*
    Estou ansiosa pela continuação e para saber quem levará o coração de America... o problema é esperar até ano que vem! =(
    Beijos,
    Nica

    Drafts da Nica

    ResponderExcluir
  10. Boa noite, Pah!

    Sua resenha expressou tudo o que senti ao ler "A Elite"! Desde o começo deste ano criei o hábito de ler blogs sobre livros - Livros & Fuxicos está no meu roteiro semanal - e de tanto falarem bem de "A Seleção", comprei este e o segundo no mesmo dia. Admito que fiquei com o pé atrás, por já suspeitar da semelhança com "Jogos Vorazes", mas a história de América me conquistou! Super estou ansiosa por "The One"! O triângulo amoroso me intriga, pois os dois rapazes são apaixonantes. Só espero que a escolha de América não seja por causa da morte de um dos dois... E adorei/odiei Maxon *Spoiler* tirando uma casquinha das demais candidatas! Ele ficou mais real! Quanto à questão político-social, espero que a autora não me decepcione.
    Segurei-me ao máximo para ler devagar. Dá para matar os dois livros brincando em um final de semana, e ainda sobra tempo para ler "O príncipe". Fiquei curiosa para ler "The Siren".
    Enfim, aproveito o ensejo para agradecer pelas sugestões de leitura! Dos quase 20 livros que li este ano, acredito que metade deles consultei este blog, quer atrás de opinião, quer porque a resenha do livro me chamou a atenção.

    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi Pah!
    Estou muito ansiosa para ler esse livro!
    Só que estou um pouco receosa, também não gosto muito de triângulos amorosos, e essa indecisão da America já me incomodou no primeiro livro.

    Adorei a resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir